Navegando Posts marcados como Ranielli

Santos 1 x 2 Guarani

Data: 27/04/1995, quinta-feira, 21h40.
Competição: Campeonato Paulista
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 6.218 pessoas (5.282 pagantes e 936 não pagantes).
Renda: R$ 42.387,00
Árbitro: Dionísio Roberto Domingos (SP).
Auxiliares: Válter José dos Reis e Ednílson Corona (ambos de SP).
Cartões amarelos: Marcos Paulo e Demétrios (S); Nélio, Cláudio e Valmir (G)
Cartões vermelhos: Narciso (S) e Nélio (G) aos 33-2.
Gols: Ranielli (07-1); Cláudio (17-2) e Leto (47-2).

SANTOS
Edinho: Silva, Marcelo Fernandes, Narciso e Marcos Paulo; Gallo, Carlinhos, Ranielli (Cerezo) e Marcelo Passos (Camanducaia); Macedo (Demétrios) e Jamelli.
Técnico: Joãozinho Rosa

GUARANI
Hiran; Marcinho, Cláudio, Valmir e Dedé; Fernando, Valdeir, Fábio Augusto e Uéslei (Leto); Fabinho e Nélio.
Técnico: Pepe



Guarani bate o Santos em plena Vila Belmiro

O Guarani derrotou o Santos por 2 a 1, ontem à noite, na Vila Belmiro. Com o resultado, o time da casa fica em terceiro lugar, com 32 pontos, atrás de Corinthians, com 33 e São Paulo, com 37. O Guarani continua em sexto, agora com 30 pontos.

A partida começou movimentada. O Santos, que sofreu pressão do Guarani nos instantes iniciais, abriu a contagem aos 7min. O meio-campista Carlinhos chutou forte de fora da área e Ranielli desviou de cabeça, anotando 1 a 0 para a equipe da casa.

Após o gol, o Guarani voltou para o ataque, criando algumas boas oportunidades para empatar.

O goleiro Edinho, do Santos, foi o principal destaque do time na etapa inicial. Aos 39min, ele evitou o empate ao espalmar para escanteio forte chute de Nélio, do Guarani.

O técnico Joãozinho pediu para o Santos pressionar mais no segundo tempo, porém, o time de Campinas é que atacou mais na etapa final. Nos primeiros dez minutos, o Guarani perdeu três gols.

Aos 15min, Uéslei quase empatou de fora da área, mas Edinho espalmou para escanteio.

O gol do Guarani foi marcado por Cláudio, cobrando falta, aos 17min. Edinho chegou a tocar na bola, mas não evitou o empate.

Em seguida, o lateral Marcinho marcou o segundo gol do Guarani, mas o árbitro anulou, alegando que ele tocou com a mão na bola.

Aos 47min do segundo tempo, o Guarani aproveitou que Edinho estava sentindo uma contusão e Leto marcou 2 a 1, chutando a bola no canto direito do goleiro.

O jogador Marcos Paulo, do Santos, recebeu o terceiro cartão amarelo e não irá enfrentar o Corinthians, domingo, na Vila Belmiro. Narciso, que foi expulso com Nélio, do Guarani, também não disputará o clássico.



Ranielli joga hoje pelo Santos contra Guarani

Com Ranielli no lugar de Giovanni, convocado pela seleção brasileira, o Santos enfrenta hoje o Guarani, na Vila Belmiro.

A ausência de Giovanni e a possibilidade de que o Guarani atue recuado levaram o técnico Joãozinho a mudar o estilo de jogo.

No primeiro turno, o Santos venceu o Guarani, em Campinas, por 3 a 1, com dois gols de Giovanni.

“Ele é um jogador que desequilibra. Vamos tentar superar sua ausência fazendo com que os atacantes do Santos joguem sem posição fixa, para confundir a defesa adversária”, disse Joãozinho.

Marcelo Passos e Jamelli serão os jogadores de meio-campo responsáveis pela armação ofensiva. “O importante é dar agilidade ao time, principalmente no ataque”, disse Marcelo Passos.

Além das mudanças no setor ofensivo, Joãozinho quer evitar surpresas na defesa. Com isso, a função dos volantes Gallo e Carlinhos não sofrerá alterações. Gallo permanece fixo frente à defesa, e Carlinhos, além de marcar, terá que apoiar o ataque.


