Navegando Posts marcados como Santa Cruz

Santos 3 x 2 Santa Cruz

Data: 18/09/2016, domingo, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 26ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 28.763 pessoas (24.586 pagantes)
Renda: R$ 884.560,00
Árbitro: Francisco Carlos do Nascimento (AL).
Auxiliares: Pedro Jorge Santos de Araújo e Rondinelle dos Santos Tavares (ambos de AL).
Cartões amarelos: Luiz Felipe (S); Wellington Cezar (SC).
Gols: Copete (04-1); Keno (10-2), Jean Mota (26-2), Keno (39-2) e Vitor Bueno (41-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, Luiz Felipe e Zeca; Renato, Thiago Maia (Jean Mota), Lucas Lima (Yuri) e Vitor Bueno; Copete e Ricardo Oliveira (Rodrigão).
Técnico: Dorival Junior

SANTA CRUZ
Tiago Cardoso; Léo Moura, Néris, Danny Morais e Allan Vieira (Luan Peres); Derley, Jadson (Wellington Cezar) e João Paulo; Pisano, Keno e Grafite Bruno Moraes (Grafite).
Técnico: Doriva



Santos vence Santa Cruz no Pacaembu e encosta no Atlético-MG

O Santos alcançou a terceira vitória consecutiva no Campeonato Brasileiro neste domingo. Em uma noite chuvosa no Estádio do Pacaembu, o time alvinegro ganhou por 3 a 2 do Santa Cruz e consolidou sua posição entre os quatro primeiros colocados do torneio.

Atual quarto lugar, o Santos contabiliza 45 pontos, um a menos que o Atlético-MG e quatro a mais que o Corinthians. Às 18h30 (de Brasília) de sábado, o time visita o Sport. Já o Santa Cruz, penúltimo com 23 pontos, pega o Figueirense às 11 horas de domingo, em Santa Cruz.

Superior na etapa inicial, o Santos saiu na frente com um gol do colombiano Copete. No segundo tempo, atrasado por falta de energia elétrica no Pacaembu, Keno marcou dois gols para o Santa Cruz, mas a equipe alvinegra contou com Jean Mota e Vitor Bueno para ganhar.

O jogo

O Santos conseguiu inaugurar o placar no estádio municipal logo aos quatro minutos de jogo. Vitor Bueno desceu pela direita e cruzou para cabeçada de Ricardo Oliveira. A bola bateu no lateral direito Léo Moura e sobrou para conclusão certeira de Copete.

O time mandante quase aumentou sua vantagem aos 31 minutos do primeiro tempo. Vitor Bueno recebeu de Lucas Lima pela esquerda e rolou para Ricardo Oliveira. Livre de marcação, em uma situação que não costuma desperdiçar, o centroavante parou na saída do goleiro Tiago Cardoso.

O Santos dominou a metade inicial sem maiores dificuldades e não correu riscos no campo de defesa. Por outro lado, foi incapaz de ampliar sua vantagem. Durante o intervalou, houve falta de energia no Estádio do Pacaembu, o que atrasou o começo do segundo tempo.

Com a iluminação devidamente reestabelecida, a etapa complementar finalmente foi iniciada e, logo aos 10 minutos, o Santa Cruz chegou ao empate. Léo Moura recebeu dentro da área pela direita e cruzou. Victor Ferraz cortou e a bola sobrou para Keno, que limpou a marcação e finalizou com sucesso.

Com o jogo empatado, uma das torres de iluminação do Pacaembu apagou e o jogo foi paralisado por 15 minutos. Aos 26, o Santos retomou a vantagem. Em um lance pelo lado esquerdo, Ricardo Oliveira recebeu cruzamento de Copete e ajeitou para chute forte de Jean Mota, substituto de Thiago Maia.

No contra-ataque, o Santa Cruz empatou aos 39 minutos do segundo tempo. Keno recebeu de Grafite na cara do goleiro Vanderlei e tocou para o fundo das redes. Dois minutos depois, Vitor Bueno dominou pela direita, carregou para o meio e chutou da entrada da área para marcar um golaço.

Bastidores – Santos TV:

Autor de gol salvador, Vitor Bueno comemora triunfo sobre o Santa

O Santos sofreu para vencer o Santa Cruz por 3 a 2 na noite deste domingo, no Estádio do Pacaembu. Autor do gol decisivo, o meia Vitor Bueno festejou o triunfo da equipe praiana no Campeonato Brasileiro após ceder o empate duas vezes ao adversário de Pernambuco.

