Navegando Posts marcados como Walter Ribeiro

São Bento 0 x 4 Santos

Data: 24/01/2019, quinta-feira, 19h15.
Competição: Campeonato Paulista – 2ª rodada
Local: Estádio Walter Ribeiro, em Sorocaba, SP.
Público: 8.619 pagantes
Renda: R$ 317.260,00
Árbitro: Thiago Duarte Peixoto
Auxiliares: Vitor Carmona Metestaine e Marco Antonio de Andrade Motta Junior.
Cartões amarelos: Diego Pituca (S).
Gols: Jean Mota (17 seg-1) e Derlis González (18-1); Soteldo (24-2) e Copete (32-2).

SÃO BENTO
Renan, Edson Ratinho, Ewerton Páscoa, Diego Ivo e Marcelo Cordeiro; Fábio Bahia, João Paulo e Paulinho (Joãozinho); Alex Maranhão (Tiago Luis), Mazola (Eder Luis) e Alecsandro.
Técnico: Marquinhos Santos

SANTOS
Vanderlei, Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Orinho; Alison, Diego Pituca e Jean Mota (Copete) e Carlos Sánchez; Derlis González (Kaio Jorge) e Felippe Cardoso (Soteldo).
Técnico: Jorge Sampaoli



Santos massacra o São Bento e vence por 4 a 0 em Sorocaba

O Santos dominou o São Bento por completo e venceu por 4 a 0 na noite desta quinta-feira, em Sorocaba. Os gols foram marcados por Jean Mota, Derlis González, Soteldo e Copete.

O Peixe abriu o placar logo aos 15 segundos, com Jean, e terminou a partida da mesma forma: com linhas altas e pressão sobre o adversário a todo tempo. O Alvinegro não parou de atacar.

Com duas vitórias em dois jogos, o Santos volta a campo para o clássico contra o São Paulo, domingo no Pacaembu.

O jogo:

Nem o torcedor mais otimista do Santos esperaria um início tão bom. Logo aos 15 segundos, Jean Mota aproveitou cruzamento de Victor Ferraz, girou e bateu bonito para abrir o placar.

O gol não fez o Peixe recuar e o domínio continuou. O Alvinegro empilhou chances, principalmente com Jean e Derlis González. E o segundo não demorou a sair.

Jean Mota armou o contra-ataque em ótimo lançamento para Derlis. O paraguaio entortou Diego Ivo e chutou por baixo das pernas do goleiro Renan para ampliar, aos 18′.

E nem o 2 a 0 freou o Santos. Os visitantes seguiram com as linhas altas, posse de bola e marcação pressão no adversário. O São Bento só assustou no jogo aéreo e chegou a acertar o travessão com Ewerton Pascoa. Enquanto isso, o Peixe assustou em finalizações de longe de Diego Pituca, Carlos Sánchez e Jean Mota.

O cenário para o segundo tempo não se alterou. O São Bento se lançou ao ataque e ficou mais com a bola, mas o Santos seguiu no controle.

O placar encaminhado fez Sampaoli testar uma formação sem centroavante, com Soteldo na vaga de Felippe Cardoso logo no início da segunda etapa. E deu certo.

Depois de um tempo de “ensaio”, Soteldo tabelou com Derlis e encobriu Renan em belo cartão de visita na estreia. 3 a 0 aos 24 minutos.

3 a 0, dá para administrar e diminuir o ritmo? Para Sampaoli, não. Enérgico, o argentino seguiu cobrando ofensividade do Santos. E o quarto gol aos 32, quando Copete aproveitou cruzamento de Orinho para marcar.

Aos 34, um susto: Vanderlei quis driblar Tiago Luis, se enrolou e depois defendeu a finalização do ex-santista. A torcida apoiou o goleiro. Daí em diante, o Santos não criou mais oportunidades claras e terminou “só” no 4 a 0. Domínio completo.

Bastidores – Santos TV:

Jean Mota vibra por fase artilheira e brinca com gringos do Santos

Jean Mota é o grande nome deste início de trabalho de Jorge Sampaoli no Santos: bancado pelo técnico, o meia foi destaque em todos os compromissos de 2019: empate no amistoso contra o Corinthians e vitórias sobre Ferroviária e São Bento no Campeonato Paulista.

Com dois gols, uma assistência e o cruzamento para Pedro Henrique marcar contra no clássico, Jean vibra pela boa fase e brinca com a presença dos gringos no elenco.

“Dois gols e uma assistência em dois jogos. Fico feliz por ajudar a equipe. Como sempre digo, o que importa é a vitória, mas feliz pelos gols”, disse Jean Mota, ao Premiere.

“Daqui a pouco temos que aprender (o espanhol) pois só tem gringos, mano (risos). Estão fortalecendo bastante e estamos trabalhando para um elenco forte”, completou.

Sampaoli elogia goleada e já mira protagonismo no San-São

Como não poderia ser diferente, Jorge Sampaoli gostou da goleada do Santos por 4 a 0 sobre o São Bento na noite desta quinta-feira, em Sorocaba.

O técnico argentino analisa a atuação e já mira o clássico contra o São Paulo, domingo, no Pacaembu, pela terceira rodada do Campeonato Paulista.

“Vamos melhorando. Santos não tem a minha cara, mas a cara do objetivo do elenco. Santos fez quatro num campo complicado, contra rival de jogadores muito bons. É um passo à frente, temos que seguir melhorando. O gol do Jean Mota (aos 15 segundos) foi importante, num ataque bem elaborado. Tivemos muitas situações de gol e poderíamos ter feito mais. O gol cedo nos deu segurança, mas continuamos buscando. Alcançamos vitória muito clara contra rival e campo complicados”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

“Estamos convencidos a protagonizar sempre, agora é o São Paulo, mas vamos tentarnos impor como contra o Corinthians. Equipe muito boa, com reforços importantes e precisaremos estar muito bem”, completou.

