Navegando Posts marcados como São Januário

Vasco 2 x 1 Santos

Data: 24/04/2019, quarta-feira, 19h15.
Competição: Copa do Brasil – 4ª fase – Jogo de volta
Local: Estádio São Januário, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 8.859 pagantes
Renda: R$ 181.098,00
Árbitro: Rafael Traci (SC)
Assistentes: Helton Nunes e Henrique Neu Ribeiro (ambos de SC).
Cartões amarelos: Cáceres e Lucas Mineiro (V); Alison, Soteldo e Yuri Lima (S).
Expulsão: Jorge Sampaoli (S).
Gols: Raul (12-1) e Ricardo Graça (38-1); Jorge (08-2).

VASCO
Fernando Miguel (Alexander); Raul Cáceres, Werley, Leandro Castán (Ricardo Graça) e Danilo Barcelos; Raul (Yan Sasse), Lucas Mineiro, Yago Pikachu e Lucas Santos; Marrony e Maxi López.
Técnico: Marcos Valadares

SANTOS
Everson; Victor Ferraz, Felipe Aguilar, Gustavo Henrique e Jorge; Alison (Soteldo), Diego Pituca e Carlos Sánchez (Jean Lucas); Derlis, Jean Mota (Yuri) e Rodrygo.
Técnico: Jorge Sampaoli



Santos leva sustos contra o Vasco, mas avança às oitavas da Copa do Brasil

O Santos perdeu por 2 a 1 para o Vasco na noite desta quarta-feira, em São Januário, mas avançou às oitavas de final da Copa do Brasil. Os gols dos donos da casa foram de Raul e Ricardo Graça. Jorge fez o da classificação.

Depois dos 2 a 0 de vantagem na Vila Belmiro, o Peixe viu o Cruzmaltino abrir dois gols de diferença no primeiro tempo. Na segunda etapa, o Alvinegro voltou um pouco melhor, diminuiu e conseguiu administrar o resultado. Nos acréscimos, o Vasco teve outro gol de Ricardo Graça bem anulado. No último segundo, Gustavo Henrique falhou e Maxi López perdeu chance clara.

Vasco e Santos agora têm a primeira rodada do Campeonato Brasileiro pela frente. Os cariocas visitarão o Atlético-PR, enquanto o Peixe enfrentará o Grêmio, em Porto Alegre. Ambas as partidas serão no domingo.

O adversário do Santos nas oitavas de final da Copa do Brasil será decidido por meio de sorteio. Para a próxima fase, entrarão os brasileiros classificados para a Libertadores da América.

O jogo

O Santos, com 2 a 0 de vantagem da Vila Belmiro, começou o jogo no ataque. Linhas adiantadas, posse de bola e pressão na defesa adversária. Aos oito minutos, Jean Mota acertou um bonito chute na trave.

Aos 12, porém, tudo mudou. Aguilar errou na saída de bola, Lucas Mineiro tocou para Maxi rolar de calcanhar para Raul deslocar Everson e abrir o placar. Com o gol, o Peixe entrou em parafuso.

Muito mais intenso e concentrado, o Vasco acreditou na virada, foi mais perigoso e reverteu o 0-2 aos 38, em escanteio. Ricardo Graça fugiu da marcação de Derlis, contou com saída ruim de Everson e cabeceou para o fundo das redes.

O Santos voltou a campo mais ligado. Jorge Sampaoli tirou Alison, pendurado, e colocou Soteldo. A alteração não demorou a surtir efeito.

Aos oito minutos, Soteldo tabelou com Jorge e cruzou, a bola desviou e sobrou para o próprio lateral bater forte, de fora da área, e vencer o jovem Alexander.

Com a formação ofensiva do Peixe, o jogo ficou ainda mais aberto. No minuto 13, Marrony recebeu em profundidade, Everson saiu todo errado do gol, e o jovem do Vasco tentou encobrir, mas errou o alvo.

Dali em diante, as chances cessaram. Sampaoli recompôs a equipe com a entrada de Jean Lucas e os espaços diminuíram.

Aos 34 minutos, Jorge Sampaoli foi expulso por reclamação. Segundos depois, Diego Pituca escapou com espaço, conduziu e bateu forte, por cima do gol.

O jogo ficou aberto até o fim, mas, nervoso, o Vasco não conseguia reagir. Quando tudo parecia calmo, Ricardo Graça marcou em nova falha de Everson, mas a arbitragem assinalou o impedimento aos 47. E no último segundo, Gustavo Henrique furou e Maxi López perdeu chance claríssima.

Vitória merecida do Vasco, mas eliminação para o Santos na quarta fase da Copa do Brasil.

Após sufoco, Sampaoli cobra melhora do Santos e admite erro por expulsão

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, está preocupado depois da derrota por 2 a 1 para o Vasco na noite desta quarta-feira, em São Januário. O Peixe se classificou às oitavas de final por causa do 2 a 0 da ida, na Vila Belmiro.

O argentino vê muita coisa a melhorar no Alvinegro antes do Campeonato Brasileiro.