Superior no primeiro tempo, o Santos saiu na frente com um gol do colombiano Copete. Na etapa complementar, Keno empatou, Jean Mota descontou e o mesmo Keno decretou nova igualdade. Aos 41 minutos, em um belo chute, Vitor Bueno definiu o resultado final.

“Foi um jogo competitivo. O time deles está de parabéns pela entrega. Correram atrás do placar e conseguiram empatar duas vezes. O mais o importante foi a vitória. Superamos todos os obstáculos que encontramos na partida e saímos vencedores”, disse Vitor Bueno.

Autor de 10 gols, o santista é superado na lista de artilheiros do Brasileiro apenas por Robinho e Gabriel Jesus, que marcaram 11. “O Jean Mota lançou para mim. Eu dominei, cortei para o meio e chutei de esquerda”, simplificou Vitor Bueno ao descrever o lance decisivo diante do Santa Cruz.

Quarto colocado com 45 pontos ganhos, o Santos fica apenas um atrás do Atlético-MG e abre quatro em relação ao Corinthians. A 12 rodadas do final do Campeonato Brasileiro, o time praiano vê o líder Palmeiras com 51 pontos e ainda pensa grande no torneio.

“Para chegar, precisávamos da vitória. Foi na raça, do jeito que a torcida gosta e está todo o mundo de parabéns pela entrega. O jogo foi bom, com os dois times correndo atrás do resultado a todo momento. Vai ser assim até o final do campeonato e vamos em busca dos líderes”, declarou Vitor Bueno.

Dorival aprova recuperação “sem alarde” do Santos e elogia Keno

O Santos consolidou sua posição no G4 do Campeonato Brasileiro na noite deste domingo ao ganhar por 3 a 2 do Santa Cruz. Satisfeito com a recuperação do time, Dorival Júnior elogiou o rival no Estádio do Pacaembu e confirmou uma recente investida pelo atacante Keno, da equipe pernambucana.

Após tropeços contra Coritiba, Figueirense e Internacional, o Santos conseguiu triunfos diante de Corinthians, Botafogo e Santa Cruz. Quarto colocado com 45 pontos ganhos, o time praiano tem apenas um a menos que o Atlético-MG e abre quatro em relação ao Corinthians.

“Temos consciência do que podemos fazer no Brasileiro. Sofremos uma oscilação e estamos nos recuperando. O time já mostrou a capacidade de se reabilitar dentro do mesmo campeonato. Prefiro que nossa caminhada continue assim, sem alarde. A equipe pode se tornar perigosa em um momento importante do torneio”, disse Dorival Júnior.

O Palmeiras, líder do Campeonato Brasileiro, tem 51 pontos, um a mais que o Flamengo. A 12 rodadas do final do torneio, o Santos ainda sonha grande e volta a campo para enfrentar o Sport às 18h30 (de Brasília) do próximo sábado, na Ilha do Retiro.

“Há três rodadas, estávamos 10 pontos atrás do líder. É para mostrar que o Brasileiro proporciona surpresas e você não pode nunca se dar por satisfeito, porque muita coisa pode acontecer. Em 12 rodadas, os times que errarem menos vão brigar pelas melhores posições e espero que o Santos entre na disputa. Ainda não tem nada definido”, disse Dorival.

O Santa Cruz, superado na noite deste domingo, ganhou elogios do treinador santista pela performance no Pacaembu. Dorival Júnior ainda foi generoso ao comentar o desempenho de Keno, responsável pelos dois gols da equipe pernambucana.

“Quase finalizamos a contração do Keno antes do limite de jogos do Brasileiro. Chegamos perto, porém não houve acerto final. Foi uma pena, porque é um garoto de muita qualidade. Tem um potencial excelente e é agradável de ver atuar”, afirmou Dorival. “O Santa fez uma bela partida e jogou de igual para igual”, completou.

Copete mira dois títulos e não quer ser poupado contra o Vasco

Em 2015, o Santos chegou na reta final da temporada com duas oportunidades de conseguir a classificação para a Libertadores. Afinal, a equipe estava no G4 do Brasileirão e na final da Copa do Brasil. Porém, no final do ano, os comandados de Dorival Júnior acabaram perdendo a decisão do torneio mata-mata para o rival Palmeiras e ainda ficaram fora da zona de classificação para a competição internacional.

