Navegando Posts marcados como rebaixado

Santos 2 x 0 Botafogo

Data: 30/11/2014, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 4.269 pagantes
Renda: R$ 126.750,00
Árbitro: Paulo Henrique Godoy Bezerra (SC)
Auxiliares: Fabio Pereira (TO) e Marrubson Melo Freitas (DF).
Cartões amarelos: Caju (S) e Júnior César (B).
Gols: Leandro Damião (03-2) e Leandro Damião (44-2).

SANTOS
Aranha; Daniel Guedes, David Braz, Edu Dracena e Caju; Alison, Renato, Lucas Lima; Gabriel (Serginho), Thiago Ribeiro (Diego Cardoso) e Robinho (Leandro Damião).
Técnico: Enderson Moreira

BOTAFOGO
Jefferson; Regis, Dankler, André Bahia e Junior César; Airton, Gabriel, Andreazzi (Murilo) e Ronny (Gegê), Bruno Correa (Maikon) e Yuri Mamute.
Técnico: Vagner Mancini



Damião dá vitória ao Santos e faz Botafogo rever Série B após 12 anos

Time remendado por Vagner Mancini visitou o Santos na Vila Belmiro, foi derrotado por 2 a 0, com gols de Leandro Damião e está rebaixado no Campeonato Brasileiro

O calvário do Botafogo chegou ao fim neste domingo, sem qualquer tipo de surpresa. O ano, que seria da redenção do clube com o retorno a Libertadores, terminou de forma melancólica, com a queda à segunda divisão. O time remendado por Vagner Mancini visitou o Santos na Vila Belmiro, e foi derrotado por 2 a 0, com gols de Leandro Damião. Após 12 anos, o clube de General Severiano revê a Série B do Campeonato Brasileiro .

O resultado apenas confirmou o que já era previsto. Em um ano com polêmicas dentro e fora de campo, o Botafogo teve o seu rebaixamento confirmado com uma rodada de antecedência. O time carioca permanece com 33 pontos, pode chegar apenas a 36, sendo que o Palmeiras, primeiro time fora da degola, já soma 39.

O Santos, por sua vez, chegou aos 50 pontos, e, sem maiores pretensões na competição, fica na nona colocação. Na última rodada, porém, o time da Vila visita o Vitória, equipe que luta contra o Palmeiras para fugir do rebaixamento. O Botafogo se despede da competição contra o Atlético-MG.

O jogo

A necessidade do resultado era do Botafogo, mas foi o Santos que esteve perto de marcar logo aos dois minutos de jogo. Gabriel dominou livre na entrada da área, emendou o chute de perna direita, e a bola passou muito perto da trave direita de Jefferson. A partida parecia fácil para os anfitriões.

O time da Vila Belmiro, como mandante, era melhor, mas não caprichava no momento de colocar no fundo das redes. Aos nove, Gabriel apareceu livre no lado direito, fez o cruzamento fechado e David Braz perdeu a chance praticamente embaixo das traves. O susto, porém, não acordou o Botafogo.

Sem qualquer criatividade para trabalhar a bola no ataque, os cariocas no máximo arriscavam de fora da área, sem pontaria. O jeito era contar com sua defesa, que também batia cabeça. Robinho saiu na cara de Jefferson aos 28, tentou o chute colocado, e viu o goleiro botafoguense fazer boa defesa para salvar seu time.

O domínio era completo do Santos, mas ainda faltava o gol. Na última chance de perigo do primeiro tempo, aos 41, Gabriel aproveitou a falha da defesa adversária, e acertou a trave de Jefferson ao desviar de cabeça. Após o lance, Dankler e Andreazzi chegaram a trocas empurrões, sintetizando a fase do Botafogo.

Sem movimentarem o marcador, os dois treinadores resolveram mudar. No Botafogo, Maikon entrou no lugar de Bruno Corrrea, mas foi a alteração santista que surtiu efeito com poucos minutos de bola rolando. Por causa do desgaste físico, Enderson Moreira sacou Robinho e mandou Leandro Damião a campo para decidir.

Contestado ao longo de sua passagem na Vila Belmiro, principalmente pelo valor desembolsado pelo clube praiano na negociação, o atacante precisou de apenas três minutos para fazer o que justamente se espera dele. Damião girou sobre o marcador dentro da área, ainda levou para a perna direita, e marcou um golaço.