“Temos que corrigir um monte de coisas. Temos que ter mais controle do jogo. Complicamos uma classificação que pareceu que estava muito mais tranquila. Temos que corrigir as coisas que prejudicaram hoje. Encontramos uma linha de cinco com os extremos avançada. Temos que nos plantar no campo adversário e que eles se preocupem com a gente. Tomamos um gol e encontramos momentos. Com certeza poderíamos ter empatado ou ganhado a partida. Tentamos jogar num 4-4-2, mas como o Vasco estava se impondo, me passou pela cabeça de corrigir (no intervalo, com Soteldo na vaga de Alison)”, disse Sampaoli.

“Esta noite não tivemos controle do jogo e quando tomamos o segundo gol entramos em desconserto. No segundo tempo, consertamos um pouco e a equipe teve chance de empatar a partida, mas terminamos o jogo sofrendo”, completou.

O treinador admitiu o erro pela expulsão no segundo tempo após reclamação acintosa com a arbitragem.

“Foi minha responsabilidade. A partida estava muito intensa e eu fui expulso merecidamente. Sofri muito. Me expulsaram por reclamação e tive que passar um momento muito difícil porque não pude ajudar os jogadores. O ímpeto deles jogarem a bola na área me deixou um pouco nervoso”, concluiu.

O Santos voltará a campo para enfrentar o Grêmio, domingo, em Porto Alegre, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

Sampaoli fala em dúvida entre Vanderlei e Everson e volta a pedir Ricardo Oliveira

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, diz que ainda não sabe qual goleiro será titular contra o Grêmio, domingo, em Porto Alegre, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

Depois do rodízio com Vanderlei no Paulistão e Everson na Copa do Brasil, Sampaoli vai analisar como proceder daqui para frente. O camisa 22 não foi bem na derrota por 2 a 1 para o Vasco na noite desta quarta-feira, em São Januário.

“Ainda não (sei). Temos de pensar em uma análise de cada posição. São dois goleiros importantes. Vamos ver quem vai jogar no domingo já no início do Brasileirão, em um jogo muito difícil contra o Grêmio”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

Sampaoli também voltou a pedir a contratação de Ricardo Oliveira, do Atlético-MG. A negociação foi intensificada nesta quarta-feira.

“Estamos procurando, insistindo, mas o presidente e as pessoas do clube sabem minha necessidade para um torneio muito duro e competitivo. A petição está formalizada e agora é esperar”, concluiu.

Herói na classificação, Jorge admite erros e diz que “Santos vai longe”

Jorge foi o herói da classificação do Santos para as oitavas de final da Copa do Brasil. O Peixe perdeu por 2 a 1 para o Vasco na noite desta quarta-feira, mas avançou por causa do 2 a 0 na ida, na Vila Belmiro.

Novidade na escalação, o lateral-esquerdo fez o gol decisivo no início do segundo tempo. Ele admitiu os erros e falou que o Peixe irá longe.

“Sabíamos que seria difícil, contra equipe bem montada. Sabíamos que seria difícil por causa da derrota na final. Entrariam com tudo. Não queríamos perder, mas classificamos e temos que acertar o que erramos. Esse time vai longe”, disse Jorge, ao SporTV.

O goleiro Everson destacou a vitória em casa e diz não ter se surpreendido com a pressão do Vasco nos acréscimos. Os cariocas tiveram gol bem anulado de Ricardo Graça e perderam chance incrível com Maxi López no último minuto.

“Foi por conta do nosso primeiro tempo. Nas duas chegadas, fizeram gol em erros coletivos nossos. Resolvemos no vestiário. Nos últimos minutos, imaginávamos o sufoco. Tivemos oportunidade de matar, mas não concluímos. São dois jogos. No primeiro fomos melhor. No primeiro tempo de hoje, jogamos mal, depois melhoramos, jogamos de igual para igual e nos classificamos”, analisou Everson.

Após 25 jogos, Sampaoli ainda não repetiu escalação no Santos

Após 25 jogos, o técnico Jorge Sampaoli ainda não repetiu um time titular no Santos. Contra o Vasco, na noite da última quarta-feira, o argentino surpreendeu e escalou Jorge na vaga de Soteldo.

Desde o amistoso contra o Corinthians, ainda na pré-temporada, Sampaoli levou a campo 24 escalações. 24 diferentes da anterior.

A atual comissão técnica estuda o adversário e define o esquema e os titulares de acordo com as características esperadas. Diante do Vasco, na decisão pela Copa do Brasil, a opção foi por reforçar o meio-campo com Diego Pituca e deixar Jorge pelo lado. Para a segunda etapa, Soteldo entrou na vaga de Alison.

O próximo desafio do Peixe será diante do Grêmio, domingo, na arena em Porto Alegre, pela estreia no Campeonato Brasileiro. Uma das indefinições está no gol: depois do rodízio entre Vanderlei no Campeonato Paulista e Everson na Copa do Brasil, o treinador ainda não definiu o titular.

O aproveitamento de Sampaoli é de 60% após 14 vitórias, cinco empates e cinco derrotas na temporada.