Novamente disputando os dois campeonatos, o Peixe não quer repetir os antigos erros. O colombiano Jonathan Copete não estava no elenco que fracassou em 2015 e quer o Santos focado na Copa do Brasil e no Brasileirão.

“Sabemos que somos uma equipe grande e temos que disputar todos os títulos. Temos que seguir disputando os dois torneios até o final”, afirmou o atacante, em entrevista coletiva nesta segunda-feira, no CT Rei Pelé.

Após a vitória do Alvinegro Praiano por 3 a 2 sobre o Santa Cruz, neste domingo, pela 26ª rodada do Brasileirão, o centroavante Ricardo Oliveira saiu com dores do gramado e fará exames nesta segunda-feira, para saber se tem condições de entrar em campo contra o Vasco, nesta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), pelo jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil, em São Januário.

O técnico Dorival Júnior já afirmou que deseja escalar força máxima diante do Cruz-Maltino. Apesar do possível desgaste físico com a sequência de jogos, Copete não pensa em ser poupado e quer jogar na quarta. “Sempre quero estar em campo. Somos jogadores profissionais, estamos acostumados a partidas seguidas, dependemos muito da nossa recuperação”, completou.

O Santos voltou aos treinos nesta segunda-feira. Apenas os reservas participaram de uma atividade em campo, enquanto os titulares fizeram um regenerativo. O elenco treina novamente na manhã desta terça e depois viaja para o Rio de Janeiro.

Santa Cruz 0 x 2 Santos

Data: 12/06/2016, domingo, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 7ª rodada
Local: Estádio do Arruda, em Recife, PE.
Público: 16.464 pessoas
Renda: R$ 182.805,00
Árbitro: Elmo Alves Resende Cunha (GO)
Auxiliares: Bruno Raphael Pires e Leone Carvalho Rocha (ambos de GO).
Cartões amarelos: Wallyson (SC); Paulinho e Zeca (S).
Gols: Zeca (44-1) e Joel (19-2).

SANTA CRUZ
Tiago Cardoso; Léo Moura, Neris, Danny Morais e Tiago Costa; Alex Bolaño (Leandrinho), João Paulo, Fernando Gabriel (Daniel Costa) e Lelê; Arthur e Bruno Moraes (Wallyson).
Técnico: Milton Mendes

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Zeca; Renato, Thiago Maia, Léo Cittadini (Serginho) e Vitor Bueno; Paulinho (Ronaldo Mendes) e Joel (Elano).
Técnico: Dorival Júnior



Com golaço de Zeca, Santos bate Santa Cruz e vence fora de casa

O Santos espantou o fantasma do jogo fora de casa. Neste domingo, o Peixe enfrentou o Santa Cruz, no Arruda, e saiu de campo com a vitória por 2 a 0. Zeca, com um golaço, e Joel marcaram os gols do Alvinegro, um em cada tempo da partida.

Com o resultado, o Santos chegou a dez pontos e assumiu a quinta colocação, colando no Corinthians, primeiro time do G4, com 13 pontos. O Santa Cruz, por sua vez, perdeu a terceira partida consecutiva e se aproximou da zona de rebaixamento. Com oito pontos, a equipe coral ocupa a 14ª posição.

O jogo

Mesmo jogando fora de casa, o Santos começou controlando a posse de bola e trocando passes em busca de um espaço na defesa do Santa Cruz, que esperava uma oportunidade para sair em velocidade nos contragolpes. Apostando nas jogadas pelas beiradas, o Peixe chegou com perigo pela primeira vez aos 11 minutos, em cruzamento de Victor Ferraz cortado pela zaga tricolor. Na sequência, Vítor Bueno lançou para a área, mas Neris, bem posicionado, afastou.

Aos poucos, o Santa Cruz foi conseguindo sair para o jogo. Também priorizando os lançamentos para a área, os donos da casa foram chegando. João Paulo, Tiago Costa e Arthur arriscaram cruzamentos, porém a defesa santista afastou as tentativas. Apesar da melhora do Tricolor, o Santos continuava melhor. Aos 22, Joel aproveitou falha na zaga coral e tentou encobrir Tiago Cardoso, mas chutou com muita força e a bola saiu por cima.

