Navegando Posts marcados como Vila Belmiro

Santos 3 x 0 Atlético-GO

Data: 11/04/2019, quinta-feira, 21h30.
Competição: Copa do Brasil – 3ª fase – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 11.623 pagantes
Renda: R$ 314.220,00
Árbitro: Rodrigo Carvalhaes de Miranda (RJ)
Auxiliares: Michael Correia e Carlos Henrique Filho (ambos do RJ).
Cartões amarelos: Gilvan, Nicolas, Jonathan, Reginaldo Washington e Jorginho (A).
Cartão vermelho: Cueva (S)
Gols: Carlos Sánchez (44-1); Rodrygo (01-2) e Carlos Sánchez (39-2).

SANTOS
Everson; Victor Ferraz, Aguilar, Lucas Veríssimo e Diego Pituca; Alison (Cueva), Sánchez e Jean Mota; Rodrygo (Eduardo Sasha), Soteldo e Derlis González (Jorge).
Técnico: Jorge Sampaoli

ATLÉTICO-GO
Maurício Kozlinski; Jonathan, Lucas Rocha, Gilvan e Nicolas (Reginaldo); Pedro Bambu, Washington (André Luis) e Jorginho; Matheus (Gilsinho), Pedro Raul e Mike.
Técnico: Wagner Lopes



Santos domina o Atlético-GO na reinauguração da Vila e avança na Copa do Brasil

O Santos venceu o Atlético-GO por 3 a 0 nesta quinta-feira, na reinauguração da Vila Belmiro, e se classificou para a quarta fase da Copa do Brasil depois de derrota por 1 a 0 em Goiânia.

Depois de quase três meses de reforma, a Vila recebeu um Peixe insaciável, atacando a todo tempo. Os gols foram marcados por Sánchez (2) e Rodrygo, e a vantagem poderia até ter sido maior.

O adversário na quarta fase da competição será conhecido por meio de sorteio nesta sexta-feira. A eliminatória ocorrerá a partir da semana que vem.

O jogo

O Santos, assim como na semifinal contra o Corinthians, dominou o Atlético-GO por completo e atacou desde o primeiro minuto todo do meio-campo para frente.

As chances saíram naturalmente, mas o gol teimou em sair. Sánchez, Soteldo, Pituca, Victor Ferraz, Derlis… Todos tiveram oportunidade de marcar, mas coube ao uruguaio essa missão.

Jean Mota, até então apagado, deu passe perfeito para Sánchez deslocar Kozlinski e abrir o placar aos 44 minutos. O Peixe poderia até ter ido para o intervalo com vantagem maior.

No segundo tempo, o Santos fez justiça no placar rapidamente. Logo no primeiro minuto, Jean Mota cruzou, a bola atravessou a área e parou para o lindo chute de Rodrygo, de primeira. 2 a 0.

O Peixe diminuiu um pouco o ritmo, mas seguiu todo no campo de ataque. Sem administrar, viu o Atlético-GO ser perigoso em pelo menos três oportunidades no contra-ataque. Em um deles, de dois contra um, Pedro Bambu recebeu sozinho, mas bateu por cima, aos 17 minutos.

Após alguns sustos, o Alvinegro garantiu a classificação aos 39′, novamente com Sánchez. Soteldo recebeu na área e teve calma para encontrar o meia. O uruguaio bateu forte, de primeira, e a bola bateu no travessão antes de entrar. Nos acréscimos, Cueva entrou forte e foi expulso direto. Classificação justa na Vila Belmiro.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli compara Pacaembu com “parente rico” e pede apoio por Santos na Vila

O técnico Jorge Sampaoli espera ter o Santos como mandante na Vila Belmiro ao longo de 2019. O argentino fez um apelo ao torcedor depois dos 3 a 0 sobre o Atlético-GO, pela Copa do Brasil.

O treinador comparou o Pacaembu com um parente rico e quer a Vila cheia para que a diretoria não precise trocar o mando.

“É um orgulho estar aqui. É comparar nossa casa com a de um parente rico. Essa é nossa casa, Santos é de Santos e me sinto orgulhoso aqui. Estar em outro lugar é jogar em outro lugar, não na sua casa”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

“Você gosta de estar na sua casa? Eu também. Temos obrigação de comover o torcedor em todo o jogo para que sempre esteja lotado. Se estiver cheio sempre, não teremos justificativas para não jogar aqui. Se tiver, teremos que sair por questões financeiras. Quero que a torcida venha para que não precisemos sair daqui”, completou.

