Navegando Posts marcados como Vila Belmiro

Santos 0 x 1 Cruzeiro

Data: 28/05/2017, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 3ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 7.025 pagantes
Renda: R$ 198.775,00
Árbitro: Eduardo Tomas de Aquino Valadão (GO)
Auxiliares: Fabrício Vilarinho da Silva e Cristhian Passos Sorence (ambos de GO).
Cartões amarelos: Henrique e Léo (C); Copete (S).
Gols: Thiago Neves (38-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Zeca (Copete); Renato, Thiago Maia e Vladimir Hernández (Jean Mota); Vitor Bueno, Bruno Henrique e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Junior

CRUZEIRO
Fábio; Lucas Romero, Dedé (Caicedo), Léo e Diogo Barbosa; Henrique, Ariel Cabral, Hudson (Ábila), Arrascaeta (Thiago Neves) e Alisson; Rafael Marques.
Técnico: Mano Menezes



Thiago Neves garante vitória celeste sobre o Santos na Vila Belmiro

O Santos não conseguiu fazer prevalecer o mando de campo neste domingo e acabou derrotado por 1 a 0 pelo Cruzeiro, em partida válida pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro. Após a vitória no último fim de semana sobre o Coritiba, o Peixe queria aproveitar o embalo para não deixar os primeiros colocados se distanciarem, no entanto, sofreu com a falta de poder ofensivo na Vila Belmiro.

Sem Lucas Lima, se recuperando de um estiramento na coxa direita, e Dorival Júnior, suspenso por conta da expulsão na última rodada, o Santos teve dificuldades para criar jogadas de perigo e, inclusive, foi inferior ao rival mineiro em boa parte do primeiro tempo. Com Copete os donos da casa melhoraram no segundo tempo e agrediram mais o Cruzeiro, porém, o goleio Fábio seguiu trabalhando pouco na Vila Belmiro.

Se o Santos estava sem Lucas Lima, o Cruzeiro também sofreu com a ausência de grandes nomes, como Ábila e Thiago Neves, que só entraram no segundo tempo por opção de Mano Menezes e acabaram garantindo a vitória celeste com uma bela jogada já na reta final da partida.

O jogo

O Cruzeiro mandou no início do primeiro tempo. Mesmo atuando fora de casa, a equipe comandada pelo técnico Mano Menezes não se intimidou e foi para cima do Santos, no entanto, esbarrou no forte esquema defensivo dos anfitriões.

Consistente, o Santos não fazia um grande jogo, mas também não permitia que os adversários pudessem levar perigo. Sem poder contar com seu treinador à beira do campo, cumprindo suspensão por ter sido expulso no duelo contra o Coritiba na rodada passada, o Peixe se fechou e aos poucos foi equilibrando a partida.

Aos 32 minutos Bruno Henrique desperdiçou a melhor chance do primeiro tempo. O atacante saiu de trás do meio-campo, ganhou a disputa mano a mano com o zagueiro Léo, no entanto, ao entrar na área teve seu arremate defendido pelo goleiro Fábio.

No segundo tempo o jogo ficou mais violento. Copete, pelo lado do Santos, e Léo, pelo lado do Cruzeiro, foram advertidos com cartão amarelo logo nos primeiros dez minutos da etapa complementar, enquanto as equipes seguiam com dificuldades de furar o bloqueio defensivo. Mano Menezes ainda perdeu o zagueiro Dedé, que sentiu um desconforto e teve de ser substituído por Luis Caicedo.

Posteriormente, Thiago Neves entrou no lugar de Arrascaeta e mostrou serviço. Aos 31 minutos Ábila acionou o meia livre em contra-ataque, deixando-o cara a cara com Vanderlei. Ele tentou tocar na saída do goleiro, porém, teve seu arremate bloqueado pelo santista, desperdiçando a melhor chance do segundo tempo.

Seis minutos depois de frustrar a torcida celeste, Thiago Neves se redimiu. Ábila novamente o acionou dentro da área e dessa vez a bola acabou parando no fundo das redes. Vindo de trás, o meia não titubeou na frente de Vanderlei e garantiu a importante vitória da equipe mineira fora de casa.

Bastidores – Santos TV:

Filho de Dorival esquece desfalque de Lucas Lima e crê em derrota injusta
Substituindo Dorival Jr, suspenso, Lucas Silvestre não estreou com pé direito no comando técnico do Santos

A derrota para o Cruzeiro na Vila Belmiro foi inevitavelmente relacionada à ausência de Lucas Lima em campo neste domingo. Se recuperando de um estiramento no músculo posterior da coxa direita, o meia deve voltar a reunir condições físicas para ir a campo apenas às vésperas do clássico contra o Palmeiras, no próximo dia 14 de junho, em duelo válido pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro.

“O Lucas Lima faria falta em qualquer time do Brasil. Temos um grupo forte, que pode suprir essa ausência. Se o juiz tivesse dado um pênalti no Bruno [Henrique], talvez não terminasse o jogo com uma derrota. A última vez que conversei com o médico, ele tinha dito algo para ele voltar próximo ao jogo contra o Palmeiras”, disse o auxiliar técnico Lucas Silvestre, filho de Dorival Jr, na coletiva de imprensa após o jogo.

Além de Lucas Lima, quem também não subiu as escadas que dão acesso ao gramado foi Dorival Jr. O treinador santista foi expulso no duelo contra o Coritiba, na última rodada, e foi substituído neste domingo pelo seu filho Lucas Silvestre. Tentando seguir as instruções do pai, o auxiliar técnico do Peixe, no entanto, não conseguiu voltar para casa com os três pontos.

Embora o Santos tenha demonstrado a mesma fragilidade de outros jogos que ficou sem Lucas Lima, todo o elenco preferiu encarar a derrota com outros olhos. Tentando se livrar da dependência do camisa 10 do Peixe, o grupo crê que o resultado deste domingo foi construído muito por conta da grande consistência defensiva do Cruzeiro.

