Navegando Posts marcados como Vasco

Vasco 0 x 1 Santos

Data: 05/10/2019, sábado, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 23ª rodada
Local: Estádio São Januário, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 17.083 pessoas (16.360 pagantes e 723 não pagantes).
Renda: R$ 640.088,00
Árbitro: Savio Pereira Sampaio (DF)
Auxiliares: José Reinaldo Nascimento Junior (DF) e Nailton Junior de Sousa Oliveira (CE).
VAR: André Luiz de Freitas Castro (GO)
Cartões amarelos: Luan Peres e Soteldo (S); Andrey, Marrony e Leandro Castán (V).
Cartão vermelho: Evandro (S, 33-2).
Gol: Tailson (04-2).

VASCO
Fernando Miguel; Yago Pikachu, Oswaldo Henríquez, Leandro Castán e Henrique; Richard, Andrey (Felipe Ferreira) e Marcos Júnior (Clayton); Marrony, Rossi (Ribamar) e Talles Magno.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

SANTOS
Everson; Victor Ferraz, Felipe Aguilar, Gustavo Henrique e Luan Peres (Alison); Diego Pituca, Evandro e Jorge; Tailson (Marinho), Soteldo e Eduardo Sasha.
Técnico: Jorge Sampaoli



Tailson decide na estreia, Everson defende pênalti e Santos vence o Vasco com um a menos

O Santos venceu o Vasco por 1 a 0 na tarde deste sábado, em São Januário, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro. O gol foi marcado por Tailson, logo na estreia como jogador profissional do Peixe.

O Cruzmaltino criou boas chances nos dois tempos e teve um pênalti desperdiçado na primeira etapa. Rossi parou no goleiro Everson. Nos minutos finais, os visitantes atuaram com um a menos – Evandro foi expulso aos 33.

Com a vitória suada, o Alvinegro segue na terceira colocação, com 44 pontos, mas agora a dois do Palmeiras e a cinco do Flamengo. Os rivais enfrentam Atlético-MG e Chapecoense neste domingo, respectivamente. Os cariocas ocupam o 13º lugar, com 27.

O jogo:

O Santos começou melhor em São Januário. Posse de bola, aproximação e boas jogadas pelo lado de campo. A melhor chance, porém, veio de fora da área, em finalização de Jorge, aos 8 minutos. Fernando Miguel espalmou para trás e quase falhou.

Aos poucos, em compensação, o Vasco melhorou e passou a ter as principais oportunidades. No minuto 25, Marrony chutou, a bola desviou e Talles Magno quase fez na pequena área. Aos 30, Andrey acertou o travessão de longe. E quando o placar marcava 35, pênalti para o Cruzmaltino.

Rossi recebeu em profundidade, ganhou de Gustavo Henrique na corrida e passou por Everson. A arbitragem viu toque do goleiro na coxa do atacante. Ele mesmo bateu e o goleiro santista defendeu.

O Santos, assim como na etapa inicial, começou melhor. E aos quatro minutos fez um golaço para abrir o placar. Victor Ferraz e Jorge construíram por dentro, Soteldo achou Evandro na pequena área e o meia deu linda assistência para Tailson marcar logo na sua estreia pelo Peixe.

No minuto 6, o Peixe quase ampliou. Eduardo Sasha deixou Jorge sozinho na pequena área e o lateral-esquerdo parou em Fernando Miguel.

O Vasco se lançou ao ataque após sair atrás e acuou o Alvinegro. Aos 12, Pikachu recebeu sozinho na área e bateu cruzado, mas a bola saiu pela linha de fundo. Dois minutos depois, Marrony arrancou e bateu forte, perto da trave esquerda de Everson.

Depois da pressão dos donos da casa, o ritmo caiu e a emoção só foi retomada aos 33, quando Evandro foi expulso por falta em Marrony. A arbitragem mudou a cor do cartão após checar o lance no VAR.

Vanderlei Luxemburgo colocou o time todo no ataque, mas faltou criatividade ao Vasco para superar a defesa do Santos. Vitória importante do Peixe, ainda com o sonho do título brasileiro.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli elogia Tailson, destaca entrega do Santos e já mira o Palmeiras

O técnico Jorge Sampaoli, do Santos, exaltou a vitória por 1 a 0 sobre o Vasco neste sábado, em São Januário, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O argentino destacou a quebra de um jejum de 14 anos sem vitória no estádio do Rio de Janeiro e a entrega para superar a expulsão de Evandro aos 33 minutos do segundo tempo.

“Uma vitória difícil, num campo complicado. Santos não ganhava há 15 anos aqui. E vencemos. Feliz pela vitória, conseguimos três pontos em um campo complicado. Valorizo o grupo de pessoas que suportou o assédio do Vasco com um a menos”, disse Sampaoli.

O treinador também comentou a estreia com gol de Tailson e já projetou o clássico diante do Palmeiras, quarta-feira, na Vila Belmiro.

“Fico feliz. É um garoto que esteve parado seis ou sete meses. Começou a ser levado em consideração, aproveitou a oportunidade. Tem muito a aproveitar no futuro. Hoje nos deu o gol dos três pontos”, avaliou.

“Jogamos pelos três pontos. Temos que buscar o jogo. Temos ausências pela seleção, mas convencido de que o time vai brigar. Como com Grêmio e Flamengo. Vila certamente será um caldeirão e que a torcida nos ajude a fazer um grande jogo”, concluiu.

Com a vitória suada, o Alvinegro segue na terceira colocação, com 44 pontos, mas agora a dois do Palmeiras e a cinco do Flamengo. Os rivais enfrentam Atlético-MG e Chapecoense neste domingo, respectivamente. Os cariocas ocupam o 13º lugar, com 27.

Evandro vê expulsão injusta; meia aumenta lista de desfalques do Santos para clássico

Evandro acha que sua expulsão foi injusta no segundo tempo da vitória do Santos por 1 a 0 sobre o Vasco no último sábado, em São Januário, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Autor da assistência para o gol de Tailson, o meia recebeu o cartão vermelho após carrinho em Marrony. A arbitragem havia amarelado o atleta antes de acionar o VAR.

