Navegando Posts marcados como Victor Ferraz

Santos 3 x 2 Oeste

Data: 02/03/2019, sábado, 19h00.
Competição: Campeonato Paulista – 9ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 9.486 presentes (8.123 pagantes e 1.363 não pagantes)
Renda: R$ 249.544,00
Arbitragem: Thiago Duarte Peixoto
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho e Gustavo Rodrigues de Oliveira.
Cartões amarelos: Aguilar e Rodrygo (S); Bruno Lopes, Matheus Jesus, Alyson e Lídio (O).
Gols: Bruno Lopes (14-1), Betinho (41-1, contra) e Matheus Jesus (42-1); Derlis González (16-2) e Victor Ferraz (50-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Aguilar, Gustavo Henrique e Felipe Jonatan; Yuri (Carlos Sanchez), Jean Lucas, Jean Mota e Cueva (Felipe Cardoso); Soteldo (Rodrygo) e Derlis González.
Técnico: Jorge Sampaoli

OESTE
Matheus Cavichioli; Tony, Maracás, Kanu e Alyson; Matheus Jesus (Lídio), Betinho, Elvis, Mazinho (Jheimy) e Roberto; Bruno Lopes (Bruno Xavier).
Técnico: Renan Freitas



Santos vence Oeste nos acréscimos e garante classificação antecipada

O Santos é o primeiro clube classificado às quartas de final do Campeonato Paulista. Na noite deste sábado, após sair em desvantagem diante do Oeste, o time dirigido pelo técnico Jorge Sampaoli venceu por 3 a 2 com um gol de Victor Ferraz nos acréscimos e assegurou a vaga.

Com 22 pontos e sete vitórias, o Santos permanece na primeira colocação do Grupo A e não pode mais ser alcançado pela Ponte Preta, que tem 10 pontos e duas vitórias. O Oeste, por sua vez, figura na liderança do Grupo D com 12 pontos e corre risco de ser ultrapassado pelo São Paulo (10), que ainda visita o Bragantino no domingo.

O jogo

Atrapalhada pela chuva, a partida começou com 1h25min de atraso e, depois de tomar um susto em chute de Derlis Gonzalez, o Oeste saiu na frente. Aos 14 minutos do primeiro tempo, Bruno Lopes acertou belo chute de fora da área e encobriu Vanderlei.

O Santos tentou pressionar em busca do empate, mas teve dificuldades para criar boas chances de gol. O time praiano igualou o marcador apenas aos 41 minutos do primeiro tempo, quando Jean Mota levantou na área em cobrança de falta e Betinho desviou contra a própria meta.

Os santistas nem tiveram tempo de comemorar o empate, já que o Oeste retomou a vantagem no marcador no minuto seguinte. Roberto subiu com liberdade pela direita e cruzou para uma cabeçada certeira de Matheus Jesus diante de Vanderlei.

O técnico Jorge Sampaoli voltou para o segundo tempo com Carlos Sanchez e Rodrygo nas vagas de Yuri e Soteldo. Encorpado pelas alterações, o Santos chegou ao empate aos 16 minutos. Victor Ferraz recebeu de Jean Mota pela direita e cruzou para Derlis Gonzalez completar de primeira.

O Oeste quase marcou o terceiro logo depois. Após cobrança de escanteio pelo lado esquerdo, Kanu cabeceou firme e Vanderlei fez boa defesa. No rebote, o próprio Kanu bateu por cima. O goleiro voltou a salvar o Santos ao sair diante de Jheimy e teve seu nome gritado pela torcida.

Empurrado pelos quase 10 mil torcedores que foram ao Pacaembu, o Santos buscou a virada de forma franca e conseguiu aos 50 minutos da etapa complementar. Após corte do goleiro Matheus, Rodrygo tocou para Victor Ferraz, que definiu a partida com um chute forte e cruzado.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli celebra classificação antecipada às quartas do Paulista

Com uma sofrida vitória por 3 a 2 sobre o Oeste, alcançada na noite deste sábado, o Santos garantiu a classificação antecipada às quartas de final do Campeonato Paulista. Satisfeito, o técnico argentino Jorge Sampaoli celebrou o feito de sua equipe no Estádio do Pacaembu.

Dono da primeira colocação do Grupo A, o Santos contabiliza 22 pontos e sete vitórias no torneio estadual. Com quatro jogos por disputar na primeira fase, a Ponte Preta, hoje no terceiro lugar, não pode mais alcançar o time praiano, já que tem 10 pontos e apenas dois triunfos.

“É uma alegria muito grande para um grupo de jogadores em que ninguém acreditava e foi crescendo com o tempo. Sabemos que as próximas etapas serão muito mais difíceis, mas valorizamos esse grupo de jovens que mudou a história imaginada por todos. Muitos atletas encontraram um valor que não tinham”, disse o técnico.

Por meio de Bruno Lopes, o Oeste conseguiu inaugurar o marcador no Pacaembu. Ainda no primeiro tempo, o Santos empatou com um gol contra de Betinho, mas o time visitante marcou o segundo com Matheus Jesus. Na etapa complementar, a equipe praiana definiu graças a Derlis Gonzalez e Victor Ferraz.

“Gostei muito da decisão do time no segundo tempo. Foi buscar o resultado sem medo de se expor, contra um adversário bem postado em campo. O time gerou várias chances e o jogo ficou bem aberto. O Santos buscou a vitória até o final e conseguiu”, disse Sampaoli.

Autor do gol da virada, Ferraz cita inspiração na torcida santista

O Santos sofreu para garantir uma vaga antecipada nas quartas de final do Campeonato Paulista. Autor do gol que definiu o triunfo por 3 a 2 contra o Oeste na noite deste sábado, o lateral direito Victor Ferraz citou a torcida alvinegra como inspiração para a virada no Estádio do Pacaembu.

No primeiro tempo, o Oeste saiu na frente com Bruno Lopes, o Santos empatou em um gol contra de Betinho e o time visitante retomou a vantagem por meio de Matheus Jesus. Na etapa complementar, Derlis Gonzalez igualou novamente e Victor Ferraz, aos 50 minutos, determinou o placar final.

“O Santos tem um pouco disso. A torcida já canta que somos o time da virada e isso foi o combustível para tentarmos o jogo inteiro reverter o placar. Durante muito tempo, o Oeste causou bastante dificuldade e parou o jogo, mas, no final, fomos honrados com o gol da vitória”, declarou o lateral em entrevista ao Premiere.

O jogo entre Santos e Oeste, atrasado em 1h25min por conta da tempestade que atingiu o estádio, foi acompanhado por um público total de 9.486 torcedores no Pacaembu. A exemplo de Victor Ferraz, Jean Mota celebrou a virada de sua equipe.

“Como o Sampaoli sempre diz, temos que jogar com alegria. Não começamos da forma que queríamos. Tomamos o gol e saímos atrás, mas tivemos a garra, a luta e a vontade para buscar a virada. Estivemos sempre atrás no placar, mas buscamos a virada e o grupo está de parabéns”, declarou.

