Navegando Posts marcados como Serra Dourada

Goiás 1 x 4 Santos

Data: 21/11/2010, domingo, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia, GO.
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa-RJ)
Auxiliares: Dibert Pedrosa Moisés (Fifa-RJ) e Rodrigo Pereira Jóia (RJ)
Cartões amarelos: Wellington Saci, Valmir Lucas e Otacílio Neto (G); Rodriguinho e Neymar (S).
Gols: Ernando (11-1), Danilo (19-1); Neymar (30-2, de pênalti), Neymar (33-2) e Neymar (37-2).

GOIÁS
Harlei; Rafael Toloi, Ernando e Valmir Lucas; Douglas, Amaral, Carlos Alberto (Rithelly), Marcelo Costa (Bernardo) e Wellington Saci; Otacílio Neto e Wendell Lira (Everton Santos)
Técnico: Arthur Neto

SANTOS
Rafael; Danilo (Maranhão), Edu Dracena, Durval e Pará; Adriano, Arouca (Roberto Brum), Rodriguinho e Marquinhos (Felipe Anderson); Neymar e Zé Eduardo
Técnico: Marcelo Martelotte (interino)



Neymar dá show, marca três gols e rebaixa Goiás à Segunda Divisão

Time goiano saiu vencendo, mas não resistiu ao jogo ofensivo do Santos e acabou sofrendo a virada e a goleada, que custou o rebaixamento para a Série B do Brasileiro.

O jogo era a última cartada do Goiás para tentar permanecer na primeira divisão do futebol brasileiro. Mas o atacante Neymar, do Santos, não tomou conhecimento do sofrimento esmeraldino e, com três gols, comandou a vitória do Santos por 4 a 1, na noite deste domingo, no Serra Dourada. Esse resultado rebaixou matematicamente o Goiás para a Série B do Brasileirão.

Com esse resultado, os esmeraldinos continuam com 32 pontos, na penúltima posição do campeonato, e cumprem tabela nas duas últimas rodadas do Brasileiro. No próximo domingo, os goianos visitam o Atlético-MG, na Arena do Jacaré.

Já os santistas permanecem na sétima colocação, agora com 55 pontos ganhos, dando fim a um jejum de sete confrontos sem vitórias (seis pelo Brasileirão e um amistoso). Na próxima rodada, o Alvinegro Praiano visita o Avaí, também no domingo, às 17 horas (horário de Brasília), na Ressacada.

O jogo

O jogo começou com 40 minutos de atraso, devido a falta de energia elétrica no Serra Dourada, mas quando a bola rolou, as duas equipes partiram em busca do ataque.

O Goiás foi o primeiro a ameaçar o gol de Rafael. Aos sete minutos, o atacante Otacílio Neto – um dos que recebeu oportunidade do técnico Arthur Neto na vaga de Rafael Moura – tabelou com o volante Carlos Alberto arriscou um chute de longe para boa defesa do goleiro do Santos, que espalmou a bola pela linha de fundo.

Melhores em campo, os esmeraldinos chegaram ao gol, aos 11. Em cobrança de escanteio, o zagueiro Ernando aproveitou a bobeada da defesa santista, subindo mais alto que os seus adversários e testando a bola no canto direito de Rafael: 1 a 0.

A partir do tento assinalado pelos donos da casa, o Peixe passou a dar sinais de que poderia reagir. E a resposta alvinegra não demorou. Isto porque, aos 19, o lateral direito Danilo fez boa jogada individual, driblando a marcação e finalizando no canto direito de Harlei, que nada pôde fazer para evitar o gol de empate do time da Vila Belmiro.

Mais ofensivo, o Santos quase conseguiu a virada. Aos 22, após a defesa do Goiás afastar o perigo de sua área por duas vezes, Durval recebeu a bola na esquerda da grande área rival, chutou para o meio da área e seu companheiro de zaga, Edu Dracena, completou o lance, mandando a bola na trave esquerda de Harlei.

Com o empate e o conseqüente rebaixamento matemático, os esmeraldinos passaram a abrir espaços para os contra-ataques santistas. Em um deles, aos 26, Zé Eduardo foi lançado em velocidade por Neymar e, ao bater na saída de Harlei, mandou a bola à direita do arqueiro goiano, pela linha de fundo.

