Navegando Posts marcados como semifinal

Santos 1 x 0 Corinthians – 6 x 7 nos pênaltis

Data: 08/04/2019, segunda-feira, 20h00.
Competição: Campeonato Paulista – Semifinal – Jogo de volta
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 38.542 presentes (37.731 pagantes e 811 não pagantes).
Renda: R$ 1.477.585,00
Árbitro: Raphael Claus
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis e Luiz Alberto Andrini Nogueira.
VAR: Thiago Duarte Peixoto
Cartões amarelos: Alison, Diego Pituca, Sánchez e Kaio Jorge (S); Clayson e Cássio (C).
Gol: Gustavo Henrique (41-2).
Pênaltis: Santos: Converteram: Rodrygo, Soteldo, Sánchez, Derlis, Pituca, Alison; Perderam: Kaio Jorge (travessão) e Victor Ferraz (trave). Corinthians: Converteram: Vagner Love, Ramiro, Júnior Urso, Fagner, Sornoza, Danilo Avelar, Henrique; Perdeu: Boselli (defesa).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Aguilar, Gustavo Henrique e Diego Pituca; Alison, Carlos Sánchez e Jean Mota (Kaio Jorge); Cueva (Rodrygo), Soteldo e Derlis González.
Técnico: Jorge Sampaoli

CORINTHIANS
Cassio, Fagner, Manoel, Henrique e Danilo Avelar; Ralf, Junior Urso e Sornoza; Pedrinho (Vagner Love), Clayson (Ramiro) e Gustavo (Boselli).
Técnico: Fabio Carille



Corinthians tira Santos nos pênaltis e vai à terceira final seguida de Paulistão

Fiel ao estilo que o consagrou em tantas competições nos últimos anos, o Corinthians garantiu na noite dessa segunda-feira a vaga na final do Campeonato Paulista pelo terceiro ano seguido. Diante de um Pacaembu lotado de santistas, o Timão não se furtou a apostar na sua força defensiva para fazer valer a vantagem conquista em Itaquera, mas a estratégia deu certo só até os 41 minutos do segundo tempo, quando Gustavo Henrique ganhou bola alta, garantiu o triunfo do Peixe por 1 a 0 e levou tudo para os pênaltis.

Diante da marca da cal foram necessários 16 chutes. Boselli foi o único a parar em Vanderlei. Cássio dessa vez não foi herói, mas o Timão comemorou por causa das batidas na trave de Kaio Jorge e Victor Ferraz. Aliás, foi a terceira vitória corintiana nos pênaltis em 2019, dessa vez pelo placar de 7 a 6.

Disposto a encontrar um jeito de furar o sistema defensivo corintiano, Jorge Sampaoli resolveu inovar. Mandou Pituca para a lateral esquerdo e colocou Soteldo pela ponta, com Cueva no meio, mais próximo de Jean Mota.

O Corinthians, por sua vez, conseguiu segurar o ímpeto inicial dos mandantes com uma marcação alta que incomodou a saída de bola de Vanderlei. Aos poucos, porém, o time de Fábio Carille foi se restringindo a viver de bicões que procuravam por Gustagol.

A ideia de começar com Pedrinho não surtiu efeito no ataque. Sornoza foi quem mais comprometeu a marcação. Mesmo assim, a ausência de um centroavante foi sentida pelo Peixe, que erros passes em demasia na busca por um espaço.

Na única intervenção mais incisiva de um goleiro, Cássio evitou gol de Jean Mota já dentro da área em lance originado por falha de Pedrinho e chute torto de Cueva.

A chuva que não deu trégua até o intervalo não voltou para o segundo tempo. Pedrinho e Cueva também não. Vagner Love e Rodrygo, que teve a entrada solicitada por parte da torcida ainda no primeiro tempo, foram para o jogo.

Como era de se imaginar, a vantagem do Corinthians por ter vencido na Arena por 2 a 1 passou a ser respeitada mais do que nunca. Definitivamente as propostas ficaram escancaradas. O Santos se lançou e o Timão se encolheu, a espera de um contra-ataque mortal.

Com Ramiro no lugar de Clayson, esse cenário apenas se consolidou. O Corinthians errava todas as suas saídas de bola e indignava Fábio Carille na beira do campo. E nesse momento de dificuldade mais uma vez apareceu a figura de Cássio.

Famoso por seus atos em jogos decisivos, o camisa 12 corintiano voltou a ser crucial, principalmente em um chute forte, de dentro da área, de Rodrygo.

Cássio só não teve o que fazer aos 41 minutos, quando Victor Ferraz acertou um cruzamento na medida para Gustavo Henrique. Sem marcação, o zagueiro testou a bola para o chão e levou a torcida à loucura.

Antes do apito final só deu tempo para Boselli entrar na vaga de Gustagol, aparentemente com câimbras. Com o estádio todo de pé, veio o apito final e a aflição pela certeza que o finalista sairia apenas após a disputa de pênaltis.

Diante da marca da cal, de cara, Boselli parou em Vanderlei. Na sequência, Cássio tocou, mas não evitou o gol de Rodrygo. Vagner Love fez, mas Kaio Jorge mandou no travessão. Ramiro e Soteldo não desperdiçaram. Júnior Urso cobrou com categoria, assim como Sánchez. Os últimos da primeira sequência foram Fagner e Derlis. Ambos garantiram os seus gols e levaram. Sornoza, então, mandou no ângulo. Pituca também acertou. Avelar e Alison também. Henrique converteu e coube a Victor Ferraz ser o vilão na 16ª cobrança. O lateral acertou o pé da trave e acabou com as chances do Santos de chegar à final.

Agora, o time da Baixada Santista foca no duelo contra o Atlético-GO, quinta-feira, pela Copa do Brasil, quando mais uma vez o Peixe terá de correr contra o prejuízo por ter perdido fora de casa por 1 a 0. Já o Corinthians tem o São Paulo pela frente na luta pelo título do Estadual nos dois próximos domingos. Pela Copa do Brasil, o time também está classificado à quarta fase e apenas aguarda sorteio da CBF para descobrir seu adversário e as datas dos confrontos.

