Navegando Posts marcados como Vila Belmiro

Santos 3 x 0 Fluminense

Data: 27/10/2018, sábado, 16h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 31ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 8.680 pagantes
Renda: R$ 165.563,50
Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC)
Auxiliares: Henrique Neu Ribeiro e Eder Alexandre (ambos de SC).
Cartões amarelos: Robson Bambu e Gabigol (S); Airton, Fernando Neto e Marlon (F).
Gols: Gabriel (38-2, de pênalti), Victor Ferraz (42-2) e Carlos Sánchez (43-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Robson Bambu e Dodô; Alison (Bryan Ruíz), Carlos Sánchez e Diego Pituca; Rodrygo (Copete), Gabriel e Bruno Henrique (Derlis González).
Técnico: Cuca

FLUMINENSE
Rodolfo; Igor Julião, Frazan (Alex), Paulo Ricardo e Marlon; Aírton (Mateus Norton), Dodi, Fernando Neto e Daniel (Cabezas); Marcos Júnior e Júnior Dutra.
Técnico: Marcelo Oliveira



Santos desencanta no fim, derrota o Flu e cola no G6 do Brasileiro

O Santos colou no G6 do Campeonato Brasileiro na tarde deste sábado. Jogando na Vila Belmiro, em duelo direto entre duas equipes que almejam uma vaga na Copa Libertadores, o Peixe não fez um bom primeiro tempo, mas acordou na etapa final e venceu o time alternativo do Fluminense por 3 a 0, com gols de Gabriel, Victor Ferraz e Carlos Sánchez, todos anotados nos últimos minutos da partida.

Com o resultado, a equipe dirigida por Cuca chegou aos 46 pontos, empatando com o sexto colocado Atlético-MG, que está à frente por ter uma vitória a mais – o Galo só entra em campo na segunda-feira, contra o Ceará, na Arena Castelão. O Fluminense, por sua vez, ficou no nono lugar, com 40 pontos, mas pode perder posições até o final do dia.

O jogo

O primeiro tempo foi disputado em ritmo lento, com ambos os times criando poucas chances de gol. O Santos, porém, começou pressionando nos minutos iniciais explorando as jogadas de linha de fundo. A zaga carioca, bem postada, suportou os ataques alvinegros.

Aos oito minutos, o Fluminense assustou. Após cobrança de escanteio, Fernando Neto pegou o rebote e arriscou de fora da área, exigindo grande defesa de Vanderlei. O lance, contudo, já havia sido paralisado por impedimento.

Apesar de ter o domínio da posse de bola, o Santos errava muitos passes e tinha dificuldades de entrar na defesa tricolor. O Fluminense, por sua vez, conseguiu chegar com algum perigo por meio da bola aérea, mas também pouco ameaçou a meta de Vanderlei na primeira parte do jogo.

Para tornar o Peixe mais criativo, Cuca voltou com Derlis González no lugar do apagado Bruno Henrique. Com o paraguaio, o time da casa precisou de pouco tempo para mostrar outra postura. Aos três minutos, Lucas Veríssimo cabeceou no canto, fazendo o goleiro do Fluminense trabalhar.

Pouco depois, Rodrygo subiu livre e testou com força, mas Rodolfo conseguiu espalmar a bola para o travessão. Aos 11 minutos, Gabigol perdeu chance incrível de abrir o placar. Em grande jogada individual pela esquerda, Rodrygo foi até a linha de fundo e cruzou rasteiro. A bola desviou e sobrou limpa para o camisa 10, que isolou por cima.

O Santos teimava em fazer o goleiro do Fluminense trabalhar. Aos 17 minutos, após mais um levantamento na área, Rodrygo bateu de primeira, mas Rodolfo evitou o gol da equipe mandante. Aos 28, Victor Ferraz cruzou na medida para Carlos Sánchez, que testou na direção do gol. Frazan, contudo, salvou quase em cima da linha.

De tanto insistir, o Santos finalmente abriu o placar na Vila Bemiro. Aos 36 minutos, Gabriel foi derrubado por Alex na área. Na cobrança do pênalti, o artilheiro do Brasileirão bateu forte, no alto, desta vez sem chances de defesa para Rodolfo. O gol abriu a defesa carioca, que ainda seria vazada mais duas vezes: primeiro por Victor Ferraz, depois por Carlos Sánchez.

Bastidores – Santos TV:

Gabriel marca o gol de número 12.500 da história do Santos

Gabriel Barbosa escreveu mais um importante capítulo da história do Santos na tarde deste sábado. Ao abrir o placar em cobrança de pênalti na vitória por 3 a 0 sobre o Fluminense, na Vila Belmiro, o atacante anotou o gol de número 12.500 da história do clube paulista.

O Menino da Vila já havia marcado o tento de número 12 mil em fevereiro de 2014, quando tinha apenas 17 anos, em goleada por 5 a 1 sobre o Botafogo-SP, na Vila Belmiro, pelo Campeonato Paulista. Quatro anos depois, o camisa 10 volta a ser orgulhar de mais uma marca importante em sua carreira.

“Muito contente por mais uma placa. Se eu ganhar, né (risos). Mas estou muito feliz. Fiz o gol 12.000, agora o 12.500. Deus está me abençoando bastante. Glorifico esse momento não só meu, mas também da equipe”, celebrou à TV Globo, na saída de campo.

Apesar do placar elástico, o Santos encontrou dificuldades diante do Fluminense. Tanto que só abriu o marcador aos 38 minutos, com Gabigol, que converteu o pênalti sofrido por ele mesmo. Depois, aos 42 e 43, respectivamente, Victor Ferraz e Carlos Sánchez deram números finais à partida.

“A gente sabia que seria muito complicado. O Fluminense não veio com o time titular, mas tinha muita qualidade. A gente sabia disso. O primeiro tempo foi complicado, mas sabíamos que quando fizéssemos o primeiro gol as coisas poderiam abrir, como abriu”, completou.

Com o resultado, o Santos chegou aos 46 pontos e colou de vez no G6 do Campeonato Brasileiro. O Atlético-MG, que entra em campo somente na segunda-feira, é o sexto colocado, com a mesma pontuação, mas tem uma vitória a mais.

Cuca revela bronca no intervalo e celebra momento do Santos

Após um primeiro tempo sonolento, o Santos acordou na etapa complementar e venceu o Fluminense por 3 a 0 na tarde deste sábado, na Vila Belmiro. Após a partida, o técnico Cuca revelou ter dado uma bronca para mexer com o brio dos jogadores no intervalo.

