Navegando Posts marcados como São Bento de Sorocaba

Santos 2 x 0 São Bento

Data: 16/04/2016, sábado, 18h30.
Competição: Campeonato Paulista – Quartas de Finais – Jogo único
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.051 pessoas
Renda: R$ 477.280,00
Árbitro: Vinicius Gonçalves Dias Araújo.
Auxiliares: Miguel Cataneo Ribeiro da Costa e Patrick André Bardauil.
Cartões amarelos: David Braz (S).
Gols: Vitor Bueno (08-1) e Vitor Bueno (40-1).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, David Braz e Zeca; Renato, Thiago Maia, Vitor Bueno e Lucas Lima (Rafael Longuine); Gabriel (Joel) e Ricardo Oliveira (Elano).
Técnico: Dorival Junior

SÃO BENTO
Henal; Régis Souza, João Paulo, Pitty e Marcelo Cordeiro; Fábio Bahia, Éder (Diego Clementino), Serginho Catarinense e Clébson (Everton Sena); Edno (Anderson Cavalo) e Rossi.
Técnico: Paulo Roberto Santos



Com dois de Vítor Bueno, Santos vence São Bento e vai para a semifinal

O Santos está na semifinal do Campeonato Paulista. Neste domingo, o Peixe avançou no Estadual ao vencer o São Bento por 2 a 0, na Vila Belmiro. Novo xodó de Dorival Júnior, Vítor Bueno foi o nome do jogo, marcando os dois gols da equipe e participando ativamente da partida.

Com o resultado, o Santos aumentou a sequência de invencibilidade na Vila Belmiro. Agora, o Peixe acumula 25 jogos sem perder em casa, sendo 22 vitórias e três empates. O Alvinegro Praiano segue na busca para chegar à oitava final consecutiva do Paulistão e levantar o caneco mais uma vez.

Classificado, o Santos espera a definição das quartas de final para conhecer seu adversário na briga por uma vaga na decisão do Campeonato Paulista. O rival santista sai do confronto entre Palmeiras e São Bernardo, que será realizado na próxima segunda-feira, às 21h (de Brasília), no Palestra Itália.

O jogo

Jogando diante de seu torcedor, o Santos foi logo para cima do São Bento. Com ritmo acelerado e trocas rápidas de passes, os alvinegros chegavam ao ataque com facilidade, principalmente pelos lados do campo. Victor Ferraz e Zeca subiam com liberdade para apoiar. E foi justamente em uma jogada iniciada pelo lado direito que o Peixe abriu o placar, aos oito minutos. Vítor Bueno tabelou com Gabriel, carregou pelo meio e chutou cruzado com categoria, sem a menor chance de defesa para Henal.

O gol sofrido no começo obrigou o São Bento a sair mais para o jogo. Na marca de 11 minutos, o time de Sorocaba chegou pela primeira vez ao ataque. Régis cruzou da direita, mas Victor Ferraz apareceu para cortar. No entanto, o Santos continuava dominando as ações e por pouco não ampliou, aos 14 minutos. Gabriel tocou de calcanhar para a passagem de Victor Ferraz, que cruzou buscando Ricardo Oliveira. A zaga afastou o perigo.

No meio do primeiro tempo, o Santos diminuiu o ritmo, mas não perdeu o controle do jogo. O São Bento equilibrou a posse de bola, mas não conseguiu assustar Vanderlei. O Peixe voltou a pressionar nos dez minutos finais. Aos 34, Ricardo Oliveira deixou Gabriel cara a cara com Henal, mas o atacante finalizou em cima do goleiro. Na sequência, Victor Ferraz cruzou com perigo e a zaga afastou. Aos 36, Henal defendeu cabeçada de Ricardo Oliveira e no ataque seguinte, Vítor Bueno apareceu livre dentro da área, porém chutou fraco.

Na marca de 39 minutos, Lucas Lima roubou uma bola pela esquerda, puxou o contra-ataque e rolou para entrada da área. Renato chegou batendo de primeira, mas pegou mal e mandou longe. No lance seguinte, Thiago Maia arriscou de fora, mas errou. A pressão santista teve resultado aos 40 minutos. Ricardo Oliveira recebeu bola de Gabriel, na esquerda da área, e bateu cruzado. Vítor Bueno apareceu na segunda trave para empurrar para o fundo das redes de carrinho e ampliar para o Peixe.