Sampaoli vê partida incrível e promete não trair jogo ofensivo do Santos

O técnico Jorge Sampaoli exaltou a forma de jogar do Santos na eliminação da semifinal do Campeonato Paulista nesta segunda-feira, no Pacaembu.

Depois da derrota por 2 a 1 em Itaquera, o Peixe criou várias chances, venceu por 1 a 0 e perdeu nos pênaltis.

“Prometo que nunca vou trair essa forma de jogar. Nunca vou jogar de outra forma que não seja a que jogamos hoje”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

“Tomara que esse resultado não nos faça cair, porque temos que nos preparar para o Brasileirão. Temos que ter valentia, capacidade, segurança e convicção para jogar dessa forma em qualquer lugar”, completou.

Sampaoli diz que a campanha no Paulistão serve de lição no Alvinegro.

“,Jogamos uma partida incrível, mas não nos classificamos. O Paulista nos serviu de aprendizado para que o jogador tenha em mente a ideia do treinador. Hoje foi uma festa no estádio”, concluiu.

Santistas reclamam da “retranca” do Corinthians: “Nem sempre o melhor vence”

Os jogadores do Santos reclamaram da “retranca” do Corinthians depois da eliminação da semifinal do Campeonato Paulista na noite desta segunda-feira, no Pacaembu.

Depois da derrota por 2 a 1 em Itaquera, o Peixe atacou durante todo o tempo, fez o gol da vitória com Gustavo Henrique no fim e perdeu nos pênaltis.

“O Corinthians não veio para jogar futebol, veio para defender. Ficou com os 11 ali atrás. Só o Santos jogou. Agora é levantar a cabeça, nem sempre o melhor vence”, afirmou Pituca.

Fora do Paulistão, o Santos voltará a campo para enfrentar o Atlético-GO na quinta-feira, na reinauguração da Vila Belmiro, pela volta da terceira fase da Copa do Brasil. Na ida, o Peixe perdeu por 1 a 0.

Victor Ferraz chora após eliminação no Santos: “Sonhei com a imagem de levantar a taça”

O capitão Victor Ferraz chorou em entrevista depois da eliminação do Santos na semifinal do Campeonato Paulista para o Corinthians, nesta segunda-feira, no Pacaembu.

Um dos melhores em campo, o lateral-direito deu a assistência para o gol de Gustavo Henrique, mas perdeu o último pênalti. Diante das câmeras, não aguentou o choro e contou de um “sacrifício” para chegar em boas condições na decisão.

“Para mim fica mais pesado. Eu sou um cara muito pressionado aqui né. Eu queria muito colocar o Santos em mais uma final e levantar mais um título pelo clube. Eu como capitão. Sonhei muitas vezes com essa imagem de levantar a taça. Tem até um episódio que posso contar para vocês. Tenho um filho pequeno, tem um ano e meio e muita energia. Eu preferi, junto com a minha esposa, em mandar ele para a Paraíba. Quando eu chego em casa tenho que brincar muito com ele, então eu ficava mais cansado ainda. Pra que eu pudesse estar completamente focado aqui”, disse Ferraz.

“Acabei sendo coroado com a assistência. Estava combinado de eu não bater porque eu fui o único jogador a ter jogado na quinta. Hoje o campo estava muito pesado, tivemos que correr atrás e eu tive que fazer duas funções. Então eles mesmo me optaram por me deixar para depois. Eu sou um cara que bate pênalti, nas decisões eu sempre bati. Mas eu só posso pedir desculpas ao torcedor. Tentei dar o meu melhor junto com meus companheiros. É levantar a cabeça. Hoje não tem como, fico muito triste. Mas quinta temos mais uma decisão. Com todo respeito ao Campeonato Paulista, que tem muita importância para mim, mas a Copa do Brasil é muito importante. Amanhã é trabalhar porque temos que dar a volta por cima na quinta-feira”, completou.

Sánchez diz que eliminação serve de alerta para o Santos desperdiçar menos chances

Carlos Sánchez diz que a principal lição do Santos depois da eliminação para o Corinthians é desperdiçar menos chances criadas nas próximas decisões.

O Peixe dominou o rival, mas venceu “só” por 1 a 0 e acabou derrotado nos pênaltis depois do 1 x 2 em Itaquera.

“Temos que concretizar as chances criadas. Isso é o que levamos de hoje. São todas finais, temos que agradecer pelo apoio a todo tempo. Usamos esse apoio para sempre procurar o gol rival”, disse Sánchez.

O uruguaio falou sobre o sentimento de jogar bem, mas sair de campo com a derrota.

“Triste porque jogamos bem, tivemos chances de gol. Criamos muito e se fizéssemos um gol antes, poderíamos ter jogado mais tranquilos. Gol demorou, mas tivemos atitude, nunca cruzamos os braços e fomos para cima”, afirmou, antes de falar sobre o tropeço na ida.

“Pecamos nisso, de não conseguir vantagem como visitante. Hoje foi tudo nosso, fizemos um grande jogo e não vencemos os pênaltis. Não podemos lamentar, mas sim temos que estar contentes pelo que fizemos”, concluiu.

Temos que concretizar as chances criadas. Isso é o que levamos de hoje. São todas finais, temos que agradecer pelo apoio a todo tempo. Usamos esse apoio para sempre procurar o gol rival.


Corinthians 2 x 1 Santos

Data: 31/03/2019, domingo, 16h00.
Competição Campeonato Paulista – Semifinal – Jogo de ida
Local: Arena Corinthians, o Itaquerão, em São Paulo, SP.
Público: 39.919 pagantes
Renda: R$ 2.467.185,50
Árbitro: Vinícius Gonçalves Dias Araújo
Auxiliares: Anderson José de Moraes Coelho e Bruno Salgado Rizo.
VAR: Rodrigo Guarizo, auxiliado por Fabrício de Moura e Thiago Peixoto.
Cartões amarelos: Sornoza (C) e Alison (S).
Gols: Manoel (03-1), Derlis González (07-1) e Clayson (31-1).

