Navegando Posts marcados como Thiago Maia

Atlético-GO 1 x 1 Santos

Data: 01/07/2017, sábado, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 11ª rodada
Local: Estádio Olímpico Pedro Ludovico, em Goiânia, GO.
Público: 5.898 pagantes
Renda: R$ 97.145,00
Árbitro: Claudio Francisco Lima e Silva (SE)
Auxiliares: Cleriston Clay Barreto Rios (SE) e Fabio Pereira (TO).
Cartões amarelos: Jorginho, Marcão Silva e Bruno Pacheco (A); Thiago Maia (S).
Cartão vermelho: Jorginho (A).
Gols: Andrigo (12-1) e Thiago Maia (23-2).

ATLÉTICO-GO
Felipe; Eduardo (Jonathan), Marcão, Roger Carvalho e Bruno Pacheco; Marcão Silva, Andrigo (Abuda), Luiz Fernando, Jorginho e Breno Lopes (Diego Rosa); Everaldo.
Técnico: Doriva

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Noguera (Thiago Ribeiro), David Braz e Caju; Yuri, Alison (Thiago Maia) e Vitor Bueno (Lucas Lima); Vladimir Hernández, Arthur Gomes e Kayke.
Técnico: Levir Culpi



Mistão do Santos ‘acorda’ no 2º tempo e empata com lanterna Atlético-GO

O torcedor do Santos acompanhou dois times diferentes neste sábado. O primeiro, que iniciou o jogo contra o Atlético-GO, no estádio Olímpico, em Goiânia, foi apático, mal tecnicamente e facilmente dominado pelo Dragão, que abriu o placar com Andrigo. Já a outra equipe, beneficiada com a expulsão de Jorginho logo na volta do intervalo, mostrou força para pressionar o adversário durante toda a segunda etapa e buscar o empate em 1 a 1 com Thiago Maia, em duelo válido pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O empate foi ruim para os dois clubes. Com 17 pontos, o alvinegro subiu para a quarta colocação, mas pode ser ultrapassado por até seis times. Já o Atlético-GO, por sua vez, segue na lanterna do Brasileirão, com apenas sete pontos.

O jogo

O jogo começou bastante trucado em Goiânia. Com apenas três titulares, o Santos mostrava muito desentrosamento e errava diversos passes. Já o Atlético-GO, por sua vez, seguia com a pouca qualidade técnica apresentada nos últimos jogos e repetia os erros do Peixe.

Porém, a partida saiu da chatice após um erro coletivo da zaga santista. Aos 11 minutos, Caju perdeu a bola para o adversário, Noguera não acompanhou a sequência da jogada e Vanderlei acabou derrubando Breno Lopes dentro da área. Pênalti para o Dragão.

Na cobrança, o goleiro santista se redimiu e defendeu o chute de Everaldo. No rebote, porém, a zaga alvinegra não acompanhou Andrigo, que chegou em velocidade e empurrou para o fundo das redes, abrindo o placar no estádio Olímpico.

O tento animou os atleticanos. Aos 16 minutos, Luiz Fernando cobrou falta direto para o gol e Vanderlei se esticou todo para salvar o Peixe.

Mesmo com a vantagem no marcador, o Dragão seguiu apertando o Santos, que ficou acuado, sofreu com a pressão e não assustou o goleiro Felipe.

Além da derrota parcial no placar, o técnico Levir Culpi também perdeu Vitor Bueno. Aos 29 minutos, o camisa 7 caiu no gramado após choque com Marcão Silva. Por conta disso, o meia Lucas Lima, que estava sendo poupado, precisou entrar em campo.

O camisa 10, porém, pouco acrescentou na reta final do primeiro tempo. O Peixe seguiu jogando mal e só não foi para o intervalo com uma desvantagem maior porque a pontaria dos atleticanos estava ruim.

Precisando da virada para voltar ao G4 do Brasileirão, o técnico Levir Culpi voltou para a segunda etapa com Thiago Maia na vaga de Alison. Porém, que ajudou mesmo o Santos foi Jorginho, do Atlético-GO.

O meia, que já tinha amarelo, deu uma entrada dura em Vladimir Hernández e acabou expulso pelo árbitro Claudio Francisco Lima e Silva.

Com a vantagem numérica dentro de campo, o Peixe cresceu no jogo. O problema é que mesmo com a posse de bola, a equipe santista não conseguia chegar com qualidade ao gol de Felipe.

Porém, aos 23 minutos, o Dragão repetiu o Santos e sofreu o empate após falha coletiva da defesa. Abuda saiu jogando errado e perdeu a bola. Na sequência, Lucas Lima tocou para Thiago Maia. O volante mandou uma bomba de fora da área e contou com a ‘ajuda’ do goleiro Felipe para empatar a partida.

O empate animou os santistas. Com um homem a mais no gramado, o alvinegro se lançou ao ataque em busca da vitória. Os últimos minutos do jogo marcaram uma pressão tremenda do Santos em cima do acuado Atlético-GO.