A promessa do presidente José Carlos Peres é atuar em pelo menos metade das partidas do Santos no Pacaembu. Resta entrar em acordo com Sampaoli.

Sampaoli diz que Santos faria muito mais gols se tivesse um centroavante

O técnico Jorge Sampaoli voltou a falar sobre a falta de um centroavante depois da vitória do Santos por 3 a 0 sobre o Atlético-GO na noite desta quinta-feira, na Vila Belmiro, pela Copa do Brasil.

O argentino crê que o Peixe faria muito mais gols se tivesse um camisa 9 à altura.

“Sempre joguei com um centroavante. Saber mexer na área é algo específico de uma posição. Chegamos com muitos jogadores, tentamos com um e com outro. Derlis jogou dentro e costuma jogar fora. Com tantos cruzamentos em cada jogo, com uma pessoa que se mova bem e entenda bem a leitura da partida, seguramente converteríamos muito mais gols. Temos muita verticalidade e situações. Fazemos poucos gols pelo que geramos. Precisamos de contundência com ou sem 9. Precisamos ser mais concretos para sofrer menos”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

O sonho de consumo de Sampaoli é Ricardo Oliveira, do Atlético-MG. O presidente Sérgio Sette Câmara descartou a possibilidade de saída.

“Peres é meu amigo. Conversamos sobre muita coisa. Ele é um grande nome do futebol. Sobre o Ricardo, não há nada. Jogará toda a temporada no Atlético”, disse o presidente do Galo.

Sampaoli abre disputa entre Vanderlei e Everson no Santos: “Avaliaremos”

No início da temporada, Jorge Sampaoli definiu um rodízio entre Vanderlei e Everson no Santos: o camisa 1 no Campeonato Paulista; o 22 na Copa do Brasil.

Na noite desta quinta-feira, depois da vitória do Peixe por 3 a 0 sobre o Atlético-GO, na Vila Belmiro, o treinador abriu disputa entre os goleiros para o Campeonato Brasileiro.

“Eu disse que Everson estaria na Copa do Brasil e Vanderlei no Paulista. E depois que terminar isso, avaliaremos quem convém jogar”, resumiu o argentino.

Everson foi titular nesta quinta, fez boas defesas e viu duas bolas na sua trave. O jogador avaliou a sua atuação.

“Dizem que goleiro bom tem sorte. Não sei se sou tão bom, mas a sorte esteve comigo. Fico feliz por ter ajudado em outros lances”, afirmou.

Sampaoli fala em recuperar Cueva e cobra Rodrygo: “Tem sua vida resolvida”

O técnico Jorge Sampaoli falou sobre as situações de Cueva e Rodrygo depois da vitória do Santos por 3 a 0 sobre o Atlético-GO nesta quinta-feira, na Vila Belmiro, pela terceira fase da Copa do Brasil.

O peruano fez 10 jogos, sem gol ou assistência, e foi expulso nos acréscimos da partida diante do Atlético, de forma direta, após forte dividida. Rodrygo vinha sendo reserva até essa quinta.

“Há circunstâncias para eleger. Cueva tem grande valor, seguramente precisa de adaptação, chegou tarde depois de não jogar muito lá. Vai nos dar muito. Como Rodrygo, Cueva ou qualquer um, depende do que precisamos. Não nos guiamos pelos nomes, mas pela realidade. Quem não seja intenso por 90 minutos… Dizemos isso para o Rodrygo porque será exigido assim na Europa. Se consegue aqui, vai se adaptar mais rápido na Europa. Contra o Corinthians fizemos bom primeiro tempo, grande segundo tempo e ficamos com o segundo para hoje. Poderíamos ter jogado com Cueva e Jean de falso 9, mas escolhemos sem ele. Esperamos recuperá-lo pois é muito valioso, teve uma grande Copa”, disse Sampaoli, antes de comentar sobre Rodrygo.

“Sou mais exigente com os que mais podem. Quem não me brinda isso, precisa esperar. É com todos. É preciso exigir mais de quem mais pode oferecer. Rodrygo tem sua vida resolvida e está esperando julho para sair. Estou querendo ganhar no dia a dia, tentamos fazer ele entender. Fez um grande jogo hoje, outro dia também. Estou em cima dele para exigir o máximo. Para o bem dele e do Santos”, afirmou.