CORINTHIANS
Cássio; Fagner, Manoel, Henrique e Danilo Avelar; Ralf, Júnior Urso e Sornoza (Richard); Vagner Love (Pedrinho), Clayson (Mateus Vital) e Gustagol.
Técnico: Fábio Carille

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Felipe Aguilar (Lucas Veríssimo), Luiz Felipe e Felipe Jonathan; Alison, Diego Pituca, Carlos Sánchez (Soteldo) e Jean Mota; Cueva (Rodrygo) e Derlis González.
Técnico: Jorge Sampaoli



Corinthians aproveita melhor as falhas e sai na frente do Santos na Arena

O Corinthians foi melhor em um jogo de falhas individuais na tarde deste domingo, na Arena, contra o Santos, pela partida de ida da semifinal do Campeonato Paulista. Contando com um gol de Manoel e outro de Clayson, o time do Parque São Jorge só não teve uma vantagem maior porque Cássio saiu muito mal do gol no lance em que Derlis anotou o gol solitário dos visitantes. A disputa segue bastante aberta.

A decisão será apenas na segunda-feira, dia 8 de abril, no estádio do Pacaembu. Como a Vila Belmiro está em reforma, o Peixe escolheu o estádio municipal paulistano para exercer o seu mando e vai precisar de uma vitória por um gol de diferença para levar aos pênaltis. Dois gols de diferença ou mais dão a vaga ao time da Baixada, enquanto o Timão joga por todos os outros resultados.

Ambos os times têm compromissos no meio da semana, porém. Os comandados de Fábio Carille seguem em uma sequência caseira e encaram a volta da terceira fase da Copa do Brasil, frente ao Ceará, na quarta-feira, na Arena. Um dia depois, Sampaoli e seu elenco visitam o Atlético-GO, pela ida da terceira fase da mesma competição.

O jogo

O jogo poderia ter começado praticamente 1 a 0 para o Corinthians, mas o ritmo foi tão alucinante que o 1 a 1 já estava no placar aos sete minutos da etapa inicial. O primeiro gol saiu em cruzamento de Sornoza, batendo falta pelo lado esquerdo do ataque, que achou Manoel livre entre os zagueiros. O desvio foi leve, mas o suficiente para superar Vanderlei, que mal se mexeu. Sem encostar na bola, porém, o Timão viu o Peixe ganhar escanteio, Jean Mota bater e Cássio falhar feio, espalmando para Derlis cabecear ao gol vazio.

O empate tirou o que poderia ser um ritmo avassalador do Timão, aproveitando a empolgação da torcida. Até os 30 minutos, apenas um chute forte de Jean Mota e uma cabeçada torta de Henrique foram lances de perigo. Em um lance sem grande esforços dos corintianos, porém, Luiz Felipe afastou mal a bola em duas oportunidades e deixou Clayson no mano a mano com Victor Ferraz. Mérito do corintiano de cortar para dentro e acertar um chute rasteiro, sem chances para Vanderlei.

O gol animou os donos da casa, que tentaram aproveitar para ampliar a vantagem antes do intervalo. Em outro bom lance de Clayson, o atacante limpou dois adversários e cruzou na área, a zaga afastou e Fagner chutou para o que seria o terceiro gol. Vanderlei, porém, já havia aberto mão de fazer a defesa para socorrer Felipe Aguilar, desacordado após choque com Danilo Avelar. O processo teve até entrada de ambulância no gramado para retirada do atleta, esfriando o ânimo até o fim da primeira etapa.

O segundo tempo da partida prometia um outro duelo com alta intensidade, mas, em vez da bola jogada por baixo, a etapa final mostrou um jogo muito mais físico. Sampaoli, que optou pela entrada de Rodrygo na vaga de Cueva, viu seu time sofrer para impor o seu ritmo de marcação. Sem trocar passes, o Timão apostou na ligação direta para Gustagol e Vagner Love, normalmente no mano a mano com os zagueiros.

A estratégia deu certo durante cerca de meia hora, com os atacantes levando vantagem sempre que a bola chegava no ataque, mas pecando na hora da finalização. Love chutou uma vez por cima do gol. Depois, Clayson tentou de bicicleta, Vanderlei espalmou e conseguiu afastar no limite antes de Love concluir. O domínio permaneceu até as substituições de Carille, que mandou a campo Pedrinho, Richard e Vital.

Com jogadores mais leves, o Peixe viu seu espaço aumentar e o Corinthians recuar. Soteldo entrou para dar mais velocidade e o Peixe pressionou nos minutos finais, com escanteios e seguidas bolas alçadas na área. Rodrygo, em bom lance, quase achou Derlis no meio da área, mas Cássio assegurou o triunfo corintiano.

Santos tem maior posse, mas falha nos arremates contra Corinthians eficiente

O Santos teve um domínio enganoso no clássico deste domingo contra o Corinthians, na derrota da primeira semifinal do Campeonato Paulista. No quesito posse de bola, foi superior, com 61,1% contra 39,9% do adversário. Mas o Peixe falhou muito nas finalizações e encontrou um adversário extremamente concentrado e eficiente em Itaquera.

O Corinthians foi mais vertical na partida. Finalizou mais, foram oito chutes e acertou cinco na direção da meta do goleiro Vanderlei – um aproveitamento de 62,5%. Marcou dois gols, que lhe dão uma vantagem para o compromisso de volta no Pacaembu. Clayson foi o destaque: além do gol, acertou mais um arremate na direção do gol adversário.

O Santos, por sua vez, teve sete finalizações na partida deste domingo. E acertou apenas um, justamente o gol do atacante Derlis González. Jean Mota, grande destaque santista no Estadual, tentou duas vezes, mas desperdiçou as chances. O meia-atacante não estava inspirado no confronto.