Chuva causa incerteza e vibração entre juiz e santistas no Pacaembu

Uma tempestade atingiu a região que abriga o Pacaembu durante a tarde deste sábado e atrapalhou a realização do jogo entre Santos e Oeste, pela nona rodada do Campeonato Paulista. Antes do triunfo santista, a chuva causou incerteza e uma inusitada vibração entre árbitro e torcida no estádio.

Assim que a tempestade começou, os torcedores que já estavam no Pacaembu buscaram refúgio sob as marquises. Choveu intensamente durante muito tempo, o que deixou o gramado do estádio municipal sem condições de receber uma partida de futebol às 19 horas, horário do jogo.

Encarregado de decidir sobre a realização da partida, Thiago Duarte Peixoto fez seguidas inspeções no gramado e procurou manter o tom otimista. A situação piorou ainda mais no momento em que uma das torres de iluminação do Pacaembu ficou com apenas um refletor funcionando.

A partida, antes prevista para as 19 horas, teve seu começo adiado. Pouco antes das 20 horas, com a iluminação já reestabelecida, Peixoto voltou ao campo e experimentou jogar a bola no gramado. Ao ver que ela rolou sem maiores problemas, árbitro e torcida vibraram juntos.

Peixoto conduziu a situação de maneira bem-sucedida e, além de convidar representantes dos clubes para a tomada de decisão, explicou o andamento do processo por meio de entrevistas. O sistema de drenagem do Pacaembu mostrou que está em dia e, durante toda a partida, a bola rolou sem problemas.

Após 1h25min de espera, os 9.486 torcedores que estiveram no estádio municipal viram cinco gols. Bruno Lopes e Matheus Jesus marcaram para o Oeste, mas o Santos, classificado de forma antecipada, virou por meio de Betinho (contra), Derlis Gonzalez e Victor Ferraz.

Classificado no Paulista, Santos pode rodar elenco e priorizar Copa do Brasil

Com a vitória por 3 a 2 sobre o Oeste no último sábado, no Estádio do Pacaembu, o Santos foi o primeiro e único clube até o momento que assegurou vaga para as quartas de final do Campeonato Paulista. Dessa forma, o técnico Jorge Sampaoli pode finalmente rodar o elenco nos jogos finais do Estadual.

Nesta quinta-feira, por exemplo, o Peixe pega o América-RN, novamente no Pacaembu pela Copa do Brasil. Everson deverá ser titular no confronto. No restante, o treinador argentino mandará a força máxima.

Entretanto, três dias depois, o Alvinegro da Vila Belmiro terá o clássico contra o Corinthians, em Itaquera. Mesmo se tratando de um jogo importante, o Santos pode colocar alguns jogadores considerados reservas, a exemplo do que fez no empate sem gols diante do Palmeiras, no Allianz Parque.

Das competições que estava disputando em 2019, o Peixe já adeus à Copa Sul-Americana, ao ser eliminado de forma vexatória para o modesto River Plate-URU, após empatar em 0 a 0 no Uruguai e 1 a 1 em São Paulo.

Santos lidera estatísticas de passes e cruzamentos certos no Paulistão

Além de liderar o Grupo A e ser o primeiro geral no Campeonato Paulista, o Santos está na ponta em outros quesitos no Estadual: o de time que mais troca passes e cruza de maneira correta. O Peixe até o momento já deu 3970 passes certos na competição, segundo a Footstats.

Os dois jogadores que mais trocaram passes no Paulistão também são do Alvinegro da Vila Belmiro. Os zagueiros Gustavo Henrique e Felipe Aguilar deram 606 e 444 passes, respectivamente.

Isso diz muito sobre o estilo de jogo implantado por Sampaoli. Ou seja, tocar a bola em busca de espaços para furar a defesa do adversário. Se defender para o Santos, consiste em manter a pelota consigo, assim, não sofrerá com chegadas dos rivais. A criação das jogadas começa desde lá atrás com o goleiro e os defensores.

Além disso, os zagueiros precisam ter qualidade para organizar os ataques e ter a paciência necessária para trocarem bolas entre si quando encontrarem um sistema defensivo bem armado pela frente.

Cruzar de forma aleatória também não é do feitio deste atual Santos. O time lidera a estatística de cruzamentos certos, são 68 ao total. Jean Mota é quem mais alça a redonda para a grande área.

Como consequência, o Peixe tem o melhor ataque do Paulistão, honrando o seu DNA ofensivo. São 19 gols até o momento. O artilheiro da equipe e do campeonato é Jean Mota, com sete gols anotados.

Amor pelo balón. É isso que o Santos de Sampaoli vem fazendo até o momento. Resta saber se a filosofia implantada pelo argentino dará frutos ao longo da temporada.


Santos 3 x 0 Fluminense

Data: 27/10/2018, sábado, 16h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 31ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 8.680 pagantes
Renda: R$ 165.563,50
Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC)
Auxiliares: Henrique Neu Ribeiro e Eder Alexandre (ambos de SC).
Cartões amarelos: Robson Bambu e Gabigol (S); Airton, Fernando Neto e Marlon (F).
Gols: Gabriel (38-2, de pênalti), Victor Ferraz (42-2) e Carlos Sánchez (43-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Robson Bambu e Dodô; Alison (Bryan Ruíz), Carlos Sánchez e Diego Pituca; Rodrygo (Copete), Gabriel e Bruno Henrique (Derlis González).
Técnico: Cuca

FLUMINENSE
Rodolfo; Igor Julião, Frazan (Alex), Paulo Ricardo e Marlon; Aírton (Mateus Norton), Dodi, Fernando Neto e Daniel (Cabezas); Marcos Júnior e Júnior Dutra.
Técnico: Marcelo Oliveira



Santos desencanta no fim, derrota o Flu e cola no G6 do Brasileiro

O Santos colou no G6 do Campeonato Brasileiro na tarde deste sábado. Jogando na Vila Belmiro, em duelo direto entre duas equipes que almejam uma vaga na Copa Libertadores, o Peixe não fez um bom primeiro tempo, mas acordou na etapa final e venceu o time alternativo do Fluminense por 3 a 0, com gols de Gabriel, Victor Ferraz e Carlos Sánchez, todos anotados nos últimos minutos da partida.

Com o resultado, a equipe dirigida por Cuca chegou aos 46 pontos, empatando com o sexto colocado Atlético-MG, que está à frente por ter uma vitória a mais – o Galo só entra em campo na segunda-feira, contra o Ceará, na Arena Castelão. O Fluminense, por sua vez, ficou no nono lugar, com 40 pontos, mas pode perder posições até o final do dia.

O jogo

O primeiro tempo foi disputado em ritmo lento, com ambos os times criando poucas chances de gol. O Santos, porém, começou pressionando nos minutos iniciais explorando as jogadas de linha de fundo. A zaga carioca, bem postada, suportou os ataques alvinegros.

Aos oito minutos, o Fluminense assustou. Após cobrança de escanteio, Fernando Neto pegou o rebote e arriscou de fora da área, exigindo grande defesa de Vanderlei. O lance, contudo, já havia sido paralisado por impedimento.