Em nova chegada alvinegra, aos 25 minutos, Zeca apareceu pela esquerda e cruzou para a área. Joel desviou na altura da primeira trave e a bola sobrou para Léo Cittadini, que bateu travado pelo marcador e a bola ficou limpa para Tiago Cardoso. Aos 36, o mesmo Léo Cittadini finalizou novamente, mas chutou fraco e facilitou a defesa do goleiro. Aos 41, Victor Ferraz teve boa chance em cobrança de falta, mas mandou por cima. Aos 44, saiu o gol. Zeca tabelou com Joel e chutou de primeira, sem deixar a bola quicar, fazendo um golaço no Arruda.

O Santa Cruz voltou com outro ritmo na segunda etapa, acuando o adversário. Logo no primeiro minuto, Wallyson, que entrou no lugar de Bruno Moraes, foi lançado em profundidade e cruzou com perigo. Victor Ferraz fez o corte. Na sequência, Arthur arriscou de fora da área e a bola passou perto da trave direita de Vanderlei. Aos cinco minutos, Fernando Gabriel recebeu na meia-lua e mandou uma bomba, obrigando Vanderlei a fazer grande defesa, espalmando para escanteio. No corner, Danny Morais desviou com perigo.

O Santinha seguiu pressionando na busca pelo empate. Aos 18, Wallyson bateu falta direto para o gol, mas Vanderlei defendeu. No lance seguinte, o mesmo Wallyson apareceu na área, nas costas da zaga, passou por Vanderlei, mas foi atrapalhado por Lelê, que também chegava para finalizar. O ímpeto do time coral, porém, foi punido com mais um gol do Santos. Aos 19, Vítor Bueno arrancou com velocidade pela esquerda e bateu cruzado. Tiago Cardoso fez a defesa, mas Joel pegou o rebote e só empurrou para o fundo das redes.

O Tricolor pernambucano não diminuiu o ritmo depois de sofrer o segundo gol e seguiu no ataque. Na marca de 30 minutos, Wallyson fez jogada individual pela direita e rolou para Daniel Costa, que chutou cruzado. A bola desviou em Luiz Felipe e sobrou para Arthur, que tentou cabecear para o gol, mas mandou por cima. Bem postado na defesa, o Santos fechou os espaços e segurou o resultado, garantindo a vitória.

Joel exalta vitória fora de casa e nega que time não sinta falta de Oliveira

Depois de dez meses sem vencer longe da Vila Belmiro, o Santos enfim quebrou o jejum de vitórias fora de casa, que durava desde agosto do ano passado. Neste domingo, o Peixe visitou o Santa Cruz, no Arruda, e bateu o rival por 2 a 0. Autor do segundo gol santista – o primeiro foi marcado por Zeca – Joel exaltou o feito da equipe e negou que o time não sente a falta de Ricardo Oliveira, que está com a Seleção Brasileira na disputa da Copa América Centenário.

“Não sentir mais saudade é mentira. O Ricardo Oliveira é o nosso capitão, é um jogador de uma importância muito grande para o nosso elenco. Então eu fico feliz pela vitória, a primeira fora de casa, porque havia tempo que não vencíamos fora de casa. Foi uma vitória importante para a sequência do campeonato”, disse o atacante camaronês ao SporTV, na saída do gramado.

A vitória fora de casa sobre o Santa Cruz fez o Peixe encostar no grupo dos quatro melhores do Campeonato Brasileiro, chegando à quinta colocação, com dez pontos ganhos. O Corinthians, última equipe do G4, em quarto lugar, tem 13 pontos.

Dorival celebra vitória fora de casa e enaltece atuação da defesa

A vitória do Santos por 2 a 0 sobre o Santa Cruz, neste domingo, no Arruda, satisfez Dorival Júnior. O técnico santista elogiou a atuação do time, que chegou a primeira vitória fora de casa desde agosto de 2015, destacando a inteligência apresentada dentro de campo.

“O Santos teve uma proposta de jogo e a manteve nos 90 minutos. Sofremos um pouco, mas eu só tenho a valorizar e reconhecer o espírito de luta, a vontade e a garra para vencer. Prevalecemos com toque de bola, movimentação e penetrações. Nos comportamos bem, tivemos paciência e soubemos sofrer para chegarmos ao que temos de melhor, o contra-ataque, definindo o resultado. Foi uma partida muito inteligente”, avaliou.

O comandante alvinegro também aprovou a atuação da zaga, que mesmo com o desfalque de David Braz não sofreu gols. Diante do Santa Cruz, Dorival escalou a defesa com Gustavo Henrique, que completou 100 jogos com a camisa do Santos, e Luiz Felipe.