“Eu achei que o cartão amarelo estava de bom tamanho. Tem uma jogada que o Tailson recebe uma entrada por trás (de Andrey) e o VAR não foi chamado”, disse Evandro.

Com a expulsão, Evandro aumenta a lista de desfalques do Santos para o clássico contra o Palmeiras nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela 24ª rodada do Nacional. As outras baixas confirmadas são Derlis González (Paraguai), Soteldo (Venuzela) e Felipe Jonatan (seleção olímpica). Carlos Sánchez, com dores na coxa direita, e Luiz Felipe, em recuperação de torção no tornozelo esquerdo, são dúvidas. Lucas Veríssimo, em compensação, fica à disposição depois de cumprir suspensão.

Tailson esquece Barcelona após gol em estreia: “Meu maior objetivo era ficar no Santos”

Tailson foi o grande protagonista do Santos na vitória por 1 a 0 sobre o Vasco neste sábado, em São Januário, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Em sua estreia como jogador profissional do Peixe, o meia-atacante fez o gol dos três pontos no Rio de Janeiro. A titularidade foi antecipada pela Gazeta Esportiva na última sexta-feira.

Tailson vibrou pelo debute acima das expectativas e lembrou da “novela” do Barcelona. O jogador esteve perto de ser negociado com o clube catalão no início do ano, mas renovou até 2024.

“Esperava estrear bem, mas não pensei em fazer gol. Foquei em uma boa estreia. Já que veio, fiquei muito feliz. Quando Evandro recebeu, abri e pedi para ele ajeitar. Eu fui muito feliz na finalização”, disse Tailson, ao Premiere.

“Barcelona teve essa novela toda, mas é passado. Fiquei uma semana e não resolvi nada. Meu maior objetivo era ficar no Santos”, completou o Menino da Vila.

Com Derlis González e Soteldo convocados para Paraguai e Venezuela, respectivamente, Tailson pode ter sequência no Santos. A próxima partida será diante do Palmeiras, quarta-feira, em clássico na Vila Belmiro.


Santos 3 x 0 Vasco

Data: 12/05/2019, domingo, 16h00.
Competiçao: Campeonato Brasileiro – 4ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 12.952 pessoas (11.411 pagantes e 1.541 não pagantes)
Renda: R$ 343.355,00
Árbitro: Paulo Roberto Alves Junior (PR)
Auxiliares: Bruno Boschilia e Rafael Trombeta
VAR: Adriano Milczvkski
Cartões amarelos: Jean Lucas e Alison (S); Rossi, Ricardo Graça e Maxi López (V).
Cartão vermelho: Danilo Barcelos (V).
Gols: Diego Pituca (18-1) e Rodrygo (32-1); Soteldo (27-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Jorge; Diego Pituca (Derlis González), Jean Lucas (Alison) e Carlos Sánchez; Rodrygo, Soteldo e Eduardo Sasha (Jean Mota).
Técnico: Jorge Sampaoli

VASCO
Sidão; Yago Pikachu, Luiz Gustavo (Andrey), Ricardo e Danilo Barcelos; Bruno Silva, Raul (Bruno César) e Lucas Mineiro; Marrony, Rossi (Valdívia) e Maxi López.
Técnico: Marcos Valadares



Com Sidão como mãe, Santos vence o Vasco com facilidade no Pacaembu

O Santos venceu o Vasco por 3 a 0 na tarde deste domingo de Dia das Mães no Pacaembu, pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols foram marcados por Diego Pituca, Rodrygo e Soteldo.

Sidão foi “uma mãe” para o Peixe. O goleiro falhou nos dois primeiros gols e teve o nome gritado pelo torcedor alvinegro, em tom irônico, ao longo de todo o jogo.

O Santos não parou de atacar, fez três e poderia ter feito vários mais. O Vasco até assustou e obrigou Vanderlei a fazer algumas defesas, mas nunca esteve perto do empate.

Com a vitória, o Peixe pulou para a segunda colocação, com 10 pontos, atrás do Palmeiras pelos critérios de desempate. O Vasco segue na lanterna, com um ponto. Na próxima rodada, o Alvinegro enfrentará o Verdão, sábado, no Allianz Parque. Antes, medirá forças com o Atlético-MG, quarta-feira, em Belo Horizonte, pela ida das oitavas de final da Copa do Brasil. O Cruzmaltino receberá o Avaí, domingo, em São Januário.

O jogo

O Santos dominou o Vasco desde o primeiro minuto. Com linhas altas e oito jogadores no campo de ataque, as chance surgiram naturalmente.

Aos 2 minutos, Rodrygo, inspirado, recebeu na esquerda, driblou e cruzou forte. O goleiro Sidão espalmou. No rebote, Jorge chutou para fora.

Aos 12, o Peixe quase abriu o placar. Sánchez rolou para trás e Rodrygo chegou batendo. Pikachu tirou em cima da linha. Seis minutos depois, o Vasco não resistiu à pressão.

Sidão saiu jogando errado, Rodrygo ajeitou e Diego Pituca chutou bonito, no ângulo, para abrir o placar. A partir daí, o goleiro passou a ter o nome gritado pela torcida santista.

No minuto 22, veio a resposta do Cruzmaltino. Pikachu tabelou com Marrony pelo meio e a bola sobrou para Maxi López balançar as redes. Após revisão, o VAR anulou o gol por impedimento do argentino.

A partir daí, só deu Santos. Aos 27, Sidão fez boa defesa em chute de Sánchez. Aos 32, o Alvinegro ampliou. Rossi saiu jogando errado, Jorge tocou para Rodrygo e o camisa 11 driblou dois antes de bater no canto de Sidão.

Ainda deu tempo para Sidão protagonizar dois lances bizarros em sequência. Quando o placar marcava 42, o goleiro se complicou com Bruno Silva e Sánchez quase fez o terceiro. No escanteio, o camisa 44 saiu caçando borboleta e Lucas Veríssimo acertou a trave.

Marcos Valadares colocou Andrey e Bruno César no segundo tempo, para as saídas de Luiz Gustavo e Raul. E o Vasco se lançou ao ataque. No segundo minuto da etapa final, Lucas Mineiro quase abriu o placar depois de cobrança de escanteio.