“Eu gosto desses meninos como filhos. Faço tudo o que posso por eles, mas tem dias que você tem de pegar um pouquinho mais pesado. É bom dar uma chacoalhada de vez em quando. Eles responderam muito bem. No geral, temos feito dois tempos equilibrados”, declarou o treinador.

Depois de um primeiro tempo em que correu riscos na bola aérea do Fluminense, o Santos voltou para a segunda etapa com Derlis González no lugar de Bruno Henrique. Com a entrada do paraguaio, Rodrygo e Gabigol cresceram de produção.

“A gente mexe o lugar do Rodrygo para ter uma condição melhor. Hoje, no segundo tempo, ele achou o espaço dele. Participou do segundo gol, cabeceou uma bola na trave, jobou bem. Depois saiu para a entrada do Copete, que veio para fortalecer o jogo aéreo”, explicou Cuca.

Depois de tanto insistir, o Santos abriu o placar aos 38 minutos com Gabigol, de pênalti, sofrido por ele mesmo. O Fluminense, então, se abriu e acabou levando outros dois, anotados por Victor Ferraz e Carlos Sánchez, aos 42 e 43, respectivamente.

Com a vitória, a quarta em cinco jogos, o Santos chegou aos 46 pontos e colou de vez no G6 do Campeonato Brasileiro. O Atlético-MG, que entra em campo somente na segunda-feira, é o sexto colocado, com a mesma pontuação, mas tem uma vitória a mais.

“A gente vem em uma recuperação muito boa. Estamos jogando um bom futebol. Não é sempre, mas na maioria temos jogado bem. Isso é devido aos treinamentos. Faltando sete jogos, a gente tem uma ambição, que é chegar na Libertadores. Temos de fazer o melhor. Sábado tem o Palmeiras, um jogo duríssimo, temos que nos preparar bem”, concluiu.

Dodô reitera desejo de ficar no Santos, mas foca em classificação

O lateral esquerdo Dodô reiterou o desejo de permanecer no Santos em 2019. O clube, que também tem interesse na sequência da parceria, disputa uma vaga na Copa Libertadores por meio do Campeonato Brasileiro, após o qual a renovação deverá ser sacramentada.

“Eu gostaria de ficar. Já falei disso no começo do ano. Tem que sentar quando acabar o campeonato e ver a melhor maneira para eu conseguir ficar”, disse, à Rádio Globo, após a vitória por 3 a 0 sobre o Fluminense, no último sábado, na Vila Belmiro.

Embora Dodô negue publicamente o início das conversas, o Peixe já abriu as negociações com o estafe do jogador, emprestado pela Sampdoria-ITA até o dia 31 de dezembro deste ano.

A tendência é que a diretoria encabeçada por José Carlos Peres pague a multa no valor de 1,5 milhão de euros (cerca de R$ 6,2 milhões na cotação atual) para ter o atleta em definitivo.

“Mais importante que a renovação é o Santos chegar na Libertadores. É o foco do momento. Quero pensar no grupo, na vaga que ainda é possível. Quando a situação tiver definida, a gente pensa na renovação. Vamos continuar sonhando”, declarou.

A sete rodadas do fim do Brasileirão, o Santos ocupa o sétimo lugar com 46 pontos, ficando atrás do Atlético-MG por ter uma vitória a menos. O quinto e sexto colocados avançam para a pré-Libertadores.

Satisfeito com a atuação do time no triunfo de sábado, Dodô já projetou o clássico contra o Palmeiras, no próximo sábado, no Allianz Parque. “O importante é que a bola entrou no segundo tempo. Concretizamos nosso domínio nos 90 minutos. Merecemos o placar”, avaliou.

“São três pontos na nossa luta. O time está de parabéns. Temos uma semana para descansar e preparar para esse jogo no sábado, contra o Palmeiras. Vamos continuar sonhando com essa vaga”, concluiu.


Santos 1 x 0 Atlético-PR

Data: 30/09/2018, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 27ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 7.802 pagantes
Renda: R$ 141.257,00
Árbitro: Caio Max Augusto Vieira (RN)
Auxiliares: Jean Marcio dos Santos e Vinicius Melo de Lima (RN).
Cartões amarelos: Paulo André, Lucho González, Nikão, Léo Pereira e Márcio Azevedo (A).
Gol: Carlos Sánchez (51-2, de pênalti).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Robson Bambu (Luiz Felipe), Gustavo Henrique e Dodô; Alison, Diego Pituca e Carlos Sánchez; Rodrygo, Bruno Henrique (Kaio Jorge) e Eduardo Sasha (Derlis González)
Técnico: Cuca

ATLÉTICO-PR
Santos; Diego, Léo Pereira, Thiago Heleno e Renan Lodi; Lucho González (Bruno Guimarães) e Wellington; Raphael Veiga, Marcinho (Rony), Nikão (Marcio Azevedo) e Marcelo Cirino
Técnico: Tiago Nunes



Na marra, Santos vence o Atlético-PR na Vila e fica mais perto do G-6

Na marra, o Santos venceu o Atlético-PR por 1 a 0 na tarde deste domingo, na Vila Belmiro, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro. O gol foi marcado por Carlos Sánchez, de pênalti, aos 51 minutos do segundo tempo. A penalidade em Dodô foi duvidosa e gerou muita reclamação.

O Peixe desperdiçou várias chances e só marcou no fim, quando tudo caminhava para o empate. Os três pontos fazem o alvinegro ficar mais perto da Libertadores da América em 2019, agora na oitava colocação, com 36. O Furacão caiu para o 12º lugar e está mais longe da competição continental.

O jogo

O Santos se lançou ao ataque desde o primeiro minuto e pressionou o Atlético-PR durante 20 minutos. Os visitantes equilibraram a partida por pouco tempo e depois voltaram a sofrer, sem conseguir contra-atacar. E o Peixe voltou a sofrer com um problema recorrente: o das finalizações.

Aos 15 minutos, Carlos Sánchez recebeu de Victor Ferraz e bateu forte, para boa defesa de Santos. Aos 36, também pela direita, Rodrygo avançou e chutou forte para outra defesa segura do goleiro atleticano.

Sem espaço para contra-atacar, o Atlético-PR assustou em duas finalizações de longe de Nikão: primeiro aos dois minutos e depois aos 43.

O cenário não foi alterado para o segundo-tempo, mas o Santos teve ainda mais dificuldade para criar jogadas diante de um Atlético-PR mais cauteloso.