“A zaga esteve muito bem composta. Foi uma partida consistente da nossa equipe, uma partida inteligente. Reconheço o valor do adversário, mas tenho que enaltecer a nossa equipe”, finalizou o treinador, que não escondeu a felicidade com o resultado positivo.


Santos FC x Santa Cruz FC
Santos Futebol Clube x Santa Cruz Futebol Clube


Retrospecto:

25 jogos
12 vitórias
08 empates
05 derrotas
47 gols pró
24 gols contra
23 saldo

Resultados:

01/12/1946 – Santos 4 x 0 Santa Cruz – Amistoso – Ilha do Retiro
23/10/1955 – Santos 1 x 1 Santa Cruz – Amistoso – Ilha do Retiro
19/05/1959 – Santos 5 x 1 Santa Cruz – Amistoso – Ilha do Retiro
10/05/1967 – Santos 5 x 0 Santa Cruz – Amistoso – Arruda
12/11/1969 – Santos 4 x 0 Santa Cruz – Roberto Gomes Pedrosa – Ilha do Retiro
06/12/1970 – Santos 0 x 1 Santa Cruz – Roberto Gomes Pedrosa – Ilha do Retiro
07/11/1971 – Santos 1 x 0 Santa Cruz – Brasileiro – Arruda
19/11/1972 – Santos 4 x 2 Santa Cruz – Brasileiro – Arruda
09/12/1972 – Santos 2 x 0 Santa Cruz – Brasileiro – Pacaembu
07/10/1973 – Santos 2 x 3 Santa Cruz – Brasileiro – Arruda
13/01/1974 – Santos 1 x 1 Santa Cruz – Brasileiro – Arruda
12/06/1974 – Santos 1 x 1 Santa Cruz – Brasileiro – Vila Belmiro
20/10/1976 – Santos 0 x 2 Santa Cruz – Brasileiro – Arruda
31/05/1978 – Santos 1 x 1 Santa Cruz – Brasileiro – Pacaembu
25/01/1981 – Santos 1 x 1 Santa Cruz – Brasileiro – Arruda
24/02/1985 – Santos 0 x 1 Santa Cruz – Brasileiro – Arruda
31/03/1985 – Santos 3 x 1 Santa Cruz – Brasileiro – Vila Belmiro
10/10/1987 – Santos 1 x 3 Santa Cruz – Brasileiro – Arruda
10/12/1988 – Santos 0 x 0 Santa Cruz – 4 x 3 pênaltis – Brasileiro – Arruda
09/09/2000 – Santos 1 x 0 Santa Cruz – Brasileiro – Arruda
02/08/2001 – Santos 1 x 1 Santa Cruz – Brasileiro – Vila Belmiro
23/08/2006 – Santos 1 x 1 Santa Cruz – Brasileiro – Arruda
03/12/2006 – Santos 3 x 1 Santa Cruz – Brasileiro – Vila Belmiro
12/06/2016 – Santos 2 x 0 Santa Cruz – Brasileiro – Arruda
18/09/2016 – Santos 3 x 2 Santa Cruz – Brasileiro – Pacaembu


Santos 3 x 1 Santa Cruz

Data: 03/12/2006, domingo, 18h10.
Competição: Campeonato Brasileiro – 38ª rodada (última)
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 7.577 pagantes
Renda: R$ 51.205,00
Árbitro: Antonio Hora Filho (SE)
Auxiliares: Antonio da Cruz dos Santos e Almirdrovandro da Silva Lima (ambos de SE).
Cartões amarelos: Zé Roberto (S); Osmar e Jorge Henrique (SC).
Gols: Osmar (12-1), Wellington Paulista (20-1); Junior (27-2) e Wellington Paulista (35-2).

SANTOS
Fábio Costa; André, Domingos, Ronaldo e Kléber; Fabinho (André Luiz), Cléber Santana, Zé Roberto e Rodrigo Tabata (Jonas); Rodrigo Tiuí (Junior) e Wellington Paulista.
Técnico: Wanderley Luxemburgo

SANTA CRUZ
Anderson; Osmar, Sidrailson, Hugo e Max (Jairo); Adriano dos Santos (Ivson), Júnior Maranhão, Jamesson e Jorge Henrique; Nenê e Mirandinha (Elvis).
Técnico: Fito Neves



Santos se despede do Brasileiro com vitória sobre Santa Cruz

Classificado para a Copa Libertadores, o Santos entrou em campo neste domingo com objetivo de terminar a temporada de maneira positiva. E conseguiu. Mesmo com dificuldades, o time alvinegro ganhou do rebaixado Santa Cruz por 3 a 1, de virada. Dessa forma, encerrou sua participação no Campeonato Brasileiro satisfazendo a torcida que compareceu à Vila Belmiro e apoiou a equipe durante todo o jogo.