Novorizontino 2 x 1 Santos

Data: 26/03/1995, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista
Local: Estádio Jorge Ismael de Biasi, em Novo Horizonte, SP.
Público: 1.947 pagantes
Renda: R$ 20.338,00
Árbitro: Dalmo Bozzano
Cartões amarelos: Genilson, Luis Carlos e Paulinho (N).
Cartão vermelho Ranielli (S) .
Gols: Paulinho (18-1) e Elder (28-1); Ranielli (26-2).

NOVORIZONTINO
Maurício; Jorge Luís, Walter, Luis Carlos e Denys (Marildo); Élder, Genilson, Marcelo Prates e Geraldo (Pereira); Paulinho e Vital.
Técnico: José Teixeira

SANTOS
Edinho; Rogério (Camanducaia), Marcelo Moura, Narciso e Marcos Paulo; Gallo, Carlinhos, Ranielli e Marcelo Passos; Macedo e Marquinhos (Demétrios).
Técnico: Joãozinho Rosa



Em Novo Horizonte, Santos perde de novo

O Santos voltou a perder no Campeonato Paulista, desta vez por 2 a 1 para o Novorizontino.

O Novorizontino marcou aos 18min. O ponta-esquerda Vital cobrou falta, o goleiro Edinho rebateu e o ponta Paulinho marcou.

Vital, aos 28min, foi à linha de fundo e cruzou. A defesa do Santos falhou e o volante Elder chutou no canto direito.

No segundo tempo, com a entrada de Camanducaia, o Santos melhorou e chegou a ameaçar a vitória do Novorizontino.

Aos 26min, o meia Ranielli cobrou uma falta no ângulo direito do goleiro Maurício. Três minutos depois, foi expulso após falta violenta em Marcelo Prates.



Sem Giovanni, Santos tenta a vitória sobre Novorizontino ( Em 26/03/1995 )

Novorizontino e Santos fazem hoje um jogo decisivo, em Novo Horizonte.

O Santos perdeu sua invencibilidade na quarta-feira (4 a 2 para o Rio Branco) e a precisa vencer para ficar próximo dos líderes do Campeonato Paulista na disputa pelo ponto extra na segunda fase.

Já o Novorizontino está no 13º lugar, apenas um ponto à frente da zona de rebaixamento — no fim da primeira fase, três times são rebaixados.

O Santos vai jogar desfalcado do meia Giovanni, suspenso. O técnico Joãozinho diz que não há motivo para desespero. “Estamos realizando uma boa campanha.”

Ele terá a volta do meia Marcelo Passos, do lateral Marcos Paulo e do zagueiro Narciso, que cumpriram suspensão. O lateral Silva e o zagueiro Maurício Copertino também têm chance de voltar.

No Novorizontino, o técnico José Teixeira diz que o time está crescendo: “Conseguimos oito pontos em cinco jogos”.

Teixeira afirma que o objetivo da equipe é ficar entre os sete primeiros do Paulista para garantir uma vaga na segunda fase. “Não podemos fiar pensando apenas em nos livrar dos últimos lugares”.

No Paulista do ano passado, o clube conseguiu o sexto lugar na disputa, atrás de Palmeiras, São Paulo, Corinthians, Santos e América.



Fonte: Estadão

Santos 1 x 1 Portuguesa

Data: 18/03/1995, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 9ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 16.003 pagantes
Renda: R$ 128.410,00
Árbitro: Márcio Rezende de Freitas (MG)
Cartões amarelos: Ildo e Norberto (P).
Gols: Flávio (20-2) e Ranielli (31-2).

SANTOS
Edinho; Silva, Marcelo Moura, Marcelo Fernandes e Marcos Paulo; Carlinhos, Gallo, Giovanni e Marcelo Passos (Camanducaia); Macedo e Demétrios (Ranielli).
Técnico: Joãozinho Rosa

PORTUGUESA
Paulo César; Edinho, Ildo, Gilmar e Carlos Roberto; Norberto, Capitão, Caio e Zinho; Flavio (Betinho) e Paulinho McLaren (Tiba).
Técnico: Candinho



Portuguesa e Santos empatam

Confronto entre a líder e o invicto

A Portuguesa manteve a liderança do Paulista 95 ao empatar ontem com o Santos em 1 a 1. Flávio e Ranielli fizeram os gols da partida que marcou a reabertura do estádio da Vila Belmiro, em Santos. Com o resultado, a equipe santista manteve sua invencibilidade no campeonato, após 9 rodadas.