Sampaoli “volta no tempo” ao usar esquema do Século 19 no Santos

Depois de vários testes ao longo do Campeonato Paulista, Jorge Sampaoli parece ter encontrado um esquema ideal para o Santos: o 2-3-5, com dois zagueiros, um volante, dois “laterais-volantes” e cinco à frente: dois pela ponta, dois pelo meio e um falso 9.

Em evento da CBF na última segunda-feira, Sampaoli admitiu o tédio pelo futebol atual e revelou o desejo de ver o Santos como no futebol antigo. “Quero que meu time volte no tempo”, disse. E, ao menos na teoria, o Peixe realmente voltou.

O argentino levou a “pirâmide” a campo pela primeira vez na vitória por 1 a 0 sobre o Corinthians, pela semifinal do Campeonato Paulista, no Pacaembu. O Santos amassou o rival com mais de 70% e 33 finalizações, mas acabou eliminado nos pênaltis. A formação foi repetida nos 3 a 0 sobre o Atlético-GO e 2 a 0 diante do Vasco, na Vila Belmiro, e no primeiro tempo da derrota por 2 a 1 em São Januário.

A pirâmide teve origem no fim do século 19, no Reino Unido, em tentativa de organizar o esporte em campo. De acordo com o multicampeão Carlos Alberto Parreira, o esquema 2-3-5 “foi a primeira forma de noção tática registrada por um time. O início da inteligência no futebol”.

A criação do 2-3-5 gera dúvida entre escritores. O jornalista Jonathan Wilson, no livro “A Pirâmide Invertida: A História da Tática no Futebol”, afirma que o primeiro registro ocorreu em março de 1878, com o título do Wheham Football Club na Copa de País de Gales. O técnico húngaro Árpad Csanádi, na obra “Soccer”, relata a primeira pirâmide na Universidade de Cambridge, em 1883.

Independentemente da estreia, o 2-3-5 se disseminou e virou a formação da moda no século 20, como no título do Uruguai na primeira Copa do Mundo, em 1930. Daí em diante, as variações táticas tiveram início. 3-2-5, depois o 3-5-2, 5-3-2, e assim sucessivamente.

Argentina e Sevilla

Sampaoli surpreendeu os torcedores do seu país ao utilizar o 2-3-5 em um 6 a 0 sobre a seleção de Cingapura, no amistoso em 2017, quando chegou a alcançar 90% de posse de bola.

Depois de usar a pirâmide, o treinador criou o 2-3-3-2, repetido no Sevilla, com dois zagueiros, três meio-campistas defensivos, três meio-campistas ofensivos e dois atacantes.


Vasco 2 x 2 Santos

Data: 21/09/2016, quarta-feira, 21h45.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas de final – Jogo de volta
Local: Estádio São Januário, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 17.393 pagantes
Renda: R$ 469.245,00
Árbitro: Jean Pierre Goncalves Lima (RS)
Auxiliares: Leirson Peng Martins e Mauricio Coelho Silva Penna (ambos do RS).
Cartões amarelos: Diguinho e Douglas (V); Rodrigão e Zeca (S).
Cartão vermelho: Andrezinho (V)
Gols: Copete (11-1), Nenê (24-1); Ederson (24-2) e Rodrigo (37-2, contra)

VASCO
Martin Silva; Yago Pikachu, Rodrigo, Luan e Julio Cesar (Allan); Diguinho (Madson), Douglas, Andrezinho e Nenê; Éderson e Júnior Dutra.
Técnico: Jorginho

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Zeca; Renato, Thiago Maia e Lucas Lima; Vitor Bueno (Elano), Copete e Rodrigão (Joel).
Técnico: Dorival Junior



Santos empata com Vasco e avança para as quartas da Copa do Brasil

Em uma partida muito movimentada, o Santos conquistou a classificação para as quartas de final da Copa do Brasil ao empatar por 2 a 2 com o Vasco, nesta quarta-feira, em São Januário. Como venceu o duelo de ida, os paulistas avançaram na competição de mata mata e vai conhecer seu adversário após sorteio na CBF.

O Santos sacramentou a classificação no início do jogo, com gol de Copete. O Vasco ainda empatou na etapa inicial com Nenê. No segundo tempo, os donos da casa viraram com Ederson, mas viram os paulistas empatarem em gol contra de Rodrigo, em jogada controversa.

As duas equipes voltam a campo no sábado. Pela Série A, o Santos vai até Recife para enfrentar o Sport. Já o Vasco terá o confronto direto pela liderança da Série B contra o Atlético-GO, novamente em São Januário.

O jogo

O Vasco tentou pressionar o Santos nos primeiros minutos em busca do gol. No entanto, os santistas logo impuseram seu toque de bola e em um contra-ataque rápido abriu o placar aos 11 minutos. Thiago Maia cruzou pela esquerda, Martín Silva saiu mal e viu Copete finalizar para a rede.

Os cruzmaltinos buscaram o empate depois do revés e por pouco não marcaram aos 13 minutos. Ederson foi lançado na área, mas finalizou na rede pelo lado de fora. O lance animou os donos da casa, que aumentaram a pressão e conseguiram o gol aos 24 minutos. Junior Dutra fez boa jogada pela direita e cruzou para Nenê chutar cruzado, sem chance para Vanderlei.

