Navegando Posts marcados como Renatinho

Santos 2 x 2 Ponte Preta

Data: 06/04/2008, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 19ª rodada (última)
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 4.449 pagantes
Renda: R$ 51.245,00
Árbitro: Eduardo César Coronado Coelho
Auxiliares: Carlos Augusto Nogueira e Gilberto Corrale
Cartões amarelos: Hudson, Kléber Pereira (S); Wanderley (P)
Gols: Kléber Pereira (10-1) e Luís Ricardo (35-1); Renato (14-2) e Renatinho (45-2).

SANTOS
Douglas; Marcelo, Fabão e Evaldo (Renatinho); Filipi, Adoniran, Hudson, Rodrigo Tabata (Moraes) e Carleto; Quiñonez e Kléber Pereira.
Técnico: Emerson Leão

PONTE PRETA
Aranha; César, Jean e Eduardo Arroz; Deda, Bilica, Renato (Ricardo Conceição), Vicente e Elias; Luís Ricardo (Danilo)e Wanderley.
Técnico: Sérgio Guedes



Ponte Preta empata na Vila e vai à semifinal do Paulista

A Ponte Preta cedeu um empate por 2 a 2 ao Santos neste domingo (6), na Vila Belmiro, chegou aos 35 pontos e avançou às semifinais do Campeonato Paulista beneficiada por uma derrota por 3 a 2 do Corinthians para o Noroeste.

Com o resultado conquistado na Baixada Santista, o clube de Campinas fechou a classificação na quarta colocação e agora vai encarar o Guaratinguetá em luta por vaga na decisão do Estadual.

Na tentativa de se despedir do Paulista com mais uma vitória após a série invicta que protagonizou nas últimas rodadas, Emerson Leão escalou Kléber Pereira como o único titular nesta tarde.

O restante da equipe já havia embarcado para o México, palco do duelo com o Chivas pela Libertadores nesta semana.

E a decisão de Leão acabou dando certo, pelo menos nos primeiros momentos da partida. Foi do centroavante o gol que abriu o placar na Vila em uma tarde de muita chuva no litoral paulista.

O jogador recebeu assistência de Rodrigo Tabata dentro da área e chutou firme para fazer o seu 13º gol no Paulista e consolidar-se como o artilheiro da competição até agora.

O primeiro tempo ainda reservaria o gol de empate da Ponte Preta, que foi a campo com time titular em busca da vitória que lhe garantiria matematicamente entre os quatro melhores do Estado.

Luís Ricardo, aos 35min, tabelou, recebeu a bola de volta dentro da área e chutou na saída do jovem Douglas.

A Ponte Preta voltou melhor do intervalo, aproveitando a falta de entrosamento da jovem formação santista.

O meia Renato bateu falta aos 14min e colocou a bola nas redes para mais tarde ser substituído por Ricardo Conceição na intenção do técnico Sérgio Guedes de segurar o resultado na base da marcação.

Já nos acréscimos, Renatinho aproveitou sobra dentro da área e, na pequena área, empurrou a bola para as redes para empatar a partida.

Rio Preto 2 x 1 Santos

Data: 17/02/2008, domingo, 18h10.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 9ª rodada
Local: Estádio Anísio Haddad, o Rio Pretão, em São José do Rio Preto, SP.
Público: 6.042 pagantes
Renda: R$ 127.155,00
Árbitro: Wilson Luiz Seneme
Auxiliares: Everson Luiz Luquesi Soares e João Paulo Spim Redondo
Cartões amarelos: Julian, Reyvan, Rafinha e Bira (RP); Molina, Carleto, Denis, Rodrigo Souto e Evaldo (S).
Cartões vermelhos: Rafinha (RP); Adriano (S).
Gols: Rafinha (05-2), Ricardinho (15-2) e Renatinho (22-2).

RIO PRETO
Marcelo Bonan; Rafinha, Jéferson, Éder Baiano e Reyvan (Danilo); Emerson, Mário André, Piá (Bady) e Ricardinho; Julian (Bira) e Paulo Roberto.
Técnico: José Carlos Serrão

SANTOS
Fábio Costa; Marcelo (Renatinho), Evaldo e Betão; Denis (Marcinho Guerreiro), Adriano, Rodrigo Souto, Molina (Paulo Henrique) e Carleto; Wesley e Kléber Pereira.
Técnico: Emerson Leão



Santos perde para o lanterna e volta para a zona de rebaixamento

O Santos perdeu para o lanterna Rio Preto por 2 a 1 na noite deste domingo (17) e caiu da 16ª para a 18ª posição do Campeonato Paulista, voltando a figurar na zona de rebaixamento após uma partida em que projetava como o início de sua volta por cima no torneio.