Sampaoli reconhece superioridade do Corinthians sobre o Santos

O Santos acabou derrotado por 2 a 1 no primeiro jogo pela semifinal do Campeonato Paulista, disputado na tarde deste domingo. Sem fazer rodeios nem usar termos rebuscados, o técnico Jorge Sampaoli reconheceu a superioridade do Corinthians durante o confronto em Itaquera.

“O jogo correu como o Corinthians quis e não como nós queríamos. Não encontramos o jogo que estamos acostumados e jogamos como o adversário quis. Não fizemos uma boa partida e, agora, precisamos nos preparar para o que vem”, disse Sampaoli.

Logo no começo da partida, após cruzamento de Sornoza, Manoel marcou de cabeça. Pouco depois, Derlis aproveitou falha de Cássio para empatar. Ainda no primeiro tempo, Luiz Felipe vacilou feio e Clayson anotou o gol que garantiu a vitória corintiana.

“Houve méritos do adversário. Reitero que a chave na análise do jogo é que o Corinthians jogou como quis: prevaleceu, ganhou muito bem e nos neutralizou. Não nos sufocou, mas incomodou e não tivemos resposta. Mérito do rival e incapacidade nossa para gerar ataques”, declarou Sampaoli.

O segundo e decisivo confronto entre Santos e Corinthians está marcado para as 20 horas (de Brasília) da próxima segunda-feira, no Estádio do Pacaembu. Empate beneficia o time paulistano, enquanto triunfo por um gol da equipe praiana leva a decisão aos pênaltis.

“Temos que trabalhar muito para conseguir surpreender um time que se defende com bastante gente. Eles se multiplicam para defender e precisamos de outras variações para atacar”, disse Sampaoli, que pega o Atlético-GO às 19h15 (de Brasília) de quinta-feira, fora de casa.

Substituto de Aguilar, Veríssimo projeta virada sobre o Corinthians

Escolhido pelo técnico Jorge Sampaoli para substituir Felipe Aguilar, Lucas Veríssimo assegura que a saída do colombiano não influenciou no rendimento do Santos diante do Corinthians. O defensor, derrotado em Itaquera neste domingo, manifestou confiança na virada com o mando de campo.

Após choque de cabeça com Danilo Avelar, Aguilar caiu no gramado e chegou a ficar desacordado, causando preocupação entre os jogadores. Sem condições de seguir, o colombiano deixou o campo de ambulância e acabou substituído por Veríssimo já nos acréscimos do primeiro tempo, com o placar em 2 a 1 para o Corinthians.

“Infelizmente, foi uma fatalidade e espero que ele esteja bem. Estávamos até procurando informações. Mas acredito que isso não tenha influenciado. Treinei na equipe titular durante a semana. Então, foi uma mudança que acabou acontecendo, mas nosso time se comportou bem”, declarou Veríssimo.

Avaliado por neurologista no Hospital Sírio Libanês, Aguilar passou por tomografia e não teve qualquer alteração clinica detectada. O defensor passa a noite internado e será reavaliado na manhã desta segunda para possível alta após realização de nova tomografia.

Durante o segundo tempo, com Lucas Veríssimo em campo, o Santos não conseguiu assustar o Corinthians. “Está aberto, mas era um jogo em que a gente podia dar mais. Vamos atuar dentro de casa agora e, se Deus quiser, fazer uma boa partida para sair com a vitória e a classificação”, projetou o zagueiro.

O segundo e decisivo confronto entre Santos e Corinthians está marcado para as 20 horas (de Brasília) da próxima segunda-feira, no Estádio do Pacaembu. Empate beneficia o time paulistano, enquanto triunfo por um gol da equipe praiana leva a decisão aos pênaltis.


Palmeiras 1 x 2 Santos – 5 x 3 pênaltis

Data: 27/03/2018, terça-feira, 20h30.
Competição: Campeonato Paulista – Semifinal – Jogo de volta
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 36.591 presentes (34.743 pagantes e 1.848 não pagantes)
Renda: R$ 1.327.610,00
Árbitro: Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza
Auxiliares: Herman Brumel Vani e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa.
Cartões amarelos: Felipe Melo e Willian (P); David Braz, Lucas Veríssimo, Alison e Eduardo Sasha (S).
Gols: Eduardo Sasha (13-1), Bruno Henrique (16-1) e Rodrygo (39-1).
Pênaltis: Palmeiras: Dudu, Tchê Tchê, Victor Luis, Moisés e Guerra converteram. Santos: Gabriel, Artur Gomes e Jean Mota converteram. Diogo Vitor desperdiçou.

PALMEIRAS
Jailson; Tchê Tchê, Antônio Carlos, Thiago Martins e Victor Luis; Felipe Melo, Bruno Henrique e Lucas Lima (Guerra); Dudu, Keno e Willian (Deyverson).
Técnico: Roger Machado

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison; Eduardo Sasha (Diogo Vitor), Renato (Leandro Donizete), Arthur Gomes e Rodrygo (Jean Mota); Gabriel.
Técnico: Jair Ventura



Jailson brilha, Palmeiras vence Santos nos pênaltis e vai à final

Com Jailson herói nas duas partidas contra o Santos, o Palmeiras está na final do Campeonato Paulista. O Verdão esteve longe de apresentar um grande futebol, mas mesmo assim, mostrou garra e buscou o resultado pelos mais 37 mil presentes no Pacaembu e todos os que acompanharam de longe a derrota por 2 a 1 no tempo normal e a classificação emocionante nas penalidades.

Como o Verdão havia vencido o primeiro jogo por 1 a 0, a decisão foi para os pênaltis. E aí brilhou a estrela de Jailson. O goleiro pegou a cobrança de Diogo Vitor, e o Palmeiras venceu a disputa por 5 a 3.

O jogo:

O Palmeiras começou o duelo decisivo marcando apenas a partir do meio-campo. Provavelmente, por um misto de cansaço físico da equipe, que não reuniu condições de treinar desde a primeira partida semifinal, e estratégia para administrar a vantagem.