A partida seguiu movimentada após o empate do Vasco, mas o Santos quase ficou a frente no marcador aos 26 minutos. Vitor Bueno foi lançado na área, mas acabou travado por Rodrigo antes de finalizar. Depois disso, os vascaínos assustaram em dois chutes de fora da área. Primeiro, Douglas obrigou Vanderlei a fazer boa defesa. Depois, Junior Dutra quase acertou o canto do goleiro santista.

Com o passar do tempo, o Santos conseguiu segurar as boas jogadas do Vasco. Os cruzmaltinos continuavam tendo mais posse de bola, mas erravam muitos passes e quase buscavam as jogadas aéreas viam a zaga paulista tirar o perigo. Assim, o duelo foi para o intervalo com a igualdade no placar em São Januário.

No segundo tempo, o Vasco continuou tendo mais posse de bola, mas sem levar perigo ao Santos, principalmente pelo excesso de passes errados. Quase tinha a bola, os visitantes trocavam muitos passes para diminuir o ritmo da partida.

O Santos conseguiu equilibrar o jogo e desperdiçou grande chance aos 23 minutos. Os paulistas aproveitaram roubada de bola no meio e chegaram na área com facilidade. Copete recebeu passe na pequena área, mas Martín Silva se esticou para salvar os cruzmaltinos, que responderam em grande estilo no minuto seguinte. Nenê cruzou pela direita, Gustavo Henrique não cortou o perigo e viu Thalles dar de cabeça ara Ederson colocar na rede.

O gol fez a torcida inflamar em São Januário. Com isso, o Vasco voltou a pressionar e desperdiçou grande chance aos 30 minutos. Nenê lançou Yago Pikachu na área. O lateral tocou para Ederson na pequena área, mas o atacante finalizou para fora.

Quando o Vasco buscava o terceiro, tomou uma ducha de água fria aos 37 minutos. Em contra-ataque rápido, Joel cruzou rasteiro e o zagueiro Rodrigo, ao tentar cortar a bola, colocou na própria rede. Os vascaínos reclamaram muito de falta em Allan no início da jogada.

O revés desanimou torcida e jogadores do Vasco, que não teve mais força de buscar o resultado. Para piorar, nos minutos finais, Andrezinho foi expulso após entrada dura. Assim, o Santos passou a administrar o jogo até o apito final.

Bastidores – Santos TV:

Dorival vê mais acertos do que falhas em classificação contra o Vasco

O Santos conquistou a classificação para as quartas de final da Copa do Brasil ao empatar por 2 a 2 com o Vasco, nesta quarta-feira, em São Januário. Porém, engana-se quem pensa que foi um duelo fácil para o Peixe. Mesmo com a vantagem de ter vencido o jogo de ida por 3 a 1, o Alvinegro paulista abriu o placar no começo, mas levou a virada do Cruz-Maltino e sofreu para conseguir igualar o marcador e sair com a vaga.

Após perder uma chance clara aos 24 minutos da etapa final, o Santos viu o Vasco sair em contra-ataque e fazer 2 a 1, com Éderson. Logo em seguida, o próprio atacante vascaíno teve uma chance incrível na cara do goleiro Vanderlei e desperdiçou. Se a bola entrasse, o duelo iria para os pênaltis.

Apesar de sofrer dois gols e ser pressionado pelos cariocas, o técnico Dorival Júnior acredita que a atuação do Alvinegro Praiano foi boa em São Januário. “No somatório, fizemos muito mais coisas positivas do que negativas. Fomos infelizes em alguns momentos. Sofremos o segundo gol e não perdemos o equilíbrio em campo”, afirmou o comandante, em entrevista coletiva após o jogo desta quarta-feira.

Após se garantir nas quartas da Copa do Brasil, o Santos volta suas atenções ao Campeonato Brasileiro. No próximo sábado, o Peixe enfrentará o Sport, às 18h30 (de Brasília), na Ilha do Retiro, pela 27ª rodada da competição.

“A equipe busca uma recuperação dentro do Brasileiro. Vamos ver a sequência, o que vamos alcançar. Confio muito no grupo. Espero que melhoremos ainda mais para que possamos estar numa posição ainda melhor na competição”, concluiu Dorival.

Como o duelo contra o Sport também será longe de São Paulo, o Peixe não voltará a Santos. A delegação treinará em General Severiano nesta quinta-feira e depois embarcará para Pernambuco. Os santistas só retornarão para casa no domingo, após o jogo diante do Leão.

Lucas Lima reclama de “maldade” dos vascaínos e já pensa no Brasileirão

O Santos arrancou um empate em 2 a 2 contra o Vasco, em São Januário, na noite desta quarta-feira, e conquistou a classificação para as quartas de final da Copa do Brasil. Após abrir o placar, o Peixe levou a virada e buscou a igualdade em um lance polêmico. Aos 38 minutos do segundo tempo, Lucas Lima trombou em Andrezinho e armou a jogada que terminou com o gol contra do zagueiro Rodrigo. Os vascaínos pediram falta do meia santista, que não concorda com a reclamação.