Apesar de ter o domínio da posse de bola, o Santos errava muitos passes e tinha dificuldades de entrar na defesa tricolor. O Fluminense, por sua vez, conseguiu chegar com algum perigo por meio da bola aérea, mas também pouco ameaçou a meta de Vanderlei na primeira parte do jogo.

Para tornar o Peixe mais criativo, Cuca voltou com Derlis González no lugar do apagado Bruno Henrique. Com o paraguaio, o time da casa precisou de pouco tempo para mostrar outra postura. Aos três minutos, Lucas Veríssimo cabeceou no canto, fazendo o goleiro do Fluminense trabalhar.

Pouco depois, Rodrygo subiu livre e testou com força, mas Rodolfo conseguiu espalmar a bola para o travessão. Aos 11 minutos, Gabigol perdeu chance incrível de abrir o placar. Em grande jogada individual pela esquerda, Rodrygo foi até a linha de fundo e cruzou rasteiro. A bola desviou e sobrou limpa para o camisa 10, que isolou por cima.

O Santos teimava em fazer o goleiro do Fluminense trabalhar. Aos 17 minutos, após mais um levantamento na área, Rodrygo bateu de primeira, mas Rodolfo evitou o gol da equipe mandante. Aos 28, Victor Ferraz cruzou na medida para Carlos Sánchez, que testou na direção do gol. Frazan, contudo, salvou quase em cima da linha.

De tanto insistir, o Santos finalmente abriu o placar na Vila Bemiro. Aos 36 minutos, Gabriel foi derrubado por Alex na área. Na cobrança do pênalti, o artilheiro do Brasileirão bateu forte, no alto, desta vez sem chances de defesa para Rodolfo. O gol abriu a defesa carioca, que ainda seria vazada mais duas vezes: primeiro por Victor Ferraz, depois por Carlos Sánchez.

Bastidores – Santos TV:

Gabriel marca o gol de número 12.500 da história do Santos

Gabriel Barbosa escreveu mais um importante capítulo da história do Santos na tarde deste sábado. Ao abrir o placar em cobrança de pênalti na vitória por 3 a 0 sobre o Fluminense, na Vila Belmiro, o atacante anotou o gol de número 12.500 da história do clube paulista.

O Menino da Vila já havia marcado o tento de número 12 mil em fevereiro de 2014, quando tinha apenas 17 anos, em goleada por 5 a 1 sobre o Botafogo-SP, na Vila Belmiro, pelo Campeonato Paulista. Quatro anos depois, o camisa 10 volta a ser orgulhar de mais uma marca importante em sua carreira.

“Muito contente por mais uma placa. Se eu ganhar, né (risos). Mas estou muito feliz. Fiz o gol 12.000, agora o 12.500. Deus está me abençoando bastante. Glorifico esse momento não só meu, mas também da equipe”, celebrou à TV Globo, na saída de campo.

Apesar do placar elástico, o Santos encontrou dificuldades diante do Fluminense. Tanto que só abriu o marcador aos 38 minutos, com Gabigol, que converteu o pênalti sofrido por ele mesmo. Depois, aos 42 e 43, respectivamente, Victor Ferraz e Carlos Sánchez deram números finais à partida.

“A gente sabia que seria muito complicado. O Fluminense não veio com o time titular, mas tinha muita qualidade. A gente sabia disso. O primeiro tempo foi complicado, mas sabíamos que quando fizéssemos o primeiro gol as coisas poderiam abrir, como abriu”, completou.

Com o resultado, o Santos chegou aos 46 pontos e colou de vez no G6 do Campeonato Brasileiro. O Atlético-MG, que entra em campo somente na segunda-feira, é o sexto colocado, com a mesma pontuação, mas tem uma vitória a mais.

Cuca revela bronca no intervalo e celebra momento do Santos

Após um primeiro tempo sonolento, o Santos acordou na etapa complementar e venceu o Fluminense por 3 a 0 na tarde deste sábado, na Vila Belmiro. Após a partida, o técnico Cuca revelou ter dado uma bronca para mexer com o brio dos jogadores no intervalo.

“Eu gosto desses meninos como filhos. Faço tudo o que posso por eles, mas tem dias que você tem de pegar um pouquinho mais pesado. É bom dar uma chacoalhada de vez em quando. Eles responderam muito bem. No geral, temos feito dois tempos equilibrados”, declarou o treinador.

Depois de um primeiro tempo em que correu riscos na bola aérea do Fluminense, o Santos voltou para a segunda etapa com Derlis González no lugar de Bruno Henrique. Com a entrada do paraguaio, Rodrygo e Gabigol cresceram de produção.

“A gente mexe o lugar do Rodrygo para ter uma condição melhor. Hoje, no segundo tempo, ele achou o espaço dele. Participou do segundo gol, cabeceou uma bola na trave, jobou bem. Depois saiu para a entrada do Copete, que veio para fortalecer o jogo aéreo”, explicou Cuca.

Depois de tanto insistir, o Santos abriu o placar aos 38 minutos com Gabigol, de pênalti, sofrido por ele mesmo. O Fluminense, então, se abriu e acabou levando outros dois, anotados por Victor Ferraz e Carlos Sánchez, aos 42 e 43, respectivamente.

Com a vitória, a quarta em cinco jogos, o Santos chegou aos 46 pontos e colou de vez no G6 do Campeonato Brasileiro. O Atlético-MG, que entra em campo somente na segunda-feira, é o sexto colocado, com a mesma pontuação, mas tem uma vitória a mais.

“A gente vem em uma recuperação muito boa. Estamos jogando um bom futebol. Não é sempre, mas na maioria temos jogado bem. Isso é devido aos treinamentos. Faltando sete jogos, a gente tem uma ambição, que é chegar na Libertadores. Temos de fazer o melhor. Sábado tem o Palmeiras, um jogo duríssimo, temos que nos preparar bem”, concluiu.

Dodô reitera desejo de ficar no Santos, mas foca em classificação

O lateral esquerdo Dodô reiterou o desejo de permanecer no Santos em 2019. O clube, que também tem interesse na sequência da parceria, disputa uma vaga na Copa Libertadores por meio do Campeonato Brasileiro, após o qual a renovação deverá ser sacramentada.

“Eu gostaria de ficar. Já falei disso no começo do ano. Tem que sentar quando acabar o campeonato e ver a melhor maneira para eu conseguir ficar”, disse, à Rádio Globo, após a vitória por 3 a 0 sobre o Fluminense, no último sábado, na Vila Belmiro.

Embora Dodô negue publicamente o início das conversas, o Peixe já abriu as negociações com o estafe do jogador, emprestado pela Sampdoria-ITA até o dia 31 de dezembro deste ano.

A tendência é que a diretoria encabeçada por José Carlos Peres pague a multa no valor de 1,5 milhão de euros (cerca de R$ 6,2 milhões na cotação atual) para ter o atleta em definitivo.