Aos oito minutos, os santistas sofreram um susto. Nikão cobrou falta e Vanderlei falhou ao dar rebote para a pequena área. Lucho González fez o gol, mas a arbitragem assinalou o impedimento de forma correta.

Aos 12 minutos, o Santos voltou a pressionar, primeiro com Bruno Henrique, que por pouco não aproveitou cruzamento de Victor Ferraz, e na sequência por duas vezes com Carlos Sánchez, para duas boas defesas de Santos aos 13 e aos 15.

O jogo ficou mais aberto depois das chances do Santos. O Atlético-PR finalizou com Marcinho, por cima do gol, e, na volta, aos 17, Rodrygo chutou de esquerda para Santos defender de novo.

A emoção só voltou ao jogo no minuto 37, quando Nikão cruzou e Marcelo Cirino cabeceou perto da trave de Vanderlei. E quando tudo caminhava para o empate, Dodô sofreu pênalti e Carlos Sánchez, aos 51 minutos, bateu com categoria para converter.

Bastidores – Santos TV:

Após vitória, Cuca cita “espiritualidade” em Santos e pede clássico na Vila

Após a vitória do Santos por 1 a 0 sobre o Atlético-PR neste domingo, na Vila Belmiro, o técnico Cuca voltou a fazer um pedido ao presidente José Carlos Peres: clássico contra o Corinthians, dia 13, na Baixada Santista.

O treinador cita seus motivos, ratifica o desejo dele e do elenco e deixa a decisão “para quem manda”.

“Conversamos com o presidente há alguns dias. Sabemos da força em São Paulo, torcida muito maior, ninguém quer dividir o Santos em dois, apenas tecnicamente falando, nó nos sentimos mais fortalecidos em casa. Que adversário desça a serra, venha na espiritualidade da Vila. É opinião da comissão e de todos os jogadores, mas quem manda é o presidente”, disse Cuca.

“Estamos no nosso habitat, concentramos a 5 minutos, no clima, sabemos do campo, torcida, família. Adversário viaja, pega comboio, entra nessa espiritualidade e é importantíssima. Pequenos fatores fazem diferença. É diferente de viajar, pegar hotel em SP, espera dia inteiro, vai ao Pacaembu onde nunca treina e às vezes joga. Por isso não jogamos tão bem lá quanto aqui. Temos que jogar às vezes lá, é minha opinião, mas clássico tem que ser na Vila, a não ser por necessidade ou outra e somos funcionários e vamos acatar. No Paulista, com Corinthians foi lá. Vamos torcer para que seja aqui. Se não for aqui, vai ser no Pacaembu”, completou.

Em uma das respostas, Cuca cometeu um “ato falho” ao citar o clássico na Vila. Um repórter o questionou e ele brincou.

“Temos condição de um certo alívio em vencer e agora encaminhar os próximos jogos. Vitória na sexta e depois o Corinthians na Vila… Pescou, né?”, concluiu.

Kaio Jorge vibra por estreia no Santos: “Não há palavras”

Aos 16 anos, Kaio Jorge estreou como jogador profissional do Santos na vitória por 1 a 0 sobre o Atlético-PR neste domingo, na Vila Belmiro, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro.

A joia entrou aos 36 minutos do segundo tempo, no lugar de Bruno Henrique, e teve atuação discreta. Ele foi promovido neste mês ao elenco profissional.

“Hoje foi minha estreia pelo Santos, clube que me formou e hoje me deu a oportunidade de iniciar uma História como jogador Profissional. Não há palavras que descrevam esse sentimento, apenas a gratidão e o compromisso de que a cada dia vou me dedicar e honrar esse manto”, publicou Kaio nas suas redes sociais.

Cuca explicou a entrada do garoto. Sem Gabigol, suspenso, e Felippe Cardoso lesionado, o técnico sentiu a necessidade de um centroavante.

“Quando saiu o Sasha, sem condição dos 90 minutos, foi onde deu e estava caindo de produção com desgaste e campo pesado. Precisávamos de centroavante, tentamos com Bruno Henrique, não foi suficiente, precisávamos de um, o jogo pedia, estávamos cruzando muito. Precisávamos de definição. Era ele ou Yuri Alberto, optamos por ele para vê-lo pela primeira vez. Tudo é experiência, ele tem futuro promissor. Não é jogo de aparecer muito, Atlético jogou fechado e explorando contra-ataque, jogo perigoso, e não tem como pressionar e não dar contra-ataque. Tiveram duas ou três, mas soubemos comandar o jogo no campo adversário. O caminho era cruzar, por dentro estava congestionado, achamos superioridade numérica pelo lado direito e por ali cruzávamos, por isso colocamos centroavante para colocar a bola para dentro porque estava passando muito”, explicou Cuca.

Kaio Jorge tem contrato de formação até janeiro de 2020 e o primeiro acordo profissional está apalavrado. Falta o empresário voltar da Europa para assinar com o Santos.


Santos 0 x 0 São Paulo

Data: 16/09/2018, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 25ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 13.488 pagantes
Renda: R$ 276.596,00
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)
Auxiliares: Guilherme Dias Camilo e Sidmar Meurer (ambos de MG).
Cartões amarelos: Robson Bambu, Derlis González, Diego Pituca, Alison, Bruno Henrique, Gustavo Henrique e Victor Ferraz (S); Bruno Alves, Arboleda, Hudson, Anderson Martins e Joao Rojas (SP).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Robson Bambu, Gustavo Henrique e Dodô; Alison, Diego Pituca e Carlos Sánchez (Bruno Henrique); Derlis González (Felippe Cardoso), Rodrygo (Arthur Gomes) e Gabriel.
Técnico: Cuca

SÃO PAULO
Sidão; Arboleda, Bruno Alves, Anderson Martins e Reinaldo; Jucilei, Hudson e Nenê; Joao Rojas (Everton Felipe), Diego Souza (Tréllez) e Everton (Liziero).
Técnico: Diego Aguirre



São Paulo segura empate com o Santos na Vila e dorme na liderança

Santos e São Paulo fizeram um clássico tenso e de ataque contra defesa, na tarde deste domingo, na Vila Belmiro. Empurrado por sua torcida, o Peixe buscou mais o jogo, criou chances de gol, mas não conseguiu furar o sólido sistema defensivo do Tricolor, que segurou o empate por 0 a 0, finalizado com 11 cartões amarelos.