O Peixe quase chegou ao seu segundo gol, antes do intervalo, em outra boa chance criada pelo seu ataque. Aos 35, Marquinhos cobrou falta para Zé Eduardo, que tocou de calcanhar para a passagem de Neymar. A Joia dominou a bola e tocou no canto esquerdo de Harlei, com o pé direito, mas sem direção, a bola saiu lentamente pela linha de fundo.

Na volta para o intervalo, o treinador do Goiás sacou o volante Carlos Alberto para a entrada do meia Rithelly. Antes, no final do primeiro tempo, Arthur Neto já tinha trocado Marcelo Costa por Bernardo.

Só que a primeira boa oportunidade de gol da etapa complementar foi santista. Aos nove, Neymar fez boa jogada individual, enganando a zaga esmeraldina, mas na hora de arrematar, o camisa 11 mandou a bola por cima da trave de Harlei.

Insatisfeito com o empate, o técnico interino alvinegro, Marcelo Martelotte, promoveu três alterações no seu time. A primeira, aos 16, foi a saída de Marquinhos para a entrada do jovem Felipe Anderson, no meio. A segunda, com 20, foi Maranhão no lugar de Danilo, na lateral direita. Por último, aos 23, foi a vez de Martelotte trocar um volante por outro, com Roberto Brum na vaga de Arouca. No mesmo minuto, Everton Santos substituiu Wendell Lira, no Goiás.

Procurando o segundo gol, o Santos finalmente alcançou o seu objetivo, aos 30. Neymar tentou o drible em Rafael Toloi, foi tocado pelo zagueiro, e o árbitro marcou pênalti. Após ter que repetir a cobrança e tomar cartão amarelo, por tentado ludibriar Harlei, Neymar bateu a penalidade com categoria, deslocando o arqueiro esmeraldino e mandando a bola no canto direito, colocando a sua equipe em vantagem no placar.

No entanto, ainda havia tempo para os santistas balançarem as redes mais duas vezes, ambas com Neymar. Aos 33, o atacante recebeu um cruzamento vindo da direita na grande área, limpou a marcação e bateu no canto direito para marcar o terceiro gol do Peixe. Aos 37, Neymar recebeu bola em profundidade, arrancou em velocidade para o gol e, com uma “cavadinha”, encobriu Harlei: 4 a 1. Esse gol do craque alvinegro decretou, enfim, o rebaixamento do Goiás à Série B do Brasileirão.

Atlético-GO 1 x 2 Santos

Data: 22/05/2010, sábado, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 3ª rodada
Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia, GO.
Público: 4.669
Renda: R$ 137.380,00
Árbitro: Péricles Bassols Pegado Cortez (Fifa-RJ).
Auxiliares: Cláudio José de Oliveira Soares e Marcelo Braz Mariano (ambos do RJ).
Cartões amarelos: Pituca, Róbston e Márcio Gabriel (A); Zé Eduardo, Alex Sandro, Arouca, Marcel e Felipe (S)
Cartão vermelho: Agenor (A).
Gols: Wesley (20-2), Zé Eduardo (26-2) e Boka (42-2).

ATLÉTICO-GO
Márcio; Márcio Gabriel (Juninho), Jairo, Gilson (Wescley) e Tiago Feltri; Agenor, Pituca, Ramalho e Róbston; Marcão e Keninha (Boka).
Técnico: Geninho

SANTOS
Felipe; Pará, Edu Dracena, Durval e Alex Sandro; Arouca, Wesley, Marquinhos e Zezinho (Rodriguinho); Zé Eduardo (Giovanni) e Marcel (Maikon Leite).
Técnico: Dorival Júnior



Santos bate Atlético-GO fora de casa e vence a primeira

Sem Robinho, Neymar, Paulo Henrique, André e Madson, time de Dorival fez 2 a 1 em Goiânia e manteve invencibilidade no Brasileirão.

Jogando sem boa parte de seus titulares, por conta de um episódio em que jogadores como Neymar, Paulo Henrique, André e Madson chegaram atrasados à concentração da equipe e foram imediatamente afastados, o Santos não se intimidou por atuar no Serra Dourada e derrotou o Atlético Goianiense, por 2 a 1, neste sábado. Robinho só deve voltar à equipe depois da Copa, pois já se apresentou à seleção brasileira que vai ao Mundial.

A partida, válida pela terceira rodada do Brasileirão, marcou a primeira vitória santista no torneio – antes o time havia empatado com Botafogo e Ceará. Na próxima rodada, o alvinegro praiano, que agora soma cinco pontos na competição, recebe o Guarani.