A estratégia, inédita com Roger Machado este ano (tirando o segundo tempo do primeiro duelo contra o Santos), não surtiu efeito. Mesmo assim, o Verdão só alterou sua postura após ver o Peixe abrir o placar.

O Palmeiras voltou do intervalo ainda com apoio dos 36.591 presentes. Mas a atmosfera não chegava próxima do que a equipe encontra no Allianz Parque, e o nervosismo nas arquibancadas só foi crescendo e sendo refletido nos atletas em campo.

Quando o segundo tempo começou, o Santos se defendia como se tivesse a classificação assegurada (o resultado levaria para as penalidades). Já o Palmeiras atacava como se restasse apenas cinco minutos no marcador para balançar as redes, com absoluto desespero. Era como se o Verdão tentasse emplacar contra-ataques em todas as jogadas, mesmo com a defesa adversária bem postada.

Em dado momento, ficou difícil definir se o time transmitia nervosismo para a torcida, ou se era o contrário. Ao contrário do habitual, Roger não demorou a fazer mudanças e trocou Lucas Lima, apagado nas duas partidas contra o ex-time, e Willian por Guerra e Deyverson. Jair respondeu fechando ainda mais sua equipe: Rodrygo deixou o campo e Jean Mota entrou.

Palmeiras e Santos seguiram sem criar absolutamente nenhuma oportunidade no segundo tempo. A única celebração dos alviverdes foi quando Moisés foi chamado para entrar na vaga de Bruno Henrique. De novo, Jair respondeu rápido e, mais uma vez, de forma defensiva: Diogo Vitor e Leandro Donizete entraram para as saídas de Sasha e Renato.

Mas se faltou emoção na etapa final, sobrou nas penalidades. O Palmeiras converteu suas cinco cobranças, com Dudu, Tchê Tchê, Victor Luis, Moisés e Guerra, enquanto Diogo Vitor parou em Jailson. E assim, o Palmeiras está na final do Campeonato Paulista.

Veja as cobranças de pênaltis no vídeo abaixo:

Sem ‘mimimi’, Jair valoriza Santos após eliminação: “Fortalecidos”

Alinhado ao discurso do elenco, Jair tirou coisas positivas da eliminação do Santos para o Palmeiras na semifinal do Campeonato Paulista. O técnico acredita que o Peixe provou o seu valor ao vencer o rival por 2 a 1 no Pacaembu, nesta terça-feira, antes da derrota nos pênaltis.

“Mostramos poder de reação, mesmo sendo um time em formação. Ainda temos o Bruno Henrique para voltar e o Léo Cittadini, que foi uma baixa pelo grande momento. Hoje infelizmente bateu na trave, mas vencemos a forte equipe do Palmeiras, que tem o maior orçamento do Brasil, com praticamente três times”, afirmou o treinador.

Depois de elogiar o elenco do Palmeiras, Jair foi questionado sobre as deficiências do grupo santista, principalmente pela ausência de um meia após a saída de Lucas Lima. E o treinador não reclamou.

“Vou extrair máximo do meu elenco usando a base. Tenho outra opção? Vamos criar alternativas, usar sistemas diferentes. Vou trabalhar com o que tem. Não sou de mimimi, de ficar chorando. Vamos trabalhar dentro do elenco”, explicou, antes de despistar sobre reforços.

“O departamento de futebol está trabalhando, mas a gente trabalha de maneira interna”, completou.

Bastidores – Santos TV:

Diogo Vitor ganha apoio no Santos: “Responsabilidade não é dele”

Diogo Vitor foi o único santista a perder um pênalti na eliminação para o Palmeiras na semifinal do Campeonato Paulista. O atacante parou no goleiro Jailson. Depois de chorar ao sair do campo, o jovem recebeu o apoio de todos no Peixe.

“A gente ganha e perde junto. É bola para frente. Ele tem cabeça boa”, disse o técnico Jair Ventura.

“O Diogo deu a cara. Teve personalidade. Estamos com ele e vai superar”, afirmou Gabigol.

“Só quem está lá dentro sabe como é. Acertos e erros fazem parte da nossa vida. Temos que saber lidar. Tenho certeza que o Diogo vai dar muitas alegrias ao torcedor do Santos. Vamos ajudá-lo a superar. Responsabilidade não é dele”, explicou David Braz.

“Somos jovens, temos de erguer a cabeça. Falei para o Diogo que temos muitas decisões para disputar. Estamos no caminho certo”, concordou Rodrygo.

Diogo Vitor tem um dos melhores aproveitamentos do elenco em cobranças de pênalti e converteu nas quartas de final contra o São Bento. Ele entrou no segundo tempo da vitória por 2 a 1 sobre o Palmeiras, com a eliminação na sequência.

Jair ganha opção com Rodrygo e prevê novas formações no Santos

O Santos foi eliminado na semifinal do Campeonato Paulista, mas venceu o Palmeiras por 2 a 1, com o Pacaembu lotado de torcedores alviverdes na noite desta terça-feira. E o desempenho faz com que Jair Ventura projete coisas boas para o time na temporada.

Uma delas é a variação tática com quatro atacantes e um deles mais recuado, o caso de Rodrygo no clássico. A joia voltou um pouco para o meio-campo, enquanto Arthur Gomes, Eduardo Sasha e Gabigol trocaram de posição entre as pontas e o meio a todo momento. A movimentação confundiu a defesa do Palmeiras nos gols, de Sasha e Rodrygo.

“Vou extrajr o máximo do meu elenco, usando a base. Tenho outra opção? Vamos criar alternativas, usar sistemas diferentes. Vou trabalhar com o que tem. Não sou de mimimi, de ficar chorando. Vamos trabalhar dentro do elenco e encontrar opções, como fizemos hoje (terça)”, disse Jair.

Rodrygo atuou como meia nas categorias de base e a função não é novidade. No elenco, há falta de armadores. Sem Lucas Lima, Vecchio, Jean Mota, Diogo Vitor e Vitor Bueno foram testados, e sem sucesso.