Sporting Cristal 1 x 1 Santos

Data: 09/03/2017, quinta-feira, 21h45.
Competição: Copa Libertadores – Grupo 2 – 1ª rodada
Local: Estádio Nacional, em Lima, Peru.
Público e Renda: N/D
Árbitro: José Argote
Auxiliares: Carlos Lopez e Luis Murillo
Cartões amarelos: Lobatón e Cazulo (SC); Cleber (S).
Gols: Cazulo (13-1) e Thiago Maia (21-2).

SPORTING CRISTAL
Maurício Viana; Revoredo, Cazulo, Garcés, Céspedes; Pedro Aquino, Carlos Lobatón (Ballón), Gabriel Costa, Sandoval (Christian Ortíz), Sánchez; Ifrán (Blackburn).
Técnico: José Guillermo Del Solar

SANTOS
Vladimir; Victor Ferraz, Cleber, David Braz e Zeca; Renato, Thiago Maia e Lucas Lima; Vitor Bueno (Vladimir Hernández), Copete (Bruno Henrique) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Junior



Santos acorda no 2° tempo e busca empate contra o Sporting Cristal, na estreia da Libertadores

A Libertadores finalmente começou para o Santos! Após cinco anos de ausência, os santistas viveram toda a emoção que a competição continental proporciona nesta quinta-feira, contra o Sporting Cristal, no Peru. Estreando no torneio, o Peixe começou preguiçoso e viu os peruanos abrirem o placar com Cazulo. Porém, o alvinegro contou com a estrela de Lucas Lima e Vladimir para arrancar o empate no segundo tempo. O meia deu lindo passe para Thiago Maia deixar tudo igual, enquanto o goleiro fez várias defesas e salvou o time de Vila Belmiro nos momentos finais.

Com a igualdade, as duas equipes acumulam um ponto e ficam empatadas na tabela. O líder do grupo 2 é o The Strongest, que venceu o Santa Fe, da Colômbia, por 2 a 0, em La Paz, também nesta quinta.

O jogo

O Santos começou a Libertadores tomando pressão logo no primeiro minuto. Jogando em seu território, o Sporting Cristal se impôs nos momentos iniciais. Após bobeada e falta de Cleber, Lobatón bateu falta direto para o gol e Vladimir salvou.

Após a chance desperdiçada, o time peruano continuou em cima e marcando o Santos desde a saída da defesa, fazendo o time comandado por Dorival Júnior cometer alguns erros bobos. Porém, o alvinegro colocou a bola no chão aos 7 minutos e quase abriu o placar. Victor Ferraz recebeu belo passe de Copete pelo lado direito, mas errou o cruzamento. Na sobra, Lucas Lima achou Vitor Bueno livre, que não conseguiu empurrar para as redes.

Apesar da ‘acordada’, o pior para os santistas aconteceu seis minutos depois. Em nova cobrança de falta, Lobatón cruzou e Cazulo, em impedimento, apareceu completamente sozinho na área para vencer Vladimir e abrir o placar no Peru.

Mesmo com a vantagem, o Sporting Cristal seguiu pressionando a saída de bola do Peixe, que não sentiu bastante o tento sofrido e pouco criou nos minutos seguintes. Bem marcado, Lucas Lima pouco conseguiu criar.

Na reta final do primeiro tempo, porém, o time peruano diminuiu um pouco a marcação e o alvinegro cresceu no jogo. O problema é que mesmo com a posse de bola, os santistas não conseguiam furar a zaga adversária, tanto que o primeiro chute na meta surgiu apenas aos 30 minutos, com Vitor Bueno. Bem posicionado, o goleiro Maurício fez a defesa de soco.

Praticamente no último lance da etapa inicial, aos 44, o zagueiro Cleber aproveitou a sobra em cobrança de falta e bateu firme. Porém, Mauricio salva o Sporting Cristal com uma bela defesa em dois tempos.

Ao contrário do primeiro tempo, o Santos voltou do intervalo mais aceso no Peru. Logo com cinco minutos de jogo, Lucas Lima acertou lançamento para Ricardo Oliveira. Em velocidade, o centroavante ganhou do zagueiro e bateu firme, no canto esquerdo. Inspirado, o goleiro Maurício caiu bem e espalmou o chute do atacante, salvando o Sporting Cristal.

Apesar da melhora no início do segundo tempo, o meia Vitor Bueno destoava dos companheiros. Apagado, o camisa 7 acabou sendo substituído por Vladimir Hernández aos 13 minutos. O colombiano, por sua vez, estrava com a camisa do Peixe em jogos oficiais.

Logo em sua primeira jogada mais incisiva, o debutante participou da jogada do empate santista no Peru. Porém, quem roubou a cena foi Lucas Lima. Após troca de passes iniciada por Hernández, o camisa 10 deu lindo lançamento para Thiago Maia. Na cara do gol, o volante fuzilou Maurício e deixou tudo igual.

O tento desanimou os peruanos, que diminuíram o ímpeto no ataque. O Santos, por sua vez, viu o nervosismo passar, colocou a bola no chão e passou a dominar a partida. Porém, como na Libertadores é preciso ficar atento todos os minutos, o Peixe viu o Sporting Cristal crescer no final e quase saiu de Lima com uma derrota na bagagem.