O São Bento voltou melhor para o segundo tempo. Em desvantagem no marcador, o time de Sorocaba precisava ir ao ataque. Na marca de sete minutos, Régis ganhou a bola no campo ofensivo, cruzou para a área e acertou o travessão de Vanderlei. Aos 15, o mesmo Régis arriscou de longe e mandou na rede pelo lado de fora, assustando os santistas. Aos 19, Edno recebeu no pivô e rolou para a direita. Rossi chegou batendo, mas Vanderlei defendeu.

O Santos mudou a maneira de jogar na etapa final e deu campo para o adversário jogar, apostando nas saídas rápidas nos contragolpes. O São Bento foi criando chances. Aos 24 minutos, Anderson Cavalo, que substituiu Edno, avançou pela esquerda, invadiu a área, driblou Vanderlei e, com o gol vazio, chutou na trave. O Peixe respondeu na sequência, com Ricardo Oliveira, que aproveitou cruzamento da esquerda e cabeceou com perigo.

O São Bento não desistia de tentar o gol. Aos 34 minutos, Joel errou na saída de bola santista e entregou para Everton Sena, que avançou em direção à área e bateu cruzado. A bola passou à direita de Vanderlei. Aos 36, o mesmo Everton Sena arriscou da entrada da área, mas mandou por cima. Aos 38, Diego Clementino ficou cara a cara com Vanderlei, mas o goleiro saiu bem e evitou o gol, garantindo a vitória do Peixe sem ser vazado.

Bastidores – Santos TV:

Santistas exaltam vitória e capacidade de suportar pressão do São Bento

O Santos garantiu presença na semifinal do Campeonato Paulista, neste domingo, ao vencer o São Bento por 2 a 0, na Vila Belmiro, com dois gols de Vítor Bueno. O Peixe dominou a partida no primeiro tempo e poderia ter conseguido um resultado elástico logo nos 45 minutos iniciais. Na etapa final, porém, o São Bento cresceu e pressionou, assustando os alvinegros.

Apesar do segundo tempo diferente do primeiro, os jogadores do Santos exaltaram a vitória e a classificação, assim como a capacidade de suportar a pressão imposta pelo time de Sorocaba. “Estamos felizes pelo resultado que construímos e pela vitória“, disse Ricardo Oliveira.

Gabriel, que teve atuação abaixo do que pode desempenhar, destacou a importância da vitória porque dá ao Santos o mando de campo na semifinal. “Importante a vitória porque nos dá a chance de jogar em casa na próxima fase. Foi convincente, soubemos sofrer no segundo tempo”, avaliou Gabriel.

“A gente teve bastante possibilidade no primeiro tempo e a equipe do São Bento é perigosa, eles estavam tentando encaixar um contra-ataque. Mas, graças à Deus, nós conseguimos bloquear os contra-ataques deles. Jogamos muito bem, não levamos gol e merecemos a classificação para a semifinal”, afirmou o zagueiro David Braz.

Para Renato, o Peixe relaxou com a tranquilidade do primeiro tempo e passou a errar mais. “A gente sabia que estava com resultado do primeiro tempo e erramos alguns passes, então não conseguimos ter mais chances. Controlamos, mas tivemos perigos por erros nossos”, declarou o experiente volante.

Dorival elogia primeiro tempo, mas critica erros de posicionamento

O Santos começou em ritmo intenso a partida contra o São Bento, pelas quartas de final do Campeonato Paulista, e logo com oito de minutos já havia aberto o placar. Ao longo da primeira etapa, o Peixe ainda marcou o segundo gol e teve chances de ampliar o marcador, mas não as aproveitou. Dorival Júnior elogiou o desempenho inicial do time.

“A intensidade no primeiro tempo foi muito grande e nós tivemos algumas dificuldades depois, porque alguns jogadores ficaram sem atuar e sentiram o ritmo. Parece estranho, mas é a realidade. O São Bento cresceu e ficou com a posse de bola, até maior do que a que nós conseguimos antes”, afirmou.

O técnico santista destacou a movimentação constante e a rápida troca de passes dos jogadores, que criaram inúmeras oportunidades de gol. O comandante alvinegro, porém, não ficou satisfeito com a oscilação apresentada no segundo tempo.

“Foi interessante a criação de jogadas, a aproximação, a troca de passes. A oscilação é realmente o que acaba nos preocupando. Vamos trabalhar para buscar as correções para que não estejamos propensos às situações que criadas pelo adversário, possibilitadas pelo nosso posicionamento tático”, declarou.