Vagner Mancini não tinha mais nada a perder, então tentou deixar sua equipe mais ofensiva para buscar o empate. O Santos, por sua vez, esperou o adversário se mover, aproveitando os espaços deixados no campo de defesa botafoguense para talvez ampliar o resultado. A estratégia quase deu resultado.

Já no fim, Renato recebeu dentro da área, desviou de cabeça e Jefferson salvou mais uma vez. O goleiro, porém, não evitou o já prenunciado rebaixamento. Aos 44, Daniel Guedes fez linda jogada pela direita, invadiu a área, fez o cruzamento rasteiro, e Leandro Damião apareceu para definir o resultado.

Bastidores – Santos TV:



Goiás 1 x 4 Santos

Data: 21/11/2010, domingo, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia, GO.
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa-RJ)
Auxiliares: Dibert Pedrosa Moisés (Fifa-RJ) e Rodrigo Pereira Jóia (RJ)
Cartões amarelos: Wellington Saci, Valmir Lucas e Otacílio Neto (G); Rodriguinho e Neymar (S).
Gols: Ernando (11-1), Danilo (19-1); Neymar (30-2, de pênalti), Neymar (33-2) e Neymar (37-2).

GOIÁS
Harlei; Rafael Toloi, Ernando e Valmir Lucas; Douglas, Amaral, Carlos Alberto (Rithelly), Marcelo Costa (Bernardo) e Wellington Saci; Otacílio Neto e Wendell Lira (Everton Santos)
Técnico: Arthur Neto

SANTOS
Rafael; Danilo (Maranhão), Edu Dracena, Durval e Pará; Adriano, Arouca (Roberto Brum), Rodriguinho e Marquinhos (Felipe Anderson); Neymar e Zé Eduardo
Técnico: Marcelo Martelotte (interino)



Neymar dá show, marca três gols e rebaixa Goiás à Segunda Divisão

Time goiano saiu vencendo, mas não resistiu ao jogo ofensivo do Santos e acabou sofrendo a virada e a goleada, que custou o rebaixamento para a Série B do Brasileiro.

O jogo era a última cartada do Goiás para tentar permanecer na primeira divisão do futebol brasileiro. Mas o atacante Neymar, do Santos, não tomou conhecimento do sofrimento esmeraldino e, com três gols, comandou a vitória do Santos por 4 a 1, na noite deste domingo, no Serra Dourada. Esse resultado rebaixou matematicamente o Goiás para a Série B do Brasileirão.

Com esse resultado, os esmeraldinos continuam com 32 pontos, na penúltima posição do campeonato, e cumprem tabela nas duas últimas rodadas do Brasileiro. No próximo domingo, os goianos visitam o Atlético-MG, na Arena do Jacaré.

Já os santistas permanecem na sétima colocação, agora com 55 pontos ganhos, dando fim a um jejum de sete confrontos sem vitórias (seis pelo Brasileirão e um amistoso). Na próxima rodada, o Alvinegro Praiano visita o Avaí, também no domingo, às 17 horas (horário de Brasília), na Ressacada.

O jogo

O jogo começou com 40 minutos de atraso, devido a falta de energia elétrica no Serra Dourada, mas quando a bola rolou, as duas equipes partiram em busca do ataque.

O Goiás foi o primeiro a ameaçar o gol de Rafael. Aos sete minutos, o atacante Otacílio Neto – um dos que recebeu oportunidade do técnico Arthur Neto na vaga de Rafael Moura – tabelou com o volante Carlos Alberto arriscou um chute de longe para boa defesa do goleiro do Santos, que espalmou a bola pela linha de fundo.

Melhores em campo, os esmeraldinos chegaram ao gol, aos 11. Em cobrança de escanteio, o zagueiro Ernando aproveitou a bobeada da defesa santista, subindo mais alto que os seus adversários e testando a bola no canto direito de Rafael: 1 a 0.

A partir do tento assinalado pelos donos da casa, o Peixe passou a dar sinais de que poderia reagir. E a resposta alvinegra não demorou. Isto porque, aos 19, o lateral direito Danilo fez boa jogada individual, driblando a marcação e finalizando no canto direito de Harlei, que nada pôde fazer para evitar o gol de empate do time da Vila Belmiro.