“Hoje é um dia para reiniciar”, dizia Emerson Leão antes do confronto no interior do Estado. Com o resultado, a equipe alvinegra permaneceu com oito pontos e perdeu duas posições em relação à sua colocação antes da nona rodada do Estadual.

Esta foi a quinta derrota santista no Paulista, e veio em um confronto em que no treinador decidiu barrar os jovens Tiago Luís e Alemão, que nas palavras do comandante teriam se deslumbrado com a ascensão precoce. O Rio Preto, ainda lanterna, foi aos quatro pontos.

O colombiano Molina fez a sua segunda partida pelo clube do litoral, vestiu a camisa 10 e deu indícios de que ainda precisa mostrar futebol para tornar-se o meia de ligação da equipe. A estréia foi no meio da semana passada, no empate sem gols com o Cúcuta pela Libertadores.

Novamente, o atleta não conseguiu ajudar a sua nova equipe. O Peixe criou algumas chances de gol no primeiro tempo, mas foi incapaz de ultrapassar a defesa do lanterna da competição.

Na etapa complementar, ainda no intervalo, Emerson Leão trocou o ala Denis pelo volante Marcinho Guerreiro. E viu os donos da casa abrirem o placar logo aos 5min, quando Rafinha marcou em arremate de bico.

O resultado parecia surpreendente pelo que acontecera em campo até então, já que o Rio Preto dificilmente chegava à meta de Fábio Costa. Foi quando Leão trocou o zagueiro Marcelo pelo atacante Renatinho.

E também quando viu o Rio Preto crescer. Dez minutos depois do primeiro gol, Ricardinho aproveitou vacilo da zaga santista para ampliar para 2 a 0.

Renatinho ainda descontou aos 22min após jogada de Paulo Henrique, que deixou o atacante alvinegro livre para marcar. O Peixe acabou acordando tarde, e não teve tempo para chegar nem mesmo ao empate e com um jogador a mais a partir dos 30min, após expulsão de Rafinha, adiando o seu projeto de recuperação no Paulista.

Santos 1 x 1 Palmeiras

Data 13/10/2007
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 16.006 pagantes
Renda: R$ 264.510,00
Árbitro: Sálvio Spinola Fagundes Filho (Fifa-SP)
Auxiliares: Ednilson Corona e Márcio Luiz Augusto (ambos de SP)
Cartões amarelos: Rodrigo Souto e Fábio Costa (S); Rodrigão e Francis (P).
Gols: Caio (33-1) e Renatinho (13-2).

SANTOS
Fábio Costa; Alessandro, Domingos, Marcelo e Thiago; Adoniran, Rodrigo Souto, Petkovic (Rodrigo Tabata) e Vítor Júnior (Pedrinho); Kléber Pereira e Moraes (Renatinho)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

PALMEIRAS
Diego Cavalieri, Paulo Sérgio, Gustavo, Dininho e Valmir (Leandro); Pierre, Makelele, Valdivia e Caio (Luís); Luiz Henrique e Rodrigão (Francis)
Técnico: Caio Júnior



Santos empata com Palmeiras, segue em 3º e vê rival fora do G-4

Santos e Palmeiras repetiram neste sábado na Vila Belmiro o placar que é mais comum na história do clássico paulista. Pela 50ª vez em 284 confrontos, os rivais empataram por 1 a 1, resultado que manteve o time da Baixada Santista em terceiro lugar, com 52 pontos, e tirou a equipe da capital do G-4.

Com o triunfo do Grêmio por 2 a 1 sobre o Goiás, o Palmeiras retorna à quinta colocação com 51 pontos, mesma pontuação da equipe gaúcha, que leva vantagem no número de vitórias.

Já o Santos perdeu a oportunidade de assumir pela primeira vez a vice-liderança do Campeonato Brasileiro. Se ganhasse, ultrapassaria o Cruzeiro, que só empatou nesta que foi 31ª rodada da competição e soma 53 pontos.

Além disso, o clube alvinegro completou sete partidas sem perder para o alviverde. A última vez que o Palmeiras triunfou sobre o rival foi em 2005, no primeiro turno do Brasileiro (2 a 1, no Parque Antarctica). Na Vila, o Santos não perde desde 2004.