Para Dorival, o modo de o Santos jogar, buscando o ataque a todo momento, fez com que o time não valorizasse a posse de bola e a vantagem que possuía, errando passes e dando espaços para o adversário atacar.

“Nossa equipe joga muito vertical e em alguns momentos atravessamos muito as jogadas, que poderiam ser de troca de bola, de posicionamento consistente. Acabamos, às vezes, comprometendo a maneira como a equipe estava distribuída para determinado lance, criando espaços em um momento ou outro do jogo”, avaliou o treinador alvinegro.

Atuação decisiva de Vítor Bueno rende louvores do treinador santista

Principal nome da classificação do Santos à semifinal do Campeonato Paulista, no último domingo, quando marcou os dois gols da vitória por 2 a 0 sobre o São Bento, Vítor Bueno ganhou louvores do técnico Dorival Júnior pela atuação decisiva na partida.

“É uma satisfação ver um garoto buscando espaço, buscando confirmação. Ele vem conquistando seu espaço, dando seu recado. Acredito que a evolução siga acontecendo. Ele estava no sub-23, chamando pouco a atenção. Ainda está em trabalho de formação. Temos que caminhar com calma. Sempre que possível, a oportunidade vai acontecer”, disse Dorival.

Para o comandante alvinegro, Vítor Bueno se destaca pela qualidade técnica apresentada dentro de campo e, se continuar jogando com a mesma vontade, pode se tornar um grande jogador.

“Espero que continue crescendo, se apresentando sempre com um detalhe a mais. Isso cria confiança. Qualidade ele tem. É questão de tempo e de paciência para que se tenha o caminho natural. Fico feliz por visualizar um grande jogador pela frente”, finalizou.

Santos 2 x 2 São Bento

Data: 29/05/2015, domingo, 18h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 13ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 5.149 pagantes
Renda: R$ 106.920,00
Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza
Auxiliares: Vicente Romano Neto e Fausto Augusto Viana Moretti
Cartões amarelos: Lucas Otávio e Gabriel (S).
Gols: Renan Teixeira (10-1), Ricardo Oliveira (14-1, de pênalti); Éder (12-2) e Gabriel (22-2)

SANTOS
Vladimir; Vitor Ferraz, Werley, David Braz e Zeca; Lucas Otávio (Elano), Renato e Lucas Lima; Geuvânio (Lucas Crispim), Gabriel (Thiago Ribeiro) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Marcelo Fernandes

SÃO BENTO
Henal; Alex Reinaldo, Wanderson, João Paulo e Marcelo Cordeiro; Éder, Serginho Catarinense, Renan Teixeira (Xandão) e Renan Mota (Chico); Giovanni e Nilson.
Técnico: Paulo Roberto Santos



Antes de clássico, Santos só empata com São Bento na Vila Belmiro

O Santos voltou a tropeçar no Campeonato Paulista, neste domingo, em plena Vila Belmiro. Depois de sofrer sua primeira derrota no ano, que acabou com uma série invicta de 14 jogos da equipe, na última quinta-feira, o time de Marcelo Fernandes ficou apenas no 2 a 2 com o São Bento, de Sorocaba.

O Peixe esteve atrás do placar por duas vezes, graças aos gols de Renan Teixeira e Éder. Ricardo Oliveira, de pênalti, e Gabriel, no segundo tempo, evitaram a segunda derrota seguida.

Com 30 pontos, o Alvinegro praiano se mantém na segunda colocação geral, mas fica a cinco pontos do líder Corinthians e agora tem o São Paulo na sua cola, com 29 pontos.

Na próxima rodada, a 14ª e penúltima da primeira fase, o Santos terá a semana inteira para descansar e treinar de olho no clássico contra o Corinthians, às 16 horas (de Brasília), no próximo domingo, em Itaquera. Já com a liderança praticamente definida nas mãos do Timão, a partida será fundamental para o Alvinegro praiano pelo menos na luta pelo segundo lugar na classificação geral do Campeonato Paulista, o que daria o direito do time de Marcelo Fernandes decidir às quartas e as semifinais como mandante.

O jogo

Mais uma vez com poucos torcedores presentes na Vila Belmiro, o Santos recebeu o São Bento com a obrigação de vencer após sofrer o primeiro revés na temporada, na última quinta. E mesmo com os desfalques de Robinho, Valencia, Cicinho, Chiquinho e Caju, o time de Marcelo Fernandes entrou em campo ciente de que precisava do resultado positivo para não deixar o líder Corinthians se distanciar na tabela de classificação. O Timão, mais cedo, bateu o Bragantino por 1 a 0 e chegou aos 35 pontos.