“Acho uma boa, até porque fiz essa função na base, com muitos jogos como meia ou falso 9. É uma posição que o Jair pode me usar também, mas tudo depende dos treinamentos e de como ele quer escalar a equipe”, explicou Rodrygo.

O lateral-esquerdo Dodô, jogador com boa leitura tática, explica que a formação tática pode ser mantida, mas alterada a cada atleta escalado.

“Na verdade, essa formação a gente já usou no primeiro jogo, o 4-2-3-1, mas entrou o Rodrygo no lugar do Diogo e a interpretação do mesmo esquema tático é diferente de jogador para jogador. O Rodrygo tem um pouco mais de mobilidade. Essa questão dos externos a gente corrigiu pelo vídeo, vimos que eu estava deixando ele (Dudu ou Keno) receber a bola largo para depois diminuir espaço. Hoje eu já estava mais perto deles, jogando mais aberto e tentando antecipar ou diminuir espaço mais rápido. Eles são muito rápidos e complicaram bastante no primeiro jogo. Foi um correção do Jair e deu certo”, analisou.

Paulistão revive final entre grandes da capital após 15 anos

Qual foi a última vez que dois clubes do Trio de Ferro protagonizaram a final do Campeonato Paulista? Muita gente talvez não se lembre de primeira, mas, não é de se surpreender, afinal já são 15 anos desde o último clássico paulistano em uma decisão do Estadual mais concorrido do país.

O Santos foi o principal intruso nesse período, com 10 participações em finais de 14 possíveis. A edição de 2005 não é levada em consideração neste levantamento, pois, apesar de ter tido o São Paulo campeão e o Corinthians vice, a fórmula de disputa adotada se deu por pontos corridos.


Santos 0 x 1 Palmeiras

Data: 24/03/2018, sábado, 19h00.
Competição: Campeonato Paulista – Semifinal – Jogo de ida
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 19.546 presentes (16.916 pagantes e 2.630 não pagantes)
Renda: R$ 723.270,00
Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis e Tatiane Sacilotti dos Santos.
Cartões amarelos: Daniel Guedes e Alison (S); Thiago Santos e Dudu (P).
Gol: Willian (05-1).

SANTOS:
Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison; Eduardo Sasha, Renato (Vitor Bueno), Diogo Vitor (Rodrygo) e Arthur Gomes (Jean Mota); Gabriel.
Técnico: Jair Ventura

PALMEIRAS
Jailson; Marcos Rocha (Tche Tche), Antônio Carlos, Thiago Martins e Victor Luís; Felipe Melo (Thiago Santos), Bruno Henrique (Moises) e Lucas Lima; Dudu, Keno e Willian.
Técnico: Roger Machado



Palmeiras vence o Santos no Pacaembu e tem vantagem por vaga na final

O Palmeiras largou na frente do Santos na semifinal do Campeonato Paulista. No jogo de ida, no Pacaembu, o Peixe venceu por 1 a 0, com gol de Willian, aos cinco minutos do primeiro tempo.

Os 45 minutos iniciais foram de domínio alviverde. Nos instantes finais, o alvinegro assustou e obrigou o goleiro Jailson a fazer duas grandes defesas.

Na segunda etapa, o Santos melhorou, acuou o Palmeiras e teve boas chances para empatar e até virar, mas esbarrou em Jailson, nos erros de passes e na falta de pontaria.

O classificado para a semifinal será definido na terça-feira, às 20h30 (de Brasília), novamente no Pacaembu, dessa vez com torcida única do Palmeiras. Os visitantes terão a vantagem do empate para avançar à final. O Peixe precisará vencer por um gol para levar aos pênaltis e dois gols de diferença por vaga direta.

O jogo:

O Palmeiras dominou o Santos na maior parte do primeiro tempo. O Peixe só assustou nos minutos finais, quando o rival relaxou e passou a errar passes na defesa.

Nos primeiros 30 minutos, foi um passeio alviverde. O Verdão marcou com Willian, após linda jogada coletiva e falha geral da defesa santista logo aos 5’, e teve outras oportunidades para ampliar. O meio-campo foi dominado pelos visitantes no Pacaembu.

Na segunda metade dos primeiros 45 minutos, o alvinegro melhorou a marcação e adiantou as linhas. Jailson precisou fazer duas grandes defesas para evitar o empate. Gabigol, cara a cara, chutou em cima do goleiro. E no escanteio, Renato subiu bem, mas parou no palmeirense.

Com Lucas Lima hostilizado e apagado, Bruno Henrique e Felipe Melo ditaram o ritmo, Dudu e Keno levaram a melhor diante dos laterais e Willian foi decisivo. No Santos, Alison e Dodô foram os melhores. Daniel Guedes e Diogo Vitor, os piores.

Na segunda etapa, o cenário foi alterado. Nos primeiros lances, Victor Luis e Keno, ambos pelo lado esquerdo, tiveram boas chances para ampliar. O lateral parou em Vanderlei e o atacante finalizou para fora.

Só que o Santos, mesmo bagunçado, passou a criar mais chances e respondeu logo em seguida. Arthur Gomes arrancou e cruzou bem, Jailson deu rebote e Gabigol não honrou o apelido e isolou.

Aos 17 minutos, o Peixe quase empatou em bate-rebate na área. A bola ficou viva na pequena área, Gabigol tocou mal para Sasha, que não dominou. Segundos depois, Rodrygo acertou belo chute da entrada da área, para nova defesa de Jailson.

O Santos seguiu na pressão e, aos 29, Gabigol teve nova chance. Dessa vez, o atacante finalizou bonito de fora da área, e Jailson salvou outra vez. Três minutos depois, Gabriel deu ótimo cruzamento para Bueno, que cabeceou nas mãos do goleiro.

Santos perde jejum de cinco anos em derrota para o Palmeiras

O Santos perdeu um jejum de cinco anos ao ser derrotado por 1 a 0 para o Palmeiras neste sábado, pela ida da semifinal do Campeonato Paulista. O último revés como mandante, no Pacaembu, foi por 3 a 1 para o Paulista de Jundiaí em fevereiro de 2013.