O jogo

Mesmo desfalcado de vários de seus titulares, casos de Paulo Henrique, Neymar e André – além do reserva Madson -, afastados por terem chegados atrasados à concentração na madrugada de quinta para sexta-feira, o Santos começou a partida dando sinais de que havia ido à Goiânia em busca de sua primeira vitória no campeonato.

Tanto que a primeira chance de gol do jogo foi dos santistas. Aos nove minutos, o meia Marquinhos quase surpreendeu o goleiro Márcio, ao bater direto uma cobrança de falta na lateral. Atento, o arqueiro do Atlético-GO evitou o gol.

Procurando dar sequência ao bom momento, o Peixe criou mais uma boa oportunidade aos 21, com Zé Eduardo. O meia-atacante, uma das novidades da equipe em Goiânia, fez boa jogada individual, driblando o seu marcador e cortando para o meio antes de finalizar, com força. Bem posicionado, Márcio novamente fez a defesa, antes do corte da zaga do Dragão.

Mas aos 26 foi a vez do Atlético-GO criar uma chance de gol. Os donos da casa desceram em rápido contra-ataque, até que a bola chegou ao lateral Tiago Feltri. O ala driblou Pará no domínio de bola, invadiu a grande área e bate com força para o gol. No reflexo, Felipe espalmou a bola para escanteio, evitando o gol dos goianos.

Antes do intervalo, o Dragão teve mais uma boa situação para abrir o placar. Aos 36, Marcão recebeu passe de Keninha, deixou Durval para trás e na hora da finalização, chutou cruzado, só que a bola saiu pela linha de fundo, próxima a trave direita de Felipe. Na volta para o segundo tempo, o técnico Geninho fez uma alteração, trocando um zagueiro por outro. Gilson deixou o confronto para a entrada de Wescley.

O Atlético-GO foi o primeiro time a fazer uma substituição no duelo, porém, foi o Alvinegro Praiano quem criou a primeira oportunidade de gol da etapa complementar. Aos cinco, Marquinhos cobrou a falta com força, a bola desviou na barreira e Márcio, outra vez, mostrou toda a sua agilidade para socar a bola e evitar o gol do Santos.

Bem na partida, Marquinhos mais uma vez resolveu tentar o gol. Com 13, o meia arriscou uma finalização de fora da área. Márcio se esticou todo para desviar a bola, que tocou na trave, assustando a torcida do Dragão.

Melhores em campo no segundo tempo, os santistas abriram o placar, aos 20 minutos. Marquinhos puxou contra-ataque e tocou para Wesley, que tirou o seu adversário da jogada, antes de chutar com força e precisão no ângulo esquerdo de Márcio, que nada pôde fazer para evitar o gol.

O Peixe poderia ter ampliado a sua vantagem no minuto seguinte, só que a arbitragem alegou toque de mão de Marquinhos no lance, antes da finalização. Mas sem se deixar abater, os alvinegros finalmente chegaram ao segundo tento. Aos 26, Alex Sandro fez boa jogada pela esquerda e tocou para trás. Zé Eduardo concluiu com precisão, fazendo 2 a 0 para os visitantes.

Tentando dar mais poderio ofensivo a sua equipe, Geninho trocou o lateral direito Márcio Gabriel pelo atacante Juninho. Outra alteração no ataque foi a saída de Keninha para a entrada de Boka. No Alvinegro Praiano, Dorival Júnior – que já havia colocado Maikon Leite no lugar de Marcel – fechou um pouco mais o time, ao tirar o meia-atacante Zezinho, colocando o volante Rodriguinho em sua vaga. Giovanni também entrou em campo, substituindo Zé Eduardo.

Contudo, apesar da vantagem no placar e de ter ficado com um a mais em campo – Agenor foi expulso, aos 39 -, os santistas permitiram ao Atlético-GO pressionar em busca de um resultado melhor. Isto porque, aos 42, Boka descontou. Animados pelo gol, os goianos tentaram o empate, porém, o Santos conseguiu segurar a vantagem construída e conquistou a sua primeira vitória na Série A do Brasileiro 2010.

Goiás 2 x 1 Santos

Data: 23/08/2009, domingo, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 20ª rodada
Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia, GO.
Público:
Renda: R$
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa/PR)
Auxiliares: Gilson Bento Coutinho (PR) e Márcia Bezerra Lopes Caetano (Fifa-RO)
Cartões amarelos: João Paulo e Rafael Tolói (G); Pará, Germano e Rodrigo Souto (S).
Cartão vermelho: João Paulo (G)
Gols: Vítor (19-1) e Kléber Pereira (30-1); Felipe (06-2).