O Santos pagará R$ 26 milhões por Cueva em quatro temporadas. Rodrygo já está negociado com o Real Madrid e se apresentará na Espanha no dia 15 de julho.

Após ‘sacrifício’ pelo Santos, Jean Mota é elogiado por Sampaoli: “Incrível”

Jean Mota jogou no “sacrifício” na vitória do Santos por 3 a 0 sobre o Atlético-GO nesta quinta-feira, na Vila Belmiro, na classificação para a quarta fase da Copa do Brasil.

O meia se recuperou de pequena lesão em ligamento do joelho direito depois de não treinar com bola na última quarta, no CT Rei Pelé.

“Não conseguia andar no Pacaembu e agradeço pela fisioterapia por ter aguentado o jogo todo. Ainda sinto um pouco de dor e receio, mas graças a Deus pude fazer um bom jogo”, disse Jean Mota.

“Foi uma vitória convincente na nossa casa, estamos numa crescente, confiantes”, completou.

Após o esforço, o técnico Jorge Sampaoli elogiou o meia em entrevista coletiva.

“Santos foi decisivo, valente. Bem no primeiro e segundo gol. Contamos com centroavantes convertendo. Sánchez foi muito bem, Jean Mota foi incrível, com duas assistências. Ele nos ajudou muito depois de sair lesionado no jogo anterior. Fez um grande esforço para esse jogo”, explicou o treinador.

O adversário na quarta fase da competição será conhecido por meio de sorteio nesta sexta-feira. A eliminatória ocorrerá a partir da semana que vem.

Jean Mota celebra boa fase e quer continuar ajudando o Santos

No começo de 2019, antes mesmo da temporada começar, se tinha um nome que a torcida queria longe do Santos, esse alguém era Jean Mota. O meia foi um dos mais criticados de 2018, mas conseguiu dar a volta por cima sob o comando de Jorge Sampaoli.

Em entrevista à TV oficial do clube, o camisa 41 celebrou o excelente momento, e admitiu estar surpreendido por ser um dos grandes nomes do Peixe neste ano. “Para mim foi uma surpresa. Mas isso é fruto do trabalho. Venho buscando melhorar a cada dia mais. Acho que há uma semana atrás, vinham falando sobre jejum de gols e eu sempre falei que meu intuito é ajudar a equipe”, afirmou o meia.

Na última quinta-feira, na vitória por 3 a 0 sobre o Atlético-GO, Jean Mota deu duas assistências que resultaram nos gols de Carlos Sánchez e Rodrygo. O jogador relembrou os lances diante do Dragão, e voltou a ressaltar que seu principal objetivo é ajudar o Peixe.

“Pude ser feliz em dar duas assistências. Essa liderança (de artilheiro e líder em assistências) não é algo que eu prezo. Penso no dia-a-dia, a equipe e poder ajudar”, encerrou o atleta.


Santos 1 x 0 Ferroviária

Data: 19/01/2019, sábado, 17h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 8.616 pagantes
Renda: R$ 252.135,00
Árbitro: Vinicius Gonçalves Dias Araujo
Assistentes: Anderson José de Moraes Coelho e Bruno Salgado Rizo
Cartões amarelos: Diego Pituca, Alison e Felippe Cardoso (S); Elton, Rodrigão (F).
Gol: Jean Mota (34-2).

SANTOS
Vanderlei, Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Orinho; Alison, Diego Pituca (Copete), Carlos Sánchez e Jean Mota (Yuri); Yuri Alberto (Arthur Gomes) e Felippe Cardoso
Técnico: Jorge Sampaoli

FERROVIÁRIA
Tadeu; Diogo Mateus, Elton, Rayan (Rodrigão) e Julinho (Arthur Henrique); PH, Tony, Maurinho, Fellipe Mateus e Felipe Ferreira (Uilliam); Lúcio Flávio.
Técnico: Vinicius Munhoz



Santos derrota a Ferroviária e começa com vitória a era Sampaoli

O Santos fez bom primeiro tempo, caiu de rendimento na etapa final e parecia abrir seu ano sem conseguir vazar a defesa adversária. Um bom pivô de Felippe Cardoso e um chute firme de Jean Mota, duas das apostas de Jorge Sampaoli para a temporada, porém, mudaram o rumo da partida e decretaram a vitória por 1 a 0 sobre a Ferroviária, na tarde deste sábado, na Vila Belmiro.