Mais ofensivo, o Santos quase conseguiu a virada. Aos 22, após a defesa do Goiás afastar o perigo de sua área por duas vezes, Durval recebeu a bola na esquerda da grande área rival, chutou para o meio da área e seu companheiro de zaga, Edu Dracena, completou o lance, mandando a bola na trave esquerda de Harlei.

Com o empate e o conseqüente rebaixamento matemático, os esmeraldinos passaram a abrir espaços para os contra-ataques santistas. Em um deles, aos 26, Zé Eduardo foi lançado em velocidade por Neymar e, ao bater na saída de Harlei, mandou a bola à direita do arqueiro goiano, pela linha de fundo.

O Peixe quase chegou ao seu segundo gol, antes do intervalo, em outra boa chance criada pelo seu ataque. Aos 35, Marquinhos cobrou falta para Zé Eduardo, que tocou de calcanhar para a passagem de Neymar. A Joia dominou a bola e tocou no canto esquerdo de Harlei, com o pé direito, mas sem direção, a bola saiu lentamente pela linha de fundo.

Na volta para o intervalo, o treinador do Goiás sacou o volante Carlos Alberto para a entrada do meia Rithelly. Antes, no final do primeiro tempo, Arthur Neto já tinha trocado Marcelo Costa por Bernardo.

Só que a primeira boa oportunidade de gol da etapa complementar foi santista. Aos nove, Neymar fez boa jogada individual, enganando a zaga esmeraldina, mas na hora de arrematar, o camisa 11 mandou a bola por cima da trave de Harlei.

Insatisfeito com o empate, o técnico interino alvinegro, Marcelo Martelotte, promoveu três alterações no seu time. A primeira, aos 16, foi a saída de Marquinhos para a entrada do jovem Felipe Anderson, no meio. A segunda, com 20, foi Maranhão no lugar de Danilo, na lateral direita. Por último, aos 23, foi a vez de Martelotte trocar um volante por outro, com Roberto Brum na vaga de Arouca. No mesmo minuto, Everton Santos substituiu Wendell Lira, no Goiás.

Procurando o segundo gol, o Santos finalmente alcançou o seu objetivo, aos 30. Neymar tentou o drible em Rafael Toloi, foi tocado pelo zagueiro, e o árbitro marcou pênalti. Após ter que repetir a cobrança e tomar cartão amarelo, por tentado ludibriar Harlei, Neymar bateu a penalidade com categoria, deslocando o arqueiro esmeraldino e mandando a bola no canto direito, colocando a sua equipe em vantagem no placar.

No entanto, ainda havia tempo para os santistas balançarem as redes mais duas vezes, ambas com Neymar. Aos 33, o atacante recebeu um cruzamento vindo da direita na grande área, limpou a marcação e bateu no canto direito para marcar o terceiro gol do Peixe. Aos 37, Neymar recebeu bola em profundidade, arrancou em velocidade para o gol e, com uma “cavadinha”, encobriu Harlei: 4 a 1. Esse gol do craque alvinegro decretou, enfim, o rebaixamento do Goiás à Série B do Brasileirão.

Santos 5 x 1 Grêmio

Data: 05/12/2004
Competição: Campeonato Brasileiro – 2º Turno – 44ª rodada (antepenúltima)
Local: Estádio Benedito Teixeira, em São José do Rio Preto, SP.
Público: 12.620
Renda: R$ 169.571,00
Árbitro: Edílson Soares da Silva (RJ)
Cartões amarelos: Alex Xavier e Baloy (G).
Gols: Ricardinho (07-1), Ávalos (13-1), Baloy (23-1), Ricardinho (26-1), Deivid (28-1); Basílio (26-2).

SANTOS
Mauro; Paulo César, Ávalos, Leonardo e Léo; Fabinho, Preto Casagrande (Zé Elias), Marcinho e Ricardinho (Bóvio); Deivid (Luisinho) e Basílio.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

GRÊMIO
Márcio; Lucianinho, Baloy, Alex Xavier e Douglas; Cocito, Luciano Santos e Bruno Coutinho (Yan); Marcelinho (Renato), Roberto Santos e Claudio Pitbull (Anderson).
Técnico: Claudio Duarte



Santos goleia o Grêmio, mas continua atrás do líder Atlético-PR

O Santos goleou o rebaixado Grêmio por 5 a 1, neste domingo, no estádio Benedito Teixeira, em São José do Rio Preto (SP), mas a vitória de virada do Atlético-PR sobre o São Caetano (5 a 2), em Curitiba, frustrou as pretensões santistas de reassumir a liderança do Brasileiro.