Com o resultado, o São Paulo chegou aos 50 pontos e assumiu provisoriamente a liderança do Campeonato Brasileiro. O time dirigido por Diego Aguirre, contudo, pode ser ultrapassado nesta segunda-feira pelo Internacional, que visita a Chapecoense. O Santos, por sua vez, permanece no oitavo lugar, com 32 pontos, dez abaixo do G6.

O jogo

O primeiro tempo foi de um time só. Aos cinco minutos, Rodrygo fez fila pela esquerda e só foi parado com falta dura de Bruno Alves, que foi advertido com cartão amarelo. Aos 13, os anfitriões reclamaram de pênalti, após disputa pelo alto entre Dodô e Joao Rojas, que viu a bola tocar em sua mão dentro da área. O juiz, contudo, assinalou falta no são-paulino.

Pouco depois, após boa trama pela esquerda, Carlos Sánchez recebeu cruzamento e testou na entrada da pequena área, mas Sidão, bem colocado, agarrou a bola. Aos 30 minutos, Rodrygo arrancou pela esquerda em rápido contra-ataque, invadiu a área, cortou para o meio, mas bateu desequilibrado, facilitando o trabalho de Sidão.

Sem conseguir agredir o time da casa, o São Paulo continuou sofrendo. Aos 35 minutos, Rodrygo foi até a linha de fundo e cruzou rasteiro. A bola passou por Sidão e chegaria aos pés de Gabigol não fosse Reinaldo, que afastou o perigo. Pouco antes do intervalo, Arboleda, que atuou improvisado na lateral direita, levou o amarelo por falta em Sánchez, e Everton, com dores musculares, foi substituído por Liziero.

A etapa complementar começou quente. Antes de o relógio marcar um minuto de jogo, Robson Bambu recebeu cartão amarelo por falta dura em Liziero. Em seguida, Hudson foi advertido por derrubar Dodô. Com uma postura um pouco mais ofensiva, o São Paulo quis mostrar que voltou com outra atitude e fez Vanderlei trabalhar em chute de Rojas de fora da área.

O Santos respondeu aos dez minutos, quando Gabriel recebeu lançamento de Sánchez no bico da grande área e arriscou, mandando pelo lado de fora da rede. Aos 20, aparecendo mais no segundo tempo, o camisa 10 colocou a bola entre as pernas de Reinaldo na linha de fundo, mas cruzou nas mãos de Sidão.

Em busca do gol, Cuca promoveu a estreia do atacante Felippe Cardoso, que entrou na vaga de Derlis González. Aos 27 minutos, Rodrygo teve a bola do jogo em seus pés. Após lançamento de Pituca, o garoto se antecipou a Arboleda e saiu na cara de Sidão. O atacante, porém, quis tirar muito do goleiro e mandou para fora, desperdiçando chance incrível.

Diego Aguirre, então, colocou Tréllez e Everton Felipe nos lugares de Diego Souza e Rojas. Cuca respondeu tirando Sánchez e Rodrygo para as entradas de Bruno Henrique e Arthur Gomes. No fim, o São Paulo ainda teve uma chance em cobrança de falta na meia-lua da área santista, mas Nenê mandou na barreira e não conseguiu mexer no placar.

Bastidores – Santos TV:

Cuca vê Santos em evolução e celebra bom momento defensivo

Depois da partida, o treinador Cuca comemorou a boa fase da equipe praiana e o trabalho de todo o sistema defensivo.

“É muito bom estar oito jogos sem tomar gol em um campeonato tão duro, com Libertadores. O último que tomamos foi no comecinho contra o Cruzeiro. Tivemos uma zaga nova que se firmou. Pessoal está de parabéns, Gustavo Henrique e Bambu. Estamos muito contentes com a zaga e o sistema todo, que começa lá na frente”, declarou o comandante do Alvinegro.

O treinador do Peixe também elogiou a evolução que sua equipe vem mostrando nas últimas partidas e também comentou os lances de jogada ensaiada que o Santos tentou no confronto contra o Tricolor.

“O momento hoje é de autoestima elevada, as coisas fluem melhor, bastante intensidade, jogando pelo lado. A torcida vê que o time é muito forte, competitivo e tem qualidade”, disse ele. “Está melhorando pouco a pouco. Hoje fizemos algumas jogadas diferentes em termos de movimentação, envolvemos o adversário. A cada semana vamos evoluir um pouco mais”.

“Uma jogada ensaiada são cinco ou seis cabeças pensando as mesmas coisas. A bola pegou um pouco mal no Gabriel. Já está desenhando, isso que é bom”, completou Cuca.

Cuca lamenta empate no clássico e evita falar da arbitragem

O Santos empatou com o São Paulo por 0 a 0 neste domingo e, apesar do resultado, o técnico Cuca saiu satisfeito com o que sua equipe mostrou em campo. O treinador elogiou a atuação dos seus jogadores e lamentou o resultado, que, na visão dele, poderia ter sido uma vitória.

“O resultado eu acho que poderia ser uma vitória nossa, principalmente pelo que fizemos no primeiro tempo fantástico, com variação, não teve aquela chance clara, mas a qualquer momento poderia sair. Infelizmente não foi possível. Segundo tempo ninguém aguenta jogar num ritmo tão frenético, mesmo assim tivemos duas grandes oportunidades. Em um clássico com poucas chances, uma tem que entrar. Não era o dia hoje”, declarou o comandante do Alvinegro.

O comandante da equipe praiana se mostrou bastante enérgico com a arbitragem após o apito final em um lance que poderia ser um contra-ataque do Peixe. Contudo, Cuca evitou fazer críticas e elogiou Ricardo Marques Ribeiro.

“O final (da partida) foi o lance da falta que geraria um contra-ataque, nos trouxe lembranças antigas. O arbitro teve uma boa arbitragem jogo duro, decisivo, tentamos de todas as formas colocar a equipe para frente, mas não foi possível. O torcedor sai da Vila satisfeito com o que viu”, afirmou.

“Não vou falar da arbitragem. O cara está lá dentro, pressão enorme, os clubes fazendo relatório e uma pressão tremenda. Não é fácil apitar um jogo desse, teve seus errinhos, mas foi bem”, completou.

Alison elogia atuação do Santos e comemora sequência sem sofrer gols

O Santos conseguiu jogar melhor do que o São Paulo no empate por 0 a 0 neste domingo e, após a partida, o volante Alison elogiou a atuação da equipe da Vila Belmiro e ainda comemorou o oitavo jogo consecutivo sem sofrer gols.