Em campo, Gabriel foi o jogador mais acionado pela equipe durante toda a primeira etapa. Logo aos 5 minutos, o jovem atacante arriscou da entrada da área e Henal fez grande defesa, no ângulo do gol oposto ao placar do estádio Urbano Caldeira.

No lance seguinte, o camisa10 recebeu no meio da defesa do São Bento e mandou a bola para as redes, porém, a jogada foi corretamente anulada pelo auxiliar.

E na primeira tentativa de ataque da equipe de Sorocaba, Vladimir foi vazado. Após cobrança de escanteio pela direita. Renan Teixeira subiu completamente sozinho e cabeceou de dentro da pequena área para abrir o marcador.

Porém, não deu muito tempo dos visitantes comemorarem a vantagem, porque três minutos depois, Lucas Lima foi derrubado por Serginho Catarinense dentro da área. Ricardo Oliveira cobrou a penalidade no meio do gol e empatou o jogo.

Dai para frente, só deu Santos. Mas Henal mostrou que estava em noite inspirada e salvou o São Bento em chutes de fora da área de Gabriel e Lucas Lima.

Na segunda etapa, o Peixe seguiu com uma atuação apática, desorganizada e, aos poucos, viu o São Bento se encorajando no jogo.

Aos 11 minutos, o goleiro Vladimir, que deve ocupar a vaga de Vanderlei por pelo menos dois meses em função da fratura na face, assustou a torcida santista ao perder o tempo de bola, mas contou com o cabeceio para fora de Giovanni.

Mas o que ninguém esperava, aconteceu. Em contra-ataque nas costas do lateral Zeca, Éder lançou Nilson. O zagueiro David Braz escorregou sozinho e o centroavante do Azulão teve tempo e tranquilidade para tabela com Éder, que encheu o pé. A bola passou em baixo de Vladimir e colocou o São Bento mais uma vez na frente, em plena Vila Belmiro.

Novamente tendo de correr atrás do prejuízo, o alvinegro praiano por pouco não igual o marcador com David Braz, que ganhou de todo mundo e testou para o gol aos 17 minutos. Mas Henal estava implacável e fez linda defesa, antes da bola sair pela linha de fundo.

Aos 22, enfim, Gabriel chegou ao gol. Depois de tanto insistir, o atacante foi mais rápido que a zaga do Azulão e chegou batendo para completar cruzamento de Geuvânio. Tudo igual na Vila.

No fim da partida, Henal mais uma vez brilhou e evitou o gol da virada santista após defender, à queima roupa, a cabeçada de Werley.

Desta forma, o Santos tropeçou em casa diante do São Bento e praticamente deu adeus ao objetivo de terminar a primeira fase do Paulistão na liderança. Domingo que vem, o Peixe encara o Corinthians, em Itaquera.

Bastidores – Santos TV:

Após novo tropeço, Ricardo Oliveira diz que Santos não tem que se preocupar

Há quase cinco meses, o torcedor santista não passava por uma semana tão ruim. Depois de perder para a Ponte Preta, em Campinas, na última quinta-feira, neste domingo, o Peixe empatou com o São Bento, na Vila Belmiro, por 2 a 2, após ficar duas vezes atrás do marcador. Mesmo assim, para Ricardo Oliveira, a equipe ainda não tem com o que se preocupar.

“Não é para isso. Infelizmente não tivemos uma boa atuação. O time deles veio com uma proposta defensiva, fizeram os gols em contra-ataques. Não temos que nos preocupar. Temos que ficar alerta para que isso não se repita nos próximos jogos”, analisou o camisa 9, que marcou o primeiro gol santista, neste domingo, em cobrança de pênalti.

O volante Renato também tentou minimizar o segundo tropeço seguido e ressaltou a importância do time ter evitado a derrota. “Sabia que hoje o jogo seria complicado, infelizmente vacilamos em alguns pontos, mas o importante foi não perder. A gente sabe que temos que buscar as vitórias, mas, infelizmente, não conseguimos”, disse.

Com o empate diante do time de Sorocaba, o time de Marcelo Fernandes agora precisa vencer o Corinthians, em Itaquera, no próximo domingo, e torcer por um tropeço do arquirrival na última rodada para, aliado a uma vitória santista, terminar a primeira fase na primeira colocação. A missão é difícil, mas o zagueiro David Braz garante que a equipe irá buscar a liderança até o fim.