Ela não veio, porém, pois o alvinegro tinha Vladimir embaixo da meta. Como um verdadeiro paredão, o goleiro fez três lindas defesas nos últimos cinco minutos de jogo e garantiu o empate no Peru.

Bastidores – Santos TV:

Dorival rechaça erro em gol do Sporting Cristal e destaca jogo equilibrado

Aos 13 minutos do jogo entre Santos e Sporting Cristal, nesta quinta-feira, no Peru, o zagueiro Cazulo subiu sozinho dentro da área e abriu o placar para os peruanos, na estreia da Libertadores. O jogador, porém, estava impedido no lance. Mesmo assim, a arbitragem validou o tento. Apesar do erro, o técnico Dorival Júnior preferiu descartar qualquer lamentação e optou por valorizar a boa partida, onde o Peixei buscou o empate no segundo tempo.

“Acho que o gol, para mim, realmente foi uma jogada em impedimento. Entraram ali três jogadores. O jogador que concluiu a jogada estava entre a linha. Porém, eles tiveram duas grandes oportunidades, foi jogo equilibrado, o empate espelhou o que foi a partida. As duas equipes buscaram oportunidades, para uma estreia foi importante para a reação da equipe”, explicou o comandante, em entrevista após o duelo desta quinta-feira.

Mesmo com a igualdade, o Peixe não fez um bom primeiro tempo. Preguiçoso, o alvinegro viu o Sporting Cristal dominar as ações e abrir o placar no início. Porém, a equipe de Vila Belmiro ‘acordou’ depois do intervalo, colocou a bola no chão e chegou ao empate com Thiago Maia, após lindo lançamento de Lucas Lima. Para Dorival, o resultado acabou sendo justo.

“Nós tivemos um pouco mais de volume na segunda etapa. Cristal prevaleceu na primeira. Foi um jogo agradável de se ver. As equipes buscaram o gol com intensidade o tempo todo e não se preocuparam apenas em marcar. Vinhamos de um momento com certa instabilidade, precisávamos alcançar um equilíbrio, uma recuperação, para que voltemos a jogar dentro de uma normalidade que o Santos sempre apresentou”, concluiu o treinador.

Com a igualdade, as duas equipes acumulam um ponto e ficam empatadas na tabela. O líder do grupo 2 é o The Strongest, que venceu o Santa Fe, da Colômbia, por 2 a 0, em La Paz, também nesta quinta.

Herói, Vladimir destaca mudança de postura do Santos após intervalo

Vivendo sob desconfiança sempre que assume o posto de titular, o goleiro Vladimir mais uma vez ‘espantou’ todas as incertezas e foi o herói do Santos na estreia da Libertadores, contra o Sporting Cristal. Se no clássico contra o Corinthians, no último sábado, a boa atuação acabou sendo ofuscada pela derrota, o arqueiro salvou o Peixe nesta quinta-feira. Com três lindas defesas nos minutos finais, o camisa 12 garantiu o empate santista no Peru.

Feliz com a boa atuação, Vladimir também comemorou a mudança de postura do alvinegro após a fraca apresentação no primeiro tempo. Atrás no placar após gol marcado por Cazulo, o Santos voltou bem do intervalo, colocou a bola no chão e foi melhor no duelo, buscando a igualdade com Thiago Maia, após lindo passe de Lucas Lima.

“A gente sabia da dificuldade aqui dentro. Foi uma partida madura da nossa equipe. Soubemos segurar a pressão. Graças a Deus fui feliz e ajudei o time a sair com o empate. Conversamos no intervalo para mudar a nossa atitude no segundo tempo. Dorival corrigiu os nossos erros no segundo tempo e entramos melhor. Acho que o Santos somou um ponto aqui dentro”, explicou o goleiro.

Lucas Lima comemora bom retorno ao Santos e vê empate justo

Após cinco anos de ausência, o Santos voltou a disputar uma Libertadores nesta quinta-feira. Porém, os primeiros minutos da estreia contra o Sporting Cristal foram preocupantes. Lento e pouco criativo, já que Lucas Lima foi bem marcado, o Peixe viu os peruanos abrirem o placar logo no início e não assustou o goleiro Maurício Viana.

Porém, o intervalo mudou os rumos do duelo. Atento na segunda etapa, o alvinegro colocou a bola no chão e contou com a estrela de Lucas Lima para arrancar o empate. Voltando após lesão no joelho, o meia deu lindo passe para Thiago Maia deixar tudo igual no Peru. Fundamental na igualdade, o camisa 10 comemorou o retorno aos gramados.

“Eu treinei muito. Ficar parado é pior, mas quero agradecer os fisioterapeutas dos Santos. Fiz uma excelente pré-temporada, e atuei bem nos primeiros jogos do ano. Porém, corri perigo quando continuei contra o São Paulo após sentir a lesão. Mas agora é treinar bastante. Foi um jogo aberto. A equipe deles é qualificada. É um empate justo”, explicou o Lucas Lima na saída do gramado.