“Não tivemos uma atuação ruim. Infelizmente não aproveitamos as chances de gol. Eles aproveitaram”, afirmou Lucas Silvestre.

“Enfrentamos uma grande equipe, que briga pelo título. O Vanderlei fez uma grande defesa. Não vi uma disparidade grande entre as duas equipes. Dentro do que o Cruzeiro propôs, se defendeu bem”, concluiu.


Santos 4 x 0 Sporting Cristal

Data: 23/05/2017, terça-feira, 21h45.
Competição: Copa Libertadores – Grupo 2 – 6ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 6.632 pagantes
Renda: R$ 234.160,00
Árbitro: Jose Mendez (PAR)
Auxiliares: Juan Zorrilla e Carlos Caceres (ambos do PAR).
Cartões amarelos: Victor Ferraz (S) e Revoredo (SC).
Gols: David Braz (19-1), Ricardo Oliveira (22-1); Vitor Bueno (21-2) e David Braz (26-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Zeca (Thiago Ribeiro); Renato, Thiago Maia (Léo Cittadini) e Vladimir Hernández (Kayke); Vitor Bueno, Copete e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Junior

SPORTING CRISTAL
Mauricio Viana; Revoredo, Cazulo, Luis Abram e Céspedes; Pedro Aquino, Ballón, Alexis Rojas (Ortíz), Lobatón (Calcaterra) e Fernando Pacheco (Gabriel Costa); Írven Ávila.
Técnico: José Del Solar



Santos goleia Sporting Cristal com facilidade e confirma liderança

O duelo do Santos contra o Sporting Cristal, nesta terça-feira, na Vila Belmiro, pela Libertadores, pode ser definido com apenas uma palavra: facilidade. Já classificado e encarando o lanterna do grupo 2, o Peixe não encontrou qualquer dificuldade para fazer 4 a 0. Desde os primeiros minutos, a equipe comandada por Dorival Júnior aproveitou-se da baixa qualidade técnica dos peruanos, se impôs, e não precisou se esforçar para alcançar a goleada. Na primeira etapa, Ricardo Oliveira e David Braz marcam. Após o intervalo, Vitor Bueno anotou o terceiro e o próprio zagueiro fechou o marcador.

Com o triunfo e a liderança confirmada, o Peixe agora terá um ‘descanso’ no torneio continental. Afinal, as oitavas de final começam apenas a partir de 4 de julho. Antes disso, no dia 14 de junho, acontece o sorteio para a definição do adversário dos santistas, que será alguma equipe que se classificou em segundo.

O jogo

Como era de se esperar, o Santos começou controlando todas as ações do duelo. Aproveitando-se da fragilidade do Sporting Cristal, o Peixe não encontrava nenhum empecilho para chegar ao ataque. Aos 11 minutos, a equipe comandada por Dorival Júnior montou uma pequena ‘blitz’ e quase abriu o placar. Victor Ferraz fez bela jogada pela direita e lançou Ricardo Oliveira, que dominou e soltou uma bomba na trave. No rebote, Copete cruzou na área e o próprio camisa 9 cabeceou para o fundo das redes. Arbitragem marcou impedimento.

Porém, não demorou muito para a superioridade do alvinegro se converter em gols. Logo aos 19 minutos, Ricardo Oliveira cobrou falta com perfeição, o goleiro Viana até conseguiu defender, mas a bola caiu nos pés de David Braz. Completamente sozinho, o defensor só teve o trabalho de tocar para o fundo da meta e fazer 1 a 0 na Vila.

Estava fácil demais! Após o goleiro Viana sair jogando errado, Vitor Bueno interceptou e bola ficou livre para Ricardo Oliveira. O artilheiro teve tempo de dominar e soltar o pé de fora da área para ampliar.

Mesmo com a vantagem, os comandados de Dorival Júnior mantiveram o ritmo intenso. Aos 28 minutos, Victor Ferraz achou Thiago Maia livre. O volante até balançou as redes, mas pelo lado de fora. No lance seguinte, Bueno avançou em velocidade pelo lado direito, entrou na área e chutou forte, mas parou no zagueiro Abram.

Antes do intervalo, aos 38, ainda sobrou tempo para Ricardo Oliveira receber ótimo passe de Hernández e parar no goleiro Viana, desperdiçando a chance do terceiro.

Com a vitória praticamente garantida, o Santos começou o segundo tempo apenas administrando o resultado. Mesmo assim, o Sporting Cristal não apresentava qualquer perigo ao goleiro Vanderlei. Na base da tranquilidade, o alvinegro foi tocando, tocando e tocando até ampliar o marcador.

Aos 21 minutos, Vitor Bueno recebeu na entrada da área, deu um drible da vaca no Cazulo, passou pelo goleiro Mauricio Viana e tentou tocar para Kayke, livre. Bola, porém, foi desviada por defensor peruano e voltou nos pés do camisa 7, que só teve o trabalho de empurrar para o fundo das redes, anotando o terceiro do Peixe na Vila.

A partida seguia com uma facilidade impressionante. Aos 26, David Braz aproveitou desvio de Renato após cobrança de escanteio e anotou o quarto do Santos, transformando a vitória em goleada. Depois disso, o duelo ficou ainda mais calmo na Vila e o Peixe apenas tocou a bola até o apito final de Jose Mendez.

O Santa Fe só precisava vencer o The Strongest em casa para se classificar às oitavas de final da Copa Libertadores da América. E com o estádio El Campín, em Bogotá, completamente lotado, a equipe colombiana saiu na frente aos 26 minutos da primeira etapa com Ceter. O que ninguém esperava era um gol contra. Mas ele aconteceu aos 39. López desviou de cabeça contra a própria meta após cobrança de escanteio fechada.