“Jogo difícil. Clássico tem dificuldade. Acredito que fizemos um excelente primeiro tempo, um bom segundo, tivemos chances, mas não conseguimos. Faz parte”, declarou o jogador ao Premiere na saída de campo.

“Muito bom, importante. Sabemos da importância de estar bem defensivamente, não sofrer gols. Espero que a gente possa continuar”, completou o atleta sobre a boa fase defensiva do Peixe.

Depois de falta cobrada por Nenê, o juiz encerrou a partida em contra-ataque do Santos. Diversos atletas da equipe da casa reclamaram e Cuca ficou muito bravo com o lance. Alison explicou o que aconteceu no lance.

“A gente teria um contra-ataque. Não era uma chance de gol clara, mas nós teríamos a possibilidade de criar uma boa chance e ele decidiu terminar o jogo. Não sei se ele acertou ou não”, disse ele antes de declarar que não ouviu o que o técnico do Alvinegro falou para a equipe de arbitragem. “Acabei não escutando, preferi sair da confusão”.

Cuca isenta Rodrygo por gol perdido e explica Bruno Henrique no banco

Em uma das melhores oportunidades do clássico contra o São Paulo, que terminou empatado em 0 a 0, Rodrygo saiu cara a cara com o goleiro Sidão e finalizou para fora. Após a partida, Cuca isentou a jovem promessa pelo lance.

“É diferente com o Rodrygo do que o Gabriel porque ele não é cobrado pela torcida, nem é vaiado. É um menino que todos têm confiança. Ele faz o corte da ponta para o meio e foi meia contra o Paraná. Ele teve a infelicidade na conclusão. Ele não precisa, com 17 anos, se preocupar por não marcar gol. Daqui a pouco a bola sobra e marca”, afirmou.

Apesar de ter preparado a equipe para atuar com Bruno Henrique de titular, Cuca colocou Derlis González nos 11 iniciais. O técnico da equipe da Vila Belmiro explicou porque mudou a estratégia de última hora. Ele ainda comentou a estreia de Felipe Cardoso.

“O Bruno Henrique teve um quadro febril e de dor de garganta. Ele não estava com condição de jogar o jogo inteiro. Treinei com ele para ser titular e o Derlis para entrar no meio do jogo, porque um jogo desse você não ganha no começo, ganha no meio e no fim. Não deu, mudamos a estratégia e ele entrou no fim”, explicou.

“(O Felipe Cardoso) não está habituado (com o time). Chegou a essa semana, mas o jogo pedia o pivô. Demos um passo atrás no Gabriel e não dá para julgar ele por esse jogo. Ele podia ter feito o gol, mas não teríamos julgado. É uma característica diferente que precisávamos” completou Cuca.


Santos 2 x 0 Bahia

Data: 25/08/2018, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 21ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 11.564 pagantes
Renda: R$ 201.458,00
Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC)
Auxiliares: Henrique Neu Ribeiro e Eder Alexandre (SC).
Cartões amarelos: Bruno Henrique (S); Elton e Douglas Grolli (B).
Gols: Derlis González (11-2) e Gabriel (28-2).

SANTOS
Vanderlei, Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique (Robson Bambu) e Dodô; Diego Pituca, Carlos Sánchez e Rodrygo; Derlis González, Bruno Henrique (Bryan Ruiz) e Gabriel (Eduardo Sasha).
Técnico: Cuca

BAHIA
Anderson; Nino Paraíba, Tiago (Everson), Douglas Grolli (Paulinho) e Léo; Gregore e Elton; Vinícius (Regis), Zé Rafael e Elber; Edgar Junio.
Técnico: Enderson Moreira



Derlis brilha, Gabigol marca e Santos vence o Bahia na Vila Belmiro

O Santos confirmou a reação no Campeonato Brasileiro e voltou a vencer na Vila Belmiro, desta vez por 2 a 0 contra o Bahia, neste sábado, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe contou com um show de Derlis González para construir o placar. Novidade na escalação, o paraguaio fez um golaço e ainda deu a assistência para Gabigol ampliar no segundo tempo.

Uma alteração de Cuca foi crucial no intervalo. Depois da opção por quatro atacantes não funcionar na primeira etapa, o técnico tirou Bruno Henrique, o pior em campo, para a entrada de Bryan Ruiz. A substituição equilibrou o meio-campo e fez os donos da casa melhorarem.

O Santos voltará a campo para enfrentar o Independiente-ARG na próxima terça-feira, no Pacaembu, pela volta das oitavas de final da Libertadores da América. O Peixe aguarda pelo julgamento da Conmebol, na segunda-feira, para saber se o empate por 0 a 0 em Avellaneda será mantido ou se a derrota por 3 a 0 pela escalação irregular de Carlos Sánchez será declarada.

O jogo

O primeiro tempo foi morno do início ao fim. O Santos tentou controlar o jogo e dominar as ações ofensivas, mas esbarrou em um meio-campo pouco produtivo e atuações discretas de Rodrygo, Bruno Henrique e Gabigol. Derlis González foi o destaque.

Enquanto isso, o Bahia se defendeu bem e criou a melhor chance dos primeiros 45 minutos. Zé Rafael foi à linha de fundo e cruzou fechado, o goleiro Vanderlei passou batido, Daniel Guedes vacilou e Edgar Junio, sozinho na pequena área, pegou de raspão e chutou para fora.

Aos 17 minutos, depois de choque de cabeça com Gregore, Gustavo Henrique teve que sair. O zagueiro tentou voltar com uma touca por conta do sangramento, mas não aguentou. Robson Bambu, que não atuava desde o dia 11 de março, entrou “na fogueira”.

Substituição e show do paraguaio
Cuca fez uma substituição decisiva no intervalo. Bruno Henrique, o pior em campo, saiu para a entrada de Bryan Ruiz. O costarriquenho não foi brilhante, mas equilibrou o meio-campo depois da formação com quatro atacantes não funcionar.

O Santos passou a sofrer menos e se mostrar mais presente no ataque. E aos 11 minutos, veio o primeiro gol. Após falta cobrada na área por Dodô, a bola sobrou para Derlis González na ponta direita. O paraguaio, não se sabe se intencionalmente, acertou lindo chute cruzado, no ângulo do goleiro Anderson.

Atrás no placar, o Bahia se expôs e o Peixe aproveitou. Em contra-ataque de manual, a vitória foi sacramentada. Carlos Sánchez começou a jogada, Derlis deu ótimo passe para Gabigol. Depois da inteligência para se manter em posição legal, o camisa 10 avançou e deslocou o goleiro com categoria.