“Foi um importante resultado, por o primeiro jogo. Creio que a equipe demorou para entrar na partida, mas quando entrou, nós dominamos. Sofremos um pouco, é normal. É Libertadores. Mas esse ponto vai fazer diferença lá na frente. Libertadores não tem jogo fácil”, concluiu o meia.


Santos 2 x 1 Palmeiras

Data: 01/11/2015, domingo, 17h00.
Competiçao: Campeonato Brasileiro – 33ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 11.767 pagantes
Renda: R$ 491.655,00
Árbitro: Péricles Bassols (RJ)
Auxiliares: Rodrigo Henrique Corrêa e Luiz Cláudio Regazone (ambos do RJ).
Cartões amarelos: Gustavo Henrique, Gabriel e Zeca (S); Zé Roberto, Thiago Santos e Dudu (P).
Cartão vermelho: Cristaldo (P).
Gols: Thiago Maia (26-1); Ricardo Oliveira (03-2) e Dudu (29-2).

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Gustavo Henrique, David Braz e Zeca; Thiago Maia, Renato e Lucas Lima (Serginho); Marquinhos Gabriel (Alison), Gabriel (Geuvânio) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Júnior

PALMEIRAS
Fernando Prass; Lucas (João Pedro), Jackson, Vitor Hugo e Zé Roberto; Matheus Sales (Allione), Thiago Santos e Robinho; Dudu, Gabriel Jesus e Lucas Barrios (Cristaldo).
Técnico: Marcelo Oliveira



Na Vila, Santos bate o Palmeiras em ‘prévia’ das finais da Copa do Brasil

O Santos segue 100% na Vila Belmiro desde a chegada de Dorival Júnior. Neste sábado, o time superou o desafio do “ensaio” para a final da Copa do Brasil e bateu o Palmeiras por 2 a 1 na Baixada, aumentando sua sequência de vitórias para 14 em seu estádio e 15 como mandante.

Os gols do clássico, válido pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro, foram anotados por Thiago Maia, no primeiro tempo, e Ricardo Oliveira, no começou do segundo, do lado santista, e Dudu descontou para o Alviverde aos 30 da etapa final.

As duas equipes voltam a se enfrentar justamente na Vila Belmiro, no dia 25 de novembro, pela ida da decisão da Copa do Brasil, e fazem a finalíssima uma semana depois, no Palestra Itália.

No Brasileirão, com a vitória, o Santos vai a 53 pontos e se mantém no quarto lugar da tabela, deixando para trás o São Paulo, que possui a mesma pontuação mas soma nove gols a menos de saldo. Pela próxima rodada, Dorival Júnior e seus comandados visitarão o Joinville em sua arena, no próximo domingo (8).

Já o Palmeiras fica com 48 pontos, cai para a nona colocação, fica ainda mais longe do G4 e vê aumentar a pressão pelo título da Copa do Brasil. O próximo desafio alviverde na liga nacional está marcado também para o próximo domingo, quando o time recebe o Vasco no Palestra Itália. Expulso no fim do clássico na Vila por agredir Gustavo Henrique, Cristaldo cumpre suspensão e não participa do duelo.

O jogo

Os primeiros minutos foram de muita marcação e pouca criatividade na Vila Belmiro. O Santos tomou a iniciativa ofensiva, tentando imprimir velocidade pelas laterais, mas esbarrava na cobertura alviverde. Já o Palmeiras se postou inicialmente no contra-ataque.

A estratégia palestrina quase deu certo aos sete minutos, quando Robinho recebeu no meio após desarme feito pela defesa e lançou no campo de ataque para Gabriel Jesus, que brigou com a defesa e conseguiu descolar o passe para Lucas Barrios, mas o paraguaio escorregou na hora da finalização. O Peixe respondeu aos 14, quando Lucas Lima lançou para Gabriel e Prass saiu bem do gol, atuando como zagueiro, para afastar o perigo de pé esquerdo.

Mais incisivo, o Santos enfim fez a festa de sua torcida na Vila aos 26 minutos. Gabriel começou a jogada e tocou no meio para Lucas Lima, que abriu na ponta esquerda e, após belo corta-luz de Ricardo Oliveira, a bola ficou na medida para o cruzamento do lateral Zeca. Livre, Thiago Maia chegou de trás para bater forte de dentro da área no contrapé de Fernando Prass e abrir o placar.

O Alviverde tentou partir para cima na sequência e chegou a ter mais posse de bola no campo de ataque, mas não encontrava espaços na defesa santista. Aos 36, Marcelo Oliveira ainda precisou substituir o lateral Lucas, que passou mal e não conseguiu continuar na partida, por João Pedro.

Três minutos depois, princípio de confusão no gramado da Vila: durante contragolpe palmeirense, Daniel Guedes ficou caído e Dudu deu sequência ao lance, tocando no meio para Robinho, que abriu na ponta direita para Matheus Sales, e o jovem ainda bateu cruzado para, após desvio, acertar o travessão. Os atletas mandantes ficaram reclamando de falta de fair play palmeirense e discutiram com adversários no gramado, mas o árbitro contemporizou.