No primeiro tempo, as duas equipes perderam muitas chances. A primeira finalização errada aconteceu aos 8min. Depois de um cruzamento, o atacante Flávio concluiu de cabeça para fora a primeira chance da Portuguesa.

Um minuto depois, Marcelo Passos chutou a única finalização certa do Santos, mas Paulo César espalmou para escanteio. Depois da cobrança do escanteio, o zagueiro Moura cabeceou para fora.

Aos 12min, o atacante Giovanni domina a bola na pequena área, após cruzamento da direita de Macedo, mas não conseguiu arrematar para o gol adversário. Giovanni erraria novamente, dois minutos depois e outras duas vezes, aos 30min e 43min.

Pelo lado da Portuguesa, Zinho foi o primeiro a acionar o goleiro Edinho, que teve que se esticar todo para poder mandar para fora o chute por cobertura do atacante luso, aos 45 min do primeiro tempo. Antes, Caio, aos 28min e aos 35min, também finalizou sem precisão. O centroavante Paulinho errou aos 20min, depois de bela tabela com Caio.

Macedo teve a melhor chance da equipe santista no começo do segundo tempo. O atacante foi lançado, mas perdeu a bola para a zaga rival perto da meta contrária.

O gol da Portuguesa surgiu cinco minutos depois. Caio cruzou da direita e Flávio subiu para cabecear no segundo pau de Edinho.

Aos 28 min, Marcelo Passos conclui, certo, mas, de novo, Paulo César frustrou as intenções santistas.

O gol de empate foi feito por Ranielli, que arrematou uma bola na pequena área, depois de uma sobra de bola após cruzamento de Macedo, aos 31min.

A última oportunidade da partida aconteceu, aos 43min, Ranielli cobrou uma falta na trave direita de Paulo César.

Já nos descontos, o juiz Márcio Rezende de Freitas anulou um gol legítimo da Portuguesa.

Empate satisfaz Santos e Portuguesa

Erros nas finalizações, erros do juiz Márcio Rezende de Freitas e falhas do goleiros Edinho levaram jogadores e técnicos de Portuguesa e Santos a avaliar como “bom” o empate de 1 a 1.

Para o Santos, o empate teve sabor de vitória. O time, que no segundo tempo foi vaiado pela torcida, reconheceu que voltou a cometer falhas no ataque e na defesa.

No vestiário da Portuguesa, o clima era um misto de euforia pelo empate na casa do adversário e críticas ao desempenho do árbitro.

“Se ele (o juiz Márcio Rezende de Freitas) não tivesse anulado inexplicavelmente o nosso segundo gol, teríamos vencido”, disse o centroavante Flávio, autor do gol da Portuguesa.

O meio-campista Caio disse que o empate foi bom. “Mas, se não fosse o juiz, poderíamos ter saído da Vila, onde o Santos é quase imbatível, com uma vitória.”

No vestiário do Santos, o jogador Ranielli -autor do gol de empate- reconheceu que o resultado foi bom para o Santos.

“A Portuguesa, taticamente, jogou muito bem. O empate de hoje (anteontem) até que acabou sendo um bom resultado”, avaliou.

O goleiro Edinho, que em nove jogos sofreu oito gols, dos quais cinco de cabeça, criticou o desempenho da defesa. No segundo tempo, foi vaiado pela torcida.

“A zaga está dando muita facilidade para o adversário cruzar as bolas sobre a nossa área. Isso precisa ser corrigido”, disse.

Os gols perdidos pelo time, em especial no primeiro tempo, também mereceram críticas. Para o ponta-direita Macedo, “os atacantes abusaram do individualismo”.

O meia Giovanni, que no primeiro tempo perdeu quatro oportunidades de gol, não concordou com a avaliação de Macedo. “Acho que não houve excesso de individualismo. Simplesmente não dá para acertar todas. Se não, seria 10 a 0 para nós”, afirmou o jogador.

Para Giovanni, o juiz prejudicou o Santos. “No primeiro tempo, eu fui calçado na área e ele não marcou o pênalti. Ele não deu porque estava zero a zero. O juiz nos prejudicou”, avaliou o jogador.