Jorge Sampaoli percebeu o esboço de reação do Vasco e mexeu. Primeiro colocou Alison e tirou Jean Lucas. Depois Jean Mota entrou na vaga de Sasha. O Peixe equilibrou o jogo e quase fez o terceiro, aos 19.

Rodrygo tocou para Soteldo na marca do pênalti. O venezuelano foi caprichoso, tentou o drible e bateu fraco, para Sidão espalmar. No rebote, Sánchez chutou para fora na pequena área.

Aos 24, nova chance para o Santos. Soteldo recebeu na entrada da área e bateu por cobertura. A bola encobriu Sidão e bateu no travessão antes de sair para a linha de fundo. Na sequência, no minuto 25, Jean Mota cruzou e Sánchez, sozinho, acertou o travessão novamente.

Quando o placar marcava 27, não deu mais para o Vasco aguentar. Rodrygo, de novo ele, tabelou com Jean Mota e rolou para Soteldo deslocar Sidão e matar o jogo.

Aos 29, o Vasco voltou a assustar, mas parou por aí. Andrey finalizou e Vanderlei espalmou. No rebote, sem ângulo, Marrony chutou e o goleiro santista defendeu novamente.

Insaciável, o Alvinegro ficou perto do quarto gol por várias oportunidades. Aos 35, Jean Mota finalizou de fora da área, perto do ângulo. Um minuto depois, Rodrygo chutou colocado e a bola raspou a trave de Sidão. No minuto 42, Jean ficou perto do gol novamente.

Nos instantes finais, sob os gritos de olé da torcida, o Santos administrou a vitória tranquila, que poderia ter sido uma histórica goleada.




Vasco 2 x 1 Santos

Data: 24/04/2019, quarta-feira, 19h15.
Competição: Copa do Brasil – 4ª fase – Jogo de volta
Local: Estádio São Januário, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 8.859 pagantes
Renda: R$ 181.098,00
Árbitro: Rafael Traci (SC)
Assistentes: Helton Nunes e Henrique Neu Ribeiro (ambos de SC).
Cartões amarelos: Cáceres e Lucas Mineiro (V); Alison, Soteldo e Yuri Lima (S).
Expulsão: Jorge Sampaoli (S).
Gols: Raul (12-1) e Ricardo Graça (38-1); Jorge (08-2).

VASCO
Fernando Miguel (Alexander); Raul Cáceres, Werley, Leandro Castán (Ricardo Graça) e Danilo Barcelos; Raul (Yan Sasse), Lucas Mineiro, Yago Pikachu e Lucas Santos; Marrony e Maxi López.
Técnico: Marcos Valadares

SANTOS
Everson; Victor Ferraz, Felipe Aguilar, Gustavo Henrique e Jorge; Alison (Soteldo), Diego Pituca e Carlos Sánchez (Jean Lucas); Derlis, Jean Mota (Yuri) e Rodrygo.
Técnico: Jorge Sampaoli



Santos leva sustos contra o Vasco, mas avança às oitavas da Copa do Brasil

O Santos perdeu por 2 a 1 para o Vasco na noite desta quarta-feira, em São Januário, mas avançou às oitavas de final da Copa do Brasil. Os gols dos donos da casa foram de Raul e Ricardo Graça. Jorge fez o da classificação.

Depois dos 2 a 0 de vantagem na Vila Belmiro, o Peixe viu o Cruzmaltino abrir dois gols de diferença no primeiro tempo. Na segunda etapa, o Alvinegro voltou um pouco melhor, diminuiu e conseguiu administrar o resultado. Nos acréscimos, o Vasco teve outro gol de Ricardo Graça bem anulado. No último segundo, Gustavo Henrique falhou e Maxi López perdeu chance clara.

Vasco e Santos agora têm a primeira rodada do Campeonato Brasileiro pela frente. Os cariocas visitarão o Atlético-PR, enquanto o Peixe enfrentará o Grêmio, em Porto Alegre. Ambas as partidas serão no domingo.

O adversário do Santos nas oitavas de final da Copa do Brasil será decidido por meio de sorteio. Para a próxima fase, entrarão os brasileiros classificados para a Libertadores da América.

O jogo

O Santos, com 2 a 0 de vantagem da Vila Belmiro, começou o jogo no ataque. Linhas adiantadas, posse de bola e pressão na defesa adversária. Aos oito minutos, Jean Mota acertou um bonito chute na trave.

Aos 12, porém, tudo mudou. Aguilar errou na saída de bola, Lucas Mineiro tocou para Maxi rolar de calcanhar para Raul deslocar Everson e abrir o placar. Com o gol, o Peixe entrou em parafuso.

Muito mais intenso e concentrado, o Vasco acreditou na virada, foi mais perigoso e reverteu o 0-2 aos 38, em escanteio. Ricardo Graça fugiu da marcação de Derlis, contou com saída ruim de Everson e cabeceou para o fundo das redes.

O Santos voltou a campo mais ligado. Jorge Sampaoli tirou Alison, pendurado, e colocou Soteldo. A alteração não demorou a surtir efeito.

Aos oito minutos, Soteldo tabelou com Jorge e cruzou, a bola desviou e sobrou para o próprio lateral bater forte, de fora da área, e vencer o jovem Alexander.

Com a formação ofensiva do Peixe, o jogo ficou ainda mais aberto. No minuto 13, Marrony recebeu em profundidade, Everson saiu todo errado do gol, e o jovem do Vasco tentou encobrir, mas errou o alvo.

Dali em diante, as chances cessaram. Sampaoli recompôs a equipe com a entrada de Jean Lucas e os espaços diminuíram.

Aos 34 minutos, Jorge Sampaoli foi expulso por reclamação. Segundos depois, Diego Pituca escapou com espaço, conduziu e bateu forte, por cima do gol.

O jogo ficou aberto até o fim, mas, nervoso, o Vasco não conseguia reagir. Quando tudo parecia calmo, Ricardo Graça marcou em nova falha de Everson, mas a arbitragem assinalou o impedimento aos 47. E no último segundo, Gustavo Henrique furou e Maxi López perdeu chance claríssima.