O Tricolor se lançou ao ataque nos minutos finais, mas não teve forças para reagir. Cada vez mais longe da zona do rebaixamento, o Santos foi para a 11ª colocação, com 11 pontos. Ultrapassado, Bahia caiu para 12º, com 22.

Bastidores – Santos TV:

Cuca analisa vitória sobre o Bahia e diz que o Santos tem que “subir escada”

Cuca analisou a vitória do Santos por 2 a 0 sobre o Bahia neste sábado, na Vila Belmiro. O técnico admitiu o primeiro tempo ruim e a necessidade de mexer na formação para a segunda etapa: com Bryan Ruiz na vaga de Bruno Henrique, o time melhorou.

“Jogo super complicado porque o Bahia tem quarteto de atacantes muito rápido e que não guarda posição. Elber, Zé, Vinicius e Junio. Se movimentam muito e confundem, ocupam um quadrado de 10 a 15 metros todos eles. E não dá para fazer isso com nosso time, então tem numericamente a posse de bola maior no setor ofensivo e toques rápidos que alertamos. Tiveram chance clara no primeiro tempo e não tivemos muitas, mesmo com posse maior. Tem dias que o jogo casa com o que planeja, tem que não casa. Dois atacantes na linha de quatro não deu certo, perdemos meio-campo e ficamos sem criatividade nenhuma. No segundo tempo, pela característica do jogo, melhorou com o Bryan Ruiz, um meia que deu uma equilibrada maior no setor. Pudemos fazer dois gols e vencer, que era o maior importante. Demos uma respirada boa no campeonato”, analisou o técnico.

“Precisávamos de um meia para criar. Bryan vai evoluir, não está rendendo o que pode, é natural. Precisávamos, colocamos e o time se acertou melhor. Fizemos o primeiro gol do Derlis, o segundo em arrancada bonita do Gabriel. É um ótimo momento com a gente. Vamos para o quinto jogo, quatro sem derrota e três sem tomar gol. Esses números fortalecem o time”, completou.

O objetivo agora é subir na tabela. Com a vitória, o Santos foi à 11ª colocação, com 24 pontos. O primeiro no G-6, o Atlético-MG, tem 34 pontos.

“Distância para o grupo de cima da Libertadores é mais ou menos a mesma do grupo de baixo. Um ponto muda. Tem que tentar subir escada e pegar calcanhar do pessoal. É o que vamos tentar. Pessoal de baixo quer pegar o nosso”, concluiu.

O Santos voltará a campo para enfrentar o Independiente nesta terça-feira, às 19h30 (de Brasília), pela volta das oitavas de final da Libertadores da América. O Peixe aguarda pelo julgamento da Conmebol na próxima segunda-feira para saber se o 0 a 0 da ida foi mantido ou se o alvinegro será derrotado por 3 a 0 por conta da suposta escalação irregular de Carlos Sánchez.

Cuca elogia momento de Gabigol e analisa Derlis: “Força e explosão”

Cuca ficou animado com as atuações de Gabigol e Derlis González na vitória do Santos por 2 a 0 sobre o Bahia neste sábado, na Vila Belmiro, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O técnico vê melhora no desempenho de Gabriel Barbosa desde sua chegada e se surpreende com a rápida adaptação do paraguaio.

“Quando cheguei, falei que era fácil tirar o Gabriel do time, mas trabalho não é esse, é recuperação. Passa por atitudes, atitude diferenciada em espaço de campo menor, com desgaste menor. Ele às vezes sai demais e faz falta no meio. Ele está respaldado, é um líder, foi nosso capitão merecidamente. Está com alto astral, momento bom, e que fique assim pelo menos até o fim do ano, melhorando ainda mais. Às vezes temos impressão pelo topete, brinco, roupa, sou assim. Mas tete a tete, sinto pessoa fácil, humilde, carente de companhia dos companheiros e da gente. Todos gostam. É um prazer trabalhar com ele. Fiz o que eu deveria fazer, cobrei, expliquei que ele tinha que se posicionar melhor, falei da real posição. Disse que queria ser centroavante e trabalhamos para isso, só não dava para ficar de costas. Respondeu bem, ficou no banco, deu para ter ideia da melhora sem ele ou se não fazia falta. Sai o peso dele. A gente não faz por querer, mas coisas se mostram. Voltou titular, rendeu bem e hoje foi nosso capitão. Sempre reivindicando as coisas para os companheiros”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

“Derlis se adaptou rápido, força, explosão, joga com muita disposição e hoje foi premiado com gol e passe para Gabriel. Gabriel flutuou na linha, tipo pegando onda, esperou momento certo e foi muito feliz na decisão”, completou.

Com o bom rendimento recente, Derlis é cotado para uma vaga como titular diante do Independiente-ARG na terça-feira, às 19h30 (de Brasília), no Pacaembu. Bruno Henrique está em má fase. O Santos aguarda pelo julgamento da Conmebol na próxima segunda-feira para saber se o 0 a 0 da ida das oitavas de final será mantido ou se o alvinegro será derrotado por 3 a 0 por conta da suposta escalação irregular de Carlos Sánchez.

Cuca pede paciência com Bruno Henrique no Santos: “Temos que criar alternativas”

Bruno Henrique teve mais uma atuação ruim e foi substituído no intervalo na vitória do Santos por 2 a 0 sobre o Bahia neste sábado, na Vila Belmiro.

Em entrevista coletiva, o técnico Cuca pediu ao torcedor paciência com o atacante. Destaque em 2017, o camisa 11 não conseguiu reeditar o bom desempenho depois de grave lesão na retina do olho direito no primeiro semestre.

“Tem jogadores que temos que ter paciência, nem todos ficam na mesma fase. Tem que entender o porquê. Por que não rende bem? Às vezes falta trabalho meu, triangulação maior, do outro lado tem mais. Pode ficar órfão de jogada trabalhada. Está pegando mano a mano? Temos que criar alternativas para ele”, disse Cuca.

Gustavo Henrique sofre corte profundo e preocupa o Santos para a Libertadores

Gustavo Henrique preocupa o Santos para a decisão contra o Independiente na terça-feira, às 19h30 (de Brasíla), no Pacaembu, pela volta das oitavas de final da Libertadores da América.

O zagueiro sofreu um corte profundo no supercílio no primeiro tempo da vitória por 2 a 0 sobre o Bahia neste sábado, na Vila Belmiro, e foi substituído por Robson Bambu.