O resultado, que teve ainda o primeiro gol da atual edição do Campeonato Paulista, ameniza os problemas internos no Santos, que viu o treinador reclamar da falta de investimentos na equipe durante a semana. Sem Bruno Henrique, que se negou a jogar, o argentino achou um jeito diferente de atuar, com dois centroavantes, e conseguiu sair vitorioso.

O jogo

O Santos começou o seu ano apostando na base de 2018 e na força da Vila Belmiro para encurralar a Ferroviária, mas demorou a ter o domínio do jogo. Com uma posse de bola muitas vezes sem grande perigo para o adversário, o time de Sampaoli mais uma vez só começou a ameaçar o adversário quando Jean Mota teve faltas e escanteios para bater na área, sempre com perigo.

O próprio meia chamou a responsabilidade e ficou perto de abrir o placar quando recebeu bola na entrada da área, deixou quicar e chutou forte, parando em boa defesa de Tadeu. Na cobrança do escanteio, a redonda correu por toda a pequena área sem ser afastada, caiu nos pés de Felippe Cardoso e tinha boas chances de entrar, mas parou em uma barreira montada pela defesa.

Mota seguiu chamando a responsabilidade no meio-campo e quase deixou o Peixe à frente do placar antes do intervalo. Em cobrança de falta da intermediária, bateu no ângulo de Tadeu, que desviou e viu a bola bater no travessão antes de sair. A pressão, ainda que sem tanto futebol, conseguira construir a melhor chance para os donos da casa àquela altura.

Os anfitriões voltaram do intervalo com Arthur Gomes na vaga de Yuri Alberto, aparentemente para dar mais velocidade à equipe. Em começo de temporada e com um forte sol na Vila Belmiro, porém, praticamente nada aconteceu até a parada para hidratação dos atletas, na metade da segunda etapa. Um bom chute de Pituca, defendido com facilidade por Tadeu, foi o principal destaque.

Preocupado em aumentar o ritmo da equipe, visivelmente prejudicado pelo calor, Sampaoli mandou a campo o colombiano Copete, bem mais ofensivo que o volante Pituca. E foi dele que saiu o cruzamento para Felippe Cardoso ajeitar e Jean Mota, de primeira, mandar no canto de Tadeu. Aos 34 minutos do segundo tempo, a torcida podia, enfim, comemorar.

Os minutos finais foram de uma Ferroviária buscando o gol, mas claramente sem as armas técnicas para conseguir vencer a defesa santista. Sampaoli reforçou sua marcação ao colocar Yuri na vaga de Mota, diminuindo as chances de sofrimento e confirmando o triunfo.

Bastidores – Santos TV:

Mota celebra gol decisivo e quer construir “nova história” em 2019

O meia Jean Mota começou bem a temporada 2019. Depois de ser uma das boas notícias do amistoso contra o Corinthians, na semana passada, o armador mostrou por que Jorge Sampaoli apostou nele para este começo de ano. Com bons passes e chutes precisos, um dos quais acabou dentro do gol da Ferroviária, o canhoto foi o melhor jogador em campo na vitória do Santos sobre a Ferroviária, na tarde deste sábado, na Vila Belmiro.

“Começamos com o pé direito, vitória dentro da nossa casa, com a nossa torcida, era o que a gente almejava”, comentou o jogador, bastante aplaudido pela galera ao ser substituído já na parte final da partida, cena que ocorreu poucas vezes anteriormente.

“Tivemos muitas chances no primeiro tempo, mas não conseguimos fazer. Ainda bem que conseguimos no segundo. Representa muito para mim esse carinho da torcida, quero fazer uma nova história em 2019. Gratificante, fruto do trabalho”, avaliou, sem reclamar das vaias de 2018.

“Vamos ser cobrados, futebol é assim, estamos em um time grande, precisamos responder dentro de campo”, concluiu o jogador, que desponta como um dos pilares de Sampaoli neste começo de trabalho.

O resultado, que teve ainda o primeiro gol da atual edição do Campeonato Paulista, ameniza os problemas internos no Santos, que viu o treinador reclamar da falta de investimentos na equipe durante a semana. Sem Bruno Henrique, que se negou a jogar, o argentino achou um jeito diferente de atuar, com dois centroavantes, e conseguiu sair vitorioso.