“Não sei do que estão reclamando. Eles foram muito maldosos desde o começo do jogo e o juiz estava deixando seguir. Quem decide é a arbitragem. Não tem do que reclamar”, afirmou o camisa 10 do Alvinegro praiano, na saída do gramado.

Antes do lance polêmico no segundo gol, o Santos chegou a ter a classificação ameaçada, mesmo após abrir o placar no início do duelo. Aos 24 minutos da etapa final, o Peixe saiu na cara do gol com quatro jogadores contra o goleiro Martín Silva. Porém, o atacante Joel demorou para chutar e perdeu a chance claríssima. No contra-ataque, o alvinegro acabou levando a virada do Cruz-Maltino, após Éderson empurrar para o fundo das redes.

Logo após a virada, o Santos foi pressionado pelo Vasco e quase levou o terceiro gol. Porém, o alvinegro conseguiu empatar o duelo no fim e garantir a classificação. Para Lucas Lima, a pressão foi causada por falhas dos próprios santistas.

“Sofremos por culpa do nosso time, poderíamos ter matado a partida antes. Agora é descansar e pensar no Brasileiro”, completou.

Gustavo Henrique comemora classificação, mas admite “vacilos”

Logo aos 10 minutos de jogo, quando Copete empurrou a bola para o fundo das redes e abriu o placar contra o Vasco, em São Januário, a classificação do Santos para as quartas de final já era dada como certa. Afinal, os santistas haviam vencido o confronto de ida por 3 a 1, na Vila Belmiro, e os vascaínos precisavam marcar três vezes para levar a decisão para os pênaltis. Porém, mesmo com a larga vantagem, o Peixe sofreu no Rio de Janeiro.

Ainda no primeiro tempo, o Vasco buscou o empate. Já na segunda etapa, os torcedores do Santos certamente tiveram um déjà vu. Após perder uma chance clara com Joel, o Peixe viu o Vasco sair em contra-ataque fazer 2 a 1, com Éderson. O lance foi bem parecido com o segundo gol de Keno contra o alvinegro, no último domingo, no Pacaembu, na vitória santista por 3 a 2 sobre o Santa Cruz, pela 26ª rodada do Brasileirão.

Na saída de São Januário, o zagueiro Gustavo Henrique admitiu as falhas da equipe. “Vacilamos muito. Um time como o nosso, que joga junto há tempos, não pode deixar isso acontecer. Mas é bom para amadurecermos “, disse o defensor.

Mesmo após levar a virada do Cruz-Maltino, o Santos conseguiu arrancar o empate e saiu de campo classificado para as quartas de final da Copa do Brasil.

Copete vibra com gol importante e diz que Santos ‘ainda não ganhou nada’

Com a vantagem de ter vencido o confronto de ida por 3 a 1, na Vila Belmiro, o Santos praticamente garantiu a classificação às quartas de final da Copa do Brasil logo aos 10 minutos do primeiro tempo, quando Copete empurrou a bola para o fundo das redes e abriu o placar contra o Vasco, na noite desta quarta-feira, em São Januário. Para o colombiano, o tento foi importante para diminuir a pressão vascaína no início do duelo.

“Sabíamos que se marcássemos um logo cedo, nós teríamos uma grande diferença e eles teriam que vir pra cima, a torcida ia se desesperar, dando a possibilidade da gente jogar com calma e ter mais a bola”, afirmou o atacante santista.

Porém, mesmo com a vantagem e a vitória parcial, o Santos sofreu para sair do Rio de Janeiro classificado. O Cruzmaltino empatou o jogo ainda no primeiro tempo, com Nenê, e virou a partida na segunda etapa, após gol de Éderson. Logo em seguida, o próprio atacante vascaíno teve uma chance incrível na cara do goleiro Vanderlei e desperdiçou. Se a bola entrasse, o duelo iria para os pênaltis. Depois de suportar a pressão da equipe carioca, o Alvinegro Praiano arrancou a igualdade e garantiu a vaga.

“Acabou complicando um pouco no final, mas sabíamos que não seria fácil. Sabemos que é uma equipe que briga e que sempre está dando o melhor. Nós tivemos que controlar isso e também nossas emoções. Fizemos uma boa partida no geral e estamos felizes com a classificação. Agora é virar a página e seguir adiante”, disse Copete.

Agora, o Peixe muda o foco e volta suas atenções ao Brasileirão. No próximo sábado, os santistas enfrentam o Sport, às 18h30 (de Brasília), na Ilha do Retiro, pela 27ª rodada do torneio. Para Copete, o Santos tem condições de conquistar os dois campeonatos, mas precisa manter os pés no chão.

“Temos que ir passo a passo e tratar cada partida como uma final. Ainda não ganhamos nada, mas com essa sequência positiva nós demonstrando que podemos chegar nos primeiros lugares”, completou.