Dessa forma, o segundo tempo foi de pressão total dos donos da casa. Aos 18, Pérez até chegou a marcar, mas o lance foi corretamente anulado por impedimento. Aos 26, no entanto, o auxiliar errou ao invalidar gol de Stracqualursi. E tal gol fez falta, porque depois disso, os bolivianos conseguiram ser melhores na defesa até o apito final.

Com o empate, o The Strongest fechou a primeira fase na segunda colocação do Grupo 2 e vai às oitavas de final com apenas nove pontos. O Santa Fe dá adeus ao torneio com oito pontos, na terceira posição.

Bastidores – Santos TV:

Dorival vê Santos confiante e com ‘cara de Libertadores’ após goleada

Após o início de ano arrasador, com goleada de 6 a 2 sobre o Linense, pelo Paulistão, o Santos ‘murchou’ na temporada, virou alvo de críticas da torcida e foi eliminado do Estadual. Porém, a equipe comandada por Dorival Júnior parece vir retomando o bom futebol aos poucos, tanto que voltou a vencer por um placar elástico nesta terça-feira, quando fez 4 a 0 no Sporting Cristal, na Vila Belmiro, pela última rodada da fase de grupos da Libertadores.

Com o resultado, o Peixe garantiu o primeiro lugar da chave e está classificado para as oitavas de final do torneio. Para Dorival, o alvinegro vem retomando a confiança gradativamente e também ganhou uma ‘cara de Liberta’.

“Durante toda a Libertadores a equipe tem postura agressiva, buscando o gol sempre. Tivemos 15 minutos fortes hoje e isso nos deu a possibilidade de encontrarmos os gols. Temos visto isso ao longo de todos os jogos, esse espírito. Por isso conseguimos a classificação antecipada e a confirmação do primeiro lugar de um grupo difícil pela qualidade das equipes. Chegamos para as oitavas com uma confiança resgatada em razão do nosso início. A equipe vem recuperando e acima de tudo, aprendendo a sofrer e guerreando”, explicou o comandante em entrevista coletiva.

Herói da noite, Braz encosta em Alex e vibra: “Trabalho bem feito”

O Santos não encontrou qualquer dificuldade para golear o Sporting Cristal por 4 a 0, nesta terça-feira, na Vila Belmiro, pela última rodada da fase de grupos da Libertadores. E o grande herói da noite foi David Braz. Autor de dois tentos diante dos peruanos, o camisa 14 diminuiu a diferença para o ídolo Alex e está próximo de alcançar o posto de maior zagueiro artilheiro da história do clube.

“A gente procura ficar bem posicionado, mas também tem que lembrar que a batida de falta do Ricardo foi muito boa no primeiro gol, ficou difícil para o goleiro e eu procurei aproveitar a oportunidade que tive. Estou sentindo a equipe confiante. Mostra que o trabalho vem sendo bem feito”, disse o santista na saída do gramado.

Vale lembrar que foi o terceiro tento anotado por Braz nas últimas duas partidas. No sábado passado, o defensor anotou o gol da vitória sobre o Coritiba, na Vila, pela segunda rodada do Brasileirão.

Em 152 jogos pelo Santos, o defensor tem 15 gols marcados. Atualmente, ele é o terceiro zagueiro que mais balançou as redes, empatado com Márcio Rossini. Na frente dele estão Edu Dracena (com 17 gols) e Alex (20).

Oliveira releva críticas ao Santos e afirma: “Aqui tem qualidade”

Atual vice-campeão brasileiro, o Santos segurou seus principais jogadores e ainda trouxe seis reforços em janeiro. Apesar disso, o Peixe ainda não encantou a torcida na temporada e foi alvo de críticas no começo do ano. Aos poucos, porém, a equipe comandada por Dorival Júnior vai alcançando seus objetivos. O principal deles, que é a continuidade na Copa Libertadores, foi confirmado nesta quarta-feira, após s vitória de 4 a 0 sobre o Sporting Cristal, na Vila Belmiro.

Com o triunfo, os santistas avançaram para as oitavas de final do torneio continental, que começam a partir de 4 de julho. Para Ricardo Oliveira, autor do segundo gol do Santos diante do peruanos, as críticas são normais, já que se esperava muito do Peixe no início do ano.

“Acho que para nós era importante terminar em primeiro lugar do nosso grupo. São muito normais as críticas, nós recebemos elas porque vocês estão acostumados com o futebol bonito que a gente vem fazendo no Brasil. Vocês mesmos (imprensa) tem falado isso e nós nos cobramos muito, mas o mais importante é que nós conseguimos a classificação em primeiro lugar do grupo, e pouco a pouco a gente vai retomando aquele bom futebol, porque aqui tem muita qualidade”, explicou o camisa 9 na saída do gramado.

Ferraz volta a sentir dores no joelho e vira dúvida contra o Cruzeiro

Na goleada de 4 a 0 sobre o Sporting Cristal, nesta terça-feira, na Vila Belmiro, pela última rodada da fase de grupos da Libertadores, Victor Ferraz foi um dos grandes destaques do Santos. Bem no ataque e pouco incomodado na defesa, o lateral-direito distribuiu diversos passes para os companheiros. Aos 30 minutos do segundo tempo, porém, ele começou a sentir dores no joelho direito, recebeu atendimento médico e só voltou ao campo pois o Peixe já tinha realizado as três alterações no jogo.

Por conta disso, Ferraz será avaliado nesta quarta-feira e pode ser desfalque do alvinegro contra o Cruzeiro, no próximo domingo, às 16h (de Brasília), na Vila, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro. Vale lembrar as dores no joelho já fizeram com que o lateral fosse poupado no triunfo sobre o Coritiba, no último sábado.