De lá para cá, o Peixe foi derrotado por Ituano, na final do Campeonato Paulista de 2014, e São Paulo, no segundo turno do Brasileirão de 2018, mas como visitante.

E o fim de jejum pode custar caro. Para avançar à final do Paulistão, o Santos precisará vencer o Palmeiras na terça-feira, às 20h30 (de Brasília), novamente no Pacaembu, como visitante e com torcida única do rival. Uma vitória por um gol de diferença leva a decisão para os pênaltis. Para se classificar de forma direta, o Peixe precisa de dois gols de saldo.

Bastidores – Santos TV:

Jair cita Tite para explicar 1º tempo ruim do Santos em clássico

O Santos fez um primeiro tempo muito ruim na derrota por 1 a 0 para o Palmeiras neste sábado, no Pacaembu, pelo jogo de ida da semifinal do Campeonato Paulista. Na segunda etapa, a equipe melhorou, mas não conseguiu a virada. Em entrevista coletiva, o técnico Jair Ventura citou a seleção brasileira de Tite para explicar a irregularidade.

“Eu assisti o jogo da Seleção Brasileira. Cobramos muito a equipe do Tite pelo primeiro tempo. Não é combinado: ‘vamos fazer um primeiro tempo ruim, e melhor no segundo’. Temos que buscar um equilíbrio, porém temos do outro lado uma equipe qualificada. Não adianta fazer um segundo tempo como fizemos, se não botar a bolinha para dentro”, disse Jair.

O Peixe criou boas chances, mas esbarrou na falta de pontaria e em boa atuação do goleiro Jailson. Esse foi o terceiro jogo seguido sem marcar no Campeonato Paulista.

“Não fazer o gol, me incomodou. É mais mérito do Jaílson, do que demérito dos nossos atacantes. Fiquei incomodado pelo números de chances que criamos. Pelas oportunidades que foram apresentadas, infelizmente, não conseguimos vencer”, afirmou Jair.

“Pior que ele nem ia jogar. Mas realmente é um goleiro que vive um momento fantástico. Não só o goleiro, mas a equipe do Palmeiras tem valores individuais. Foi decisivo. Chances como Renato, Gabigol, que é um exímio marcador, ele foi bem. Dar parabéns a ele, mas que chega, né? Pelo amor de Deus”, completou.



Botafogo-SP 0 x 0 Santos

Data: 18/03/2018, domingo, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – Semifinal – Jogo de ida (13ª rodada)
Local: Estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto, SP.
Público: 11.933 pagantes
Renda: R$ 344.315,00
Árbitro: Raphael Claus
Auxiliares: Alex Eng Ribeiro e Rogério Pablos Zanardo
Cartôes amarelos: Dodô e Plínio (B); Jean Mota (S).

BOTAFOGO
Tiago Cardoso; Marcos Martins, Naylhor, Plínio e Mascarenhas; Willian Oliveira, Diones, Lucas Taylor (Wesley), Danielzinho (Cafu) e Dodô; Bruno Moraes (Jheimy).
Técnico: Léo Condé

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison; Eduardo Sasha (Diogo Vitor), Léo Cittadini (Vitor Bueno), Jean Mota e Rodrygo (Arthur); Gabriel.
Técnico: Jair Ventura



Santos e Botafogo-SP iniciam briga por vaga na semi com empate

Santos e Botafogo fizeram uma partida com poucas emoções durante a noite deste domingo. No Estádio Santa Cruz, as duas equipes protagonizaram o único confronto pelas quartas de final do Campeonato Paulista encerrado com um empate por 0 a 0.

Na briga por uma vaga na semi, o duelo decisivo entre Santos e Botafogo-SP está marcado para as 19h30 (de Brasília) desta quarta-feira, no Estádio da Vila Belmiro. Em caso de novo empate, o classificado será conhecido nos pênaltis.

Em uma partida com raras chances de gol, o Santos teve sua melhor oportunidade logo no início, mas o jovem Rodrygo mandou a bola na trave. O nível do jogo caiu durante a etapa complementar, marcada por exibições de pouca inspiração de ambas as equipes.

Bastidores – Santos TV:

O jogo:

Em um começo de partida movimentado no Estádio Santa Cruz, Cittadini deixou Gabriel na cara do gol. Em posição de impedimento, não marcado pela arbitragem, o atacante chutou para defesa de Tiago Cardoso. No rebote, Rodrygo acertou a trave.

O Botafogo-SP não precisou de muito tempo para dar trabalho a Vanderlei em Ribeirão Preto. Pelo lado direito, Lucas Taylor descolou belo passe para Danielzinho. O meia girou e bateu firme, mas o goleiro santista, bem colocado, conseguiu espalmar com segurança.

Após um início de partida movimentado, os dois times diminuíram a intensidade e as oportunidades de gol escassearam. Com Santos e Botafogo-SP sem conseguir articular jogadas consistentes no campo de ataque, o primeiro tempo acabou com o placar inalterado.

A primeira oportunidade do Santos durante a etapa complementar veio após cobrança de escanteio pelo lado esquerdo. Posicionado na segunda trave, Lucas Veríssimo usou a cabeça para completar. A bola cruzou a área e David Braz tentou alcançar, sem sucesso.

O Botafogo-SP procurou responder em uma jogada de bola parada. Em cobrança de falta frontal, da intermediária, o lateral Mascarenhas resolveu bater direto para o gol. O tiro saiu forte e rasteiro, mas passou à esquerda da meta defendida por Vanderlei.

Na tentativa de mudar o panorama da partida, o técnico Jair Ventura resolveu mexer e promoveu as entradas de Diogo Vitor, Vitor Bueno e Arthur nos lugares de Eduardo Sasha, Léo Cittadini e Rodrygo, respectivamente. Ainda assim, o placar acabou em 0 a 0.

