Navegando Posts marcados como reforma

O Santos pediu à Federação Paulista de Futebol (FPF) a transferência de seus jogos para o Pacaembu por dois meses a partir da estreia no Campeonato Paulista contra a Ferroviária, no dia 19, confirmada para a Vila Belmiro.

O Peixe não conseguiu fazer toda a reforma durante as férias do elenco e quer tempo para viabilizar outras mudanças. Veja a nota oficial abaixo.

“O Santos Futebol Clube está solicitando à Federação Paulista de Futebol (FPF) a transferência de seus jogos como mandante para o Pacaembu por período de 60 dias após a estreia contra a Ferroviária, marcada para o dia 19 de janeiro. A solicitação ocorre por conta de haver a necessidade da realização de manutenções de maior porte em determinados setores da Vila Belmiro, como a cobertura dos camarotes e revestimento da marquise, bem como algumas melhorias no entorno do gramado, especialmente atrás do gol da arquibancada do placar”.

Se a FPF aprovar, o Santos jogará quase toda a primeira fase do Paulistão e o início da Sul-Americana no Pacaembu. O presidente José Carlos Peres disse que o Peixe atuaria 60% dos seus compromissos na capital paulista.


O estádio Urbano Caldeira, em Santos, será reaberto nesta quinta-feira depois de nove meses fechado. A novidade é o gramado, totalmente refeito e com um sistema de drenagem controlado por computador.

A empresa norte-americana “The Motz Group” iniciou as obras no gramado em 14 de outubro do ano passado. O grupo é responsável pela construção do campo do Arena Amsterdã, do Ajax (Holanda), tido como o estádio mais moderno do mundo.

Toda a grama foi retirada do campo com uma motoniveladora. Foi construído um sistema de drenagem e irrigação totalmente controlado por computador.

O sistema é chamado de PAT (Prescription Athletic Turf) e fornece condições para o crescimento do gramado pelo gerenciamento da quantidade de água no solo.

Segundo a diretoria do Santos, o investimento foi de cerca de US$ 1 milhão.

Bombas de sucção a vácuo foram instaladas para drenar a água que se acumula no campo, evitando o excesso de umidade. Quando o gramado estiver muito seco, aspersores de água são acionados e a grama será molhada.

Todo esse sistema foi coberto por uma camada grossa de 3.000 m3 de areia que, por sua vez, foi coberta por grama importada dos Estados Unidos.

O novo sistema suportará a descarga de 12 cm de chuva por hora. O sistema antigo só conseguia absorver 14 cm de água em 24 horas.

A manutenção do campo será feita pela empresa brasileira World Sports, que trabalha em conjunto com o grupo Motz.

Uma nova alça de arquibancadas também está sendo construída na Vila Belmiro, atrás de um dos gols, para completar o anel de arquibancadas em volta do campo.

As obras ainda estão em andamento e as novas acomodações só poderão ser usadas no meio do ano, quando o concreto estiver totalmente seco.

Até lá, a área em obras será isolada com tapumes para evitar o acesso dos torcedores.

Esse foi um procedimento exigido pela Federação Paulista de Futebol e pela Polícia Militar de Santos (72 km a sudeste de São Paulo) para a liberação do estádio para o jogo de quinta-feira, contra o Internacional (RS).


Estádio terá novo gramado e capacidade ampliada

A diretoria do Santos decidiu, em reunião na noite de anteontem, realizar uma reforma geral no estádio da Vila Belmiro. Com as obras, o time não terá o mando dos jogos do Campeonato Brasileiro em casa.

“Este ano não terá mais jogo na Vila Belmiro”, disse o diretor do Departamento de Patrimônio do clube, Odílio Rodrigues. A previsão, segundo ele, é que o estádio esteja liberado em janeiro de 1997.

Ele afirmou que as obras mais importantes são a reforma no gramado, no sistema de drenagem do campo e a construção da arquibancada atrás de um dos gols.

O diretor disse que, com as obras para o fechamento do anel da arquibancada, a capacidade do estádio deve aumentar em 3.000 lugares. Atualmente, a capacidade é de 26 mil torcedores. Rodrigues disse acreditar que o valor de toda a reforma deve chegar a US$ 2 milhões.

Ele afirmou que o Santos terá condições de realizar as obras em razão da venda do passe do meia Giovanni (US$ 7,8 milhões) para o Barcelona (Espanha).

Com a interdição da Vila, o diretor do departamento de futebol, José Paulo Fernandes, disse que ainda não sabe onde o Santos terá o mando dos jogos do Brasileiro. “Antes, temos que ver as datas dos jogos”, disse.