Torcida do Santos “compra briga” e aplaude jogo de Vanderlei com os pés

A torcida do Santos tomou partido de uma disputa recente no clube alvinegro. Na tarde deste sábado, durante a vitória por 1 a 0 contra a Ferroviária, pela estreia do Campeonato Paulista, os santistas fizeram questão de aplaudir todo e qualquer toque do goleiro Vanderlei com os pés na bola. Uma clara resposta aos pedidos do técnico Jorge Sampaoli por um goleiro que saiba jogar mais bem quando receber a bola na construção das jogadas. O treinador, porém, também recebeu aplausos.

“A explicação tem a ver com sistema e estilo de jogo. Se podemos somar a capacidade de Vanderlei com seu jogo com os pés, para que a construção de início de jogo com o goleiro, que é fundamental, bem-vindo seja. Se não der certo, temos que ter alternativa com quem nos dá essa chance”, explicou o treinador um dia antes, motivando os santistas a festejar seu arqueiro.

“Ele é muito mais ídolo do que eu”, reconheceu Sampaoli após o duelo. O treinador quer um goleiro com boa qualidade nos pés como alternativa para Vanderlei. A ideia, porém, é potencializar o jogo do camisa 1. Para os oito mil presentes à Vila, porém, o atleta já é bom o bastante no setor. Além dos festejos iniciais, Vanderlei ouviu seu nome ser gritado quando a equipe voltou do vestiário, agradecendo o apoio.

Com Vanderlei mantido e Vladimir à espera de um empréstimo, o Santos espera a contratação de Everson nos próximos dias. A diferença entre o oferecido e o pedido é R$ 1 milhão.

O resultado, que teve ainda o primeiro gol da atual edição do Campeonato Paulista, ameniza os problemas internos no Santos, que viu o treinador reclamar da falta de investimentos na equipe durante a semana. Sem Bruno Henrique, que se negou a jogar, o argentino achou um jeito diferente de atuar, com dois centroavantes, e conseguiu sair vitorioso.

Sampaoli reclama do calor e confia no Santos como protagonista

O técnico Jorge Sampaoli gostou do que viu do seu time na tarde deste sábado, contra a Ferroviária, na Vila Belmiro, pela estreia da equipe no Campeonato Paulista. Apontando o calor como um fator de dificuldade, já que os termômetros bateram os 35ºC durante a partida, ele explicou que a intensidade dos seus comandados esteve no limite do aceitável.

“É muito difícil suportar um nível alto com esse calor. Pesa muito, se faz muito difícil ter um ritmo alto e intenso”, avaliou o treinador, que seguiu com o discurso de, independentemente dos reforços, tentar ser protagonista nas partidas que joga.

“Nós tentamos ter a bola, se defender com a bola, ter mais tempo com ela para não ter que nos defender tanto. Não podemos ser ultradefensivos tendo a bola. Por ter tanto domínio, e não ser tão claro, o primeiro tempo poderia ter terminado 2 a 0. Mas tivemos um rival que se defendeu bem”, observou, confiante em seu trabalho.

“O jogo foi favorável, como foi contra o Corinthians. No posicionamento, na quantidade de passes no campo rival. mas faltou contundência, tivemos aproveitamento baixo nas chances de gol. O rival estava muito bem ordenado em campo. Esse é o primeiro jogo oficial, claro que tinha que ser protagonista. Contente pelo esforço dos jogadores que mereceram ganhar. Ainda falta muito para um rendimento ótimo”, concluiu.

Sampaoli diz que contava com Bruno Henrique e critica empresários

O técnico Jorge Sampaoli não escondeu sua insatisfação com a situação do atacante Bruno Henrique, que não apareceu na concentração do Santos para a partida contra a Ferroviária, neste sábado, na Vila Belmiro. Instruído pelos seus empresários a não jogar, nas palavras do próprio treinador, o jogador seria titular da equipe alvinegra neste início de ano.

“A única coisa que posso falar do Bruno Henrique é que ele não se apresentou na concentração. Tentei falar com a diretoria. Iria jogar como titular. Sempre manifestei desde o dia que cheguei que contaria com ele. Isso é com ele e com a diretoria”, comentou o comandante.