“15 pontos na testa, preocupante. Até terça tem pouco tempo. Bambu entrou bem, muito tempo sem jogar, mas ficamos sem opções pela necessidade de não tê-lo. São situações que ocorrem e temos que lidar com isso”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

Se Gustavo não puder atuar, Robson Bambu atuará ao lado de Lucas Veríssimo. Luiz Felipe se recupera de lesão muscular na coxa esquerda e não há outro zagueiro inscrito na Libertadores. O volante Alison é um dos atletas que pode ser improvisado.


Santos 3 x 0 Sport Recife

Data: 18/08/2018, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 19ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 10.991 pagantes
Renda: R$ 185.210,50
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva
Auxiliares: Helcio Araujo Neves e Heronildo Freitas da Silva.
Cartões amarelos: Victor Ferraz, Derlis González, Alison (S); Rogério, Claudio Winck e Morato (SR).
Cartão vermelho: Rogério (SR).
Gol: Eduardo Sasha (01-1); Rodrygo (36-2) e Victor Ferraz (38-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Dodô; Alison, Carlos Sánchez (Rodrygo) e Bryan Ruiz (Diego Pituca); Eduardo Sasha (Bruno Henrique), Derlis González e Gabriel.
Técnico: Cuca

SPORT RECIFE
Magrão; Cláudio Winck, Ronaldo Alves, Ernando e Sander; Deivid (Felipe Bastos), Ferreira (Morato) e Gabriel; Marlone, Rogério e Hernane (Carlos Henrique).
Técnico: Eduardo Baptista



Com sal grosso e Vila cheia, Santos bate Sport e respira na tabela

O Santos respirou na luta para fugir da zona de rebaixamento à Série B do Campeonato Brasileiro na tarde deste sábado. Recebido com sal grosso por seus torcedores na chegada à Vila Belmiro, o time do técnico Cuca teve casa cheia e ganhou por 3 a 0 do Sport.

Com 21 pontos ganhos, o Santos sai da zona de rebaixamento, pelo menos temporariamente, e dorme na 12ª posição do torneio nacional. Assim, a equipe alvinegra conseguiu ultrapassar o Sport, 15º colocado com 20 pontos. O Vitória, atual primeiro integrante do Z4, soma 19 pontos.

O jogo

Empurrado pela torcida, o Santos conseguiu inaugurar o marcador logo no primeiro minuto da partida. Em jogada pela direita, Derlis Gonzalez levou até o fundo e cruzou. Gabigol desviou e a bola sobrou para Bryan Ruiz. Ele ajeitou e Eduardo Sasha finalizou com sucesso.

Beneficiado pela abertura do placar nos instantes iniciais da partida, o Santos quase aumentou a vantagem com Gabigol. Carlos Sanchez avançou com a bola dominada e deu bom passe para o atacante, que bateu na saída de Magrão e viu o goleiro ceder escanteio.

A última chegada consistente do primeiro tempo também foi do time mandante. Após lançamento pelo alto, Gabigol inteligentemente ajeitou de peito para Bryan Ruiz. O costarriquenho completou para o gol e Magrão desviou com a ponta dos dedos pela linha de fundo.

O Santos desperdiçou grande chance de marcar logo no começo da etapa complementar, quando Gabigol aproveitou falha de Ernando para deixar Sanchez na cara do gol, mas o uruguaio mandou para fora. Pouco depois, o árbitro Dewson Fernando Freitas da Silva viu falta duvidosa de Rogério em Gonzalez e mostrou o cartão vermelho.

Durante o segundo tempo, o técnico Cuca lançou mão de três titulares. Após trocar o desgastado Bryan Ruiz por Diego Pituca, o treinador, já em superioridade numérica, tirou Eduardo Sasha para colocar Bruno Henrique e trocou Sanchez por Rodrygo.

Embalado pelas alterações, o Santos marcou mais dois. Aos 36 minutos, Gonzalez recebeu de Gabigol pela direita e cruzou para Rodrygo completar. Dois minutos depois, Bruno Henrique cruzou da esquerda e Sander interceptou de cabeça. Victor Ferraz aproveitou o rebote e, após desvio em Felipe Bastos, a bola terminou nas redes de Magrão.

Bastidores – Santos TV:

Em busca de consistência, Cuca vê Santos em evolução

Encarregado de suceder Jair Ventura, Cuca assumiu o Santos em um momento delicado. Após o triunfo sobre o Sport, resultado que encerrou uma série de sete rodadas de jejum no Campeonato Brasileiro, o treinador analisou o processo de evolução atravessado pela equipe.

“O primeiro passo era ganhar uma para recuperar a autoestima e fizemos isso em Minas. O segundo passo, era ter força de grupo e não só um time”, disse Cuca, que poupou alguns titulares contra o Sport. “Isso foi posto em xeque com um time que jogou sem treinar junto e, graças a Deus, deu certo”, completou.

Com a vitória sobre o adversário pernambucano, o Santos saiu da zona de rebaixamento e, pelo menos temporariamente, assumiu a 12ª colocação do Campeonato Brasileiro. Experiente, Cuca sente que o time vem melhorando, mas não se deixa levar por qualquer tipo de euforia.

“O terceiro passo é a consistência. Não vamos ganhar todas, mas precisamos de um padrão de jogo, uma maneira de jogar. Temos a humildade de reconhecer que vencemos duas partidas, mas ainda não ganhamos nada. Estamos bem atrás ainda (no Campeonato Brasileiro) e a Libertadores vai começar agora”, afirmou.

Após respirar no torneio nacional, o Santos volta suas atenções à Copa Libertadores. Às 21h45 (de Brasília) desta terça-feira, pelas oitavas de final do torneio, o time alvinegro encara o tradicional Independiente, em Avellaneda.

“É claro que o astral melhora, dá um moral mais elevado, mas pronto. É até aí”, disse Cuca sobre os efeitos do triunfo antes do jogo na Argentina. “Nos 90 minutos, isso não entra em campo. Vamos ter que remar muito para fazer um resultado bom”, afirmou o treinador.

Com Gabigol e gringos elogiados, Cuca evita falar de reforços

Cuca escalou como titulares o uruguaio Carlos Sanchez, o costarriquenho Bryan Ruiz e o paraguaio Derlis Gonzalez na vitória sobre o Sport, alcançada na tarde de sábado. Satisfeito com a atuação do trio de gringos na Vila Belmiro, o comandante santista ainda elogiou Gabigol e evitou comentar a possibilidade de contratar um reforço para o ataque.