GOIÁS
Harlei; Ernando, João Paulo e Rafael Tolói; Vitor, Ramalho (Everton), Amaral, Léo Lima (Fernandão) e Júlio César; Iarley e Felipe.
Técnico: Hélio dos Anjos

SANTOS
Felipe; George Lucas, Fabão, Eli Sabiá e Pará (Triguinho); Rodrigo Mancha (Emerson), Rodrigo Souto, Germano (Neymar) e Paulo Henrique Lima; Madson e Kléber Pereira.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Na reestreia de Fernandão, Goiás bate freguês Santos e sobe para 2º lugar

O Serra Dourada provoca pesadelos aos santistas, e a história se repetiu na noite deste domingo. Na partida que marcou a reestreia de Fernandão, o Goiás venceu por 2 a 1 e subiu para a vice-liderança do Campeonato Brasileiro com 38 pontos, dois a menos do que o Palmeiras.

Assim, o Santos segue como freguês da equipe esmeraldina. Em 16 confrontos na história do Brasileirão no Serra Dourada, o Goiás ganhou nove vezes e perdeu apenas uma, com seis empates. O novo revés breca a ascensão do time paulista, que defendia uma invencibilidade de cinco partidas e agora segue com 28 pontos, na 11ª posição, e um jogo a menos.

Vítor abriu o placar aos 19min do primeiro tempo, com um chute de fora da área. Kléber Pereira empatou aos 30min, depois de assistência de Paulo Henrique. O atacante Felipe garantiu o triunfo aos donos da casa aos 6min do segundo tempo, com um chute de fora da área.

Os torcedores deixaram o estádio gritando “o Fernandão voltou” e “o Santos é freguês”. “Valeu pelo gol da vitória, pelos três pontos e pela determinação de todos os jogadores”, celebrou o herói da noite, Felipe.

“Na rebatida a gente tomou o segundo gol. Mas o nosso time está bem, numa crescente. É manter a tranqüilidade no vestiário e pensar no próximo jogo”, considerou o capitão santista Fabão.

O jogo

A etapa inicial foi bastante movimentada. A primeira oportunidade de gol ocorreu pelo lado alvinegro, quando Madson fez bela finta e arriscou o chute de fora da área. O goleiro Harlei só observou, e a bola saiu rente à trave.

A partir dos 10 minutos, o Goiás passou a ter o domínio do duelo, e Iarley começou a fazer a diferença. Primeiro o veterano de 35 anos exigiu uma boa defesa de Felipe com um chute colocado.

Aos 19min, Iarley rolou de calcanhar, e Vítor apareceu de trás para chutar forte, sem chances de defesa para Felipe.

Com o time da Vila em desvantagem, quem começou a brilhar foi Paulo Henrique. Aos 30min, o camisa 11 alvinegro fez bela jogada pelo meio e deixou Kléber Pereira na cara de Harlei. O camisa 9 chutou rasteiro e igualou o placar.

O gol motivou os santistas, enquanto os goianos caíram de rendimento. Nos 15 minutos finais do primeiro tempo, o time visitante apertou o rival, e Kléber Pereira quase virou a partida em duas oportunidades.

“O jogo está difícil mesmo, não é fácil para comandar as ações”, apontou o técnico Hélio dos Anjos na saída para o intervalo. “Precisamos colocar um pouco mais a bola no chão. As duas equipes estão correndo demais”, opinou do outro lado o volante Rodrigo Mancha.

E quem retornou mais atento à etapa final foi a equipe esmeraldina. Aos 5min, Felipe realizou grande defesa e evitou mais um gol de Júlio César, que chutou forte de fora da área – houve um desvio no meio do caminho.

Um minuto depois, o atacante Felipe aproveitou uma sobra e chutou de fora da área, sem chances para o seu xará santista.

A partir de então, o goleiro Felipe foi bombardeado e deu conta do recado, com boas defesas. Além disso, Júlio César ainda carimbou a trave.

Vanderlei Luxemburgo apostou em Neymar, porém o conjunto litorâneo não conseguiu reagir, principalmente porque uma forte chuva prejudicou o gramado e a troca de passes.