Sampaoli já havia deixado claro que contava com o atleta, titular durante toda a temporada de 2017 e que passou por um problema no olho esquerdo no começo do ano passado, dificultando seu aproveitamento. Para o argentino, a atitude de Bruno Henrique foi só mais um exemplo da ingerência dos empresários no futebol.

“Nesse tipo de situação que o jogador vai ganhar mais dinheiro em outro lugar, não posso falar especificamente do caso de Bruno. Quem manda são os empresários, dizem para não se apresentar e ele não vem”, concluiu o técnico.


O Santos pediu à Federação Paulista de Futebol (FPF) a transferência de seus jogos para o Pacaembu por dois meses a partir da estreia no Campeonato Paulista contra a Ferroviária, no dia 19, confirmada para a Vila Belmiro.

O Peixe não conseguiu fazer toda a reforma durante as férias do elenco e quer tempo para viabilizar outras mudanças. Veja a nota oficial abaixo.

“O Santos Futebol Clube está solicitando à Federação Paulista de Futebol (FPF) a transferência de seus jogos como mandante para o Pacaembu por período de 60 dias após a estreia contra a Ferroviária, marcada para o dia 19 de janeiro. A solicitação ocorre por conta de haver a necessidade da realização de manutenções de maior porte em determinados setores da Vila Belmiro, como a cobertura dos camarotes e revestimento da marquise, bem como algumas melhorias no entorno do gramado, especialmente atrás do gol da arquibancada do placar”.

Se a FPF aprovar, o Santos jogará quase toda a primeira fase do Paulistão e o início da Sul-Americana no Pacaembu. O presidente José Carlos Peres disse que o Peixe atuaria 60% dos seus compromissos na capital paulista.


Santos 3 x 2 Atlético-MG

Data: 24/11/2018, sábado, 20h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 37ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Auxiliares: Rafael da Silva Alves e Jorge Eduardo Bernardi.
Cartão amarelo: Gabriel, Dodô, Alison e Diego Pituca (S); Cazares (A).
Cartão vermelho: Carlos Sanchéz (S).
Gols: Carlos Sánchez (01-1), Ricardo Oliveira (16-1), Felippe Cardoso (33-1) e Gabriel (36-1); Ricardo Oliveira (07-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Dodô; Alison, Diego Pituca e Carlos Sánchez; Gabriel (Renato), Derlis González (Jonathan Copete) e Felippe Cardoso (Rodrygo).
Técnico: Cuca

ATLÉTICO-MG
Victor; Emerson, Léo Silva, Gabriel e Fábio Santos; Galdezani (Alerrandro), Elias e Cazares; Luan (Lucas Cândido), Chará (Terans) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Levir Culpi


Santos 1 x 1 Botafogo

Data: 21/11/2018, quarta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 36ª rodada (antepenúltima)
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 3.620 pagantes
Renda: R$ 64.715,50
Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC)
Auxiliares: Henrique Neu Ribeiro e Eder Alexandre (SC)
Cartões amarelos: Gabriel e Luiz Felipe (S); Marcinho (B).
Gols: Rodrygo (35-1) e Brenner (14-2).

SANTOS
Vladimir; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Dodô; Arthur Gomes (Copete), Alison, Diego Pituca e Rodrygo (Anderson Ceará); Gabriel e Felippe Cardoso (Eduardo Sasha).
Técnico: Cuca

BOTAFOGO
Gatito Fernandez; Marcinho, Marcelo Benevenuto, Igor Rabello e Moisés; Rodrigo Lindoso, Matheus Fernandes, Léo Valencia (Renatinho) e Luiz Fernando; Erik (Rodrigo Pimpão) e Brenner (Kieza).
Técnico: Zé Ricardo



Sem chance de Libertadores, Santos e Botafogo empatam na Vila

Santos e Botafogo empataram em 1 a 1 na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols foram marcados por Rodrygo e Brenner.

Durante a partida, Peixe e Fogo souberam do fim das chances matemáticas de classificação para a Libertadores da América em 2019. O Atlético-MG venceu o Internacional no Beira-Rio e não pode mais ser alcançado no G6.

Paulistas e cariocas agora precisam vencer um dos dois jogos finais do Brasileirão para sacramentar a presença na Sul-Americana da próxima temporada.

O jogo

Os primeiros minutos de Santos e Botafogo foram tão sem emoção quanto as arquibancadas vazias da Vila Belmiro.