“É difícil saber logo após a partida. Teremos que ter tempo. Teremos certeza quando tivermos o retorno no CT para sabermos a posição definida. Agora seria arriscar uma situação sem que tenhamos uma sequência do que possa ter acontecido”, disse Dorival Júnior após o duelo contra os peruanos.


Santos 1 x 0 Coritiba

Data: 20/05/2017, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 2ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 5.921 pagantes
Renda: R$ 175.450,00
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhaes (RJ)
Auxiliares: Rodrigo F. Henrique Correa e Thiago Henrique Neto Correa Farinha (ambos de RJ).
Cartões amarelos: Vladimir Hernández, Thiago Maia, Leandro Donizete, Rafael Longuine e Copete (S); Neto Berola, Jonas e Matheus Galdezani (C).
Gols: David Braz (07-1).

SANTOS
Vanderlei; Matheus Ribeiro (Copete), Lucas Veríssimo, David Braz e Zeca; Leandro Donizete, Thiago Maia e Lucas Lima (Rafael Longuine); Vladimir Hernández (Jean Mota), Bruno Henrique e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Junior

CORITIBA
Wilson; Dodô, Werley, Walisson Maia (Marcio) e William Matheus; Jonas, Matheus Galdezani e Tomas Bastos; Henrique Almeida (Alecsandro), Kleber e Neto Berola (Getterson).
Técnico: Pachequinho



Vanderlei faz partida milagrosa, Santos segura pressão e vence Coxa

Após o empate heroico contra o The Strongest, na última quarta, pela Libertadores, os quase 6 mil torcedores que foram até a Vila Belmiro na tarde deste sábado, no duelo contra o Coritiba, esperavam um show de Bruno Henrique, Lucas Lima e cia. Porém, quem brilhou (e muito) foi Vanderlei. Inspirado, o goleiro santista teve uma atuação de gala, ‘fechou’ a meta durante toda a partida, fez pelo menos cinco defesas milagrosas e ainda defendeu um pênalti de Alecsandro, garantindo a primeira vitória do Peixe no Campeonato Brasileiro. O único tento do jogo foi marcado por David Braz, logo no início do primeiro tempo.

O jogo

O Santos começou o duelo com um motivo para comemorar e outro para lamentar. A notícia boa foi que logo aos sete minutos, Bruno Henrique escorou cruzamento de cabeça e a bola ficou livre para David Braz empurrar para o fundo da rede e abrir o placar na Vila Belmiro.

O problema é que logo na sequência, Lucas Lima precisou ser substituído por Rafael Longuine. O camisa 10 começou a sentir dores antes mesmo do Peixe marcar o primeiro e não aguentou ficar no gramado.

Atrás no placar, o Coxa se lançou ao ataque e passou a pressionar o alvinegro mesmo dentro da Vila Belmiro. O empate só não veio porque Vanderlei estava inspirado. Aos 12 minutos, o goleiro salvou o chuta de Kleber à queima roupa dentro da área.

Cinco minutos depois, o camisa 1 se esticou todo para defender o chute de William Matheus. No lance seguinte, o arqueiro apareceu mais uma vez e pegou cobrança de falta de Tomas Bastos.

Apesar do Coritiba estar bem melhor dentro de campo, foi o Santos que perdeu a chance mais clara do primeiro tempo. Aos 25 minutos, Vladimir Hernández fez bela jogada e deixou Ricardo Oliveira na cara do gol. O centroavante, porém, chutou em cima do goleiro Wilson e desperdiçou uma oportunidade inacreditável na Vila.

Após o tento perdido, o Peixe equilibrou as ações e jogo ficou aberto, com chances para os dois lados. Porém, o primeiro tempo terminou mesmo no 1 a 0 para o alvinegro.

A segunda etapa começou em um ritmo mais lento na Vila Belmiro. Porém, a tônica seguiu parecida com a do primeiro tempo, já que o Coxa seguia em cima e Vanderlei continuava salvando. Logo aos sete minutos, Matheus Galdezani fez fila na defesa santista e só parou no camisa 1, que teve seu nome gritado em todo o estádio.

Aos 11, porém, o Santos quase chegou ampliou em um contra-ataque. Ricardo Oliveira avançou pelo lado direito e cruzou para Bruno Henrique. Em velocidade, o atacante bateu no contrapé de Wilson, mas errou o alvo.

A chance perdida não melhorou o ímpeto do time santista, que seguiu sendo bastante pressionado pelo Coxa durante o segundo tempo. Aos 30 minutos, o alviverde finalmente conseguiu bater Vanderlei. Porém, após driblar o camisa 1 e sair na cara do gol, Matheus Galdezani foi travado por Zeca na hora do chute.

E quando parecia que Vanderlei não poderia brilhar mais na Vila, David Braz cometeu um pênalti infantil em Alecsandro. O próprio atacante foi para a cobrança a parou no goleiro santista, que decretou a vitória do Peixe na Vila.

Bastidores – Santos TV:

Vanderlei chora após atuação de gala e diz: “Se me convocar, estarei pronto”

Os torcedores do Santos que foram até a Vila Belmiro na tarde desta sábado ainda devem estar perplexos com a atuação de Vanderlei no embate contra o Coritiba. Impenetrável, o arqueiro santista teve uma atuação de gala, ‘fechou’ a meta durante toda a partida, fez pelo menos cinco defesas milagrosas e ainda defendeu um pênalti de Alecsandro, garantindo a primeira vitória do Peixe no Campeonato Brasileiro.

Ovacionado por toda a Vila Belmiro, inclusive pelos torcedores do Coxa, seu ex-time, o camisa 1 não segurou a emoção na saída do gramado e chorou após o triunfo do alvinegro.

“A gente sempre sonha em fazer uma grande partida, ainda mais contra a minha ex-equipe. Tenho muitos amigos ali, um carinho grande. Estou muito feliz. Toda defesa para o goleiro é importante. O Coritiba valorizou muito a nossa vitória. Felizmente deu tudo certo”, falou o goleiro.