Goiás 4 x 1 Santos

Data: 20/09/2008, sábado, 18h20.
Competição: Campeonato Brasileiro – 26ª rodada
Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia, GO.
Público: 9.469 pagantes
Renda: R$ 150.420,00
Árbitro: Leonardo Gaciba/RS (Fifa)
Auxiliares: Altemir Hausmann/RS (Fifa) e Marcelo Bertanha Barison/RS
Cartões amarelos: Vitor e Henrique (G); Fabiano Eller (S).
Gols: Paulo Baier (01-1), Anderson Gomes (03-1) e Iarley (14-1); Rafael Marques (08-2) e Pará (30-2).

GOIÁS
Harlei;, Ernando, Henrique e Rafael Marques; Vitor (Fábio Bahia), Fahel, Ramalho, Paulo Baier (Fernando) e Júlio César; Anderson Gomes (Lima) e Iarley.
Técnico: Hélio dos Anjos

SANTOS
Douglas; Wendel, Fabão (Pará), Fabiano Eller e Kleber; Rodrigo Souto, Roberto Brum, Bida e Michael (Lima); Cuevas (Wesley) e Kléber Pereira.
Técnico: Márcio Fernandes



Santos é goleado pelo Goiás, melhor do returno, e volta à realidade

A vitória sobre o Fluminense e a conseqüente saída da zona de rebaixamento da Série A mudaram o discurso santista. Os jogadores passaram a vislumbrar uma vaga às competições sul-americanas. Mas bastou um início avassalador do Goiás para que o time da Vila Belmiro voltasse à realidade. Irreconhecível, foi goleado pelo melhor time do returno por 4 a 1, no Serra Dourada, e não conseguiu se desgarrar definitivamente da zona da degola.

Essa era o objetivo santista, que vinha em ascensão no Nacional-08. O time treinado por Márcio Fernandes ainda não havia perdido nesse returno. Eram três vitórias e três empates. Com o fim da invencibilidade no segundo turno, pára nos 29 pontos, apenas três a mais do que o Vasco, o primeiro do grupo dos quatro piores.

Esse reencontro com o fantasma do rebaixamento se deve em grande parte ao fraco desempenho fora de casa, algo que o elenco prometia colocar ponto final nesta rodada. Mas ainda não aconteceu. Com o resultado de hoje, soma apenas uma vitória como visitante (Internacional), quatro empates e oito derrotas.

Já o Goiás, que viu o goleiro Harley atingir a marca de 550 jogos com a camisa do clube, continua embalado. Uma semana após alcançar uma surpreendente vitória diante do líder Grêmio, em pleno Olímpico, “atropelou” o rival paulista. Para se ter idéia, vencia por 3 a 0 com apenas 14min do primeiro tempo.

Desta forma, o elenco goiano reafirma sua posição de melhor time do segundo turno do Nacional. Em sete jogos, venceu cinco, empatou um e sofreu apenas um revés. Assim, sobe para 39 pontos e se aproxima do G-4. No próximo sábado, pega o Vitória, novamente em casa. Um dia depois, o Santos duela diante da ameaçada Portuguesa, na Vila Belmiro.

O jogo

O Goiás esteve irresistível no início. Com apenas 1min, iniciava sua tranqüila vitória. Após belo cruzamento de Júlio César, Paulo Baier, de cabeça, fez o primeiro. O Santos teve pouco tempo para digerir esse tento. Dois minutos mais tarde, Anderson Gomes aproveitou um rápido contra-ataque e tocou na saída de Douglas. 2 a 0.

Após isso, o Santos se mostrou um time nervoso. Sequer acertava passes. Bem marcado, o artilheiro Kléber Pereira quase não tocava na bola. Para piorar, o zagueiro Fabão derrubou Julio César dentro da área. O árbitro Leonardo Gaciba marcou pênalti. Aos 14min, Iarley cobrou e praticamente selou a vitória goiana.

A disparidade entre as duas equipes era grande. O Goiás trocava passes com tranqüilidade. Já o rival era facilmente marcado e demonstrava enormes para chegar ao gol de Harley.

Essa fragilidade ofensiva irritou o técnico Márcio Fernandes, que decidiu mudar a equipe ainda na etapa inicia. Aos 34min, sacou Fabão e colocou Pará. Assim, ficou com apenas um zagueiro –Fabiano Eller– de origem em campo. Rodrigo Souto foi recuado para a posição. Mas não surtiu efeito.

O Goiás continuou mandando no jogo. Não dava espaços para o adversário, principalmente para o atacante Kléber Pereira. Além disso, era eficiente em suas chances. Aos 8min, por exemplo, Rafael Marques completou cruzamento de Vitor e fez o quarto dos donos da casa.