O Fogão ficou com a posse de bola na primeira parte e assustou parcialmente o Peixe aos seis minutos, em chute travado de Moisés na área. Aos 15, Gabriel chutou e a bola tocou na zaga antes de ir para escanteio.

O torcedor só levantou aos 34′, quando Felippe Cardoso recebeu de Gabigol, fez fila e acertou o travessão. Segundos depois, saiu o gol santista.

Rodrygo quebrou jejum de três meses ao receber de Victor Ferraz na pequena área, ter o primeiro chute defendido por Gatito e aproveitar com oportunismo o rebote. Antes do intervalo, o Santos, já melhor postado, administrou o resultado parcial com tranquilidade.

O Botafogo voltou melhor para o segundo tempo e quase empatou em seis minutos, em cabeceio de Erik na trave direita de Vanderlei. Aos 9, o Santos respondeu com finalização de fora da área de Alison.

Aos 14, a pressão dos visitantes surtiu efeito e o Peixe novamente sucumbiu pelo alto. Valencia cobrou falta na área, Diego Pituca vacilou na marcação e a bola sobrou para Brenner empatar. E três minutos depois, quase veio a virada. Moisés recebeu cruzamento no segundo pau e cabeceou forte para excelente defesa de Vladimir.

Quando o placar marcava 22, a arbitragem protagonizou uma lambança. Gabigol acertou o rosto de Valencia ao proteger a bola e Heber Roberto Lopes o expulsou. Na sequência, consultou o bandeirinha, anulou a marcação e aplicou cartão amarelo.

Com o empate no placar, Santos e Botafogo não tiveram forças e criaram pouquíssimas chances na Vila. Na melhor do Bota, Pimpão demorou para chutar quase na pequena área e foi travado por Copete aos 41. No minuto 44, Victor Ferraz finalizou para boa defesa de Gatito.

Na base do abafa, o Santos quase empatou no fim. Aos 46, Gabigol foi deslocado na área, mas Heber não deu pênalti. No minuto 47, a bola bateu na mão de Marcelo na área e a penalidade também não foi marcada. E no último lance, ainda deu tempo de Gustavo Henrique cabecear, a bola bater em Gatito e tocar na trave.

No fim das contas, ponto melancólico para ambos os times e ausência na Libertadores da América em 2019.

Susto no Santos e histórico familiar fazem Cuca decidir por cirurgia

O técnico Cuca, do Santos, passará uma cirurgia cardíaca no final deste ano. A notícia surpreendeu a todos na noite desta quarta-feira e deixou funcionários e torcedores preocupados.

Pessoas próximas ao treinador, porém, afirmam que não há motivo para alarde. A decisão de Cuca passa mais por precaução do que por urgência médica.

Cuca sofreu o susto em 23 de setembro, na derrota do Peixe por 2 a 1 para o Cruzeiro, no Mineirão. O profissional sentiu dor e dormência no vestiário depois da partida. No dia seguinte, ele foi convencido pelo ex-médico Jorge Merouço a passar por exames.

No hospital, Cuca soube que quase enfartou. Outros testes foram feitos posteriormente e os resultados apontaram uma obstrução na artéria coronária. Para liberar o fluxo sanguíneo, um stent – uma espécie de tubo feito de metal –, será colocado na intervenção cirúrgica.

A cautela aumenta por conta do histórico familiar. O pai de Cuca morreu devido a problemas cardíacos e Cuquinha, irmão e auxiliar, teve que ser submetido a uma cirurgia no coração durante a passagem pelo Shandong Luneng-CHI, em 2015.

O planejamento de Cuca ainda não está totalmente definido, mas, a princípio, será de descanso por alguns meses após a cirurgia. O técnico não se preservou desde que soube do problema e trabalhou normalmente na rotina do CT Rei Pelé, inclusive com participação nos rachões do elenco profissional.

Cuca tentou guardar a situação em segredo até o fim do Campeonato Brasileiro, porém, o presidente José Carlos Peres atrapalhou ao citar um suposto problema de saúde em entrevista ao Bandsports. Ao ser questionado sobre o assunto, o técnico preferiu não mentir e admitiu para a imprensa

Cuca já pensava em deixar o Santos antes mesmo de saber sobre a necessidade da cirurgia. O treinador teve desavenças com o presidente e dificilmente permaneceria. O contrato vai até dezembro de 2019, mas não prevê multa rescisória.