“Enquanto houver chances de lutar a gente vai acreditar. Temos que vencer lá e torcer no último jogo. Hoje tivemos duas falhas, tivemos oportunidades, mas não conseguimos. Infelizmente, não aconteceu”, afirmou o jogador, antes de completar.

“A gente sabia que a cobrança ia ser grande pelos resultados positivos. Mas tem que entender que o futebol é difícil, o campeonato é difícil e, às vezes, não dá para ter a sequência que a gente estava tendo. Mas estamos classificados e é lutar para decidir os jogos em casa”, resumiu.

Marcelo Fernandes lamenta falhas pontuais, mas elogia atuação santista

O empate em 2 a 2 com o São Bento na Vila Belmiro pegou a muitos de surpresa. O Santos liderava o Campeonato Paulista até o início da semana e sustentava uma invencibilidade de 14 jogos. Porém, a derrota na quinta-feira, para a Ponte Preta, quebrou a série positiva. E, neste domingo, o time de Marcelo Fernandes teve de buscar a igualdade no marcador duas vezes para evitar um novo revés. Para o técnico, porém, seus comandados se portaram bem em campo e não houve uma queda de rendimento.

“Não achei, não. O time lutou, caiu para cima o tempo todo. O São Bento veio para se defender, mas acho que a equipe do Santos e portou muito bem, não caiu de produção, a equipe lutou, a torcida veio junto, mas dessa vez não deu”, analisou o treinador, após a partida válida pela 13ª rodada do Estadual.

O treinador evitou, inclusive, relacionar o empate deste domingo aos seus inúmeros desfalques.

“Acho que Cicinho, Valencia, Robinho, Gustavo (Henrique), fazem falta, sim, porque são jogadores de extrema experiência e fariam falta para qualquer time. Acho que o Santos tem um grande grupo e hoje, infelizmente, a bola não entrou. A gente tem que saber que temos que jogar constante o jogo inteiro”, disse o comandante, que também aguarda ainda a recuperação de Chiquinho e Caju, que seguem em tratamento de suas lesões, além do goleiro Vanderlei, que fraturou a face na última quinta e só deve voltar a ficar à disposição em junho.

Apesar de enaltecer o espírito de luta da equipe e a busca pelo gol o tempo todo, Marcelo Fernandes admitiu que os lances que originaram nos gols do time de Sorocaba precisam ser corrigidos o quanto antes.

“Preocupa, sim. Esses momentos de apagão não podem ter. A equipe tem que estar sempre ligada porque no momento das finais isso é importante”, explicou. “São assuntos pontuais que temos que corrigir durante a semana. No segundo gol, foi um contra-ataque, podia ter matado a jogada. No primeiro, outro de bola parada. Já tínhamos falhado nisso em dois gols da Ponte Preta, na quinta, mas a equipe se portou bem”, concluiu.

Agora, o Santos terá a semana inteira para trabalhar e recuperar seus jogadores. Robinho, que estava com a Seleção Brasileira, retorna, assim como Cicinho e Valencia, que cumpriram suspensão automática. E o elenco alvinegro precisa, mais do que nunca, de seus principais jogadores, já que no próximo domingo encara o Corinthians, em Itaquera, em confronto crucial para determinar as posições finais dos times na tabela de classificação a duas rodadas do fim da primeira fase.

Santos FC x EC São Bento
Santos Futebol Clube x Esporte Clube São Bento


Retrospecto:

063 jogos
030 vitórias
025 empates
008 derrotas
104 gols pró
056 gols contra
048 saldo

Resultados:

10/06/1956 – Santos 3 x 2 São Bento – Amistoso – Coronel Nogueira
20/05/1962 – Santos 3 x 3 São Bento – Amistoso – Rua Coronel Padilha
14/07/1963 – Santos 3 x 1 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
30/10/1963 – Santos 2 x 3 São Bento – Paulista – Carlos Joel Nelli
23/09/1964 – Santos 1 x 1 São Bento – Paulista – Carlos Joel Nelli
09/12/1964 – Santos 6 x 0 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
18/08/1965 – Santos 3 x 0 São Bento – Paulista – Carlos Joel Neli
07/10/1965 – Santos 4 x 2 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
02/10/1966 – Santos 3 x 3 São Bento – Paulista – Humberto Realli
16/10/1966 – Santos 2 x 2 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
09/07/1967 – Santos 4 x 3 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
19/11/1967 – Santos 1 x 1 São Bento – Paulista – Humberto Reali
14/02/1968 – Santos 3 x 1 São Bento – Paulista – Humberto Realli
18/04/1968 – Santos 1 x 0 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
12/03/1969 – Santos 4 x 2 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
18/05/1969 – Santos 1 x 1 São Bento – Paulista – Humberto Reali
15/07/1970 – Santos 2 x 1 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
26/08/1970 – Santos 2 x 2 São Bento – Paulista – Humberto Realli
17/03/1971 – Santos 3 x 1 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
12/05/1971 – Santos 1 x 0 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
30/03/1972 – Santos 2 x 1 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
27/07/1972 – Santos 1 x 0 São Bento – Paulista – Pacaembu
14/04/1973 – Santos 1 x 0 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
15/07/1973 – Santos 1 x 0 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
25/09/1974 – Santos 1 x 0 São Bento – Paulista – Pacaembu
10/11/1974 – Santos 1 x 1 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
16/02/1975 – Santos 0 x 1 São Bento – Amistoso – Humberto Realli
24/05/1975 – Santos 1 x 1 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
07/03/1976 – Santos 0 x 1 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
16/03/1977 – Santos 3 x 0 São Bento – Paulista – Humberto Reali
09/07/1977 – Santos 2 x 0 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
08/10/1978 – Santos 0 x 0 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
07/03/1979 – Santos 0 x 2 São Bento – Paulista 78 – Walter Ribeiro
29/08/1979 – Santos 1 x 3 São Bento – Paulista – Walter Ribeiro
24/10/1979 – Santos 1 x 1 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
08/06/1980 – Santos 1 x 1 São Bento – Paulista – Walter Ribeiro
22/10/1980 – Santos 0 x 0 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
03/06/1981 – Santos 4 x 0 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
20/09/1981 – Santos 2 x 1 São Bento – Paulista – Walter Ribeiro
06/07/1982 – Santos 2 x 0 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
31/10/1982 – Santos 2 x 2 São Bento – Paulista – Walter Ribeiro
21/07/1983 – Santos 4 x 0 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
06/10/1983 – Santos 1 x 1 São Bento – Paulista – Walter Ribeiro
16/11/1983 – Santos 0 x 0 São Bento – Paulista – Walter Ribeiro
01/12/1983 – Santos 2 x 0 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
18/07/1984 – Santos 3 x 0 São Bento – Paulista – Walter Ribeiro
25/10/1984 – Santos 2 x 1 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
01/05/1985 – Santos 2 x 0 São Bento – Paulista – Walter Ribeiro
30/10/1985 – Santos 0 x 1 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
05/03/1986 – Santos 2 x 0 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
14/08/1986 – Santos 1 x 2 São Bento – Paulista – Walter Ribeiro
11/02/1987 – Santos 1 x 1 São Bento – Amistoso – Walter Ribeiro
26/04/1987 – Santos 0 x 0 São Bento – Paulista – Walter Ribeiro
07/07/1987 – Santos 1 x 1 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
06/03/1988 – Santos 0 x 0 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
14/05/1989 – Santos 0 x 0 São Bento – 4 x 3 pênaltis – Paulista – Walter Ribeiro
28/01/1990 – Santos 0 x 0 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
30/07/2000 – Santos 0 x 0 São Bento – Amistoso – Walter Ribeiro
12/01/2006 – Santos 1 x 1 São Bento – Paulista – Walter Ribeiro
17/02/2007 – Santos 0 x 2 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
29/03/2015 – Santos 2 x 2 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
16/04/2016 – Santos 2 x 0 São Bento – Paulista – Vila Belmiro
22/03/2017 – Santos 2 x 0 São Bento – Paulista – Walter Ribeiro

Santos 0 x 2 São Bento

Data: 17/02/2007, sábado, 18h10.
Competição: Campeonato Paulista – 9ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 9.721 pagantes
Renda: R$ 113.868,00
Árbitro: Claudinei Forati Silva
Auxiliares: Maurício Machado Ferronato e Alberto Poletto Masseira
Cartões amarelos: Kléber (S); Ferdinando, Cléber, Vanderson e Dênis (SB).
Gols: Roberto Santos (43-2) e Sérgio Júnior (47-2).