Antes do intervalo, ainda houve tempo para duas chances incríveis serem perdidas, uma para cada lado. Aos 47, Gabriel Jesus recebeu lançamento de Vitor Hugo e tocou para Robinho, que, em boa posição, bateu por cima do gol. Logo depois, Gabigol recebeu em profundidade e, livre, invadiu a área, driblou Fernando Prass e bateu, mas Vitor Hugo salvou em cima da linha. No rebote, o atacante santista tinha o gol livre para marcar, mas bateu na rede pelo lado de fora.

A primeira chance santista após o intervalo, no entanto, Ricardo Oliveira não perdeu. O artilheiro do Brasileirão recebeu cruzamento da esquerda de Gabriel, fugiu da marcação e ficou completamente livre no segundo pau para cabecear para o chão e balançar as redes do Palmeiras.

O Alviverde já havia chegado em cabeceio de Vitor Hugo para fora antes do segundo minuto da etapa final, mas após sofrer o segundo gol mostrou ainda mais dificuldades ofensivas. Um dos problemas recentemente observados na equipe de Marcelo Oliveira, a falta de criatividade e o excesso de chutões para o campo de ataque se repetiu em parte do clássico na Vila. Aos 11 minutos, coube a Fernando Prass evitar que a situação da equipe paulistana se complicasse ainda mais no jogo. O arqueiro saiu bem do gol novamente para interceptar lançamento que deixaria Marquinhos Gabriel livre para balançar as redes.

O roteiro visto na primeira etapa passou a se inverter da metade para o fim da segunda. Correndo atrás do resultado, o Palmeiras passou a ficar mais com a posse de bola no campo de ataque enquanto o Santos já se concentrava em manter sua marcação e explorar sua velocidade nos contra-ataques.

A equipe alviverde aproveitou seu momento de superioridade na partida para descontar. Aos 29 minutos, Dudu aproveitou confusão na área santista, tabelou com Barrios e bateu para, após desvio, balançar as redes de Vanderlei. Os visitantes se lançaram para cima com a entrada do amuleto Cristaldo no lugar de Barrios. Do lado do Peixe, Geuvânio substituiu Gabriel, mas pouco participou. Já o argentino do Palmeiras acabou expulso de campo aos 45 minutos por agressão a Gustavo Henrique.

Bastidores – Santos TV:

Apesar da vitória, Ricardo Oliveira condena chances perdidas pelo Santos

O Santos não mostrou seu melhor futebol, mas venceu o Palmeiras na Vila Belmiro em prévia da final da Copa do Brasil e, principalmente, confronto direto na luta por vaga na Libertadores através do Campeonato Brasileiro. Artilheiro isolado da Série A com 20 gols, um deles marcado neste domingo, Ricardo Oliveira valorizou o resultado, mas reclamou do “preciosismo” do Peixe, que perdeu muitas oportunidades e acabou sofrendo sufoco no polêmico fim de partida na Baixada.

“Acho que sim (houve preciosismo). Criamos muitas ocasiões e não fizemos gols. Isso é uma coisa errada que está acontecendo com o nosso time, porque a gente costuma aproveitar as oportunidades. Mas a gente conseguiu os três pontos, é isso que queríamos e é isso que importa”, afirmou o goleador, que marcou de cabeça para ajudar o Santos a se manter no G4 do Brasileiro, com 53 pontos.

No clássico deste domingo, os donos da casa saíram na frente no primeiro tempo, com Thiago Maia, e Ricardo Oliveira deixou sua marca aos três minutos da etapa final. Além das vezes em que efetivamente balançou as redes, entretanto, o Peixe finalizou na direção da meta alviverde em outras cinco oportunidades e também errou a pontaria cinco vezes, totalizando 12 conclusões.

O Palmeiras, por sua vez, até ficou mais com a posse de bola, com 53% contra 47% alvinegros, mas finalizou apenas seis vezes, duas delas em direção à meta.

Quem concordou com Ricardo Oliveira na crítica à imprecisão santista durante o clássico foi Lucas Lima. “Faltou acertar as finalizações mesmo. Se a gente tivesse marcado em todos os contra-ataques que tivemos, o placar poderia ser outro. Mas não é todo jogo que dá pra fazer todos os gols, então valeu o empenho”, avaliou.

Já o goleiro Vanderlei preferiu elogiar seus companheiros de frente e principalmente o arqueiro rival, Fernando Prass, que fez cinco defesas na partida. “A gente sabe também que os atletas tentam fazer o melhor, não é displicência. Não fizemos mais gols por mérito do Palmeiras e do Prass, que fez grandes defesas. Temos que ver o outro lado. No Brasileiro, o importante é ganhar, não importa o placar, e isso nós conseguimos”, concluiu.

Lucas Lima fala em “clima de guerra” e celebra vitória sobre rival

Santos e Palmeiras já têm uma rivalidade histórica, mas neste ano os clássicos entre as equipes estão ainda mais apimentados. Os dois fizeram a final do Campeonato Paulista, na qual houve clima quente e título do Peixe nos pênaltis. Agora, decidirão a Copa do Brasil a partir do dia 25 de novembro, e talvez também por isso fizeram duelo pegado na Vila Belmiro neste domingo, no qual os donos da casa saíram vitoriosos por 2 a 1.