“Mais importante que a renovação é o Santos chegar na Libertadores. É o foco do momento. Quero pensar no grupo, na vaga que ainda é possível. Quando a situação tiver definida, a gente pensa na renovação. Vamos continuar sonhando”, declarou.

A sete rodadas do fim do Brasileirão, o Santos ocupa o sétimo lugar com 46 pontos, ficando atrás do Atlético-MG por ter uma vitória a menos. O quinto e sexto colocados avançam para a pré-Libertadores.

Satisfeito com a atuação do time no triunfo de sábado, Dodô já projetou o clássico contra o Palmeiras, no próximo sábado, no Allianz Parque. “O importante é que a bola entrou no segundo tempo. Concretizamos nosso domínio nos 90 minutos. Merecemos o placar”, avaliou.

“São três pontos na nossa luta. O time está de parabéns. Temos uma semana para descansar e preparar para esse jogo no sábado, contra o Palmeiras. Vamos continuar sonhando com essa vaga”, concluiu.


Santos 3 x 0 Sport Recife

Data: 18/08/2018, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 19ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 10.991 pagantes
Renda: R$ 185.210,50
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva
Auxiliares: Helcio Araujo Neves e Heronildo Freitas da Silva.
Cartões amarelos: Victor Ferraz, Derlis González, Alison (S); Rogério, Claudio Winck e Morato (SR).
Cartão vermelho: Rogério (SR).
Gol: Eduardo Sasha (01-1); Rodrygo (36-2) e Victor Ferraz (38-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Dodô; Alison, Carlos Sánchez (Rodrygo) e Bryan Ruiz (Diego Pituca); Eduardo Sasha (Bruno Henrique), Derlis González e Gabriel.
Técnico: Cuca

SPORT RECIFE
Magrão; Cláudio Winck, Ronaldo Alves, Ernando e Sander; Deivid (Felipe Bastos), Ferreira (Morato) e Gabriel; Marlone, Rogério e Hernane (Carlos Henrique).
Técnico: Eduardo Baptista



Com sal grosso e Vila cheia, Santos bate Sport e respira na tabela

O Santos respirou na luta para fugir da zona de rebaixamento à Série B do Campeonato Brasileiro na tarde deste sábado. Recebido com sal grosso por seus torcedores na chegada à Vila Belmiro, o time do técnico Cuca teve casa cheia e ganhou por 3 a 0 do Sport.

Com 21 pontos ganhos, o Santos sai da zona de rebaixamento, pelo menos temporariamente, e dorme na 12ª posição do torneio nacional. Assim, a equipe alvinegra conseguiu ultrapassar o Sport, 15º colocado com 20 pontos. O Vitória, atual primeiro integrante do Z4, soma 19 pontos.

O jogo

Empurrado pela torcida, o Santos conseguiu inaugurar o marcador logo no primeiro minuto da partida. Em jogada pela direita, Derlis Gonzalez levou até o fundo e cruzou. Gabigol desviou e a bola sobrou para Bryan Ruiz. Ele ajeitou e Eduardo Sasha finalizou com sucesso.

Beneficiado pela abertura do placar nos instantes iniciais da partida, o Santos quase aumentou a vantagem com Gabigol. Carlos Sanchez avançou com a bola dominada e deu bom passe para o atacante, que bateu na saída de Magrão e viu o goleiro ceder escanteio.

A última chegada consistente do primeiro tempo também foi do time mandante. Após lançamento pelo alto, Gabigol inteligentemente ajeitou de peito para Bryan Ruiz. O costarriquenho completou para o gol e Magrão desviou com a ponta dos dedos pela linha de fundo.

O Santos desperdiçou grande chance de marcar logo no começo da etapa complementar, quando Gabigol aproveitou falha de Ernando para deixar Sanchez na cara do gol, mas o uruguaio mandou para fora. Pouco depois, o árbitro Dewson Fernando Freitas da Silva viu falta duvidosa de Rogério em Gonzalez e mostrou o cartão vermelho.

Durante o segundo tempo, o técnico Cuca lançou mão de três titulares. Após trocar o desgastado Bryan Ruiz por Diego Pituca, o treinador, já em superioridade numérica, tirou Eduardo Sasha para colocar Bruno Henrique e trocou Sanchez por Rodrygo.

Embalado pelas alterações, o Santos marcou mais dois. Aos 36 minutos, Gonzalez recebeu de Gabigol pela direita e cruzou para Rodrygo completar. Dois minutos depois, Bruno Henrique cruzou da esquerda e Sander interceptou de cabeça. Victor Ferraz aproveitou o rebote e, após desvio em Felipe Bastos, a bola terminou nas redes de Magrão.

Bastidores – Santos TV:

Em busca de consistência, Cuca vê Santos em evolução

Encarregado de suceder Jair Ventura, Cuca assumiu o Santos em um momento delicado. Após o triunfo sobre o Sport, resultado que encerrou uma série de sete rodadas de jejum no Campeonato Brasileiro, o treinador analisou o processo de evolução atravessado pela equipe.

“O primeiro passo era ganhar uma para recuperar a autoestima e fizemos isso em Minas. O segundo passo, era ter força de grupo e não só um time”, disse Cuca, que poupou alguns titulares contra o Sport. “Isso foi posto em xeque com um time que jogou sem treinar junto e, graças a Deus, deu certo”, completou.

Com a vitória sobre o adversário pernambucano, o Santos saiu da zona de rebaixamento e, pelo menos temporariamente, assumiu a 12ª colocação do Campeonato Brasileiro. Experiente, Cuca sente que o time vem melhorando, mas não se deixa levar por qualquer tipo de euforia.

“O terceiro passo é a consistência. Não vamos ganhar todas, mas precisamos de um padrão de jogo, uma maneira de jogar. Temos a humildade de reconhecer que vencemos duas partidas, mas ainda não ganhamos nada. Estamos bem atrás ainda (no Campeonato Brasileiro) e a Libertadores vai começar agora”, afirmou.

Após respirar no torneio nacional, o Santos volta suas atenções à Copa Libertadores. Às 21h45 (de Brasília) desta terça-feira, pelas oitavas de final do torneio, o time alvinegro encara o tradicional Independiente, em Avellaneda.

“É claro que o astral melhora, dá um moral mais elevado, mas pronto. É até aí”, disse Cuca sobre os efeitos do triunfo antes do jogo na Argentina. “Nos 90 minutos, isso não entra em campo. Vamos ter que remar muito para fazer um resultado bom”, afirmou o treinador.

Com Gabigol e gringos elogiados, Cuca evita falar de reforços

Cuca escalou como titulares o uruguaio Carlos Sanchez, o costarriquenho Bryan Ruiz e o paraguaio Derlis Gonzalez na vitória sobre o Sport, alcançada na tarde de sábado. Satisfeito com a atuação do trio de gringos na Vila Belmiro, o comandante santista ainda elogiou Gabigol e evitou comentar a possibilidade de contratar um reforço para o ataque.