“Era o nome do Santos que estava em jogo. Por isso, tínhamos que ter bastante motivação para sair com a vitória. Ainda mais porque a partida foi em nosso estádio. No final, foi um resultado muito bom para nós”, comemorou o lateral-esquerdo Kleber.

Com o triunfo, a equipe do técnico Vanderlei Luxemburgo termina o Nacional na quarta colocação, com 64 pontos, 14 a menos que o campeão São Paulo. Já o clube pernambucano fica na última posição, com 28 pontos, e voltará a disputar a segunda divisão em 2007.

A vitória deste domingo também serviu para ratificar a condição do Santos de melhor mandante do campeonato. Isso porque nenhuma outra equipe somou tantos pontos em casa como o time da Baixada. Foram 16 triunfos, dois empates e duas derrotas, totalizando 47 pontos dos 57 disputados.

O Santa Cruz, por sua vez, encerra a competição com média oposta a do Santos. Fora de seus domínios, a equipe tricolor venceu apenas uma partida (contra o Fortaleza), tendo o pior aproveitamento como visitante entre todos os times da Série A.

Mesmo com a seqüência ruim, o rebaixamento e os problemas extra-campo, como atraso nos salários, os jogadores tentam manter o otimismo para o ano que vem. “Sabíamos que seria mais um jogo difícil, mas tentamos esquecer tudo. Essa é a nossa profissão e também queremos honrar o nome do clube no futuro”, comentou o meia Jorge Henrique.

Santos e Santa Cruz entrarão em férias e irão voltar a campo somente para a disputa dos campeonatos estaduais de 2007. A estréia do time da Baixada no Paulistão acontece no dia 17 de janeiro, contra o Barueri. Já o clube tricolor enfrentará o Estudantes, no dia 14 do mesmo mês, pelo Pernambucano.

O jogo

Empurrados pela torcida, os anfitriões começaram o confronto imprimindo um forte ritmo de jogo, avançando com intensidade pelas laterais. O time visitante, por sua vez, ficou recuado no início do jogo, apostando nos contra-ataques.

E foi assim que a equipe recifense abriu o placar. Após recuperar a bola no meio-de-campo, Max avançou pela esquerda e rolou para o meio da área. A defesa alvinegra não afastou a jogada, e Osmar apareceu livre de marcação para completar para o fundo das redes.

Mesmo com o gol, o Santos não se desesperou e manteve a superioridade na partida. Assim, o empate não demorou. Aos 20min, André Oliveira avançou pela direita e cruzou para dentro da área. Wellington Paulista se esticou para trás e cabeceou no ângulo direito para igualar o marcador.

Aos poucos, o Santa Cruz começou a sair com mais intensidade e ter um pouco mais de domínio da posse de bola. Mesmo assim, a equipe da casa permaneceu superior. Aos 37min, Zé Roberto tabelou com Rodrigo Tabata na entrada da área, deu lindo drible no zagueiro e tocou para o gol. Anderson se esticou o braço e conseguiu impedir o segundo gol santista.

No segundo tempo, o time da Baixada voltou com o mesmo ritmo em busca da virada. Aos 3min, Cléber Santana arriscou chute de fora da área e obrigou o goleiro a espalmar a bola para o meio. Wellington Paulista aproveitou o rebote, mas o juiz paralisou a jogada marcando impedimento do atacante.

Com o decorrer da partida, os anfitriões seguiram com domínio no setor ofensivo, mas também desperdiçaram muitas chances. A maior delas aconteceu aos 14min, quando Rodrigo Tiuí invadiu a área pela direita e cruzou rasteiro para a entrada da pequena área. Sem nenhuma marcação, Fabinho errou o chute de pé esquerdo e mandou a bola muito à esquerda da meta de Anderson.

A virada santista saiu apenas aos 27min. Após tabela com Jonas na lateral-direita, Cléber Santa invadiu a área, se livrou da marcação e cruzou rasteiro. A bola foi parar nos pés do atacante Júnior, que só teve o trabalho de completar ao lado da segunda trave para marcar.