Especialmente no segundo tempo, os rivais discutiram no gramado em diversas oportunidades, e tal tensão culminou na expulsão de Cristaldo aos 45 minutos, após agressão a Gustavo Henrique. Além disso, teve um total de 31 faltas, 15 cometidas pelo Peixe e 16 pelo Alviverde, acima da média da competição, que é de pouco mais de 29 por partida. Para Lucas Lima, tratam-se de ingredientes normais para um clássico com contornos de guerra.

“Clássico sempre acaba sendo mais tenso. Acho que eles estão mordidos ainda pelo Campeonato Paulista, e agora chegando a decisão da Copa do Brasil, acaba sendo uma guerra. Viemos para guerrear hoje e saímos vitoriosos”, disse o meia, que é o segundo atleta que mais sofreu faltas no Brasileirão (81, atrás apenas de Luan, do Grêmio, que recebeu 92) e o que mais sofreu pênaltis (três, ao lado de Erik, do Goiás).

Já o volante Gustavo Henrique, envolvido no lance da expulsão de Cristaldo, também creditou as polêmicas da partida à atmosfera de clássico e enxergou o Santos superior, apesar das dificuldades sofridas no fim.

“Clássico é sempre pegado. Todo mundo quer ganhar. A gente veio aqui em casa e inseriu nosso ritmo de jogo para conseguir a vitória, isso é o mais importante”, resumiu.

A primeira batalha da guerra pelo título da Copa do Brasil está marcada para o dia 25 de novembro, quando as duas equipes voltam a se enfrentar na Vila Belmiro. Para o duelo, o técnico alvinegro Dorival Júnior espera que sua equipe não pense em nada além de jogar futebol.

“Na final, espero um Santos preparado, focado e treinado, mas se preocupando apenas em jogar futebol e deixando essas coisas de lado. Esperamos também uma arbitragem boa, dois jogos limpos e sem interferências para que sejam disputados, de uma maneira leal e franca. É normal que esse clima exista, mas ele deve ser contido, e o Santos deve estar equilibrado para enfrentar isso”, projetou o treinador.

Dorival evita projetar final e foca na sequência do Brasileiro

O Santos venceu as últimas 14 partidas que disputou na Vila Belmiro, todas elas desde a chegada de Dorival Júnior. Neste domingo, o Peixe aumentou essa sequência justamente diante do Palmeiras, rival que reencontrará na Baixada no dia 25 de novembro, para começar a decidir a Copa do Brasil. Mas o treinador alvinegro acredita que não há qualquer relação entre esta partida, válida pela 33ª rodada do Brasileirão, e a decisão do torneio eliminatório.

“Esqueçam isso. O jogo de hoje (domingo) teve um desenho que com certeza será outro daqui a 25 dias. Será uma partida totalmente diferente, com outro significado, outro sentido. Isso não existe, não há paralelo. Tenho certeza que serão dois jogos muito disputados, mais marcados que jogados. Estaremos enfrentando partidas com características diferentes do que vimos aqui”, cravou o técnico.

Neste domingo, os rivais paulistas já fizeram duelo disputado, com direito a expulsão do palmeirense Cristaldo no fim. Apesar disso, o Santos conseguiu aplicar seu futebol ofensivo e vencer por 2 a 1 após finalizar 12 vezes contra seis do Palestra que, por outro lado, teve maior posse de bola: 53%.

Além de ter triunfado na “prévia” da final, termo reprovado por Dorival, o Santos somou três pontos importantíssimos que o garantiu na quarta colocação do Campeonato Brasileiro, com 53 pontos, mesmo número que possui o São Paulo, mas o Peixe leva a melhor no saldo de gols.

Como ainda precisa disputar um clássico decisivo em 180 minutos para garantir uma vaga na próxima Libertadores através da Copa do Brasil, o Alvinegro praiano mantém foco total no Campeonato Brasileiro para não deixar escapar seu posto no G4. Nessa jornada, a próxima missão está marcada para o próximo domingo (8), contra o Joinville, em Santa Catarina. Gustavo Henrique e Zeca, que receberam o terceiro cartão amarelo contra o Palmeiras, estão fora da partida, assim como Werley, que foi suspenso por três jogos pelo STJD e não enfrenta nem o Flamengo, na Vila, pela 35ª rodada.

“Agora teremos uma semana importante. Se quisermos manter nossa posição na tabela, precisaremos fazer um jogo de alto nível contra o JEC, porque ainda tivemos essas duas perdas. Teremos de entrar muito ligados lá, o Joinville cresce assustadoramente em sua Arena”, declarou o treinador, projetando duelo contra o vice-lanterna do Brasileirão.

Marquinhos Gabriel reforçou as palavras do comandante. “A gente tem um jogo dificílimo na próxima semana e precisamos continuar o trabalho, porque o campeonato ainda não acabou e temos que ficar no G4”, concluiu.