“O Derlis jogou uma grande partida, principalmente no segundo tempo. Participou dos gols, teve muita força e atitude durante todo o jogo, até mais do que a gente imaginava depois de tanto tempo sem atuar. O Sanchez, já é a terceira partida e o Bryan tem qualidade e visão de jogo. Acho que os três ajudaram bastante”, comentou.

Em busca de um centroavante, o Santos estudou nomes como Marco Ruben (Rosario Central), Vagner Love (Besiktas-TUR), Marcelo Moreno (Wuhan Zall-CHI) e Nicolás Blandi (San Lorenzo), entre outros. Questionado sobre um eventual reforço para o comando de ataque, Cuca desconversou.

“(O Santos) não está procurando nada. Estou satisfeito com o que tenho. Acabou, não falo mais em contratação nenhuma. Não falo mais. Estou muito contente com os meninos, é até covardia hoje falar em contratação. Vamos trabalhar e dar moral para eles aqui. O presidente faz lá o que quiser”, afirmou.

Cuca ainda foi elogioso ao falar sobre Gabigol, que teve um gol anulado de forma equivocada diante do Sport. Criticado por parte da torcida santista nos últimos jogos, o atacante de apenas 21 anos mostrou empenho e ganhou o reconhecimento na Vila Belmiro.

“Foi uma resposta dele para a torcida e da torcida para ele. Não é mascarado, é um cara normal, tranquilo no dia a dia. De repente, se cria uma imagem diferente e não é assim. É voluntarioso, não tem vergonha de correr pelos outros. Não se importa se a bola dele entra ou não e estava incomodado com a situação do clube. Isso tudo deve ser valorizado”, disse Cuca.

Victor Ferraz sente “alma lavada” e mira tetra da Libertadores

O Santos encerrou uma série de sete rodadas consecutivas sem ganhar pelo Campeonato Brasileiro na tarde deste sábado. Satisfeito com a vitória por 3 a 0 sobre o Sport na Vila Belmiro, o lateral direito Victor Ferraz já citou a Copa Libertadores na saída do gramado.

Com um gol marcado por Eduardo Sasha, o Santos foi para o intervalo em vantagem no marcador. O time da casa, em superioridade numérica desde a expulsão de Rogério, aumentou a vantagem no segundo tempo por meio de Rodrygo e Victor Ferraz, que fechou o triunfo com um chute frontal.

“A gente sai feliz, de alma lavada, porque vínhamos jogando bem aqui, mas os gols não aconteciam. Então, glorificamos o nome de Jesus, porque o time jogou bem com o pessoal que não vem atuando e os gols saíram”, afirmou o lateral ao Premiere, já que Cuca iniciou o duelo com alguns titulares no banco.

Após sair da zona de rebaixamento, pelo menos temporariamente, o Santos volta suas atenções à Copa Libertadores. Às 21h45 (de Brasília) desta terça-feira, pelas oitavas de final do torneio, o time alvinegro encara o tradicional Independiente, em Avellaneda.

“É a segunda vitória consecutiva. Agora, vamos para um dos jogos mais importantes do ano, pela Copa Libertadores, atrás do tão sonhado tetra. Estamos bem fechados e com o elenco homogêneo para conseguir chegar nessa reta final com tudo”, avisou Ferraz, contente com o público superior a 10 mil pessoas em casa.

“É diferente. Sabemos que a Vila Belmiro é o melhor campo que existe para jogar. É um lugar de alegria, como costumamos dizer. Então, com a torcida do nosso lado, é muito difícil sermos batidos aqui dentro. Perdemos alguns jogos que não estamos acostumados, mas pedimos a Deus para que a boa fase tenha voltado”, pregou o lateral.

Cuca parabeniza torcida santista e aprova sal grosso: “Tudo ajuda”

Com casa cheia na Vila Belmiro, o Santos enfim interrompeu uma sequência de sete rodadas de jejum no Campeonato Brasileiro ao ganhar do Sport na tarde deste sábado. Satisfeito com a presença do público, o técnico Cuca parabenizou a torcida e aprovou a recepção com sal grosso ao ônibus da delegação.

“Metade da conquista, devemos ao torcedor, porque ele foi maravilhoso. Entendeu que o time é esse e apoiou desde antes do jogo. Você nem precisa motivar ninguém e o pessoal se entregou em campo, fazendo uma sincronia importante. Quando a Vila está em sincronia, é um elemento a mais que contamos. Estão de parabéns”, afirmou.

Com o time ameaçado pelo rebaixamento à Série B do Campeonato Brasileiro, alguns supersticiosos torcedores santistas deram um banho de sal grosso no ônibus durante a chegada da delegação à Vila Belmiro. O técnico Cuca, também supersticioso, aprovou.

“Quando se faz por bem, tudo ajuda. Cada um tem sua crença, sua superstição. Mas, acima de tudo, o importante foi o empurrão que a torcida deu. Os meninos se reuniram dentro do campo e agradeceram a todos. Esse é o Santos forte que a gente precisa ter para sair da situação em que nos encontramos”, afirmou Cuca.

Contente pela presença da torcida, o treinador também gostou do desempenho de seus jogadores, especialmente de Derlis Gonzalez. Ao falar sobre o triunfo por 3 a 0 sobre o Sport, Cuca valorizou ainda a estratégia bem-sucedida de poupar alguns titulares para o duelo com o Independiente, pela Copa Libertadores, marcado para terça-feira.

“Não é fácil você colocar um time em campo sem nem cinco minutos de treino. O que fizemos foi pensar no presente e no futuro. Corremos risco de não dar certo, mas temos que tomar decisões e, no final, acho que tomamos a decisão certa para ter uma condição melhor terça-feira”, analisou.

Por suspensão, Victor Ferraz e Alison desfalcam Santos contra o Bahia

O técnico Cuca já tem dois desfalques certos para o confronto com o Bahia, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro. O lateral direito Victor Ferraz e o volante Alison, advertidos durante a vitória sobre o Sport, já estão fora do próximo compromisso pelo torneio nacional.

No último minuto do primeiro tempo, por cometer falta sobre o atacante Rogério, Ferraz acabou advertido com o cartão amarelo pelo árbitro Dewson Fernando Freitas da Silva. No começo da etapa complementar, após lance com, Gabriel, Alison também recebeu o terceiro.

Diante do Bahia, a tendência é que o técnico Cuca escale Daniel Guedes como titular na lateral direita, apesar da falta de ritmo enfrentada pelo jogador. Para a vaga aberta no meio de campo, o comandante da equipe alvinegra tem a opção de usar Diego Pituca.


Corinthians 1 x 1 Santos

Data: 06/06/2018, quarta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 10ª rodada
Local: Arena Corinthians, em São Paulo, SP.
Público: 27.586 pagantes
Renda: R$ 1.249.919,56
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa-MG)
Auxiliares: Guilherme Dias Camilo (Fifa-MG) e Rodrigo Corrêa (Fifa-RJ)
Cartões amarelos: Roger, Kazim e Romero (C); Victor Ferraz e Lucas Veríssimo (S).
Gols: Roger (07-2) e Victor Ferraz (30-2).