Vitória merecida do Vasco, mas eliminação para o Santos na quarta fase da Copa do Brasil.

Após sufoco, Sampaoli cobra melhora do Santos e admite erro por expulsão

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, está preocupado depois da derrota por 2 a 1 para o Vasco na noite desta quarta-feira, em São Januário. O Peixe se classificou às oitavas de final por causa do 2 a 0 da ida, na Vila Belmiro.

O argentino vê muita coisa a melhorar no Alvinegro antes do Campeonato Brasileiro.

“Temos que corrigir um monte de coisas. Temos que ter mais controle do jogo. Complicamos uma classificação que pareceu que estava muito mais tranquila. Temos que corrigir as coisas que prejudicaram hoje. Encontramos uma linha de cinco com os extremos avançada. Temos que nos plantar no campo adversário e que eles se preocupem com a gente. Tomamos um gol e encontramos momentos. Com certeza poderíamos ter empatado ou ganhado a partida. Tentamos jogar num 4-4-2, mas como o Vasco estava se impondo, me passou pela cabeça de corrigir (no intervalo, com Soteldo na vaga de Alison)”, disse Sampaoli.

“Esta noite não tivemos controle do jogo e quando tomamos o segundo gol entramos em desconserto. No segundo tempo, consertamos um pouco e a equipe teve chance de empatar a partida, mas terminamos o jogo sofrendo”, completou.

O treinador admitiu o erro pela expulsão no segundo tempo após reclamação acintosa com a arbitragem.

“Foi minha responsabilidade. A partida estava muito intensa e eu fui expulso merecidamente. Sofri muito. Me expulsaram por reclamação e tive que passar um momento muito difícil porque não pude ajudar os jogadores. O ímpeto deles jogarem a bola na área me deixou um pouco nervoso”, concluiu.

O Santos voltará a campo para enfrentar o Grêmio, domingo, em Porto Alegre, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

Sampaoli fala em dúvida entre Vanderlei e Everson e volta a pedir Ricardo Oliveira

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, diz que ainda não sabe qual goleiro será titular contra o Grêmio, domingo, em Porto Alegre, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

Depois do rodízio com Vanderlei no Paulistão e Everson na Copa do Brasil, Sampaoli vai analisar como proceder daqui para frente. O camisa 22 não foi bem na derrota por 2 a 1 para o Vasco na noite desta quarta-feira, em São Januário.

“Ainda não (sei). Temos de pensar em uma análise de cada posição. São dois goleiros importantes. Vamos ver quem vai jogar no domingo já no início do Brasileirão, em um jogo muito difícil contra o Grêmio”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

Sampaoli também voltou a pedir a contratação de Ricardo Oliveira, do Atlético-MG. A negociação foi intensificada nesta quarta-feira.

“Estamos procurando, insistindo, mas o presidente e as pessoas do clube sabem minha necessidade para um torneio muito duro e competitivo. A petição está formalizada e agora é esperar”, concluiu.

Herói na classificação, Jorge admite erros e diz que “Santos vai longe”

Jorge foi o herói da classificação do Santos para as oitavas de final da Copa do Brasil. O Peixe perdeu por 2 a 1 para o Vasco na noite desta quarta-feira, mas avançou por causa do 2 a 0 na ida, na Vila Belmiro.

Novidade na escalação, o lateral-esquerdo fez o gol decisivo no início do segundo tempo. Ele admitiu os erros e falou que o Peixe irá longe.

“Sabíamos que seria difícil, contra equipe bem montada. Sabíamos que seria difícil por causa da derrota na final. Entrariam com tudo. Não queríamos perder, mas classificamos e temos que acertar o que erramos. Esse time vai longe”, disse Jorge, ao SporTV.

O goleiro Everson destacou a vitória em casa e diz não ter se surpreendido com a pressão do Vasco nos acréscimos. Os cariocas tiveram gol bem anulado de Ricardo Graça e perderam chance incrível com Maxi López no último minuto.

“Foi por conta do nosso primeiro tempo. Nas duas chegadas, fizeram gol em erros coletivos nossos. Resolvemos no vestiário. Nos últimos minutos, imaginávamos o sufoco. Tivemos oportunidade de matar, mas não concluímos. São dois jogos. No primeiro fomos melhor. No primeiro tempo de hoje, jogamos mal, depois melhoramos, jogamos de igual para igual e nos classificamos”, analisou Everson.

Após 25 jogos, Sampaoli ainda não repetiu escalação no Santos

Após 25 jogos, o técnico Jorge Sampaoli ainda não repetiu um time titular no Santos. Contra o Vasco, na noite da última quarta-feira, o argentino surpreendeu e escalou Jorge na vaga de Soteldo.

Desde o amistoso contra o Corinthians, ainda na pré-temporada, Sampaoli levou a campo 24 escalações. 24 diferentes da anterior.

A atual comissão técnica estuda o adversário e define o esquema e os titulares de acordo com as características esperadas. Diante do Vasco, na decisão pela Copa do Brasil, a opção foi por reforçar o meio-campo com Diego Pituca e deixar Jorge pelo lado. Para a segunda etapa, Soteldo entrou na vaga de Alison.

O próximo desafio do Peixe será diante do Grêmio, domingo, na arena em Porto Alegre, pela estreia no Campeonato Brasileiro. Uma das indefinições está no gol: depois do rodízio entre Vanderlei no Campeonato Paulista e Everson na Copa do Brasil, o treinador ainda não definiu o titular.

O aproveitamento de Sampaoli é de 60% após 14 vitórias, cinco empates e cinco derrotas na temporada.

Sampaoli “volta no tempo” ao usar esquema do Século 19 no Santos

Depois de vários testes ao longo do Campeonato Paulista, Jorge Sampaoli parece ter encontrado um esquema ideal para o Santos: o 2-3-5, com dois zagueiros, um volante, dois “laterais-volantes” e cinco à frente: dois pela ponta, dois pelo meio e um falso 9.

Em evento da CBF na última segunda-feira, Sampaoli admitiu o tédio pelo futebol atual e revelou o desejo de ver o Santos como no futebol antigo. “Quero que meu time volte no tempo”, disse. E, ao menos na teoria, o Peixe realmente voltou.