Impressionado com Lucas Lima, Oliveira estuda marcação individual

O meia Lucas Lima é considerado o principal jogador do Santos ao menos desde a saída de Robinho, mas seu moral vai muito além da Vila Belmiro. Adversário do armador no último domingo e nas finais da Copa do Brasil, marcadas para os dias 25 de novembro e 2 de dezembro, o técnico do Palmeiras, Marcelo Oliveira, classificou o atleta como “impressionante” e já estuda uma forma de pará-lo nas decisões.

“O Lucas Lima ali no meio realmente faz a diferença, é impressionante. É um jogador que consegue mexer a bola muito bem no ataque, colocando os companheiros para jogar. Um atleta que está atuando em um nível muito bom”, avaliou o comandante palmeirense, explicando como pensa em diminuir a efetividade do santista.

“Eu já conversei com os jogadores para ficarem atentos à mobilidade dele. Talvez, nos jogos que tivermos contra o Santos, a marcação pode ser bem firme ali na entrada da área e, dependendo do lado que ele cair, nós individualizamos. Se cair um pouco mais para a esquerda, quem estiver ali, pega. Para a direita, outro fica responsável”, relatou, reconhecendo a dificuldade na implantação da medida. “Ainda assim, é uma missão difícil”, comentou.

Para os embates, a boa notícia fica por conta da possível volta de Arouca ao meio-campo. Após sofrer um descolamento do músculo na região do joelho direito, o volante é cotado para retorno ainda neste mês, o que significa uma boa chance de encarar o ex-clube.

Dessa forma, Oliveira ganharia de volta um importante reforço, já que não pode usar Thiago Santos no torneio. Contratado há dois meses, o marcador já atuou no torneio pelo América-MG e, de acordo com as normas da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), não pode defender outra agremiação.

Santos 5 x 2 Avaí

Data: 22/08/2015, sábado, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 20ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.036 pagantes
Renda: R$ 289.880,00
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Auxiliares: Alessandro Rocha Matos (BA) e Marcelo Barison (RS)
Cartões amarelos: Lucas Lima (S); Jéci, Romário e Adriano (A).
Gols: Gabriel (10-1), Thiago Maia (13-1) e Léo Gamalho (29-1); Ricardo Oliveira (02-2), Nilson (35-2), Léo Gamalho (37-2) e Lucas Lima (47-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz; Gustavo Henrique, David Braz e Zeca; Thiago Maia, Renato e Lucas Lima; Gabriel (Leandro), Ricardo Oliveira (Nilson) e Geuvânio (Marquinhos Gabriel).
Técnico: Dorival Júnior

AVAÍ
Diego; Nino Paraíba, Antônio Carlos, Jéci e Marrone (Romário); Adriano, Pablo, Tinga (Roberto) e Camacho; Rômulo (Conrado) e Léo Gamalho.
Técnico: Gilson Kleina



Santos volta a se impor na Vila e constrói goleada sobre Avaí

O Santos não encontrou maiores dificuldades para se impor diante do Avaí na Vila Belmiro. De uniforme cinza, a equipe alvinegra foi superior na maior parte do confronto, na noite de sábado, e construiu sem grandes sustos sua sétima vitória em sete jogos dentro de casa desde o retorno do técnico Dorival Júnior: 5 a 2.

O resultado não fez mais do que deixar a formação paulista no meio da tabela do Campeonato Brasileiro, com 27 pontos, mas permitiu, no segundo tempo, o descanso de alguns jogadores para o duelo com o Corinthians, na próxima quarta-feira, pela Copa do Brasil. Estacionado nos 20, o Avaí entrou na zona de rebaixamento.

Em pouco mais de dez minutos, o Santos já havia aberto vantagem de dois gols: Gabriel completou, atrapalhado, cobrança de escanteio de Lucas Lima, e Thiago Maia fez boa finalização da entrada da área. Léo Gamalho, no entanto, recebeu nas cosas da defesa e manteve os visitantes no jogo até o intervalo.

Na etapa final, Ricardo Oliveira praticamente matou o jogo, logo aos dois minutos. O gol permitiu três substituições e botou em campo Nilson, autor do quarto gol. Léo Gamalho voltou a descontar, sem efetivamente criar qualquer esperança de reação na Vila. Já nos acréscimos, Lucas Lima bateu pênalti inexistente para fechar a contagem.

O jogo

O comportamento agressivo do Santos não demorou a render frutos. Ricardo Oliveira parou no goleiro Diego, mas, aos dez minutos, Lucas Lima bateu escanteio venenoso da direita. Após a saída em falso do goleiro, Gabriel chegou a se atrapalhar e, a um passo da linha, acertou o travessão. O rebote se ofereceu ao atacante para o gol.

Três minutos depois, uma bonita triangulação com participação de Geuvânio e Ricardo Oliveira acabou em conclusão de Thiago Maia no canto esquerdo. Só com dois gols de desvantagem o Avaí começou a avançar um pouco mais. Aos 29, Léo Gamalho recebeu nas costas da defesa e bateu cruzado para balançar a rede.

O Santos voltou do intervalo disposto a matar o jogo e o fez rapidamente. Aos dois minutos, Ricardo Oliveira recebeu de Geuvânio na esquerda, entrou na área com um toque na bola e finalizou de pé esquerdo, no canto direito do goleiro, deixando o triunfo bem encaminhado.