SANTOS
Fábio Costa; Dênis (Rodrigo Tabata), Adaílton, Antônio Carlos e Kléber; Maldonado, Cléber Santana, Pedrinho e Zé Roberto, Marcos Aurélio (Jonas) e Rodrigo Tiuí (Fabiano).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

SÃO BENTO
Rafael, Cléber, Ferdinando (Emerson), Claudinei e Vanderson; Tiago Almeida (Lourenço), Everton, Dênis e Davi (Michel); Washington e Sérgio Júnior.
Técnico: Freddy Rincón.



Santos joga mal e perde a primeira no Paulista

O Santos jogou mal, não foi criativo e foi derrotado pelo São Bento em partida válida pela nona rodada do Campeonato Paulista de 2007. Na Vila Belmiro, o clube alvinegro perdeu por 2 a 0 neste sábado com dois gols nos minutos finais. Apesar do resultado, o primeiro revés do ano, a equipe do litoral mantém-se na primeira posição do torneio, com 22 pontos.

No entanto, o time comandado por Vanderlei Luxemburgo é seguido agora pelo São Paulo, que venceu e chegou aos 21 pontos. O São Bento chega aos nove pontos e vai à 13ª posição.

O Santos foi ainda beneficiado por um resultado da nona rodada da competição. O São Caetano, que era a única equipe que poderia igualar o número de pontos santista neste sábado de Carnaval, perdeu para o Noroeste por 5 a 2.

Para o treinador Vanderlei Luxemburgo, a falta de concentração foi o principal motivo da derrota. Segundo o técnico, a série de vitórias relaxou a equipe para o jogo diante do São Bento. “É normal, você vai tendo vários resultados positivos e isso vai deixando o time mais leve. De repente, você pega um adversário que marca mais e você é surpreendido e perde”, declarou.

A partida marcou um reencontro inusitado na Vila Belmiro. O colombiano Freddy Rincón, técnico do São Bento, trava uma batalha jurídica com o time alvinegro. O ex-jogador santista está proibido de freqüentar o clube do litoral paulista por mover contra ele uma ação trabalhista, pedindo R$ 12 milhões na Justiça por quebra unilateral de contrato, quando saiu da equipe, em 2001.

Antes do jogo, cogitava-se que Vanderlei Luxemburgo colocaria em campo um time misto em virtude da estréia santista na Libertadores. No entanto, o clube alvinegro entrou em campo com todos os seus titulares, inclusive com o lateral-direito Dênis, que retornou após ficar meses parado devido a uma lesão.

O Santos inicia sua busca pelo tricampeonato da Copa Libertadores da América na quinta-feira. Às 00h15 (horário de Brasília), dia 22 de fevereiro, a equipe comandada por Vanderlei Luxemburgo estréia no principal torneio continental diante do Deportivo Pasto, na Colômbia.

Na partida deste sábado, o Santos começou com maior posse de bola, adotando uma postura ofensiva, mas pouco assustou o São Bento na primeira etapa. Mais objetivo, a equipe de Sorocaba teve as melhores chances no tempo inicial: uma bola na trave, chutada por Tiago Almeida, e um lance com Sérgio Júnior, que arrematou para ótima defesa de Fábio Costa.

O desempenho do ataque santista parece não ter agradado o treinador Luxemburgo. No intervalo, o técnico trocou a dupla ofensiva da equipe. Colocou Jonas e Fabiano nos lugares de Rodrigo Tiuí e Marcos Aurélio. O Santos continuou sem criatividade e com dificuldade para armar jogadas ofensivas.

Sem ameaçar, o Santos foi surpreendido no fim e levou dois gols. Os atacantes Roberto Santos, aos 43min, e Sérgio Júnior, aos 47min, fizeram para o clube de Sorocaba.

São Bento 1 x 1 Santos

Data: 12/01/2006
Competição: Campeonato Paulista – 1ª rodada
Local: Estádio Walter Ribeiro, em Sorocaba, SP.
Árbitro: Philippe Lombard
Auxiliares: Márcio Luiz Augusto e Maria Eliza Correia Barbosa
Cartões amarelos: Neto, Léo Lima, Celsinho (S); Márcio Santos, Fábio Carioca (SB).
Gols: Luciano Henrique (26-2); Genílson (28-2).