Vasco 1 x 0 Santos

Data: 29/11/2015, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 37ª rodada (penúltima)
Local: Estádio de São Januário, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 10.614 pagantes
Renda: 478.380,00
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Auxiliares: Cleriston Clay Barreto Rios (SE) e Elio Nepomuceno de Andrade Junior (RS).
Cartões amarelos: Rafael Silva e Andrezinho (V); Léo Cittadini e Vanderlei (S).
Gol: Nenê (45-1).

VASCO
Martín Silva; Madson, Rafael Vaz, Rodrigo e Julio Cesar; Diguinho (Guiñazu), Serginho, Andrezinho (Bruno Gallo) e Nenê; Jorge Henrique e Riascos (Rafael Silva).
Técnico: Jorginho

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Werley, Leonardo e Chiquinho; Ledesma (Vitor Bueno), Leandrinho, Léo Cittadini (Lucas Otávio) e Marquinhos (Leandro); Geuvânio e Nilson.
Técnico: Dorival Júnior



Vasco derrota o Peixe e respira na Série A até o dia 6

O Vasco conseguiu uma suada (e molhada) vitória por 1 a 0 sobre o Santos, neste domingo, em São Januário, em jogo que demorou mais de uma hora para ser iniciado devido ao temporal que caiu sobre a cidade do Rio de Janeiro. Com o resultado, conquistado devido a um gol de pênalti sofrido e convertido pelo meia Nenê, os cariocas conseguem se manter vivos na última rodada, que será disputada no dia 6 de dezembro.

A situação dos cruz-maltinos, no entanto, segue bastante complicada no torneio. O Coritiba, rival da próxima rodada, por exemplo, já não pode mais ser alcançado pela equipe. Com 43 pontos contra 40 dos comandados de Jorginho, os paranaenses têm duas vitórias a mais, inalcançáveis pelo critério de desempate. O Peixe, por sua vez, dá adeus a qualquer chance de G4, ficando a quatro do São Paulo, quarto colocado com 59 pontos.

Na próxima rodada, além de ter de vencer os paranaenses, o Gigante da Colina torce para Avaí e Figueirense não vencerem Corinthians e Fluminense, respectivamente. Os santistas, por sua vez, nem querem saber do duelo ante o Furacão, no mesmo dia na Vila. As atenções estão todas voltadas para a decisão da Copa do Brasil, na quarta-feira, contra o Palmeiras, no Palestra Itália.

O jogo

Aos cinco minutos, Daniel Guedes cruzou boa bola na área e Nilson ganhou de Rodrigo, testando no canto de Martín Silva. O uruguaio saltou e foi buscar a bola no canto direito, praticando uma bela defesa. Pouco depois, foi a vez do Vasco ter uma grande chance para chamar de sua. Após escanteio cobrado na área e três toques de cabeça, a bola ficou limpa para Jorge Henrique. No bico da pequena área, ele bateu de esquerda e mandou forte, cruzado. A bola, porém, passou à direita do gol de Vanderlei, para desespero dos vascaínos.

Depois do início equilibrado, os anfitriões conseguiram tomar controle da partida, apostando no embalo da torcida e na falta de entrosamento dos reservas santistas. Comandados por Nenê e Andrezinho, que trabalharam a bola com qualidade no meio-campo, os cariocas criaram chances tanto em chutes de média distância quanto em escapadas de velocidade. Na melhor delas, Riascos recebeu na frente de Vanderlei e tentou encobrir o goleiro, mas a bola saiu lentamente pela linha de fundo.

O volume de jogo, no entanto, indicava que o Vasco não tardaria em conseguir o gol inaugural. E ele veio com um pênalti, já quase no encerramento da etapa. Após bola erguida na área, Nenê conseguiu dominar livre, na lateral da pequena área. Vanderlei deu um carrinho alto para tentar abafar o lance e o meia deu um toque tirando do goleiro. Na sequência, o vascaíno pulou e não foi atingido, mas o árbitro Leandro Vuaden marcou pênalti pela violência da entrada do arqueiro.

Com categoria, o próprio Nenê deslocou o goleiro e mandou no canto direito, explodindo o estádio, àquela altura aflito pela vitória do Coritiba sobre o Palmeiras, que rebaixava o clube mesmo com um empate ante o Peixe. Festa que se estendeu durante todo o intervalo, em clima contagiante.

Toda a empolgação demonstrada, no entanto, não conseguiu ser repetida na etapa final. Mostrando certo cansaço e nervosismo, os jogadores do time da casa recuaram e não conseguiram mais ficar com a bola. Melhor com a entrada do bom Vitor Bueno, o Peixe passou a levar perigo em descidas pela esquerda e, aos 20 minutos, chegou a levar bastante perigo com Leandro, outro que saiu do banco.

Praticamente aceitando que não teria condições de manter o ritmo adotado no primeiro tempo, os anfitriões se dedicaram apenas a gastar o tempo. Cada tiro de meta, lateral ou escanteio demorava a ser batido, principalmente os que estavam a cargo do experiente Nenê.

Auxiliados pela segurança do goleiro Martin Silva, os donos da casa foram bastante efetivos na proposta de jogo, conseguindo afastar todos os lances de perigo do time da Baixada. Dessa forma, restou à torcida apenas contar os minutos até o fim do jogo e celebrar a sobrevida na competição.