Começaram, então, as substituições de olho no confronto da próxima quarta, contra o Corinthians, em Itaquera. O Santos venceu o duelo de ida por 2 a 0, na Vila Belmiro, e visitará seu principal rival com boa vantagem na tentativa de ir às quartas de final da Copa do Brasil.

Geuvânio, Ricardo Oliveira e Gabriel foram substituídos por Marquinhos Gabriel, Nilson e Leandro. E uma jogada construída por Leandro, que errou passe e deu sorte, foi bem concluída por Nilson. Dentro da área, pela direita, o atacante bateu rasteiro para caracterizar uma goleada, aos 35.

Léo Gamalho voltou a marcar para o Avaí, dois minutos depois, completando de pé direito na entrada da pequena área após cruzamento e desvio de cabeça. Para fechar o placar, Lucas Lima agradeceu o pênalti dado por Leandro Pedro Vuaden quando ele tropeçou na área. A batida foi bem executada, aos 47, no canto esquerdo, e fez o Santos ir com ainda mais moral ao clássico em Itaquera.

Bastidores – Santos TV:

Satisfeito com produção do Santos, Dorival fala em “arrancada”

Dorival Júnior ainda adota alguma cautela, mas enxerga uma realidade diferente da que encontrou no retorno ao Santos. A equipe que lutava para escapar da zona de rebaixamento vem de boas partidas, está no meio da tabela do Campeonato Brasileiro e permite ao treinador sonhar com mais.

“Os jogadores deram uma resposta à altura do que esperávamos. Não posso pontuar coisas ruins”, afirmou, referindo-se especificamente à vitória por 5 a 2 sobre o Avaí, na noite de sábado, o sétimo triunfo em sete partidas na Vila Belmiro desde sua contratação.

“Mantendo essa postura, é natural que daqui a pouco a gente se consolide e vislumbre uma nova possibilidade. Começamos a caminhar em um segundo momento, a consolidação. Precisamos seguir essa caminhada para que tenhamos forças para brigar por coisas melhores na competição”, comentou Dorival.

Com 27 pontos, o Santos terminará a 20ª rodada do Nacional entre a décima e a 12ª colocação. A distância para a zona da degola será de ao menos seis pontos, porém o comandante alvinegro toma muito cuidado para demonstrar tranquilidade com essa diferença.

“Temos obrigação de nos manter na faixa do meio da tabela. Depois, podemos pensar em uma arrancada, em buscar outra situação. Estamos começando a passar aquela situação inicial. Espero que não voltemos. O Brasileiro é perigoso. Em duas, três rodadas, o discurso pode mudar. Não queremos mais voltar. E desejamos uma briga mais intensa por uma posição melhor”, concluiu o técnico.

Ricardo Oliveira quebra jejum após pênaltis perdidos e nega ansiedade

Após três partidas sem marcar, perdendo pênaltis em duas delas, Ricardo Oliveira quebrou o jejum na noite de sábado, na vitória por 5 a 2 do Santos sobre o Avaí. O atacante fez o terceiro gol do Santos na Vila Belmiro e negou que estivesse aflito com o período em branco.

“Com toda a sinceridade, eu não estava ansioso”, disse o centroavante, admitindo que a percepção do técnico Dorival Júnior era diferente. “Ele me abraçou e falou para eu ter calma, que eu estava ansioso, acho que teve essa percepção. Sei fazer gols. A bola não entrava, mas sabia que ia entrar. Nunca me afobei.”

Se não se afobou, Ricardo Oliveira mostrou algum aborrecimento com os erros em jogos anteriores. “Confesso que estava incomodado. Nunca é bom ficar tanto tempo sem fazer gols. Mas entramos em campo tranquilo, sem pensar no Corinthians. Se pensássemos, teria sido ruim”, comentou.

Quando ele balançou a rede de pé esquerdo, no entanto, Dorival começou a pensar no clássico. Com vantagem de 2 a 0 nas oitavas de final da Copa do Brasil, começou a dar descanso a alguns titulares, começando suas substituições justamente com o atacante de 35 anos.

“Primeiro, quis deixar que ele fizesse o gol. Depois, a saída foi no sentido de poupar mesmo”, comentou o treinador, que previu dificuldades no estádio de Itaquera. O duelo com o Corinthians por uma vaga nas quartas de final está marcado para a noite de quarta-feira.

Como tirou Ricardo Oliveira, ele não estava em campo para bater o pênalti conseguido por Lucas Lima já nos acréscimos. O meia tropeçou no gramado e não conseguiu explicar por que Leandro Vuaden apontou a marca penal. “Alguma coisa me desequilibrou ali, nem sei o que foi. Eu caí”, sorriu.

Geuvânio suspenso
Por falta cometida ainda no primeiro tempo, Geuvânio recebeu o terceiro cartão amarelo no triunfo alvinegro sobre o Avaí. O atacante cumprirá suspensão no próximo final de semana, na visita que a formação da Vila Belmiro fará ao Cruzeiro no Mineirão.