O argentino levou a “pirâmide” a campo pela primeira vez na vitória por 1 a 0 sobre o Corinthians, pela semifinal do Campeonato Paulista, no Pacaembu. O Santos amassou o rival com mais de 70% e 33 finalizações, mas acabou eliminado nos pênaltis. A formação foi repetida nos 3 a 0 sobre o Atlético-GO e 2 a 0 diante do Vasco, na Vila Belmiro, e no primeiro tempo da derrota por 2 a 1 em São Januário.

A pirâmide teve origem no fim do século 19, no Reino Unido, em tentativa de organizar o esporte em campo. De acordo com o multicampeão Carlos Alberto Parreira, o esquema 2-3-5 “foi a primeira forma de noção tática registrada por um time. O início da inteligência no futebol”.

A criação do 2-3-5 gera dúvida entre escritores. O jornalista Jonathan Wilson, no livro “A Pirâmide Invertida: A História da Tática no Futebol”, afirma que o primeiro registro ocorreu em março de 1878, com o título do Wheham Football Club na Copa de País de Gales. O técnico húngaro Árpad Csanádi, na obra “Soccer”, relata a primeira pirâmide na Universidade de Cambridge, em 1883.

Independentemente da estreia, o 2-3-5 se disseminou e virou a formação da moda no século 20, como no título do Uruguai na primeira Copa do Mundo, em 1930. Daí em diante, as variações táticas tiveram início. 3-2-5, depois o 3-5-2, 5-3-2, e assim sucessivamente.

Argentina e Sevilla

Sampaoli surpreendeu os torcedores do seu país ao utilizar o 2-3-5 em um 6 a 0 sobre a seleção de Cingapura, no amistoso em 2017, quando chegou a alcançar 90% de posse de bola.

Depois de usar a pirâmide, o treinador criou o 2-3-3-2, repetido no Sevilla, com dois zagueiros, três meio-campistas defensivos, três meio-campistas ofensivos e dois atacantes.


Santos 2 x 0 Vasco

Data: 17/04/2019, quarta-feira, 19h15.
Competição: Copa do Brasil – 4ª fase – Jogo de ida
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 8.659 pagantes
Renda: R$ 388.682,50
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Assistentes: Jorge Eduardo Bernardi e Leirson Peng Martins (ambos do RS).
Cartões amarelos: Rodrygo e Gustavo Henrique (S); Willian Maranhão (V).
Gols: Rodrygo (02-2) e Jean Mota (20-2).

SANTOS
Everson; Victor Ferraz, Felipe Aguilar, Gustavo Henrique e Diego Pituca; Alison, Carlos Sánchez (Eduardo Sasha) e Jean Mota (Jean Lucas); Rodrygo, Soteldo e Derlis González (Jorge).
Técnico: Jorge Sampaoli

VASCO
Gabriel Félix; Raúl Cáceres (Claudio Winck), Werley, Ricardo Graça e Danilo Barcelos; Willian Maranhão (Maxi López), Raul e Lucas Mineiro; Yago Pikachu (Lucas Santos), Yan Sasse e Marrony.
Técnico: Alberto Valentim



Santos vence bem o Vasco na Vila e abre vantagem na Copa do Brasil

O Santos venceu o Vasco por 2 a 0 na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, e abriu boa vantagem na quarta fase da Copa do Brasil.

Os gols foram marcados por Rodrygo e Jean Mota. A partida de volta ocorrerá na próxima quarta, em São Januário. O Peixe pode até perder por um gol de diferença para avançar às oitavas de final.

O Alvinegro da Vila não teve dificuldade para vencer. Mesmo sem atuação brilhante, os donos da casa abriram 2 a 0 e ficaram perto do terceiro no segundo tempo.

O Santos voltará a campo apenas para enfrentar o Vasco, no Rio. O Cruzmaltino enfrentará o Flamengo, domingo, pela final do Campeonato Carioca.

O jogo

O Santos, mais uma vez, se lançou ao ataque desde o minuto inicial. Dessa vez, porém, mostrou menos intensidade e pouco criou no primeiro tempo.

No 2-3-5, como define Jorge Sampaoli, o Peixe não encontrou brechas nas duas linhas de quatro da defesa do Vasco.

A melhor chance veio em jogada individual de Rodrygo, aos 24 minutos. O camisa 11 driblou Danilo Barcelos e chutou cruzado, com perigo. Aos 43, o Vasco quase surpreendeu.

Em escanteio curto, Sasse tocou para Maranhão. Após bate-rebate no cruzamento, a bola sobrou para Ricardo, desengonçado, cabecear por cima do gol de Everson.

O Peixe voltou com ritmo maior e marcou logo aos dois minutos. Soteldo fez boa jogada pela esquerda e cruzou para Rodrygo se antecipar à defesa e bater forte, cruzado. 1 a 0 para o Santos.

O Alvinegro diminuiu a intensidade, o Vasco passou a ficar com a bola, mas foram os donos da casa quem balançaram as redes.

No minuto 20, Jean Mota recebeu de Rodrygo, driblou Danilo Barcelos e chutou de fora da área, no canto de Gabriel Félix. Um golaço.

Mesmo com 2 a 0 no placar, o Santos não parou de atacar e esteve perto do terceiro até o apito final. Na melhor chance, aos 28, Soteldo puxou contra-ataque, fez fila, deu caneta e tocou para Sánchez. O uruguaio cruzou para Rodrygo, mas o camisa 11 não conseguiu marcar.

Nos minutos finais, o Peixe administrou a vantagem e levará boa vantagem para a decisão no Rio de Janeiro.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli analisa vitória do Santos e diz: “Vamos estabelecer melhorias”

O técnico Jorge Sampaoli gostou da atuação do Santos na vitória por 2 a 0 sobre o Vasco na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, mas quer “estabelecer melhorias” para a volta da quarta fase da Copa do Brasil daqui a uma semana, no Rio de Janeiro.

Sampaoli diz que promoverá mudanças, de peças ou de posicionamento, para não ficar exposto a contra-ataque.