Empolgado, o clube da casa se soltou mais depois do gol e fechou o placar aos 34min. Wellington Paulista recebeu lançamento na entrada da área, se livrou do zagueiro e bateu de bico no meio do gol para ampliar e decretar o triunfo na Vila Belmiro.

Fábio Costa chega aos 200 jogos com a camisa do Santos

A partida contra o Santa Cruz significou mais que o encerramento do ano para um jogador do Santos em especial. O goleiro Fábio Costa completou, somadas as suas duas passagens pela Vila Belmiro, 200 jogos pelo clube.

“Eu estou muito feliz, essa é uma marca importante”, disse o goleiro antes do jogo. “Esta é uma marca importante, principalmente porque poucos jogadores têm a oportunidade de conquistar algo assim”, completou o goleiro que, no elenco atual do Santos, é o jogador com mais partidas pelo clube.

Vindo do Vitória-BA, Fábio Costa chegou ao clube da baixada santista em 2000, junto com Carlos Germano, para solucionar os problemas da meta santista. Reserva no início, o atleta baiano esperou a sua vez e assumiu a condição de titular em 2001, com a saída de Germano.

A partir de então, o goleiro se firmou na meta santista, e foi peça fundamental na conquista do título nacional de 2002. Depois disso, ainda participou dos vice-campeonatos da Libertadores e do Campeonato Brasileiro em 2003. A partir de dezembro daquele ano, porém, Fábio Costa trocou a Vila Belmiro pelo Parque São Jorge, e atuou pelo Corinthians até o fim de 2005.

No começo deste ano, no entanto, o goleiro foi apresentado como reforço santista, e reassumiu a camisa número um do Santos. Desde então, Fábio só saiu da condição e titular quando esteve suspenso ou lesionado.

“Ainda espero que possam vir mais duzentos jogos e que eu consiga ajudar o Santos no que eu puder”, disse o goleiro, que atuou nesta tarde com uma camisa especial, com a inscrição “200 jogos” na frente e nas costas do uniforme.

Santa Cruz 1 x 1 Santos

Data: 23/08/2006, quarta-feira, 22h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 19ª rodada
Local: Estádio do Arruda, em Recife, PE.
Público: 6.698 pagantes
Renda: R$ 60.296,00
Árbitro: Wallace Nascimento Valente (ES)
Auxiliares: Alfonso Scarpati e Antônio Carlos de Oliveira (ambos do ES)
Cartões amarelos: Mirandinha (SC), Heleno (S).
Cartão vermelho: Alemão (SC)
Gols: André (44-1) e Júnior Maranhão (08-2).

SANTA CRUZ
Guto; Osmar, Valença (Paulo Rodrigues), Váldson e Cássio; Márcio Alemão; Augusto Recife, Júnior Maranhão, Valdson Tiano (Edson Di); Nenê (Mirandinha) e Márcio Mixirica.
Técnico: Maurício Simões

SANTOS
Fábio Costa; Denis, Luiz Alberto (Manzur), Domingos e Carlinhos; Heleno, Cléber Santana, Kleber e André Belezinha; Leandro Rodrigues (Jonas) e Wellington Paulista (Rodrigo Tiuí).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Santos empata com Santa Cruz e não chega à liderança

O mau desempenho do Santos como visitante foi fundamental para que o time não chegasse à liderança do Campeonato Brasileiro (já que apenas na cidade de São Paulo conseguiu vencer). Nesta quarta-feira, em um jogo com poucas oportunidades, o time da Baixada empatou com o Santa Cruz por 1 a 1, no estádio do Arruda, em Recife. O resultado também aumenta a crise da equipe tricolor, que termina o primeiro turno da competição nacional na última colocação.

Com o resultado, o time do técnico Vanderlei Luxemburgo chegou aos 32 pontos, na segunda colocação da tabela. Entretanto, o clube alvinegro ainda pode ser ultrapassado pelo Paraná, que entra em campo nesta quinta-feira, contra o líder São Paulo, e tem um ponto a menos. Sendo assim, o time paulista não atinge o objetivo de terminar a rodada na ponta da classificação. Já o Santa Cruz fica com 18 pontos, na lanterna pela terceira rodada seguida.

No final de um primeiro tempo com baixo nível técnico, o Santos conseguiu sair na frente com gol de André, aos 44min. Mas o empate do Santa Cruz, aos 8min da etapa final, com Júnior Maranhão, deu nova movimentação à partida e evidenciou a vontade de ambos os times. Mesmo assim, nenhum fez o suficiente para garantir o triunfo, e o empate foi justo.