Após a atuação de Vanderlei, os companheiros de Santos fizeram questão de ‘cobrarem’ uma convocação do arqueiro para a Seleção Brasileira. Sempre comedido com as palavras, o camisa 1 pregou respeito ao técnico Tite, mas mandou um recado.

“A Seleção é o ápice de todo atleta, mas temos que respeitar os outros goleiros que estão lá. Não acho que falta marketing para mim. Acredito que para o atleta ser convocado, ele tem que fazer o melhor em campo. É difícil falar se esse é o meu melhor momento, mas se eu fosse o Tite me convocaria, pois tenho que acreditar no meu trabalho. Se ele me convocar algum dia, eu estarei pronto”, concluiu Vanderlei na saída do gramado.

Santistas clamam por Vanderlei na Seleção: “Merece ser titular”

Inevitavelmente, Vanderlei foi o nome mais comentado pelos jogadores do Santos na saída do gramado da Vila Belmiro após a vitória por 1 a 0 sobre o Coritiba, neste sábado, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. Inspirado, o goleiro fez belas defesas durante a partida e ainda defendeu um pênalti de Alecsandro, garantindo o triunfo santista.

Após a partida, os atletas do alvinegro rasgaram elogios ao camisa 1 e praticamente cobraram uma convocação dele para a Seleção Brasileira. Quem puxou a fila foi Ricardo Oliveira.

“Ele está jogando assim há anos no Brasil. É nível de Seleção Brasileira. Não sei porque não é convocado. Não estou dizendo que os outros goleiros que estão na lá não merecem, mas vocês viram o que o Vanderlei fez hoje aqui. Merece demais estar na seleção”, comentou o centroavante.

O zagueiro David Braz, que cometeu o pênalti em Alecsandro e foi ‘salvo’ por Vanderlei, foi além e disse que o camisa 1 merece a titularidade na amarelinha.

“Nós respeitamos a opinião do Tite. Já trabalhei com ele e é um grande treinador. Tenho certeza que está olhando tudo. Um dia ele vai perceber que o Vanderlei merece uma oportunidade. Mostrou que pode ser titular da Seleção”, bradou o defensor santista, autor do único gol diante do Coxa.

Dorival minimiza má atuação do Santos na Vila e enaltece Vanderlei

Quando o goleiro é o principal destaque da sua equipe, isso significa que alguma coisa está errada. Neste sábado não foi diferente. Na vitória do Santos por 1 a 0 sobre o Coritiba, na Vila Belmiro, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro, o grande destaque foi Vanderlei, que fez várias defesas milagrosas durante o jogo e ainda pegou um pênalti de Alecsandro no fim.

O técnico Dorival Júnior admitiu que o alvinegro não teve uma boa apresentação contra o Coxa. O comandante, porém, vê a atuação ruim como normal, já que o Peixe vem de uma maratona de três jogos fora de casa (diante de Paysandu, Fluminense e The Strongest) e cerca de 13 mil quilômetros percorridos em apenas uma semana.

“O que esses jogadores se doaram e se dedicaram em busca do resultado… Eu só tenho que enaltecer. Eu não tenho como cobrar uma equipe que teve a semana e o desgaste que tivemos. Semana passada, contra o Fluminense, o Santos não deixou nada a desejar. Foi injusto o resultado, pois perdemos diversas oportunidades. Hoje realmente o Coritiba dominou. Tínhamos a consciência de que o Coritiba estava inteiro na partida. O Santos estava preparado para contra-atacar. Foi um jogo de uma entrega excepcional. Não tem como deixar de enaltecer o espírito que a equipe teve. O importante é a resposta que os jogadores tem dado, para que melhores resultados aconteçam”, explicou Dorival em coletiva na Vila Belmiro.

O comandante também aproveitou a entrevista para rasgar elogios ao ‘paredão’ Vanderlei. Além disso, o treinador também enalteceu o trabalho do reserva Vladimir e de Arzul, o preparador de goleiros do Peixe.

“Não é uma injustiça (ele não ter sido convocado). Dentro do país tem inúmeros goleiros com muitas qualidades. Vanderlei está entre esses e está muito regular. Fico feliz pelo esforço e trabalho. Temos um excelente profissional. O Arzul é um dos grandes profissionais que eu conheci dentro do futebol e tem feito um trabalho brilhante com os goleiros. Vladimir quando entra sempre dá uma resposta muito positiva. Muito do mérito é dos profissionais por trás disso também”, concluiu Dorival.

Braz admite pênalti em Alecsandro, mas diz: “Fui empurrado antes”

Mesmo sem fazer um bom jogo, o Santos segurava a pressão do Coritiba e conquistava a vitória parcial por 1 a 0, na tarde deste sábado, na Vila Belmiro. Porém, aos 45 minutos do segundo tempo, o árbitro Wagner do Nascimento Magalhães marcou pênalti de David Braz em Alecsandro. E quando o empate parecia certo, Vanderlei coroou sua bela apresentação e defendeu a cobrança do atacante do Coxa, garantindo o primeiro triunfo santista no Campeonato Brasileiro.

Antes de cometer a penalidade, David Braz estava sendo apontado como um dos heróis do alvinegro neste sábado, já que anotou o único tento do jogo, ainda no primeiro tempo. Aliviado após a defesa do arqueiro, o defensor do Peixe admitiu que cometeu a infração dentro da área, mas alertou que sofreu uma falta antes.

“Foi pênalti sim. Esses tipos de lance acontecem umas 100 vezes na partida. Ali o árbitro viu e marcou. Mas antes de ter segurado o Alecsandro, eu fui empurrado. Só que o Vanderlei foi lá e fez uma grande defesa”, comentou o zagueiro na saída do gramado.