“Foi uma partida um primeiro acelerado no primeiro tempo, com dificuldade no ataque posicional. Necessitávamos um pouco mais de controle. No segundo tempo, fomos muito mais claros nos ataques. Não sofremos no contra-ataque. Resultado poderia ter sido maior para a revanche. Jogo está aberto e teremos que ir muito bem na quarta”, disse Sampaoli.

“Sobre a formação, precisamos analisar. Buscar o controle, com verticalidade de hoje. Gerar ataques que nos permitam criar, sem estar direto para sermos expostos a contra-ataque. Vamos estabelecer melhorias, com troca de nomes ou de posicionamento”, completou.

Santistas destacam vantagem, mas alertam: “Temos que pensar que está 0 a 0”

Os jogadores do Santos destacaram a vantagem obtida após os 2 a 0 sobre o Vasco na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela ida da quarta da fase da Copa do Brasil, mas não se empolgaram.

O Peixe poderá perder por até um gol de diferença na próxima quarta, no Rio de Janeiro, para avançar às oitavas de final da competição nacional.

“Vitória importante, conseguimos boa vantagem. Volta será difícil, precisamos ter muita concentração para classificarmos”, disse Alison.

“Resultado justo, caberia mais ainda. Propomos o jogo desde o começo, levamos vantagem boa e não podemos sentar em cima dele. Temos que pensar que está 0 a 0”, analisou Pituca.

“É uma boa vantagem, não grande. Temos que impor nosso ritmo lá de novo, jogando para frente, atacando e se for possível aumentar a vantagem e sair com a classificação”, concluiu Victor Ferraz.

Sampaoli elogia “compromissado” Rodrygo, “empolgante” Soteldo e “pilar” Aguilar

O técnico Jorge Sampaoli analisou a fase de Rodrygo, Soteldo e Aguilar após a vitória do Santos por 2 a 0 sobre o Vasco na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela ida da quarta fase da Copa do Brasil.

Sampaoli explica o banco de reservas para Rodrygo em jogos recentes, mas agora o vê merecendo a vaga no time titular.

“É jovem, vai para um dos maiores clubes do mundo (Real Madrid). Temos que animá-lo para dar tudo que pode até ficar no clube. Essa condição de quase não pertencer ao clube nos obriga a pensar nos que ficam. Temos que fortalecer os que ficam. Percebi que está muito compromissado, como se não fosse ser vendido. Isso me fez colocá-lo desde o início”, disse Sampaoli.

O treinador também elogiou Soteldo e exaltou Felipe Aguilar, dois dos reforços para 2019.

“É um jogador jovem, que seguimos desde a Universidad de Chile. 21 anos, precisa melhorar algumas condições no terço final. Nos dá desequilíbrio e verticalidade, muito comprometido com a camisa. Espero muito mais como treinador, me empolga ver um Soteldo com essa verticalidade e com chances de gol. Vai por um bom caminho”, analisou.

“Absoluto, não, mas é um pilar nosso. É um jogador ganha muitos duelos, muito valente, muito comprometido. Temos bons zagueiros, mas Aguilar tem um plus que ganhou dentro de campo”, concluiu.

Jean Mota minimiza jejum e destaca golaço pelo Santos: “Não sai sempre”

Jean Mota voltou a marcar um gol pelo Santos depois de mais de um mês. E foi um golaço no segundo tempo da vitória por 2 a 0 sobre o Vasco na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela ida da quarta fase da Copa do Brasil.

O último gol foi no dia 7 de março, em vitória por 4 a 0 sobre o América-RN. Ele é o artilheiro (nove gols) e o garçom (seis assistências) em 2019.

“Confiança era a mesma. Jogo passado pude ajudar com assistência, hoje com gol. Mas não incomodava (o jejum). Fico feliz por ter ajudado nessa vantagem para o Rio de Janeiro”, disse Jean Mota.

“Não é um gol que sai sempre, foi bonito. Fizemos uma grande vantagem”, completou.

O Santos voltará a campo apenas para enfrentar o Vasco, no Rio. O Cruzmaltino enfrentará o Flamengo, domingo, pela final do Campeonato Carioca.

Sampaoli explica Jorge reserva no Santos e analisa Jobson

O técnico Jorge Sampaoli explicou a opção pelo lateral-esquerdo no banco de reservas do Santos, em coletiva de imprensa na noite desta quarta-feira.

Diego Pituca tem sido “lateral-volante”, preenchendo a linha de quatro sem a bola e no meio-campo com a posse.

“Laterais internos nos deram controle no campo. Pituca como lateral não teve inconveniente, não há como mudar. Sabemos a capacidade do Jorge, com a técnica que tem pode chegar a ser da seleção, mas hoje terá de esperar”, disse Sampaoli.

O argentino ainda analisou a chegada de Jobson, volante anunciado nesta terça-feira depois de ser destaque do Campeonato Paulista pelo Red Bull.

“Vimos nele um jogador que tem muita capacidade, técnica, sabe mover e encontrar jogadores livres. Tem muito a ver com nosso jogo. Chegou pela primeira vez, precisa estar em forma para estar à altura da dinâmica do time. Pode potencializar esse elenco. Quando estiver bem, pode nos dar muito futebol”, afirmou.

Com um gol em seis jogos, Everson ganha 1ª sequência no Santos antes de decisão de Sampaoli

Everson teve a primeira sequência de jogos pelo Santos desde a contratação, no início deste ano. O goleiro foi titular no 3 a 0 sobre o Atlético-GO e no 2 a 0 diante do Vasco, ambos pela Copa do Brasil e na Vila Belmiro.

Com um gol sofrido em seis jogos em 2019 e quatro vitórias, um empate e uma derrota, Everson tenta convencer o técnico Jorge Sampaoli a colocar fim no rodízio com Vanderlei.

O treinador anunciou Vanderlei no Campeonato Paulista e Everson na Copa do Brasil. Com a eliminação no Estadual, o camisa 22 foi titular vezes seguidas no mata-mata, antes da definição para o Campeonato Brasileiro – a estreia será contra o Grêmio, dia 28, na arena.

Sampaoli ainda não decidiu sobre a manutenção do rodízio entre Copa do Brasil e Brasileirão. Enquanto isso, Everson deve seguir titular no jogo de volta da quarta fase, contra o Vasco, em São Januário, na próxima quarta-feira.