Jair Ventura entende que Santos sentiu cansaço por Libertadores

Com dificuldades para criar chances de gol, o Santos ficou no empate por 0 a 0 diante do Botafogo-SP na noite deste domingo, no Estádio Santa Cruz. De acordo com o técnico Jair Ventura, seu time sentiu o cansaço acumulado no recente triunfo sobre o Nacional-URU, pela Copa Libertadores.

Na noite da última quinta-feira, no Estádio do Pacaembu, o atacante Gabriel foi expulso de maneira infantil logo no primeiro tempo. Ainda assim, o Santos conseguiu ganhar por 3 a 1 do tradicional Nacional pela Libertadores, mesmo em desvantagem numérica.

“Lógico que pesou. Tivemos o jogo da Libertadores com um homem a menos, com desgaste emocional. Contra um time multicampeão da Libertadores, foi uma partida dificílima. Com um a menos, fizemos dois gols. Então, o desgaste é grande”, declarou Jair Ventura.

O Palmeiras, algoz do Novorizontino, foi o único grande que venceu na abertura das quartas de final do Campeonato Paulista, uma vez que o Corinthians perdeu do Bragantino e o São Paulo, do São Caetano. Questionado se considera o empate fora de casa um bom resultado, o técnico santista negou.

“Para essa camisa que estou vestindo, o único bom resultado é vencer. Aqui, estamos sempre acostumados a vencer. Se você não vence e não perde, não é o pior resultado. Mas o resultado (ideal) seria a vitória. Jogamos para vencer, mas não conseguimos”, declarou, habituado com a pressão em seu cargo.

“Existe cobrança sempre. A cobrança no futebol é diária. Saímos exaltados do último jogo e, no penúltimo, crucificados. No futebol, o céu e o inferno vivem muito perto. A cada jogo, você tem que provar. Mas faz parte. Foi o que escolhi para minha vida e vamos lidando assim. Espero que possa ter mais vitórias do que derrotas”, declarou.

Jair elogia Cittadini e explica Renato fora: “Joga quem está melhor”

Capitão do Santos no começo de 2018, Renato agora é opção no banco de reservas. O ídolo foi barrado para a entrada de Léo Cittadini no time titular. O técnico Jair Ventura elogia o garoto e explica a opção.

“Tivemos chances claras com Gabriel e Rodrygo que poderiam mudar a história do jogo. Mas não tiro o mérito do Léo, que organiza muito bem a sua equipe, muito difícil ter uma infiltração na linha dele. Tivemos mais posse de bola, as chances mais claras do jogos…”, disse Jair, quando questionado sobre o empate em 0 a 0 com o Botafogo, neste domingo, em Ribeirão Preto.

“É uma briga saudável (entre os dois), como em todas as equipes do mundo. Sempre com respeito. Conheço Renato desde o Botafogo, está buscando espaço, assim como Léo e todos. E o Santos vai crescendo assim, jogando quem está melhor”, completou.

Com Alison e Léo Cittadini em alta, Jair Ventura precisa definir o terceiro homem do meio-campo. Jean Mota não foi bem diante do Botafogo. A opção é Vecchio, que também foi para o banco para a entrada de Dodô na lateral esquerda. A prioridade da diretoria é trazer um meia para, enfim, substituir Lucas Lima.

Depois do empate em Ribeirão Preto, o Santos precisa de uma vitória simples para avançar às semifinais do Campeonato Paulista. Uma nova igualdade levaria a decisão para os pênaltis.

Vitor Bueno admite jogo apático: “Não é a cara do Santos”

Em um jogo monótono, disputado na noite deste domingo, o Santos ficou no empate sem gols contra o Botafogo-SP, no Estádio Santa Cruz. Vitor Bueno admitiu a exibição abaixo do esperado, mas apostou na classificação à semifinal do Campeonato Paulista na Vila Belmiro.

Na melhor chance da partida, ainda no primeiro tempo, Gabriel chutou para defesa do goleiro Tiago Cardoso e, no rebote, o jovem Rodrygo acertou a trave. O nível das duas equipes caiu durante a etapa completar e as oportunidades escassearam em Ribeirão Preto.

“Acho que (o jogo) ficou um pouco moroso, sim. Apático. Não é a cara do Santos, mas foi essa a tática que nos pediram para fazer e, dentro disso, executamos bem”, declarou Vitor Bueno ao Sportv, sobre a estratégia do time dirigido por Jair Ventura de não se expor jogando no Estádio Santa Cruz.

“Quando um time grande enfrenta um adversário do interior, eles tendem a se fechar mesmo. Foi sempre assim. Quando perdemos do Bragantino, foi desse jeito. Eles jogaram no nosso erro e saíram em um contra-ataque para fazer o gol. Então, é desse jeito”, analisou Bueno.

O confronto decisivo entre Santos e Botafogo-SP está marcado para as 19h30 (de Brasília) desta quarta-feira, no Estádio da Vila Belmiro. Em caso de novo empate, o classificado à semifinal do Campeonato Paulista será conhecido a partir de cobranças de pênalti.

“Não era o que nós queríamos. Queríamos sair já com uma vitória, para levar a vantagem à Vila Belmiro, mas, infelizmente, não conseguimos. De todo modo, não perdemos nem tomamos gol. Quarta-feira, que possamos fazer um grande jogo e sair classificados”, disse Bueno.

Rodrygo, após bola na trave no Santos: “Estou devendo um gol”

O Santos empatou em 0 a 0 com o Botafogo neste domingo, em Ribeirão Preto, pelo jogo de ida das quartas de final do Campeonato Paulista. E se não fosse pelo azar de Rodrygo, a história seria diferente.

Logo nos primeiros minutos da partida, Léo Cittadini deu excelente passe para Gabigol chutar de primeira. No rebote, Rodrygo, quase na pequena área e com o goleiro Tiago Cardoso no chão, acertou a trave. Em seu Twitter, a joia lamentou o ocorrido.

“Estou devendo um gol para vocês, nação”, escreveu o atacante.