“O Derlis jogou uma grande partida, principalmente no segundo tempo. Participou dos gols, teve muita força e atitude durante todo o jogo, até mais do que a gente imaginava depois de tanto tempo sem atuar. O Sanchez, já é a terceira partida e o Bryan tem qualidade e visão de jogo. Acho que os três ajudaram bastante”, comentou.

Em busca de um centroavante, o Santos estudou nomes como Marco Ruben (Rosario Central), Vagner Love (Besiktas-TUR), Marcelo Moreno (Wuhan Zall-CHI) e Nicolás Blandi (San Lorenzo), entre outros. Questionado sobre um eventual reforço para o comando de ataque, Cuca desconversou.

“(O Santos) não está procurando nada. Estou satisfeito com o que tenho. Acabou, não falo mais em contratação nenhuma. Não falo mais. Estou muito contente com os meninos, é até covardia hoje falar em contratação. Vamos trabalhar e dar moral para eles aqui. O presidente faz lá o que quiser”, afirmou.

Cuca ainda foi elogioso ao falar sobre Gabigol, que teve um gol anulado de forma equivocada diante do Sport. Criticado por parte da torcida santista nos últimos jogos, o atacante de apenas 21 anos mostrou empenho e ganhou o reconhecimento na Vila Belmiro.

“Foi uma resposta dele para a torcida e da torcida para ele. Não é mascarado, é um cara normal, tranquilo no dia a dia. De repente, se cria uma imagem diferente e não é assim. É voluntarioso, não tem vergonha de correr pelos outros. Não se importa se a bola dele entra ou não e estava incomodado com a situação do clube. Isso tudo deve ser valorizado”, disse Cuca.

Victor Ferraz sente “alma lavada” e mira tetra da Libertadores

O Santos encerrou uma série de sete rodadas consecutivas sem ganhar pelo Campeonato Brasileiro na tarde deste sábado. Satisfeito com a vitória por 3 a 0 sobre o Sport na Vila Belmiro, o lateral direito Victor Ferraz já citou a Copa Libertadores na saída do gramado.

Com um gol marcado por Eduardo Sasha, o Santos foi para o intervalo em vantagem no marcador. O time da casa, em superioridade numérica desde a expulsão de Rogério, aumentou a vantagem no segundo tempo por meio de Rodrygo e Victor Ferraz, que fechou o triunfo com um chute frontal.

“A gente sai feliz, de alma lavada, porque vínhamos jogando bem aqui, mas os gols não aconteciam. Então, glorificamos o nome de Jesus, porque o time jogou bem com o pessoal que não vem atuando e os gols saíram”, afirmou o lateral ao Premiere, já que Cuca iniciou o duelo com alguns titulares no banco.

Após sair da zona de rebaixamento, pelo menos temporariamente, o Santos volta suas atenções à Copa Libertadores. Às 21h45 (de Brasília) desta terça-feira, pelas oitavas de final do torneio, o time alvinegro encara o tradicional Independiente, em Avellaneda.

“É a segunda vitória consecutiva. Agora, vamos para um dos jogos mais importantes do ano, pela Copa Libertadores, atrás do tão sonhado tetra. Estamos bem fechados e com o elenco homogêneo para conseguir chegar nessa reta final com tudo”, avisou Ferraz, contente com o público superior a 10 mil pessoas em casa.

“É diferente. Sabemos que a Vila Belmiro é o melhor campo que existe para jogar. É um lugar de alegria, como costumamos dizer. Então, com a torcida do nosso lado, é muito difícil sermos batidos aqui dentro. Perdemos alguns jogos que não estamos acostumados, mas pedimos a Deus para que a boa fase tenha voltado”, pregou o lateral.

Cuca parabeniza torcida santista e aprova sal grosso: “Tudo ajuda”

Com casa cheia na Vila Belmiro, o Santos enfim interrompeu uma sequência de sete rodadas de jejum no Campeonato Brasileiro ao ganhar do Sport na tarde deste sábado. Satisfeito com a presença do público, o técnico Cuca parabenizou a torcida e aprovou a recepção com sal grosso ao ônibus da delegação.

“Metade da conquista, devemos ao torcedor, porque ele foi maravilhoso. Entendeu que o time é esse e apoiou desde antes do jogo. Você nem precisa motivar ninguém e o pessoal se entregou em campo, fazendo uma sincronia importante. Quando a Vila está em sincronia, é um elemento a mais que contamos. Estão de parabéns”, afirmou.

Com o time ameaçado pelo rebaixamento à Série B do Campeonato Brasileiro, alguns supersticiosos torcedores santistas deram um banho de sal grosso no ônibus durante a chegada da delegação à Vila Belmiro. O técnico Cuca, também supersticioso, aprovou.

“Quando se faz por bem, tudo ajuda. Cada um tem sua crença, sua superstição. Mas, acima de tudo, o importante foi o empurrão que a torcida deu. Os meninos se reuniram dentro do campo e agradeceram a todos. Esse é o Santos forte que a gente precisa ter para sair da situação em que nos encontramos”, afirmou Cuca.

Contente pela presença da torcida, o treinador também gostou do desempenho de seus jogadores, especialmente de Derlis Gonzalez. Ao falar sobre o triunfo por 3 a 0 sobre o Sport, Cuca valorizou ainda a estratégia bem-sucedida de poupar alguns titulares para o duelo com o Independiente, pela Copa Libertadores, marcado para terça-feira.

“Não é fácil você colocar um time em campo sem nem cinco minutos de treino. O que fizemos foi pensar no presente e no futuro. Corremos risco de não dar certo, mas temos que tomar decisões e, no final, acho que tomamos a decisão certa para ter uma condição melhor terça-feira”, analisou.

Por suspensão, Victor Ferraz e Alison desfalcam Santos contra o Bahia

O técnico Cuca já tem dois desfalques certos para o confronto com o Bahia, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro. O lateral direito Victor Ferraz e o volante Alison, advertidos durante a vitória sobre o Sport, já estão fora do próximo compromisso pelo torneio nacional.

No último minuto do primeiro tempo, por cometer falta sobre o atacante Rogério, Ferraz acabou advertido com o cartão amarelo pelo árbitro Dewson Fernando Freitas da Silva. No começo da etapa complementar, após lance com, Gabriel, Alison também recebeu o terceiro.

Diante do Bahia, a tendência é que o técnico Cuca escale Daniel Guedes como titular na lateral direita, apesar da falta de ritmo enfrentada pelo jogador. Para a vaga aberta no meio de campo, o comandante da equipe alvinegra tem a opção de usar Diego Pituca.