Com quase o triplo de jogos do Everson (17), Vanderlei tem nove vitórias, quatro empates e quatro derrotas, com 17 gols sofridos – média de um partida. O camisa 1 era titular absoluto deste 2015.


Santos 1 x 1 Vasco

Data: 27/09/2018, quinta-feira, 20h00.
Competicão: Campeonato Brasileiro – 27ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 12.985 presentes (11.190 pagantes e 1.795 não pagantes).
Renda: R$ 318.336,50
Árbitro: Wagner Reway (Fifa-MT)
Auxiliares: Alessandro Alvaro Rocha de Matos (Fifa-BA) e Eduardo Goncalves da Cruz (MS).
Cartões amarelos: Gabriel (S); Bruno Cosendey, Fabrício e Andrey (V).
Cartão vermelho: Andrey (V).
Gols: Diego Pituca (43-1) e Andres Rios (34-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Robson Bambu, Gustavo Henrique e Dodô; Alison (Daniel Guedes), Diego Pituca e Carlos Sánchez (Bryan Ruiz); Rodrygo, Bruno Henrique (Derlis González) e Gabriel.
Técnico: Cuca

VASCO
Martín Silva; Rafael Galhardo (Marrony), Luiz Gustavo, Leandro Castán e Henrique; Willian Maranhão, Andrey e Bruno Cosendey (Giovanni Augusto); Yago Pikachu (Oswaldo Henríquez), Fabrício e Andrés Rios.
Técnico: Alberto Valentim



Santos sai na frente, recua e só empata com o Vasco no Pacaembu

O Santos só empatou em 1 a 1 com o Vasco na noite desta quinta-feira, no Pacaembu, em jogo atrasado da terceira rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe fez um bom primeiro tempo e foi para o intervalo com vantagem após o gol de Diego Pituca, mas recuou muito no segundo tempo, deu campo para o Vasco, desperdiçou algumas chances e perdeu dois pontos ao ver Andrés Rios balançar as redes na parte final partida.

Com o empate, o Santos continuou na 11ª colocação, com 33 pontos, enquanto o Vasco estacionou na 16ª posição, com 29. O Peixe perdeu a chance de encostar na zona de classificação para a Libertadores em 2019 e os cariocas seguem perto da zona do rebaixamento.

O jogo

Aos 20 segundos, a partida já teve fortes emoções. Gabigol se desentendeu com Leandro Castán numa disputa pela lateral. E antes do placar apontar um minuto, o camisa 10 fez uma falta em Bruno Cosendey, recebeu o terceiro cartão amarelo e desfalcará o Santos contra o Atlético-PR, no domingo, na Vila Belmiro.

O calor das primeiras ações, porém, não continuaram. Enquanto o Peixe buscava propor o jogo a todo tempo, o Vasco se resguardava na defesa à procura dos contra-ataques. Só aos 10 minutos veio a primeira chance, quando Dodô cobrou bem o escanteio e Gustavo Henrique acertou a trave.

Três minutos depois, Alison fez falta boba em Yago Pikachu. Rafael Galhardo cobrou bem e Vanderlei espalmou para escanteio. Aos 20, Willian Maranhão recuou na fogueira, o goleiro Martín Silva dividiu com Gabigol em um carrinho e ninguém do Santos aproveitou o rebote.

Aos 22 minutos, foi Carlos Sánchez quem assustou em cobrança de falta que raspou o travessão. E a emoção só voltou ao Pacaembu nos minutos finais, depois do alvinegro retomar as rédeas do jogo e reencontrar os espaços no gramado.

No minuto 41, Sánchez cruzou e Bruno Henrique cabeceou muito perto da trave. E dois minutos depois, o gol saiu. E numa jogada de manual do time dirigido por Cuca: Gabigol saiu da área para abrir espaço, tocou para Rodrygo, Victor Ferraz puxou, mas o atacante cruzou no segundo pau. Carlos Sánchez, sem ângulo, foi cirúrgico ao ajeitar para Diego Pituca, na pequena área, empurrar para o fundo das redes e marcar seu primeiro gol pelo Peixe.

No primeiro minuto do segundo tempo, o Santos esteve perto de ampliar. Bruno Henrique avançou pelo meio, cortou para a ponta esquerda e chutou cruzado, perto da trave de Martin. Depois disso, foi o Vasco quem assustou.

Mais corajoso, o time carioca foi para cima e viu um Peixe estruturado à procura dos espaços para contra-atacar. Aos 12 minutos, Henrique avançou bem e cruzou para Rios. O atacante, na pequena área, chutou em cima da defesa.

No minuto 18, o Santos voltou a ficar perto do gol. Em linda arrancada, Gabigol conduziu a bola desde a defesa, parou, driblou e chutou colocado de fora da área para boa defesa do goleiro vascaíno. Aos 21, Bruno Henrique tabelou com Gabriel e chutou mais uma vez perto da trave.

Dois minutos depois, veio a resposta do Vasco. Giovanni Augusto encontrou Pikachu livre na área. O meia encobriu o Vanderlei e viu Robson Bambu salvar antes da bola ultrapassar a linha. E entre os 30 e 31′, o empate ficou perto novamente.

Henrique cruzou e Giovanni Augusto, sozinho, se desprendeu de Dodô e cabeceou torto. Na sequência, Andrey chutou com perigo por cima do travessão. E aos 33, a pressão dos visitantes surtiu efeito. Pikachu cruzou da direita para Rios, sozinho, cabecear e ver Vanderlei estático. Robson Bambu errou na marcação do argentino.

Nos minutos finais, mesmo com a expulsão de Andrey aos 43, o Santos não teve força para desempatar. O Vasco, valente, volta para o Rio de Janeiro com um ponto na bagagem a ser comemorado.

Gabigol vê Santos melhor e volta a reclamar de chances perdidas

Gabigol viu a falta de pontaria como motivo, mais uma vez, de um tropeço do Santos no Campeonato Brasileiro. Depois de perder chances e ser derrotado para o Cruzeiro no último domingo, o Peixe repetiu o roteiro no empate em 1 a 1 com o Vasco nesta quinta-feira, no Pacaembu.