Lucas Lima sente lesão, passará por exames e vira dúvida na Liberta

Os quase 6 mil santistas que foram até a Vila Belmiro no último sábado puderam ver Lucas Lima em campo por apenas quatro minutos. Na vitória do Santos por 1 a 0 sobre o Coritiba, o camisa 10 disputou um lance no meio de campo, se machucou sozinho e precisou ser substituído por Rafael Longuine.

A saída repentina do meia, que sentiu dores na parte posterior da coxa direita, preocupa a comissão técnica do Peixe. Ele passará por exames nesta segunda-feira para saber da gravidade da lesão e virou dúvida para o duelo contra o Sporting Cristal, na próxima terça, às 21h45 (de Brasília), na Vila, pela última rodada da fase de grupos da Libertadores.

“Ele deu um tranco na chão. Espero que não seja nada”, disse o volante Renato na saída de campo.

Principal garçom do Santos no ano, com 11 assistências, Lucas Lima foi convocado na última sexta-feira para a Seleção Brasileira. Lembrado pelo técnico Tite, o camisa 10 foi chamado para os amistosos contra Argentina e Austrália, que serão disputado nos dias 9 e 13 de junho, respectivamente, na cidade de Melbourne, na Austrália.


Média de público na Vila Belmiro e em São Paulo:

Ano

Vila Belmiro

São Paulo

2017

n/c

n/c

2016

n/c

n/c

2015

n/c

n/c

2014

7.069 (27)

24.864 (9)

2013

7.819 (27)

15.492 (10)

2012

8.970 (27)

26.285 (14)

2011

8.613 (27)

25.229 (15)

2010

9.389 (30)

21.067 (11)

2009

8.794 (29)

22.894 (13)

2008

9.373 (34)

14.097 (5)

2007

9.024 (35)

26.087 (10)

2006

9.135 (31)

24.007 (7)

2005

10.054 (32)

13.879 (4)

2004

9.755 (32)

19.820 (5)

2003

8.569 (36)

38.167 (4)

2002

10.074 (25)

43.244 (7)

2001

9.805 (23)

30.605 (6)

2000

7.569 (26)

21.298 (11)

1999

7.416 (24)

15.590 (10)

1998

10.137 (31)

28.044 (8)

1997

9.562 (19)

17.034 (17)

1996

6.028 (17)

9.300 (17)

1995

8.891 (28)

17.650 (11)

1994

6.385 (27)

21.427 (12)

1993

9.266 (25)

25.998 (17)

1992

8.312 (23)

19.713 (17)

1991

5.523 (20)

16.814 (6)

1990

6.836 (27)

24.587 (8)

1989

5.192 (20)

23.584 (9)

1988

7.413 (20)

19.688 (14)

1987

8.896 (17)

22.864 (20)

1986

7.925 (30)

21.345 (13)

1985

7.303 (19)

20.240 (17)

1984

10.946 (22)

41.718 (16)

1983

12.988 (24)

52.945 (21)

1982

10.186 (27)

27.713 (12)

1981

11.430 (26)

34.546 (14)

1980

14.941 (23)

45.633 (19)

1979

16.720 (14)

29.667 (15)

1978

17.552 (32)

59.273 (29)

1977

15.836 (23)

51.203 (21)

1976

11.161 (19)

29.708 (10)

1975

6.678 (27)

33.655 (18)

1974

8.525 (13)

24.047 (20)

1973

10.146 (11)

37.770 (34)

1972

9.591 (8)

36.073 (18)

1971

12.705 (12)

28.631 (16)

1970

7.783 (8)

24.197 (21)

1969

11.856 (14)

25.076 (17)

1968

6.739 (13)

20.105 (17)

1967

9.546 (13)

28.167 (14)

1966

6.267 (17)

19.006 (16)

1965

10.681 (16)

26.409 (18)

1964

12.261 (15)

30.345 (14)

1963

8.413 (14)

29.455 (17)

1962

9.027 (26)

23.000 (12)

1961

10.991 (21)

20.242 (13)

1960

11.385 (20)

14.802 (10)

1959

10.009 (25)

22.811 (17)

1958

7.345 (25)

14.055 (15)

1957

8.090 (35)

17.356 (11)

1956

5.586 (35)

21.831 (16)

1955

7.183 (21)

12.700 (10)

 

Observações:

1 – Os públicos considerados sempre foram os públicos totais de cada partida (pagantes + gratuitos), quando houve esse tipo de informação;

2 – Em azul, as médias acima de 10 mil  pessoas na Vila e acima de 25 mil em São Paulo. Em azul e em negrito a maior média de público na Vila e em São Paulo;

3 – Em vermelho, as médias abaixo de  6 mil pessoas na Vila e abaixo de 10 mil pessoas em São Paulo; em vermelho e negrito a menor média de público na Vila e em São Paulo;

4 – Em verde e em negrito o ano com a menor diferença de público entre São Paulo e Vila Belmiro;

5 – Entre parênteses, a quantidade de partidas realizadas por temporada;

6 – Em algumas temporadas, o ano futebolístico não coincidiu com o ano de civil (por exemplo, o ano de 1978, cujo Campeonato Paulista entrou 1979 afora. Neste caso os públicos são todos em referência ao ano de 1978);

7 –  Entre 1972 e 1985 não foram realizados clássicos (São Paulo, Corinthians e Palmeiras) na Vila Belmiro em Campeonatos Paulista ou Brasileiro, apenas amistosos ou competições menores. O mesmo aconteceu em 1963, 1970, 1987, 1988, 1989 e 1994;

8 – Pelé atuou no Santos FC em competições oficiais entre 1957 e 1974. 


Créditos:

Este estudo foi feito pelo professor e historiador Guilherme Nascimento. As estatísticas são baseadas nas fichas técnicas do livro de sua autoria, o “Almanaque do Santos FC”, lançado em 2013.