Segundo o meio-campo Carlinhos, o Santos jogou “60% do que sabe”. O consolo, segundo Carlinhos “é que pelo menos continuamos invictos”, afirmou.



Reabertura de estádio motiva santistas

O clima de euforia pela reabertura da Vila Belmiro tomou conta dos jogadores do Santos. Mesmo com três desfalques (os zagueiros Maurício Copertino e Narciso e o atacante Jamelli), a equipe espera uma vitória hoje.

“Até um empate amanhã (hoje) terá sabor de derrota para nós”, disse o meia Marcelo Passos, artilheiro do time com sete gols.

No último jogo, contra o Corinthians, o atacante, pela primeira vez no Paulista, não marcou nenhum gol. Até então tinha feito um gol em cada partida.

“Além da vitória, a minha maior motivação é marcar gols e continuar lutando pela artilharia do campeonato”, afirmou Marcelo Passos.

O fato de o time estrear hoje o novo gramado do estádio da Vila Belmiro, fechado há três meses para reforma, trouxe uma motivação extra para os jogadores.

Após o último treino, ontem de manhã, o goleiro Edinho chegou a reclamar dos reservas, que continuaram a bater bola no campo. “O gramado está muito bom, principalmente para os goleiros, que não terão problemas de buracos ou falta de grama na pequena área”, disse o goleiro Edinho.

Na defesa, que teve a atuação elogiada pelo técnico Joãozinho no empate contra o Corinthians, Narciso (expulso) será substituído por Moura.

Maurício Copertino, com uma torção no joelho esquerdo, foi vetado pelo departamento médico e vai ficar um mês fora do time. Em seu lugar entra Marcelo Fernandes.

“Não haverá problema de entrosamento. Eu e o Moura treinamos juntos no time reserva”, disse o zagueiro.

O único cauteloso é o técnico Joãozinho. Ele teve que fazer mudanças táticas no time, devido à saída de Jamelli, que recebeu o terceiro cartão amarelo. “O Jamelli ajuda muito o meio-campo. No seu lugar entra o Demétrios, que não tem o costume de voltar para ajudar na marcação”, explicou Joãozinho.

Por isso, Marcelo Passos e Giovanni terão que ficar mais presos ao meio-campo. O técnico Joãozinho gostaria de liberar mais os dois para o ataque.

A Portuguesa é líder isolada com 18 pontos, um fato que não acontece há muito tempo. O Santos e o São Paulo são líderes por pontos perdidos (ambos perderam 8 pontos na competição). O Santos chega à 10ª rodada como o único invicto da Série A-1.

Jogo reabre a Vila Belmiro

Depois de mais de dois meses fechado para reformas no gramado, a Vila Belmiro vai ser reaberta hoje. Até agora, o Santos vinha mandando seus jogos no estádio da Portuguesa Santista e no Morumbi.

A reforma no gramado teve duas causas: a exigência da Federação Paulista de Futebol sobre a qualidade dos campos que fossem servir de palco para os jogos da Série A-1 e uma partida contra o Vasco pelo Campeonato Brasileiro do ano passado.

Naquele jogo, o Vasco conseguiu que a partida fosse realizada no Pacaembu, em São Paulo. O Santos venceu por 3 a 0 e os jogadores saíram elogiando o gramado do estádio paulistano. Após o jogo, alguns deles declararam que preferiam jogar num gramado melhor, mesmo ficando mais longe da torcida.

A reforma do gramado faz parte de um plano maior de reestruturação do clube que tem como símbolo o ministro extraordinário dos Esportes, Pelé. Entre os projetos, estão a construção de um Centro de Treinamento, a ser iniciado este ano.

Carlinhos volta com o ‘piano’

O meia Carlinhos volta hoje ao time do Santos, após cumprir suspensão. O seu estilo, aliado ao preparo físico (um dos melhores do time), fez com que ele se firmasse como titular. “Aqui no Santos, eu sou o carregador de piano.”

Para o jogo de hoje, que reabre a Vila Belmiro, não admite nem um empate. “Festa sem uma vitória nossa não é festa.”

Repórter – Sem você, o Santos não venceu nem o Juventus, nem o Santos. O meio-campo do time se perde sem sua presença?
Carlinhos – Talvez sinta a falta de um jogador que procura aliar técnica com garra. Aqui no Santos eu sou o carregador de piano.