O alvinegro foi bem e abriu o placar no primeiro tempo, com Diego Pituca, mas recuou na segunda etapa e viu os cariocas reagirem.

“Foi um erro nosso de marcação, obviamente que é o time inteiro que erra. Tomamos o gol inesperado. Fomos bem melhores, criamos muitas chances, mas não conseguimos fazer o gol para acabar com o jogo”, disse Gabriel, ao Premiere.

“É complicado jogar contra quem fica todo atrás. Fizemos o gol para podermos recuar e ter o contra-ataque, mas não fizemos o gol, que nem no último jogo e acabamos levando”, completou.

Gabigol levou o terceiro cartão amarelo com menos de um minuto de jogo no Pacaembu e desfalcará o Santos contra o Atlético-PR, domingo, na Vila Belmiro, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Cuca lamenta 2º tempo do Santos em empate: “Não encaixou”

O técnico Cuca lamentou o segundo tempo do Santos no empate em 1 a 1 com o Vasco na noite desta quinta-feira, no Pacaembu, em jogo atrasado da terceira rodada do Campeonato Brasileiro.

Depois de abrir o placar aos 43 minutos, com Diego Pituca, o Peixe voltou mal para a etapa final, deu espaço para os cariocas e perdeu dois pontos em casa.

“Primeiro tempo muito bom, merecemos vencer. Não demos o campo para o Vasco jogar. No intervalo, falamos isso para os jogadores. Manter o nível de concentração, por 1 a 0 é perigoso. Mas Vasco começou a criar chances, tomar conta do meio-campo. Cedemos espaço, marcação não foi ajusta no segundo tempo. Não diminuímos o espaço deles. Fazemos poucas faltas. O adversário pôde empatar. Empataram merecidamente no final. Quando tiramos o Bruno e colocamos o Derlis era para forçar no lado direito. Às vezes, não encaixa o jogo. Não encaixou para o Derlis. Perdemos a faixa de campo. Rodrygo e Sánchez usando o mesmo setor. Jogo pedia uma cadência. Colocamos o Bryan para dar isso e tiramos o Sánchez. Abrindo Rodrygo e não deu certo. Tentamos colocar mais uma armador, uma última alternativa. Colocando Guedes. Empate foi justo. Temos que rever”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

O treinador mostrou preocupação para a diferença de quatro pontos para a zona do rebaixamento e cobrou a vitória contra o Atlético-PR, domingo, na Vila Belmiro, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro.

“Nós nos últimos três jogos não vencemos. Temos de olhar para baixo, sair dessa situação. E se a gente pensa em Libertadores, domingo é jogo para vencer. Jogo difícil, mas temos de fazer por onde”, completou.

Cuca foge de polêmica, mas diz que Santos joga melhor na Vila

Após o empate em 1 a 1 com o Vasco na noite desta quinta-feira, no Pacaembu, Cuca evitou polêmica sobre a divisão de jogos entre Santos e São Paulo, mas disse que o Peixe joga melhor na Vila Belmiro.

O presidente José Carlos Peres prometeu ao técnico e ao elenco jogar o clássico contra o Corinthians, no dia 13, na Vila Belmiro. A partida, porém, será no Pacaembu. Havia um acordo com uma emissora de televisão e a promessa do primeiro mosaico da torcida no estádio da capital.

“Preocupa. Joguei aqui (Pacaembu) contra Independiente, Grêmio e hoje. Nós não conseguimos, em nenhum dos três jogos, fazer jogos bons, como fazemos na Vila. Temos de buscar o motivo disso. Temos de jogar bem aqui também”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

“Hoje qualquer coisa que se venha a falar pode prejudicar qualquer situação. Vou me abster disso. O nosso presidente sabe o que é bom para nós. Sabe a ideia dos jogadores, da comissão técnica. Ele vai resolver o que é melhor para o Santos”, completou.

O retrospecto no Pacaembu não é bom e o número de torcedores decepcionou nesta quinta – 12.985 -, mas o alvinegro pediu todos os mandos até o final do Campeonato Brasileiro na capital, a não ser o compromisso diante do Atlético-PR, domingo, na Vila Belmiro, pela 27ª rodada.

O pedido do elenco e recomendações da Polícia Militar podem alterar o planejamento, mas o objetivo é atuar em pelo menos quatro dos cinco últimos jogos do Brasileirão no Pacaembu.

Cuca vê Santos atrás dos rivais para 2019 por conta da política do clube

Cuca gostaria de iniciar o planejamento do Santos para 2019, mas o caos político o atrapalha. O associado decidirá entre a permanência ou o impeachment do presidente José Carlos Peres em assembleia no próximo sábado, na Vila Belmiro. Se o “sim” for escolhido, o vice Orlando Rollo assumirá até o fim do mandato, em dezembro de 2020.

Com gosto por montar elencos, o técnico gostaria de indicar reforços, pensar em renovações e adiantar os passos para a próxima temporada – o que não é possível agora.

“Sim, é o meu trabalho. Detectei as necessidades que temos. Todo time tem. A gente teria de ganhar tempo em relação aos demais. Só estamos no Brasileirão, mas temos uma indefinição na nossa chefia. Não podemos fazer nada. Gosto de montar times. Agora tem que ver de que forma as coisas vão acontecer. A gente também está com uma incógnita muito grande em relação ao futuro. Ninguém sabe o que vai acontecer”, disse Cuca, após o empate em 1 a 1 com o Vasco.

O treinador, porém, não quis culpar a política do Peixe pelo tropeço na última quinta-feira, no Pacaembu, diante dos cariocas.

“Vamos ver. O dia D é sábado. Vamos ver domingo como a gente joga. A resposta tem de ser domingo, se influencia ou não (lado político). A gente blinda, faz o que pode. Não posso culpar um mau resultado hoje porque estamos com um problema político. O Vasco também tem isso e conseguiu fazer um bom jogo. Não vamos se apegar a subterfúgios, a álibis, pra gente dizer o porque não jogou bem no segundo tempo. Temos de jogar melhor. Ter uma regularidade. Geralmente a gente tem tido. Hoje ela não veio. Vou buscar o porquê”, completou.