Gols e Melhores momentos

Santos 2 x 0 Paysandu

Data: 26/04/2017, quarta-feira, 19h30.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas de final – Jogo de ida
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 6.266 pagantes
Renda: R$ 154.805,00
Árbitro: Igor Junio Benevenuto (MG)
Auxiliares: Celso Luiz da Silva e Felipe Alan Costa de Oliveira (ambos de MG).
Cartões amarelos: Thiago Maia, Lucas Lima, David Braz e Victor Ferraz (S). Rodrigo Andrade e Bergson (P).
Gols: Bruno Henrique (03-2) e Copete (44-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Matheus Ribeiro (Copete); Renato, Thiago Maia e Lucas Lima (Vladimir Hernández); Vitor Bueno (Arthur Gomes), Bruno Henrique e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Júnior

PAYSANDU
Emerson; Ayrton, Gilvan, Perema e Hayner; Augusto Recife, Rodrigo Andrade (Diogo Oliveira) e Wesley; Leandro Carvalho (Jhonnatan), Bergson e Alfredo (Leandro).
Técnico: Marcelo Chamusca



Bruno Henrique e colombianos brilham e Santos faz 2 a 0 no Paysandu

O Santos novamente não encantou seu torcedor. Apostando mais uma vez na posse de bola, o Peixe foi lento e irritou parte dos mais de 6 mil santistas que estiveram na Vila Belmiro na noite desta quarta-feira. Porém, a equipe comandada por Dorival Júnior contou com o brilho de Bruno Henrique e de dois colombianos para largar na frente contra o Paysandu nas oitavas de final da Copa do Brasil. Buscando o jogo desde o início, o atacante titular anotou um golaço no início do segundo tempo e abriu a contagem. Já na reta final, Copete aproveitou cruzamento de Vladimir Hernández e decretou o triunfo santista por 2 a 0.

As duas equipes voltam a se enfrentar apenas no próximo dia 10 de maio, uma quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), no estádio Mangueirão, em Belém, no Pará. Com a vantagem de ter marcado duas vezes na Vila, o Peixe pode perder por até um gol de diferença na volta que mesmo assim avança para as quartas do torneio mata-mata.

O jogo

Mesmo atuando fora de casa e contra uma das equipes mais ‘badaladas’ do Brasil, o Paysandu mostrou nos primeiros minutos que não ficaria apenas se defendendo na Vila Belmiro. Logo aos 4 minutos, Wesley aproveitou escanteio e cabeceou firme. A bola passou perto da trave e assustou o goleiro Vanderlei.

A resposta do Santos veio seis minutos depois. Após belo lançamento de Lucas Lima, Bruno Henrique dominou já driblando a marcação e tocou para Ricardo Oliveira dentro da área. O centroavante pegou na veia, mas Hayner desviou e salvou o Papão.

Como a equipe de Belém não limitava-se apenas a ficar no campo de defesa, o Peixe até conseguia encontrar espaços, porém, sofria com os contra-ataques. Aos 18 minutos, Victor Ferraz encontrou David Braz livre na entrada da área. O tentou bater de primeira, mas pegou mal e o goleiro Emerson pegou sem dificuldade.

O Paysandu não deixou barato e perdeu duas grande oportunidades em sequência. Na primeira, aos 24, Bergson soltou uma bomba de fora da área e assustou Vanderlei. Logo depois, Leandro Carvalho recebeu longo lançamento, aproveitou falha de Matheus Ribeiro e David Braz, e saiu na cara no goleiro santista. Porém, o camisa 1 operou um milagre e livrou o Peixe de começar atrás na Vila.

Após os dois sustos, a equipe comandada por Dorival Júnior se lançou ao ataque e fez uma pequena ‘blitz’ nos minutos finais da primeira etapa. Porém, Bruno Henrique e Ricardo Oliveira perderam boas chances e não conseguiram tirar o zero do marcador antes do intervalo.

Mesmo após receber vaias da torcida no final da primeira etapa, o Santos voltou com a mesma proposta para o segundo tempo: manter a posse de bola e buscar os espaços com tranquilidade. Porém, Bruno Henrique, o melhor em campo pelo lado santista, anotou uma verdadeira pintura logo aos 3 minutos e acabou com o ‘marasmo’ do jogo.

Após receber lançamento de Lucas Lima, o atacante avançou pelo lado esquerdo, colocou a bola no chão e arriscou de muito longe. O chute até pareceu despretensioso, porém, a redonda foi parar no ângulo do goleiro Emerson. Golaço que colocou o alvinegro em vantagem.

O tento animou o Peixe, que chegou a ‘acuar’ o Paysandu nos primeiros momentos após o intervalo. Aos 10 minutos, Vitor Bueno recebeu na entrada da área e tocou para Ricardo Oliveira. O atacante bateu firme, mas teve o chute desviado pela zaga.

Porém, após a pressão inicial, o Santos diminuiu o ritmo e só foi atacar novamente aos 32 minutos, quando Victor Ferraz cruzou da direita, Ricardo Oliveira antecipou o goleiro, mas não conseguiu empurrar para o fundo da rede.

Quando parecia que o duelo terminaria com a vantagem mínima para o alvinegro, o técnico Dorival Júnior decidiu sacar Matheus Ribeiro e Lucas Lima para promover a entrada de Copete e Vladimir Hernández.

Em poucos minutos dentro de campo, os colombianos corresponderam logo de cara e foram decisivos para o Peixe levar uma vantagem bem melhor para Belém. Após cobrança de falta de Hernández, Copete antecipou-se aos zagueiros do Papão e anotou o segundo tento santista na Vila Belmiro no apagar das luzes.