Repórter – Como o Santos vai jogar?
Carlinhos – Vamos atacar sempre. Uma vitória é fundamental para chegar à liderança e também porque jogamos pela primeira vez em casa.

Repórter – Um empate com a líder do Paulista é bom?
Carlinhos – Não quero nem saber disso. O Santos está em festa pela reabertura do estádio. Festa sem uma vitória nossa não é festa.



Fonte: Estadão

Santos 3 x 0 Guarani

Data: 26/11/1994, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 2ª fase – Grupo F – 15ª rodada (última)
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Publico: 5.416 pagantes
Renda: R$ 28.567,00
Árbitro: Dalmo Bozzano (SC)
Cartões amarelos: Silva, Gallo e Índio (S); Guilherme e Fernando (G).
Gols: Macedo (17-1) e Ranielli (24-1); Guga (38-2, de pênalti) .

SANTOS
Gilberto; Índio, Júnior, Marcelo Fernandes e Silva; Gallo, Carlinhos, Giovanni (Cerezo) e Ranielli (Marcelinho); Macedo e Guga.
Técnico Joãozinho

GUARANI
Hiran; Marcinho Rocha, Reginaldo, Cláudio e Guilherme; Fernando, Sandoval, Valdeir (Leonardo) e Júlio César; Tarcísio e Edu Lima.
Técnico: Carlos Alberto Silva



Eficiência no meio garante vitória santista

O Santos foi superior ao Guarani em todos os aspectos no jogo de anteontem e justificou amplamente sua vitória por 3 a 0.

Segundo o levantamento do Datafolha, o time da Vila Belmiro acertou mais passes, fez mais desarmes e finalizou melhor que seu adversário. Os números mostram que o Santos não sentiu a ausência de Neto, afastado por deficiência técnica, no meio-campo.

Os volantes Gallo e Carlinhos e os meias Ranielli e Giovanni comandaram a goleada santista.

Gallo foi o maior destaque. Fez 34 passes certos e realizou 18 desarmes. Carlinhos, com 37 passes certos e oito desarmes, também se destacou.

Valdeir, volante do Guarani, deu apenas 19 passes certos e acabou substituído por Leonardo.

O meio-campo do Santos também não hesitou em cometer mais faltas para conter o rápido ataque do Guarani: fez 20 contra 14.

O lateral Índio foi outro que se destacou entre os santistas. Deu 43 passes certos e desarmou 25 vezes.

Nas finalizações, houve aparente equilíbrio. O Santos acertou oito vezes o gol e o Guarani nove.

Mas o time da Vila foi outra vez mais eficiente. Errou só dois chutes. O Guarani finalizou 11 vezes de maneira errada.

O ponta-esquerda Edu Lima foi praticamente o único que tentou reverter o marcador para o time de Campinas. Finalizou nove vezes e acertou seis. Mas o goleiro Gilberto esteve muito bem e assegurou o resultado para o Santos.

No Santos, Macedo foi quem mais chutou: três vezes. Fez um gol e desperdiçou os outros dois.

Joãozinho fica no Santos até o fim do ano

O diretor José Paulo Fernandes disse que o técnico Joãozinho, 38, fica no Santos até o final do ano. “Só depois vamos decidir sua situação”.

Joãozinho assumiu o time no lugar de Serginho. Desde então, o Santos teve duas vitórias e uma derrota.

No sábado, o técnico santista disse que o meia Neto seria uma opção para o time para disputar as quartas-de-final do Brasileiro. “Depende dele. Eu o tirei do time simplesmente por motivo técnico”, afirmou.

Neto foi barrado do jogo contra o Guarani. Ranielli entrou em seu lugar e fez um dos gols da vitória de 3 a 0.

O técnico substituiu Neto nas duas partidas anteriores do Santos. Contra o Fluminense, no Maracanã, a substituição aconteceu ainda no primeiro tempo.
Na última sexta-feira, Neto chegou à Vila Belmiro depois de encerrado o treinamento para o jogo contra o Guarani. O técnico Joãozinho cortou o jogador até da concentração.

Neto chegou ao Santos comprado ao Atlético Mineiro por US$ 450 mil mais o lateral-direito Dinho.