CORINTHIANS
Walter; Mantuan, Balbuena, Henrique e Sidcley; Gabriel e Maycon; Pedrinho (Mateus Vital), Rodriguinho e Romero; Roger (Emerson Sheik).
Técnico: Osmar Loss

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Diego Pituca, Renato e Jean Mota; Gabriel (Léo Cittadini), Eduardo Sasha (Bruno Henrique) e Rodrygo (Copete).
Técnico: Jair Ventura



Sem paz, Corinthians e Santos empatam em jogo quente na Arena

Corinthians e Santos entraram em campo na noite desta quarta-feira buscando paz para os seus treinadores, mas acharam um jogo movimentado no gramado da Arena Corinthians. Em grande atuação de Rodrygo, o Santos foi superior ao Timão e só não saiu com a vitória porque Gabigol não honrou seu nome. O time da casa, que saiu na frente com Roger, não soube se segurar e levou o empate de Victor Ferraz.

Com o resultado, o clube do Parque São Jorge fica cada vez mais longe dos líderes da competição, podendo ver o Flamengo abrir oito pontos de vantagem ao final da rodada. O Peixe, por sua vez, tem 10 pontos conquistados, com um jogo a menos que os adversários, ainda mais próximo da zona de rebaixamento do que do grupo de cima.

Na próxima rodada, os comandados de Osmar Loss terão pela frente o Vitória, novamente em Itaquera, às 21h (de Brasília) do sábado, no penúltimo duelo antes da parada para a disputa da Copa do Mundo. Jair e os seus atletas, por outro lado, encaram o Internacional às 19h (de Brasília) do domingo, na Vila Belmiro.

O jogo

O primeiro tempo começou com as duas equipes impondo um ritmo muito abaixo da expectativa para o clássico, recheado de passes laterais e pouca objetividade. Os únicos que quebravam essa lógica eram Romero e Pedrinho, sempre tentando movimentar-se para o meio e trocar de posição. Rodriguinho e Roger, no entanto, destoaram bastante e mataram a maioria das jogadas corintianas.

Do outro lado, o Peixe postou-se para aproveitar os contra-ataques, principalmente na habilidade do ótimo Rodrygo. No jogo de xadrez entre Loss e Ventura, quem começou melhor foi o time da casa. O lance de maior perigo no começo veio com Sidcley, que recebeu pela esquerda após boa jogada de Pedrinho e bateu cruzado. A bola passou rente à trave de Vanderlei, à direita do gol santista.

O Timão seguiu rondando a área a adversária, mas sem conseguir finalizações de qualidade. Os lances mais perigosos saíam de fora da área, como uma tentativa de Gabriel, por cima do gol. Na resposta, Rodrygo ganhou a jogada pela esquerda e conseguiu espaço na entrada da área para bater. Walter, bem posicionado mandou para escanteio. Foi a senha, no entanto, para o Peixe se sentir confortável.

Pouco depois, em novo escanteio, Jean Mota bateu fechado, a defesa corintiana falhou, Walter ficou plantado e a bola sobrou para Gabigol sem goleiro. O atacante, porém, não honrou o cenário perfeito para quem tem esse apelido, viu a bola quicar, bater no seu joelho e ir por cima do gol. Na resposta, Romero deu lindo “rolinho” no próprio Gabigol, puxou contragolpe e Maycon tentou finalizar na entrada da área, mas mandou fácil para Vanderlei.

O atacante santista, no entanto, teve uma segunda chance de mostrar que merece o apelido, mas falhou novamente. Depois de puxar bom contra-ataque, ele acalmou o lance e, depois de o Santos rodar a bola, recebeu na entrada da área. Em uma rara tabela realizada na defesa corintiana, ele tocou e ganhou na frente de Sasha. Cara a cara com Walter, no entanto, tentou tirar demais do goleiro e mandou para fora.

A resposta do Corinthians saiu de maneira cruel, um dos adjetivos que a torcida santista costuma dar ao seu centroavante. Em uma rara jogada em que Rodriguinho movimentou-se bem, Pedrinho acionou o armador na lateral direita da área e ele cruzou rasteiro para Roger. O centroavante, que também não havia se achado em campo até aquele momento, bateu Veríssimo na movimentação e chutou cruzado, rasteiro, vencendo Vanderlei.

O gol, no entanto, foi um momento fortuito do Timão, que seguiu pior do que o rival, mesmo em vantagem e jogando em casa. É verdade que o juiz ignorou um pênalti claro quando a bola ricocheteou na mão de Renato dentro da grande área, mas aquele lance ofensivo foi apenas um respiro alvinegro em meio às diversas bolas alçadas na área pelos santistas. E logo elas resultaram no empate do Peixe.

Após tanto tentar, Rodrygo conseguiu descolar bom lance pela esquerda após Pedrinho ser desarmado. Romero teve de ajudar no lado direito e deixou um buraco na esquerda. O ponta santista cruzou no segundo pau e Victor Ferraz, acompanhado por um atrasado Rodriguinho, testou para fazer o gol. Walter, que falhou no lance ao cair para dentro do gol, ainda salvou sua barra – e o empate – ao fazer linda defesa em finalização de Rodrygo, assegurando o 1 a 1.

Bastidores – Santos TV:

Jair diz que não se preocupa com Santos perto do Z-4: “Caminho certo”

A goleada sobre o Vitória e o empate em 1 a 1 com o Corinthians, em Itaquera, nesta quarta-feira, devolveram a paz a Jair Ventura no Santos. Antes pressionado, o técnico ganha sobrevida e elogia o desempenho do time.

Depois de duas boas atuações, o Peixe é o 15º no Campeonato Brasileiro. O treinador diz que não se preocupa com a posição na tabela neste momento.

“Sabemos que podemos melhorar, com certeza. A briga do Santos não é embaixo na tabela. Pelo futebol que vem apresentando o Santos, não vamos brigar lá embaixo. Vamos sair. Não estou preocupado. Claro que a pressão fica no treinador. No Brasileiro, sim, foi a melhor atuação. Santos conseguiu ser melhor nos 90 minutos”, disse Jair, em entrevista coletiva.”

“Não saio feliz pelo que nós criamos. Merecíamos uma sorte melhor. Não posso me contentar com o empate. Não fizemos um jogo para empatar. Ou a gente ganha ou a gente perde, jogamos para frente. Não conseguimos fazer mais um gol. A gente sabe. Quem assistiu os lances, vai concordar comigo. Estamos no caminho certo”, completou.

Victor Ferraz elogia Santos em clássico e diz que empate não é bom

Autor do gol do Santos no empate em 1 a 1 com o Corinthians nesta quarta-feira, na arena do rival, Victor Ferraz não viu o ponto conquistado como bom resultado. O lateral-direito entende que a vitória seria merecida.

“Empate não está de bom tamanho. Santos jogou para ganhar. Nossa mentalidade é vencedora. Se tivesse de ter um vencedor, seria o Santos. Normalmente não perdemos esses gols. Mas tenho certeza que contra o Inter vão sair os gols e a vitória”, disse o camisa 4, em entrevista à Rádio Bandeirantes.