Após 44 rodadas e restando só mais duas para o fim da competição, o vice-líder Santos chegou a 83 pontos e continua dois atrás do time paranaense, que só depende de suas forças para ser campeão nacional.

Para o Santos erguer o troféu, será preciso vencer o São Caetano, no próximo domingo, no ABC, e o Vasco, no dia 19 (local a definir), além de torcer por um tropeço do primeiro colocado.

Com a derrota do São Caetano, somente Atlético-PR, Santos e São Paulo, que venceu o Vitória (4 a 1), em Salvador, e continua em terceiro com 81 pontos, permanecem como concorrentes ao título.

Para o Grêmio, apesar do vexaminoso resultado negativo, a partida não significou muita coisa: o time já fora rebaixado na 43ª rodada e continua na lanterna, com 39 pontos.

Neste domingo, Santos ganhou seu terceiro duelo fora da Vila Belmiro por imposição do STJD. Antes, havia goleado o Fluminense (5 a 0), também em São José do Rio Preto, e batido o Goiás (2 a 1), em Presidente Prudente.

Em ritmo de treino, o Santos, que teve cinco desfalques (Antônio Carlos, André Luís, Elano, Robinho e William), consolidou sua vitória com menos de 30 minutos de jogo. O primeiro tempo acabou com cinco gols no total, sendo quatro santistas.

O Santos marcou dois logo de cara. O meia Marcinho tocou para o atacante Basílio, que recebeu nas costas dos defensores, invadiu a área e trombou com o goleiro Márcio, num lance duvidoso em que o juiz Edílson Soares da Silva assinalou pênalti.

Aos 7min, o meia Ricardinho cobrou a penalidade no canto direito. Márcio ainda tocou na bola, que acabou entrando.

“O pênalti foi piada. Eu nem encostei no Basílio. O Santos merece o resultado, mas o pênalti não existiu”, reclamou Márcio.

Aos 13min, foi a vez de o zagueiro Ávalos pegar um rebote e fuzilar: 2 a 0. O Grêmio diminuiu com o zagueiro Baloy, aos 23min. Ele aproveitou o vacilo da defesa santista e surgiu como elemento surpresa para marcar.

Mas aos 26min, Ricardinho recebeu passe de Léo, matou no peito e tocou de pé esquerdo para o fundo das redes para fazer 3 a 1. Dois minutos depois, Basílio deu o drible da vaca em Baloy pela direita e cruzou na medida para Deivid, que pegou de voleio e ampliou: 4 a 1.

No segundo tempo, Basílio fez mais um aos 26min e fechou o placar em 5 a 1.

Santos 2 x 2 América-RN

Data: 28/10/1998
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 21ª rodada (antepenúltima)
Local: Estádio Machadão, em Natal, RN.
Árbitro: Luciano Augusto Almeida (DF)
Cartões amarelos: Gomes (A); Jean e Claudiomiro (S)
Gols: Zezinho (21-1) e Carioca (40-1); Fernandes (53s-2) e Alessandro (07-2).

AMÉRICA-RN
Gomes; Gilson, ROnald, Carlos Mota e Mingo (Flaviano); moisés, Carioca, Montanha e Biro-Biro; rogers (Moura) e Zezinho.
Técnico: Júlio César Leal

SANTOS
Zetti; Baiano, Jean, Claudiomiro e Gustavo; Marcos Bazílio, Narciso, Eduardo Marques (Messias) e Róbson Luís (bechara); Fernandes e Alessandro (Maezono).
Técnico: Émerson Leão



Narciso impede vitória santista em Natal
No dia de sua volta à seleção, volante desperdiça dois penaltis; Santos se classifica e América-RN é rebaixado

No dia da primeira convocação para seleção brasileira em dois anos, o volante Narciso errou as cobranças de dois pênaltis em Natal (RN).

Os erros impediram que o Santos vencesse o América-RN, de virada. Essa foi a sexta partida consecutiva sem vitória da equipe santista. Com o resultado o Santos subiu para 38 pontos e assegurou a classificação. O América foi a 15 pontos e está rebaixada para disputar a Série B em 1999.

A exemplo do restante da equipe do Santos, o zagueiro Jean e o volante Narciso, convocados para seleção brasileira, tiveram o segundo tempo melhor que o primeiro.