No jogo de sábado, o destaque santista foi o atacante Macedo. Ele marcou o primeiro gol, participou do segundo e sofreu o pênalti do terceiro.
A vitória também teve participação especial do goleiro Gilberto, que fez grandes defesas.

Em uma cobrança de falta por Edu Lima, Gilberto evitou que a bola entrasse no ângulo direito. Em outro lance, defendeu um chute de Júlio César de dentro da área.

No segundo tempo, o goleiro foi menos exigido, porque o Guarani, desfalcado dos principais atacantes, já não mostrava força para reagir.

Macedo pode ir para a Alemanha

O atacante Macedo, 24, artilheiro do Santos no campeonato com oito gols, pode deixar o clube. O empresário grego naturalizado alemão, Strato Cristou, esteve na Vila Belmiro no sábado para observar o jogador.

Cristou representa os clubes alemães do Bayern Leverkusen e Shalk-04. O empresário disse que pretende ver também outros jogadores brasileiros, entre eles Cafu, do São Paulo, Mirandinha, do Paysandu, e Claudinho, da Ponte Preta.

O diretor do Santos, José Paulo Fernandes, disse que Macedo não sai por menos de US$ 1,5 milhão. O jogador fez o primeiro gol do Santos na vitória contra o Guarani e sofreu o pênalti que originou o terceiro gol, marcado por Guga.

Macedo disse não saber que estava sendo obervado pelo empresário, mas afirmou que pode voltar ao exterior.

O ponta foi emprestado ao Cadiz, da Espanha, quando era do São Paulo. Atuou em nove jogos e marcou cinco gols. “Estava bem, mas senti falta da família e decidi voltar. Agora, se surgir a oportunidade, volto para a Europa”, disse Macedo.

Macedo está há menos de um ano no Santos. Ele veio do São Paulo, junto com Gilberto e Dinho, em uma troca envolvendo o volante Axel.


26/11/1994 – Santos afasta o meia Neto contra ao Guarani

O Santos não terá o meia Neto para enfrentar o Guarani, às 16h na Vila Belmiro. O jogador foi afastado pelo técnico Joãozinho por insuficiência técnica.

“Achei essa decisão uma palhaçada. Estou correspondendo. Parece que eles estão querendo arrumar um culpado pelas últimas derrotas. Com isso, minha permanência aqui fica difícil”, disse Neto.

Segundo Joãozinho, Neto foi afastado “por não estar correspondendo em campo ao que se esperava dele”. O técnico afirmou que assume a responsabilidade pela saída de Neto da equipe.

Ontem, o diretor de futebol, José Paulo Fernandes, manifestou apoio à decisão do técnico. “O Santos não depende do Neto para ganhar os jogos”, disse. Neto foi contratado pelo presidente afastado Miguel Kodja Neto. Na ocasião, em agosto deste ano, Pelé criticou o negócio, afirmando que Neto não se enquadrava na política de renovação proposta.

No campeonato, Neto atuou em 15 dos 24 jogos até aqui disputados pelo Santos, marcando três gols. Em 22 de outubro ele foi afastado do time por deficiência.

Em seu lugar volta Ranielli. Com ele no time o Santos conseguiu as suas maiores goleadas no campeonato –venceu o Cruzeiro e o Remo por 4 a 1.

“Hoje é tudo ou nada. Para nós, só a vitória interessa. Estamos encarando esse jogo como uma final de campeonato”, disse Ranielli.

O técnico Joãozinho escalou uma equipe ofensiva para hoje. Só a vitória mantém o time com chances de classificação. O ataque será formado por Macedo –artilheiro do time com sete gols– e Giovanni e Guga atuando pela ponta-esquerda. Ranielli também atuará ofensivamente.

Os jogadores do Santos decidiram dar o possível bicho –prêmio por vitória– da partida de hoje contra o Guarani para os jogadores do Internacional de Porto Alegre. Os dois pontos hoje frente ao Guarani valeriam, a cada jogador santista, R$ 1.000,00. O Internacional joga hoje em seu estádio, o Beira-Rio, Porto Alegre, contra o Botafogo.

Para que o Santos se classifique, ele necessita vencer o Guarani e torcer para que o time carioca perca o jogo para o Inter.