Mesmo em vantagem, continuou pressionando. Não fosse o goleiro Douglas, poderia ter ampliado. O Goiás só deu uma relaxada após metade do segundo tempo. Os santistas aproveitaram e fizeram o gol de honra, com Pará, aos 30min.


Goiás 1 x 0 Santos

Data: 25/07/2007, quarta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 14ª rodada
Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia, GO.
Público: 7.498 pagantes
Renda: R$ 118.110,00
Árbitro: Carlos Eugênio Simon/RS
Auxiliares: Dibert Pedrosa Moisés e Wagner de Almeida Santos/RJ
Cartões amarelos: Paulo Henrique e Leonardo (G); Adriano, Marcos Aurélio e Carlinhos (S).
Gol: Welliton (24-2).

GOIÁS
Harley, Leonardo, Paulo Henrique e Amaral; Fábio Bahia, Cléber Gaúcho (Vítor), Paulo Baier, Élson e Diego (Felipe); Welliton e Fabrício Carvalho (Fernando Miguel).
Técnico: Paulo Bonamigo

SANTOS
Fábio Costa; Dionísio (Vítor Júnior), Domingos, Adaílton e Kléber; Rodrigo Souto, Adriano, Tabata (Carlinhos) e Pedrinho (Renatinho); Marcos Aurélio e Kléber Pereira.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Goiás vence, breca ascensão santista e retorna ao G-4

O Goiás conseguiu, na noite desta quarta-feira, frear a ascensão do Santos no Campeonato Brasileiro. No Serra Dourada, a equipe esmeraldina venceu o time da Vila Belmiro por 1 a 0 e retornou à zona de classificação para a Copa Libertadores.

O time paulista, que desperdiçou um pênalti com Marcos Aurélio no início do segundo tempo, vinha de quatro partidas sem derrota, com triunfos sobre sobre Cruzeiro, Botafogo e Figueirense, em casa, e empate com o Palmeiras, no Parque Antarctica. Esses resultados tiraram o time das últimas colocações e o alçaram à briga pelos primeiros lugares. Entretanto, com o revés desta quarta, o Santos ficou na 12ª colocação, com 18 pontos.

O Goiás, por sua vez, não vivia boa fase no Nacional antes do confronto diante dos alvinegros. Nas três rodadas anteriores, o clube não havia vencido – empate com Grêmio e derrotas para Cruzeiro e Fluminense. Com o triunfo em casa, além da recuperação, o time chegou aos 23 pontos, agora na terceira posição da tabela.

O placar ainda serviu para a equipe do Serra Dourada quebrar um tabu diante do Santos. Desde novembro de 2003 o clube alviverde não vencia o adversário. No período foram disputados seis jogos entre os dois, com três vitórias santistas e três empates.

O Goiás começou a partida mais ofensivo e tentou pressionar os visitantes. No entanto, o time teve dificuldades para furar o bloqueio defensivo santista e em todo primeiro tempo criou apenas uma boa chance, em jogada de velocidade do atacante Welliton.

Já o Santos procurou explorar os contra-ataques na etapa inicial e, apesar de ficar menos com a bola nos pés, teve as duas melhores oportunidades: primeiro em um arremate de longe de Dionísio, e depois em uma bela jogada individual do atacante Kléber Pereira.

No segundo tempo o Santos voltou melhor e teve grande chance de abrir o marcador logo aos 3min. Marcos Aurélio cobrou pênalti sofrido por ele mesmo para fora, à esquerda da meta de Harley.

O lance animou os jogadores esmeraldinos, que se lançaram ao ataque e iniciaram a pressão sobre o adversário. A ofensividade dos anfitriões foi recompensada aos 24min, quando Welliton aproveitou passe de Paulo Baier e completou para a rede. Esta pode ter sido a última partida do avante com a camisa do clube goiano, já que ele deve acertar ainda nesta semana sua transferência para o futebol russo.

“Foi uma bela partida, mas só vou saber mesmo se foi a despedida amanhã [quinta-feira]. Só tenho a agradecer à minha família e à diretoria do Goiás. Estava trabalhando forte para isso e venho conseguindo meus objetivos”, declarou o autor do gol.

“Nós conseguimos jogar bem de novo. O Goiás deu espaços para nós criarmos as oportunidades, mas desperdiçamos as chances que tivemos e ficamos com a derrota”, afirmou o meia santista Rodrigo Tabata, que passou pelo clube do Serra Dourada em 2005.