Como nas últimas partidas, o Santos teve desfalques, desta vez foram sete: Viola, Lúcio, Jorginho, Athirson, Anderson, Argel e Élder.

O primeiro tempo foi de baixo nível técnico. O América, recuado, dava chutoes para tentar encontrar os atacantes Zezinho e Rogers num lance de sorte. E aos 21’deu certo. Na corrida o zagueiro Claudiomiro tropeçou e caiu. O atacane Zezinho ficou livre diante de Zetti e tocou rasteiro: 1 a 0.

Aos 39′, Claudiomiro fez pênalti, que Carioca converteu, apliando para 2 a 0.

No segundo tempo, o Santos com Messias, marcou aos 53 segundos. Gustavo foi à inha de fundo e cruzou para Fernandes diminuir de cabeça.

Aos 26′, o goleiro Gomes, num carrinho, fez penalti em Alessandro, num lance que a bola iria sair. Na sequência se redimiu e defendeu a cobrança de Narciso.

três minutos depois, novo pênalti contra o América, desta vez sobre Messias. Narciso bateu no outro canto e acertou a trave.


Santos 4 x 0 XV de Piracicaba

Data: 11/06/1995, domingo, 15h30.
Competição: Campeonato Paulista
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 2.101 pagantes
Renda: R$ 8.473,00
Árbitro: Alfredo dos Santos
Cartões amarelos: Marcelo Moura e Marcelo Passos (S); Celinho (XV).
Cartões vermelhos: Marcelo Passos (S) e Celinho (XV).
Gols: Marcelo Passos (37-1, de pênalti); Demétrios (08-2), Demétrios (18-2) e Carlinhos (24-2).

SANTOS
Edinho (Róbson); Ronaldo, Maurício Copertino, Marcelo Moura (Jean) e Silva; Cerezo, Carlinhos (Marcos Bazílio), Jamelli e Marcelo Passos (Marcos Paulo); Macedo e Demétrios.
Técnico: Joãozinho Rosa

XV DE PIRACICABA
Marcos; Jaime (Hélio), Luís Fernando e Nem (Rodnei); Cabrera (Wagner), Biluca, Alex, Almir e Ivanildo; Celinho e Carlos Alberto.
Técnico: Rubens Minelli



Santos goleia e XV cai para segunda divisão

O Santos venceu por 4 a 0 o XV de Piracicaba ontem à tarde, na Vila Belmiro, em Santos (SP). A equipe ficou na terceira colocação da primeira fase do Paulista.

Os gols foram marcados por Marcelo Passos, Demétrius (2) e Carlinhos.

A partida começou em ritmo lento, com muitos erros de passes dos santistas. A primeira jogada de perigo só aconteceu aos 16min, em um chute de Macedo para fora.

O XV chegou com perigo ao gol santista aos 17min, em uma cabeçada de Luís Fernando na trave.

O primeiro gol aconteceu aos 37min, de pênalti. Macedo foi derrubado pelo goleiro Marcos. O meia Marcelo Passos, artilheiro do time, com 16 gols, cobrou no canto direito: 1 a 0.

No segundo tempo, o time de Piracicaba voltou melhor armado, embora continuasse com falhas individuais. O Santos tirou proveito e ampliou logo aos 8min. O zagueiro Nem, do XV de Piracicaba, perdeu a bola para Demétrius, que tocou para Macedo e recebeu na corrida. Ele chutou forte no canto esquerdo: 2 a 0.

Aos 18min, nova falha de Nem. Ronaldo foi à linha de fundo e ajeitou para Demétrius chutar de pé direito, no canto direito do goleiro: 3 a 0.

O XV não esboçou reação. O técnico Rubens Minelli promoveu alterações que não surtiram efeito.

Aos 24min, Carlinhos marcou o gol mais bonito da partida. No rebote da zaga, o santista pegou na intermediária e desferiu o chute de perna direita. A bola entrou no ângulo direito.

Demétrius, Macedo e Marcelo Passos desperdiçaram chances de ampliar a goleada.

O técnico Joãozinho deu oportunidade para Róbson, Marcos Paulo, Marcos Basílio e Jean. O time manteve o bom ritmo.

No final do jogo, os jogadores reclamaram do estado ruim do gramado da Vila Belmiro.

Fontes:
Estadão
Vídeo: indicado por Danilo Barbosa.