As duas equipes tiveram desempenhos distintos nos dois tempos do clássico. Na etapa inicial, os visitantes foram superiores e chegaram ao gol com Caio; na final, as substituições do técnico Vanderlei Luxemburgo surtiram efeito, os donos da casa cresceram e igualaram o marcador com Renatinho, que entrou na partida durante o intervalo.

Nos primeiros 45 minutos, o Palmeiras explorou principalmente os lances de bola parada no molhado gramado da Vila Belmiro. Depois de assustar por duas vezes o goleiro Fábio Costa em cobranças de falta, Caio abriu o placar aos 33min com um gol olímpico.

“Primeira vez que faço um gol olímpico, nunca tinha feito, mas venho sempre trabalhando a bola parada nos treinos. Procuro bater fechado no primeiro pau pro Valdivia, mas ninguém desviou e entrou direto”, comentou o artilheiro do alviverde no Brasileiro com oito gols.

“Esperava que fossem fazer o um-dois no escanteio, mas o Caio acabou batendo no primeiro pau”, justificou o goleiro Fábio Costa, que se adiantou no momento da batida e ficou fora da linha do gol.

Com uma nova postura após o intervalo, o Santos empatou aos 13min do segundo tempo. Alessandro cruzou pela direita, Kléber Pereira cabeceou, Diego Cavalieri espalmou e o Renatinho balançou as redes no rebote.

Diego Cavalieri teve que trabalhar em mais dois lances de perigo do Santos no segundo tempo: em um chute de Pedrinho e em outro de Renatinho. O Palmeiras assustou Fábio Costa com Luís e Valdivia.

Botafogo 1 x 2 Santos

Data: 06/10/2007, sábado, 18h10
Competição: Campeonato Brasileiro – 30ª rodada
Local: Estádio Olímpico João Havelange, o Engenhão, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 7.918 pagantes
Renda: R$ 112.160,00
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa)
Auxiliaress: Altemir Hausmann (Fifa/RS) e Paulo Ricardo Silva Conceição (RS)
Cartões amarelos: Juninho (B), Adaílton (S) e Dionísio (S)
Gols: Rodrigo Tabata (06-2), Dodô (21-2) e Renatinho (44-2).

BOTAFOGO
Julio César; Renato Silva (Reinaldo), Juninho e Alex; Alessandro (Adriano Felício), Leandro Guerreiro, Coutinho, Lúcio Flávio e Luciano Almeida (Moreno); Zé Roberto e Dodô.
Técnico: Mário Sérgio

SANTOS
Fábio Costa; Alessandro, Adaílton, Marcelo e Dionísio (Petkovic); Maldonado, Rodrigo Souto, Kléber e Rodrigo Tabata (Vitor Junior); Marcos Aurélio (Renatinho) e Moraes.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Santos bate Botafogo e mantém boa fase contra rivais diretos

O Santos confirmou sua boa fase contra adversários diretos por uma vaga na Copa Libertadores, neste sábado. Pela segunda vez consecutiva, o time conseguiu uma vitória no fim e derrotou o Botafogo por 2 a 1, no estádio João Havelange.

Esta foi a terceira vitória santista seguida contra rivais que disputam uma vaga no G-4. Primeiro, a equipe venceu o Vasco, depois o Cruzeiro e agora o Botafogo. Com isso, o time manteve o terceiro lugar, com 51 pontos.

“Foi uma grande vitória. Vencemos três concorrentes diretos que são postulantes à vaga na Libertadores. E conseguimos a dois resultados fora de casa que nos fizeram chegar junto do Cruzeiro [vice-líder], que ainda joga amanhã”, comemorou o técnico Vanderlei Luxemburgo.

O Botafogo, por outro lado, perdeu sua quarta partida consecutiva no Campeonato Brasileiro, a terceira sob o comando do técnico Mário Sérgio, que ainda não venceu com o time. A derrota foi a primeira da equipe no Engenhão.

“Procuro falar sempre da realidade. Não uso subterfúgios para qualquer coisa. Quando vim para cá, sabia o que ia enfrentar. Cheguei e vi um grupo de jogadores voltados para ganhar. Se não está vencendo, é porque é complicado”, lamentou Mário Sérgio.

Na próxima semana, as duas equipes têm clássicos pela frente. No sábado, às 18h10, o Santos encara o Palmeiras, mais um adversário direto, na Vila Belmiro. No domingo, no único jogo da rodada neste dia, o Botafogo enfrenta o Vasco no Maracanã, às 16h.