O ala, que fez um gol de cabeça após cruzamento de Rodrygo no segundo tempo, lamentou o vandalismo da torcida do Timão – que arremessou diversos objetos no gramado -, e previu um campeonato de recuperação.

“Isso aqui não pode acontecer, ser agredido dessa maneira. Estão com raiva e por pouco não deixamos eles com mais raiva ainda”, afirmou Ferraz ao Premiere.

“Começamos embaixo e já conseguimos recuperar. Já que não deu para começar melhor, vamos tentar o campeonato de recuperação. Temos duas pedreiras e vamos fazer tudo para ganhar e irmos melhores para a parada”, concluiu.

Vanderlei ironiza moedas da torcida do Corinthians: “Dá para comprar um lanche”

Vanderlei foi alvo de moedas da torcida do Corinthians no empate em 1 a 1 do Santos na noite desta quarta-feira, na arena do rival. O goleiro ironizou o vandalismo dos donos da casa.

“Jogaram moeda, errorex (corretivo)… Dá para comprar um lanche com essas moedas (risos). Xingar é normal, jogar as coisas no campo atrapalha o espetáculo”, disse o goleiro, ao Premiere.

O camisa 1 do Peixe analisou o resultado e foi mais um a afirmar que a vitória seria merecida. O alvinegro criou diversas chances e parou em grande defesa de Walter em chute de Rodrygo e duas chances claríssimas desperdiçadas por Gabigol.

“A gente poderia estar mais feliz com a vitória. Tivemos inúmeras chances, mas futebol é assim. Pelo menos conseguimos o empate fora de casa e agora temos que vencer com o Inter. Com a qualidade que temos, não podemos empatar”, completou.

David Braz defende Gabigol após chances desperdiçadas: “Tem nossa confiança”

Gabriel Barbosa, conhecido como Gabigol, teve uma noite infeliz nesta quarta-feira, no empate do Santos por 1 a 1 com o Corinthians, na arena do rival, pela 10ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O camisa 10 perdeu duas chances claríssimas, uma em cada tempo. Na primeira, na pequena área, sem goleiro, não teve reação e a bola bateu no seu joelho e subiu. Na segunda, tabelou com Eduardo Sasha e, sozinho, também chutou por cima. Ele acabou substituído por Léo Cittadini nos minutos finais.

Um dos capitães do elenco, David Braz defendeu o companheiro e evitou culpá-lo pelo resultado. Pelo que criou, o Peixe poderia ter vencido pela primeira vez fora de casa no Campeonato Brasileiro.

“Ele não tem o apelido à toa, está acostumado a fazer gols, mas faltou sorte. Ele deve estar revoltado no vestiário e vamos procurar passar tranquilidade a ele. Ele tem nossa confiança”, disse o zagueiro, à Rádio Bandeirantes.


Santos 4 x 2 Flamengo

Data: 26/07/2017, quarta-feira, 21h45.
Competição: Copa do Brasil – Quartas-de-final – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.507 pagantes
Renda: R$ 525.080,00
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Auxiliares: Bruno Boschilia (PR) e Rafael da Silva Alves (RS).
Cartões amarelos: Victor Ferraz, Vecchio, David Braz e Lucas Veríssimo (S); Berrío, Alex Muralha, Guerrero e Márcio Araújo (F).
Gols: Berrío (09-1), Bruno Henrique (33-1); Guerrero (01-2), Copete (08-2), Victor Ferraz (10-2) e Copete (48-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Yuri (Rafael Longuine, 24’/2ºT), Vecchio (Léo Cittadini, 41’/2ºT) e Lucas Lima; Copete, Bruno Henrique e Ricardo Oliveira (Vladimir Hernández, 30’/2ºT).
Técnico: Levir Culpi

FLAMENGO
Alex Muralha; Pará, Réver, Rafael Vaz e Trauco; Márcio Araújo, Cuéllar (Willian Arão, 45’/2ºT) e Diego; Berrío (Rodinei, 15’/2ºT), Everton (Gabriel, 34’/ 2ºT) e Guerrero.
Técnico: Zé Ricardo



Em jogaço, Santos vence por 4 a 2, mas Flamengo avança na Copa do Brasil

Nos últimos anos, Santos e Flamengo ficaram marcados pelo jogo espetacular que protagonizaram em 2011, com show de Neymar e Ronaldinho Gaúcho. Na ocasião, o Rubro-Negro levou a melhor, vencendo por 5 a 4 na Vila Belmiro, pelo Brasileirão. Nesta quarta-feira, no mesmo palco, mas pela Copa do Brasil, as equipes relembraram aquele confronto, protagonizando um novo jogaço, com viradas e várias alternativas. Desta vez, o Peixe levou a melhor, ganhando por 4 a 2. Porém, quem saiu feliz do estádio mais uma vez foi o Mengão, que segurou a vantagem de dois gols de diferença e conseguiu avançar para as semifinais.

Na próxima fase do torneio mata-mata, o Fla terá pela frente o Botafogo, que venceu o Atlético-MG por 3 a 0, também nesta quarta-feira, no Rio de Janeiro. O primeiro embate entre as equipes acontece no dia 16 de agosto. Antes disso, porém, o time comandado por Zé Ricardo mira suas forças no Campeonato Brasileiro, onde pega o Corinthians no domingo, às 16h (de Brasília), em Itaquera.

Já o Santos, fora da Copa do Brasil, viaja até Porto Alegre para encarar o Grêmio, também no domingo, às 19h, pela 17ª rodada do Brasileirão.

O jogo:

Como uma boa final deve ser, o duelo começou eletrizante na Vila. Precisando reverter a vantagem de 2 a 0 do Flamengo, o Santos se lançou ao ataque desde os primeiros minutos, mas esbarrou na defesa bem postada do Rubro-Negro, que aproveitou um contragolpe e jogou um balde de água gelada na torcida santista.

Logo aos nove minutos, Diego, ex-Menino da Vila, deu lindo passe para Berrío. O colombiano ganhou da zaga na corrida e bateu por cima de Vanderlei para abrir o placar e aumentar a vantagem do Mengão.

Com tento sofrido, o alvinegro passou a precisar vencer por 4 a 1 para avançar na Copa do Brasil. Mesmo com a missão ingrata, os santistas não se abateram e quase chegaram ao empate no lance seguinte, quando Victor Ferraz cruzou na área e Copete cabeceou muito perto da trave direita e Muralha.

Após a chance perdida, porém, o Peixe começou a sentir o nervosismo da desvantagem e não conseguiu chegar com qualidade ao ataque. Já o Flamengo, satisfeito com o resultado, passou a ‘cozinhar’ o Santos no meio de campo, além de fazer a famosa ‘cera’ em cada falta marcada pelo árbitro Leandro Vuaden.

Sem conseguir penetrar na zaga do Mengão, o alvinegro começou a arriscar chutes de longa distância. De tanto tentar, a equipe comandada por Levir Culpi alcançou o empate. E foi em grande estilo. Aos 33 minutos, Bruno Henrique avançou pela esquerda e soltou uma bomba de fora da área. A bola entrou na gaveta, sem chances para Muralha.