SÃO BENTO
Fabiano; Fábio Carioca (Leandro Moreno), Marcelão, Márcio Santos e Tita; Jeci, Rincón, Magal e Celsinho (Genílson); Emerson e Marciano (Alcimar)
Técnico: Roberto Fonseca

SANTOS
Fábio Costa; Neto, Julio Manzur, Luís Alberto e Kléber; Fabinho, Maldonado, Wendell (Léo Lima) e Giovanni (Luciano Henrique); Cláudio Pitbull e Luizão (Geílson)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Renovado, Santos começa ano com um empate

O Santos contratou o técnico Vanderlei Luxemburgo, demitido do Real Madrid. Com ele, 14 reforços chegaram à Vila Belmiro. Na estréia de cinco destas novidades, contudo, o time do litoral decepcionou sua torcida. Jogando em Sorocaba, a equipe alvinegra não apresentou bom futebol e obteve um empate por 1 a 1 com o São Bento na noite desta quinta-feira, na primeira rodada do Campeonato Paulista.

O principal ponto negativo do Santos nesta quinta-feira foi o meio-campo, que não conseguiu acertar seu posicionamento. “Faltou um pouco de movimentação e ficamos perdidos, principalmente no primeiro tempo”, admitiu o meia Giovanni.

A maior prova de que o Santos não se encontrou é que a equipe litorânea só cresceu quando dois reservas (Luciano Henrique e Léo Lima) entraram nos lugares de Wendell e do próprio Giovanni, que estavam apagados.

Até o técnico Vanderlei Luxemburgo reconheceu que o Santos ficou abaixo do que podia nesta quinta-feira. “É claro que o trabalho está no início, e isso faz muita diferença. O grupo sofreu muitas mudanças e precisa assimilar isso”, ponderou o comandante.

No entanto, o empate não foi suficiente para o treinador perder confiança em seu elenco: “Não sei quando estaremos no ritmo ideal, mas sei que temos potencial e podemos crescer bastante durante a competição”.

Na segunda rodada do Campeonato Paulista, São Bento e Santos entrarão em campo no domingo. O time de Sorocaba jogará às 16h, na Rua Javari, contra o Juventus. Mais tarde, às 18h10, a equipe alvinegra receberá o Mogi Mirim na Vila Belmiro.

O jogo
Time que mais investiu para a disputa do Campeonato Paulista, o Santos começou o confronto com o São Bento com cinco reforços entre os titulares. As modificações fizeram com que a equipe do litoral sentisse falta de entrosamento, sobretudo no início do confronto desta quinta-feira, e não conseguisse criar oportunidades para marcar.

Diante da falta de entrosamento do Santos, o São Bento começou a partida desta quinta-feira pressionando o time alvinegro. “Nossa equipe foi muito bem nos 20 primeiros minutos, marcando muito forte e com bastante movimentação”, analisou o meia Celsinho, do clube do interior.

O ritmo intenso que o São Bento imprimiu no início, porém, não teve vida longa. Aos poucos, o Santos encontrou seu espaço em campo e acabou com a pressão do rival. “Nós estávamos recebendo uma marcação muito forte, mas começamos a tocar a bola e melhoramos”, analisou Giovanni.

Quando começou a tocar a bola com qualidade, o Santos criou duas oportunidades para marcar. A primeira aconteceu com o lateral-direito Neto, estreante, que cobrou falta por cima do travessão. Depois, Cláudio Pitbull invadiu a área pela esquerda, driblou Fábio Carioca para o meio e chutou fraco, nas mãos do goleiro Fabiano.

A evolução que o Santos apresentou no primeiro tempo, contudo, cessou com o intervalo. O time do litoral diminuiu o ritmo no período complementar e viu nova pressão do São Bento. “Temos que aproveitar os espaços que temos no meio-campo”, avisou o técnico Roberto Fonseca, da equipe do interior.

Após as investidas do São Bento no início, o Santos aprimorou a qualidade nos passes e voltou a diminuir o ritmo da partida. “Precisamos ter tranqüilidade para acertar os lançamentos no momento certo e pegarmos a defesa deles desprevenida”, avisou o centroavante Luizão.

Quando acertou um lançamento, realmente, o Santos abriu o placar. Kléber fez lindo passe para Luciano Henrique aos 26min. O meia, que havia entrado no lugar de Giovanni, dominou com o pé direito e tocou de esquerda, por cobertura, na saída de Fabiano.

Só que a vantagem do Santos durou pouco. Dois minutos depois do gol, Magal fez linda jogada pelo meio e tocou na esquerda para Genílson. O atacante dominou e chutou de pé esquerdo, da meia-lua, no canto esquerdo de Fábio Costa, para empatar o confronto.