Dois tempos opostos
A primeira etapa não teve muitas emoções e nem muito trabalho para os goleiros Julio Cesar e Fabio Costa. O Santos foi um pouco superior que o muito defensivo Botafogo, mas não o suficiente para tornar a partida interessante.

O segundo tempo foi completamente diferente. Muita disposição, lances de perigo dos dois lados, bola na trave, grandes defesas. A emoção foi do início ao fim da etapa. Aos 6min, Rodrigo Tabata abriu o placar, Dodô empatou aos 21min e, aos 44min, Renatinho decidiu o jogo para o Santos.

Santos 1 x 0 Juventude

Data: 08/09/2007, sábado.
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Árbitro: Wagner dos Santos Rosa (RJ)
Auxiliares: Aristeu Leonardo Tavares (RJ) e Marlei Leite da Silva (MG).
Cartões amarelos: Régis, Vanzini, Barão, Luciano e Marabá (J).
Gol: Renatinho (39-2).

SANTOS
Roger; Baiano, Adaílton, Marcelo e Dionísio; Adoniran, Rodrigo Souto (Adriano), Vítor Júnior (Marcos Aurélio) e Rodrigo Tabata (Petkovic); Renatinho e Kléber Pereira.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

JUVENTUDE
Michel Alves; Nunes, Régis e Leonardo Silva; Barão, Marcão, Vanzini (Marabá), Bruno (Ivo) e Zé Rodolpho; Renato e Tadeu (Luciano)
Técnico: Beto Almeida



No sufoco, Santos bate Juventude e consolida lugar no G-4

O Santos teve dificuldades para passar pela marcação do Juventude, mas venceu a equipe da Serra Gaúcha por 1 a 0, com gol controverso, na noite deste sábado, na Vila Belmiro, e termina a 25ª rodada do Campeonato Brasileiro com o terceiro lugar e uma vaga no G-4 assegurados.

“O importante é que o Santos está vindo somando pontos, e embora vencendo pela contagem mínima, estamos em uma boa toada e com ela vamos conquistar nosso objetivo de classificar para a Libertadores”, declarou o goleiro Roger.

Com a vitória, o clube da Baixada subiu aos 42 pontos. Esta é a segunda jornada que a equipe passa na zona de classificação à Copa Libertadores, na qual entrou ao bater outro gaúcho, o Internacional, também em casa, na última quarta-feira.

O resultado ainda mostra que o time comandado por Vanderlei Luxemburgo aprendeu a atuar diante de equipes que lutam para permanecer na elite do futebol brasileiro no próximo ano. No primeiro turno, o clube alvinegro havia caído diante de América-RN e Náutico, mas na reta final da competição nacional já bateu o atual lanterna e, agora, o Juventude.

O time de Caxias do Sul permanece na antepenúltima colocação com 26 pontos. A equipe recebeu, com o revés, um “balde de água fria” em sua ascensão, já que havia vencido Goiás, América-RN e o vice-líder Cruzeiro em seus últimos três jogos.

As duas equipes protagonizaram um primeiro tempo bastante movimentado, no qual as boas atuações dos goleiros Roger e Michel Alves impediram que o placar fosse alterado nos primeiros 45 minutos. O Santos tomou a iniciativa das jogadas ofensivas e teve mais posse de bola, mas os visitantes não jogaram recuados e também assustaram em lances de contra-ataque.

Para o segundo tempo, Luxemburgo promoveu a entrada do meia Petkovic na vaga de Rodrigo Tabata. A mudança não surtiu efeito e, aos poucos, a torcida santista começou a ficar impaciente e chegou a vaiar a equipe, que não desistiu do ataque.

Aos 39min, após cruzamento da direita, Renatinho ganhou a disputa com o goleiro Michel Alves. O zagueiro Régis ainda desviou com a cabeça antes de a bola entrar. O time do Juventude reclamou muito de falta do atacante santista, mas o árbitro deu o gol.

“Ao meu ver, foi falta do Renatinho no Michel, e ele não interpretou dessa maneira, o que prejudicou nosso time” falou o volante Marabá.

Na próxima rodada, o Santos tem pela frente o clássico contra o líder São Paulo. A partida será disputada no sábado, dia 15 de setembro, às 18h10, no Morumbi. Um dia depois, também às 18h10, o Juventude joga contra o Figueirense, no Orlando Scarpelli, em Florianópolis.