Vanderlei contesta pênalti para o Vasco: “Nem ia pegar no Nenê”

O goleiro Vanderlei saiu de campo revoltado com a marcação do pênalti que deu a vitória ao Vasco por 1 a 0 sobre o Santos. Autor do carrinho que resultou na anotação da infração pelo árbitro Leandro Pedro Vuaden, o arqueiro não se conteve em entrevista concedida ainda no gramado na descida para o intervalo, apenas alguns minutos depois do tento adversário.

“Não preciso nem falar nada do pênalti. Quem for ver a imagem vai poder acompanhar que eu não toquei no Nenê. Ele jogou a bola por cima e pulou. Infelizmente, o (Leandro) Vuaden entrou na dele e marcou”, afirmou o arqueiro, mostrando a mesma indignação ao ser interpelado por uma repórter que questionou se, mesmo não encostando no vascaíno, seu carrinho não tenha sido violento demais.

“Eu ia pegar nele onde? Eu nem ia pegar no Nenê. Quando eu dei o carrinho ele tocou por cima de mim e eu recolhi a perna esquerda para não encostar”, assegurou o jogador do alvinegro praiano, único titular escalado por Dorival Júnior no embate.

Depois do jogo, ele manteve a opinião de que nada havia acontecido, mas reconheceu a inferioridade da equipe em relação aos donos da casa. Agora, ele se junta aos outros titulares, que treinaram neste domingo em Santos, para a preparação visando à decisão da Copa do Brasil, na quarta-feira, às 22h (de Brasília), contra o Palmeiras, no Palestra Itália.

Dorival defende opção pela Copa do Brasil após perder G4

A derrota dos reservas do Santos por 1 a 0 para o Vasco, em São Januário, neste domingo, pôs fim a qualquer chance do alvinegro de alcançar o G4 do Campeonato Brasileiro, pois o time, com 55 pontos, não pode mais alcançar o São Paulo, quarto colocado com 59. Incomodado com os questionamentos sobre a decisão de priorizar a Copa do Brasil, ele justificou a opção pelo torneio de mata-mata.

“Agora estamos indo para uma segunda partida. Seguramos até onde deu (priorizar alguma das competições). O momento de definição delas aconteceu ao mesmo instante. É impossível se manter nas duas com a mesma intensidade que vínhamos tendo”, revelou o treinador, que terá de esperar mais um dia para se juntar aos titulares, que ficaram treinando em Santos.

O voo de retorno do Rio para São Paulo estava marcado para a noite deste domingo, mas o atraso de cerca de uma hora e 15 minutos no embate contra o Cruz-Maltino fez com que a delegação que viajou à capital fluminense tivesse de dormir lá antes de aparecer no CT Rei Pelé.

Confiante na possibilidade de conquistar mais um título para o Peixe em 2015 e apagar de vez qualquer crítica pela priorização da Copa do Brasil, Dorival fez questão de negar qualquer favoritismo dos seus comandados no duelo marcado para quarta-feira, no Palestra Itália. Como venceu por 1 a 0 na Vila Belmiro, a equipe joga apenas por um empate.

“É um clássico, duas equipes que fizeram campanhas muito regulares. Fizeram a final do Paulista, brigaram pela vaga na Libertadores e chegaram à final da Copa do Brasil. Fizemos um primeiro jogo muito equilibrado. De 180, saímos de 90 minutos com um resultado positivo. Vamos jogar na casa do Palmeiras, mas o Santos vai estar preparado, vai fazer um grande jogo e eu confio muito nessa garotada”, encerrou.

Jogadores do Santos deixam Brasileiro de lado por “jogo da vida”

O Campeonato Brasileiro já havia deixado de ser prioridade para o Santos, e agora será completamente esquecido. Ainda no gramado de São Januário, após a derrota por 1 a 0 para o Santos, os jogadores mostraram foco total na decisão da Copa do Brasil contra o Palmeiras.

“O sonho de todo jogador é participar de jogos grandes, de finais de campeonato. A gente trabalha muito para isso. Vamos botar o Campeonato Brasileiro de lado para fazer uma grande partida, nosso jogo da vida, do ano. E, se Deus quiser, sair com o título na quarta-feira”, afirmou Vanderlei.

O goleiro foi o único titular escalado para o confronto com o Vasco. Em um time recheado de reservas, até aqueles que não entrarão em campo contra o Palmeiras deixaram São Januário pensando no duelo decisivo. “Agora, é virar a chave e pensar na Copa do Brasil”, disse o beque Leonardo.

O Santos saiu na frente na final, triunfando por 1 a 0 na Vila Belmiro. No Palestra Itália, jogará pelo empate para conquistar o título e poderá apostar na disputa por pênaltis caso seja derrotado por um gol de diferença. Foi justamente nos tiros da marca penal que o time praiano levou o Campeonato Paulista deste ano, em cima do próprio Palmeiras.

“A equipe está preparada para fazer um grande jogo. Estamos muito tranquilos, sabemos da responsabilidade. Podemos fechar o ano com dois títulos, um ano que começamos desacreditados. O grupo deu a volta por cima e está focado para fazer um grande jogo na quarta”, disse o zagueiro Werley.