“Não era o que queríamos quando viajamos para cá [Recife]. Infelizmente cedemos o empate para eles no começo do segundo tempo e não conseguimos voltar à frente do placar. Agora precisamos batalhar por esses pontos no segundo turno, porque ainda tem muito campeonato para rolar”, lamentou o goleiro Fábio Costa após o confronto.

Em todo o Campeonato Brasileiro, o time de Vanderlei Luxemburgo só conquistou dois triunfos fora de casa. E ambos aconteceram na cidade de São Paulo, contra rivais de tradição (Palmeiras e São Paulo). Com o resultado desta quarta-feira, o desempenho fora de sua cidade natal e da capital paulista permanece como o principal problema para o Santos no certame, já que somou apenas cinco pontos nessa situação.

Já o Santa Cruz, após o término da Copa do Mundo, teve um começo arrasador no Brasileirão, conquistando quatro vitórias seguidas e chegando inclusive a deixar momentaneamente a zona do rebaixamento. Porém, o time não conseguiu manter a boa forma, com mais duas derrotas e dois empates, caindo novamente para a lanterna da tabela.

Agora, o Santos inicia o segundo turno da Série A já neste sábado. O time da Baixada voltará a atuar na Vila Belmiro, contra o Goiás, às 18h10. Um dia depois, o Santa Cruz enfrentará o Figueirense no estádio Orlando Scarpelli, também às 18h10.

O jogo

Insatisfeito com a pouca criatividade do time na última rodada, o técnico Vanderlei Luxemburgo optou pelo deslocamento de Kléber para o meio-de-campo, o encarregando da armação das jogadas ao lado de André, e colocou Carlinhos para atuar na ala esquerda. Porém, quando o jogo começou, foi a equipe pernambucana que apresentou melhor movimentação ofensiva.

Entretanto, o Santa Cruz encontrou muitas dificuldades para furar a marcação dos visitantes, que passaram os minutos iniciais do confronto recuados no campo de defesa e começaram a se soltar com o decorrer da partida. Aos 17min, Denis avançou pela direita e cruzou para o meio. André apareceu de carrinho, mas mandou a bola para fora.

Enquanto isso, o Santa Cruz não desanimou e continuou à procura do gol inicial, mas a falta de objetividade e criatividade no meio-de-campo atrapalhou os donos da casa. Com isso, a principal arma do time tricolor foram os cruzamentos pelas laterais do campo. Aos 31min, Osmar cruzou da direita na cabeça de Marcio Mixirica, que obrigou Fábio Costa a realizar grande defesa para evitar o gol.

Até o intervalo, o time da Baixada melhorou a postura em relação ao começo da partida e não se prendeu apenas à marcação. Aos 44min, André dominou a bola na lateral esquerda e avançou para o meio antes de acertar um belo chute, no canto esquerdo de Guto, para abrir o marcador no estádio do Arruda.

Atrás no placar, o Santa Cruz começou o segundo tempo com nova atitude, priorizando ainda mais o ataque, e ameaçou a meta adversária logo no primeiro minuto. Cássio acertou forte chute da intermediária, que passou muito próximo ao gol de Fábio Costa.

Os anfitriões se motivaram com o lance e criaram nova oportunidade clara apenas três minutos depois Após cruzamento de escanteio da direita, Nenê subiu sozinho e cabeceou no travessão. Com a forte pressão na frente, a equipe de Maurício Simões não demorou a chegar ao empate. Aos 8min, Júnior Maranhão acertou lindo chute da intermediária, no ângulo esquerdo de Fábio Costa, para igualar o placar.

Com o gol do Santa Cruz, a partida se tornou mais aberta, já que o empate não interessava a nenhum dos clubes. O Santos saiu do campo de defesa e foi atrás do gol que lhe garantiria os três pontos. Entretanto, a alta velocidade imposta pelo time recifense também causou problemas para os zagueiros da equipe alvinegra.

A equipe de Luxemburgo ainda teve grande oportunidade para sair com a vitória. Aos 39min, Denis invadiu a área pela direita e rolou para o Rodrigo Tiuí na pequena área. O atacante bateu de primeira e mandou a bola para fora, desperdiçando grande chance. Com isso, o placar permaneceu inalterado até o apito final.