Bastidores – Santos TV:

Bruno Henrique pede união com torcida e defende Bueno: “Pode render mais”

Bruno Henrique foi o principal nome do Santos nesta quarta-feira, na Vila Belmiro. Partindo para cima e buscando o jogo desde o início contra o Paysandu, o atacante coroou a boa apresentação com um golaço de fora da área logo aos três minutos da segunda etapa e ajudou o Peixe a abrir boa vantagem de 2 a 0 sobre o Papão no duelo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil.

Em contrapartida, Vitor Bueno novamente ficou devendo. Apagado e inseguro, o camisa 7 pouco produziu durante a partida e foi vaiado por boa parte da torcida quando foi substituído por Arthur Gomes, aos 16 minutos do segundo tempo. Bruno Henrique, por sua vez, admitiu que o colega não vive boa fase, mas o defendeu das vaias e ainda cobrou uma união maior entre torcedores e atletas.

“Eu entendo o lado do torcedor, pois o Vitor tem um potencial grande. A torcida cobra pois sabe que ele pode render mais. Ele está se esforçando e vem trabalhando nos treinamentos. Acho que nós (jogadores) e a torcida temos que nos unir para conquistarmos grandes coisas lá na frente”, resumiu o atacante santista na saída do gramado.

Com a vantagem de ter marcado duas vezes na Vila, o Peixe pode perder por até um gol de diferença na volta que mesmo assim avança para as quartas do torneio mata-mata. As duas equipes voltam a se enfrentar apenas no próximo dia 10 de maio, uma quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), no estádio Mangueirão, em Belém, no Pará.

“Jogar lá no Mangueirão é muito difícil. Eu já tive a oportunidade de atuar lá algumas vezes. O estádio complicado, torcida comparece em peso. Temos que ter tranquilidade para trabalhar durante as próximas semanas e ir bem no jogo de volta”, concluiu Bruno Henrique.

Braz admite ‘não jogar como a torcida quer’, mas valoriza vantagem

O Santos novamente não mostrou um futebol vistoso. Apostando na posse de bola, o Peixe foi lento e irritou parte dos mais de 6 mil torcedores que estiveram na Vila Belmiro na noite desta quarta-feira. Mesmo assim, o alvinegro conquistou a vitória por 2 a 0 sobre o Paysandu e abriu boa vantagem nas oitavas de final da Copa do Brasil.

O zagueiro David Braz, por sua vez, admitiu que a equipe comandada por Dorival Júnior não vem fazendo boas apresentações nas últimas partidas. Porém, o defensor destacou a força defensiva do Papão e valorizou o triunfo santista.

“Eu acho que nem sempre a gente vai conseguir fazer o que os torcedores e a imprensa querem. Não vamos vencer sempre por 4 a 0. O Paysandu veio muito fechado, com duas linhas de quatro. Tivemos dificuldade, mas conseguimos fazer os dois gols em um chute longe e em uma bola parada. A gente não esta vencendo de goleada, que é o que o torcedor espera, mas conseguimos um bom resultado para o jogo de volta”, explicou Braz na saída do gramado.

Para o zagueiro, inclusive, o Santos tem hoje um dos melhores elencos do Brasil e tem totais condições de conquistar Copa do Brasil, Libertadores e Brasileirão.

“No primeiro semestre não conseguimos o Paulista e vamos ser cobrados por isso, ainda mais que nossa equipe é qualificada para disputar todos os títulos que disputar. Temos a oportunidade de conquistar os outros objetivos e pouco a pouco vamos conseguindo os resultados. Estreamos bem na Copa do Brasil. É um desejo conquistá-la”, concluiu Braz.

Dorival banca Bueno e lamenta baixo público na Vila: “Só tinha o ônibus”

Apenas 6.266 torcedores estiveram na Vila Belmiro na vitória do Santos por 2 a 0 sobre o Paysandu, nesta quarta-feira, pelo confronto de ida das oitavas de final da Copa Brasil. Jogadores e comissão técnica do Peixe ficaram frustrados com o baixo público, ainda mais por conta da promoção que o clube fez, deixando os ingressos de graça para sócios adimplentes.

O técnico Dorival Júnior lamentou basante ver o estádio com poucos santistas e acredita que o desempenho do time pode estar influenciando na ausência do torcedores.

“A expectativa era grande para que tivéssemos nossa casa tomada para o torcedor. Quando saímos do Canal 2 e entramos na rua frontal, sabemos mais ou menos o público que teremos. Mas quando viramos hoje, só tinha o nosso ônibus. É uma situação difícil. Todos sabem o que o Santos pode produzir e estejam aguardando de repente isso acontecer”, explicou o treinador em entrevista coletiva após o triunfo sobre o Papão.

Mesmo sendo poucos, os mais de 6 mil santistas não gostaram nada da atuação do Peixe, principalmente no primeiro tempo. Antes do intervalo, diversas vaias foram ouvidas na Vila Belmiro. Um dos mais cobrados foi Vitor Bueno. Apagado e inseguro, o camisa 7 pouco produziu durante a partida e foi bastante criticado quando foi substituído por Arthur Gomes, aos 16 minutos do segundo tempo. Dorival, por sua vez, defendeu o jogador e relativizou os protestos na Vila Belmiro.

“Ele (Bueno) já foi muito aplaudido. É normal, acontece. É quando o profissional busca forças para se recuperar. Confio muito e continuei acreditando depois do primeiro tempo. Voltou relativamente bem, criando duas ou três oportunidades, mas caiu um pouco em razão daquilo que vinha produzindo. Temos que tentar fazer com que ele readquira a confiança, é fator importante. Temos que estar ao lado dele pra que volte a jogar como sempre atuou. A torcida do Santos, aquela que ajuda e participa, tem se mostrado presente, sempre ao lado. Temos que nos apoiar nesses. Os demais vão entrando no mesmo ritmo e percebendo que os campeonatos estão difíceis”, concluiu o comandante santista.