O “negócio” foi viabilizado quando os dois times se encontraram no aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, no último dia 22. O Inter se preparava para embarcar para São Paulo onde enfrentou o Palmeiras. O Santos chegava para enfrentar o Grêmio.


Remo 1 x 4 Santos

Data: 25/09/1994, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – Grupo C – 10ª rodada
Local: Estádio Mangueirão, em Belém, PA.
Público: 2.068 pagantes
Renda: R$ 19.439,00
Árbitro: Wilson de Souza Mendonça (PE).
Cartões amarelos: Júnior e Cuca (R); Edinho, Júnior, Guga, Gallo e Giovanni (S).
Cartões vermelhos: Belterra (37-1) e César Carioca (06-2).
Gols: Chicão (07-1), Macedo (27-1); Ranielli (07-2), Paulinho Kobayashi (15-2) e Guga (16-2).

REMO
Clêmer; César, Belterra, Toninho Carlos, Júnior; César Carioca, Alencar, Helinho e Cuca; Chicão (Mazinho) e Rogerinho (Flávio).
Técnico: Rubens Galaxe

SANTOS
Edinho; Índio, Júnior, Marcelo Fernandes e Silva; Dinho (Serginho Fraldinha), Gallo, Ranielli (Giovanni) e Paulinho Kobayashi; Macedo e Guga.
Técnico: Serginho Chulapa



Santos ganha o jogo, mas não o ponto extra

O jogador Neto não atuou pelo Santos contra o Remo, conforme foi afirmado neste texto. Quem jogou foi Ranielli. Também foram omitidas duas substituições no time santista: entraram Serginho e Giovanni.

O Santos goleou o Remo por 4 a 1 ontem no estádio Mangueirão, em Belém (PA). Foi a primeira vitória do time santista fora de casa. Apesar da goleada, o Santos não conseguiu o ponto extra. O time dependia de uma derrota do Guarani, que venceu o Cruzeiro por 2 a 1.

Embalado pela torcida e precisando de uma vitória para escapar da repescagem, o Remo marcou primeiro, com Chicão aos 6min do primeiro tempo.

O empate veio aos 27min, com um chute do atacante Macedo de fora da área.

Depois do empate, o Santos começou a pressionar. Com a expulsão do zagueiro central Belterra, aos 35min, o Santos passou a dominar totalmente o jogo.

A virada aconteceu aos 7min do 2º tempo, em uma falta bem cobrada por Ranielli.

Depois, em dois rápidos contra-ataques, o Santos definiu o placar. Paulinho Kobayashi marcou aos 15min e Guga fez o seu um minuto depois.

O técnico Serginho disse que os dois principais motivos para a vitória do Santos foram a traquilidade e a “pegada” do time no meio de campo. “Quando estávamos perdendo, o time teve tranquilidade para trabalhar as jogadas. Outro fator foi a forte pegada do nosso meio-campo”, afirmou Serginho.

Após o jogo, torcedores do Remo quiseram apedrejar carros de jogadores por causa da má atuação do time. Foi a sétima derrota do time no campeonato. A polícia reforçou a segurança, colocando 200 homens para dispersar os torcedores e proteger o elenco do Remo.



OS GRUPOS DA SEGUNDA FASE

Grupo E
Corinthians
São Paulo
Grêmio
Portuguesa
Guarani
Fluminense
Vasco
Inter

Grupo F
Botafogo
Flamengo
Paysandu
Sport
Palmeiras
Santos
Paraná
Bahia

Repescagem
Criciúma
Bragantino
Atlético
Vitória
Remo
Cruzeiro
União São João
Náutico

O REGULAMENTO
Na segunda fase os 24 clubes são separados em três grupos: E, F e Repescagem, de onde sairam os oito classificados para a próxima fase.

Os grupos E e F serão disputados em dois turnos. No primeiro turno os times se enfrentam dentro de cada grupo; no segundo turno, enfrentam as equipes do outro grupo. O campeão de cada turno passa para a terceira fase. Caso o campeão do turno e do returno seja o mesmo, essa equipe passa automaticamente para a quarta fase, as semifinais.

Nesses grupos, além dos campeões de turno, classificam-se dois times por “índice técnico”.

As outras duas vagas serão preenchidas pelos dois melhores times da repescagem. As equipes se enfrentam em turno e returno. Os dois últimos colocados da repescagem serão rebaixados.