A igualdade deu um novo ânimo ao Peixe, que passou a pressionar o Flamengo. Porém, uma polêmica aos 40 minutos acabou roubando a cena no jogo. Bruno Henrique recebeu passe no meio, avançou para dentro da área e foi derrubado por Réver. Pênalti marcado para o Peixe.

Mas após assinalar a infração, Leandro Vuaden foi bastante pressionado pelos flamenguistas, conversou com o quarto árbitro e acabou anulando a penalidade, alegando que o zagueiro tocou na bola e cometeu falta no lance. Os santistas se revoltaram com a arbitragem e gritos de ‘vergonha’ foram ouvidos na Vila. Porém, o primeiro tempo acabou mesmo no 1 a 1.

Precisando marcar mais três vezes para avançar, o Santos viu o Flamengo jogar um novo balde de água congelada logo no primeiro minuto de jogo. Everton passou como quis pela zaga do Peixe e rolou para Guerrero. Matador, o peruano bateu firme para fazer 2 a 1 na Vila.

Porém, quem achou que o Rubro-Negro ‘matou’ o duelo e foi dormir, perdeu um jogaço em Urbano Caldeira. Sete minutos depois, Copete subiu mais que todo mundo em cobrança de escanteio e empatou novamente.

Na jogada seguinte, Bruno Henrique ajeitou para Victor Ferraz, que chutou forte e virou a partida para o Peixe.

Após a virada, a torcida enlouqueceu na Vila Belmiro. Porém, o Flamengo conseguiu segurar a pressão do alvinegro e voltou a ‘esfriar’ o jogo, abafando a pressão dos santistas. No último minuto, Copete ainda conseguiu marcar o quarto. Mas não havia tempo para mais nada. Faltou um gol para o Santos e o Rubro-Negro saiu de Urbano Caldeira com a classificação.

Bastidores – Santos TV:

Santos envia ofício à CBF acusando repórter e pedindo anulação de jogo com Fla

O Santos enviou um ofício à CBF na tarde desta quinta-feira pedindo a anulação da vitória por 4 a 2 sobre o Flamengo, na última quarta, que culminou na eliminação do Peixe nas quartas de final da Copa do Brasil. Segundo o clube, o motivo é a interferência externa na decisão do árbitro Leandro Pedro Vuaden, que voltou atrás na marcação de um pênalti a favor do alvinegro.

Os santistas acusam o repórter Eric Faria, da TV Globo, de ter se comunicado com o quarto árbitro, Flávio Rodrigues, que foi quem avisou Vuaden antes da decisão final de anular a penalidade.

No documento, a diretoria do Peixe pediu uma série de intervenções: a anulação da partida, punição do sexteto de arbitragem, proibição da presença de repórter na beira do campo em todos os jogos realizados pela CBF e descredenciamento do jornalista citado no documento.

Como álibi, o Santos cita o exemplo do clássico Fla-Flu de outubro de 2016, quando alguns dirigentes do tricolor acusaram Eric Faria de ‘proteção’ ao Rubro-Negro. O repórter da Globo usou o Twitter para se defender da polêmica. “Alguns me acusam de ter falado com o 4 arbitro. Leviano. Mentiroso. Quem estava mais perto dele? O Levir Culpi. Cuidem de suas frustrações”, citou o jornalista em seu Twitter.

Confira o ofício enviado pelo Santos na íntegra:

“A
CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL
Avenida Luís Carlos Prestes, nº 130
Barra da Tijuca -Rio de Janeiro
CEP: 22.775-055

Ref.: arbitragem na partida da Copa do Brasil ente Santos e Flamengo, de 26/07/2017

Ilustríssimo Sr. Presidente da CBF, Dr. Marco Pólo Del Nero

Vimos, pelo presente, apresentar para vosso conhecimento, os fatos repugnáveis ocorridos ontem, 26 de julho de 2017, em partida de volta das quartas de final da Copa do Brasil, entre Santos e Flamengo.

Tais fatos influenciaram diretamente no resultado da partida e, principalmente, na não classificação do Santos para as semifinais da competição.

Ocorre que aos 40 minutos do primeiro tempo, quando o placar da partida estava empatado em 1 a 1, o árbitro Leandro Pedro Vuaden anotou um pênalti do zagueiro Réver, do Flamengo, sobre o atacante Bruno Henrique, do Santos. Insistimos: ele anotou a penalidade.

O árbitro, autoridade máxima da partida, estava a poucos metros de distância do lance e interpretou o contato do zagueiro com o atacante como faltoso e dentro dos limites da grande área. Porém, mais de 1 minuto após de sua marcação, influenciado pelo 4º árbitro, Sr. Flavio Rodrigues de Souza, que estava na linha de meio-campo, a penalidade foi cancelada e o Sr. Vuaden determinou a cobrança de escanteio.

Novamente, estamos diante de um caso em que o árbitro revoga sua marcação por comunicação do quarto árbitro, cuja participação teria sido provocada pelo repórter de campo, Sr. Eric Faria, da Rede Globo de televisão, que é elemento alheio ao certame, devendo se comportar como jornalista e não como torcedor de seu time do coração.

Aliás, esta atitude do repórter parece ser recorrente, visto que já foi criticada pela Diretoria do Fluminense.

Reportar ao 4º árbitro sua impressão do lance após ver replay na televisão não é função nem atitude condizente com um jornalista esportivo.

Esta ação repudiável foi testemunhada por dezenas de pessoas e pode ser constatada no vídeo da partida e em fotografias tiradas por outros veículos de mídia.

Destacamos que é a terceira oportunidade recente em que interferências externas atuam na remarcação de lances capitais de partidas de futebol no Brasil, a saber:

– Fluminense x Flamengo, em 13 de outubro de 2016;
– Avaí x Flamengo, em 11 de junho de 2017;
– Santos x Flamengo, em 26 de julho de 2017;

Entendemos que tais fatos devam ensejar a anulação da partida, pelo bem do futebol nacional e da credibilidade da entidade que V.Sa preside.

As decisões do árbitro são soberanas e a interferência externa não é autorizada pela FIFA ou CBF, tampouco recomendada pela comissão de arbitragem nacional.

Do ponto de vista desportivo e institucional, solicitamos as providências perante a comissão de arbitragem, para análise da conduta do árbitro e seus auxiliares, bem como junto a detentora dos direitos de transmissão sobre a postura de seus prepostos.

Não obstante, solicitamos a V.Sa que tome as providências no sentido de:

a) Anular a partida;
b) Proibir que repórteres permaneçam na lateral do campo e se comuniquem com a equipe de arbitragem durante as partidas;
c) Punir adequadamente a equipe de arbitragem que atuou em referida partida;
d) Descredenciar o Sr. Eric Faria como repórter de campo.

Certos de sua compreensão e providências, firmamos a presente com o respeito e as homenagens de praxe.”