Vasco 2 x 0 Santos

Data: 21/07/2012, sábado, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 11ª rodada
Local: Estádio de São Januário, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 17.222 pessoas (13.392 pagantes)
Renda: R$ 441.210,00
Árbitro: Wagner Reway (MT).
Auxiliares: Carlos Berkenbrock (Fifa-SC) e Rosnei Scherer (SC).
Cartões amarelos: Durval e Bruno Peres (S).
Gols: Douglas (11-1); Alecsandro (02-2).

VASCO
Fernando Prass; Auremir, Dedé, Douglas e William Matheus; Nilton, Wendel (Fellipe Bastos), Juninho Pernambucano (Diego Rosa) e Carlos Alberto (Pipico); Eder Luis e Alecsandro.
Técnico: Cristóvão Borges

SANTOS
Aranha; Bruno Peres, Bruno Rodrigo, Durval e Léo; Adriano, Henrique, Arouca e Felipe Anderson; Dimba (João Pedro) e Miralles (Victor Andrade).
Técnico: Muricy Ramalho


Vasco 2 x 0 Santos

Data: 03/08/2011, quarta-feira, 21h50.
Competição: Campeonato Brasileiro – 14ª rodada
Local: Estádio de São Januário, Rio de Janeiro, RJ.
Árbitro: Heber Roberto Lopes (PR/Fifa)
Auxiliares: Bruno Bostilia (PR) e José Amilton Pantarolo (PR)
Cartões amarelos: Rômulo, Felipe e Diego Rosa (V); Edu Dracena, Léo e Neymar (S).
Gols: Diego Souza (02-1) e Dedé (20-1).

VASCO
Fernando Prass; Fagner, Dedé, Anderson Martins e Jumar; Rômulo, Eduardo Costa (Diego Rosa), Felipe e Diego Souza; Eder Luis (Leandro) e Alecsandro
Técnico: Ricardo Gomes

SANTOS
Rafael; Pará (Alan Kardec), Edu Dracena, Durval e Léo; Arouca, Elano, Ibson e Ganso; Neymar e Borges
Técnico: Muricy Ramalho



Dedé leva a melhor sobre Neymar, Vasco vence Santos por 2 a 0 alcança 3ª lugar

O agora zagueiro da seleção brasileira, Dedé, deu nova mostra da eficiência defensiva ao anular Neymar, na noite desta quarta-feira, em São Januário, e ajudar o Vasco a vencer o Santos por 2 a 0, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro. O defensor ainda marcou gol na partida coroando a boa atuação. Diego Souza foi o autor do outro gol vascaíno.

O triunfo impulsiona o Vasco, ultrapassando São Paulo e Palmeiras, para a 3ª colocação na classificação, com 27 pontos, a quatro do líder Corinthians. Já o Santos segue na zona de rebaixamento e ainda cai uma posição, agora sendo o 18º, com 11 pontos.

A avalanche do Vasco nos minutos inicias da partida impressionou. Diego Souza fez fila no primeiro minuto de jogo, e Eder Luís ficou com o rebote do chute do meia, mas perdeu uma incrível chance na frente de Rafael.

A blitz vascaína deu certo no minuto seguinte, quando Diego Souza dominou a bola na entrada da área e acertou um torpedo, sem chance para Rafael.

Com a vantagem, o Vasco tomou a postura característica de esperar por bons contra-ataques, e com o estilo ofensivo do Santos, bons momentos no jogo não faltaram.

Neymar desperdiçou chance de empatar, e seu principal marcador, Dedé, não cometeu o mesmo vacilo, ao marcar de cabeça o segundo gol do Vasco se aproveitando de uma falha de Rafael.

“O refletor me atrapalhou. Foi muita claridade e não consegui enxergar nada”, explicou o goleiro santista, em entrevista à TV Tribuna, no intervalo do jogo.

Os refletores tão relcamados por Rafael se apagaram parcialmente aos 29 minutos do primeiro tempo, e interromperam o jogo por 15 minutos. Quando retomada, a partida seguiu agitada.

Vasco e Santos só deixaram o jogo morno no segundo tempo. Ricardo Gomes optou por alterações para manter o bom rítimo do time, enquanto Muricy Ramalho só resolveu mexer aos 31 minutos, colocando o ex-vascaíno Alan Kardec no lugar de Pará. De nada adiantou.

O Santos foi praticamente inofensivo no segundo tempo, e Dedé desfilou soberano em campo. O zagueiro da seleção brasileira está com moral, e já tem no cuirrículo uma vitória no confronto contra Neymar.

Violência

A torcida vascaína deixou o ambiente de jogo tenso no primeiro tempo ao atirar uma bomba atrás do gol aonde estava posicionado Rafael. A cena voltou a se repetir minutos depois.

Perseguição

Neymar e Elano foram alvos da torcida vascaína. O atacante era xingado sempre que tocava na bola, enquanto o meia sofria com os gritos de: “não é mole não, o Elano afundou a seleção”.