Sampaoli elogia Derlis e Soteldo e diz que camisas 10 e 11 do Santos deveriam estar em museu

O técnico Jorge Sampaoli deu indício de ter acertado ao indicar Yeferson Soteldo para o Santos. O venezuelano estreou com gol na vitória por 4 a 0 sobre o São Bento, nesta quinta-feira, em Sorocaba.

O argentino analisou a participação do baixinho de 1,60m de altura e opinou sobre a camisa 10, de Soteldo, e a 11: elas nem deveriam existir.

“Camisas 10 e a 11 do Santos tinham que estar em um museu, não tinham que existir. Sobre Soteldo, é um aporte ofensivo além da camisa. Terá ano muito bom, explosão, bom no um contra um, rápido e creio que será muito, mas muito importante”, falou Sampaoli, em entrevista coletiva.

O treinador também elogiou Derlis González. O paraguaio pediu para sair, mas foi convencido a ficar e se destacou diante do São Bento, com gol e assistência.

“Até que não sabíamos a situação do Derlis, queríamos ele. Ele está envolvido no grupo, fez grande jogo, ajudou o tempo todo e foi determinante. Para mim, pode jogar muito em todo o ano”, completou.

Sampaoli comenta disputa entre goleiros no Santos: “Que defenda o melhor”

O Santos anunciou Everson como reforço nesta quinta-feira. O goleiro ex-Ceará chega para substituir Vladimir, emprestado ao Avaí, e disputar posição com Vanderlei, titular desde 2015.

Depois da goleada sobre o São Bento, o técnico Jorge Sampaoli comenta a disputa entre os atletas de posição e projeta a melhora de ambos.

“A ida do Vladimir a outro clube deu a necessidade de trazer um outro goleiro. A prioridade é do Vanderlei, que terminou o ano e começou muito bem em 2019. Nos dá muita segurança. Everson terá de trabalhar para alcançar um goleiro de muito nível. É a concorrência e que defenda o melhor. Vanderlei é um grande goleiro e foi muito bem nesses três jogos”, disse Jorge Sampaoli, em entrevista coletiva.

Everson está regularizado e deve ficar no banco de reservas contra o São Paulo, domingo, no Pacaembu, pela terceira rodada do Campeonato Paulista.

O contrato de Everson é de quatro temporadas. O Santos pagou R$ 4 milhões por 80% dos direitos econômicos. O atleta foi indicado por Sampaoli.


São Bento 0 x 2 Santos

Data: 22/03/2017, quarta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 10ª rodada
Local: Estádio Municipal Walter Ribeiro, em Sorocaba, SP.
Público: 6.690
Renda: R$ 272.535,00
Árbitro: Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza
Auxiliares: Alex Ang Ribeiro e Eduardo Vequi Marciano
Cartões amarelos: Giovanni (SB) e Lucas Lima (S).
Cartão vermelho: Bebeto (SB).
Gols: Vitor Bueno (05-2) e Lucas Lima (13-2).

SÃO BENTO
Rodrigo Viana; Bebeto, Pitty, Gabriel Santos e Régis; Fábio Bahia, Itaqui, Renan Mota, Morais (Diego Oliveira) e Giovanni (Guilherme Queiroz); Ricardo Bueno (Lucas Mendes).
Técnico: Paulo Roberto Santos

SANTOS
Vladimir; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Zeca; Renato (Rafael Longuine), Thiago Maia e Lucas Lima; Bruno Henrique (Arthur Gomes), Vitor Bueno (Vladimir Hernández) e Kayke.
Técnico: Dorival Júnior



Santos bate São Bento, afasta pressão e assume liderança no Paulista

O Santos retomou o caminho da tranquilidade nesta quarta-feira. Após a derrota de virada para o Palmeiras, no último domingo, a torcida do Peixe voltou a pressionar a equipe e até pichou os muros da Vila Belmiro. Porém, os comandados de Dorival Júnior não precisaram fazer muito esforço para baterem o São Bento por 2 a 0, em Sorocaba, e findarem com a desconfiança dos santistas. Depois de um primeiro tempo murcho, o alvinegro contou com o brilho de Lucas Lima para marcar duas vezes na segunda etapa e garantir a vitória.

Com o triunfo, o Santos chegou aos 16 pontos e não só voltou para a zona de classificação como assumiu a liderança do grupo D do Campeonato Paulista, ultrapassando Ponte Preta e Mirassol. A Macaca, também com 16, perde no número de vitórias. Já o Leão foi derrotado pelo Palmeiras, nesta quarta-feira, e parou nos 14 pontos.

O São Bento, por sua vez, estacionou nos 10 pontos, é o último do grupo C, viu o sonho de chegar às quartas ficar mais distante e ainda segue com risco de rebaixamento.

O jogo

Desde o ano passado, a torcida do Santos reclama da demora que o time tem para arriscar uma finalização. Tendo como característica a posse de bola, a equipe comandada por Dorival Júnior sempre espera o momento certo para tentar um chute. E na primeira etapa diante do São Bento, a tônica foi a mesma.

Dominando as ações, o Peixe passou praticamente o jogo inteiro no campo de ataque. Porém, os santistas arriscaram poucas finalizações, erraram todas elas e não conseguiram abrir o placar em Sorocaba.

A primeira oportunidade surgiu aos 9 minutos. Após lindo passe de Thiago Maia, Kayke invadiu a área e bateu cruzado. Porém, o atacante acabou tirando demais do goleiro Rodrigo Viana e a bola passou raspando a trave.

Nulo dentro de campo, o São Bento apenas tentou chegar em alguns contra-ataques. O problema é que a equipe comandada por Paulo Roberto demonstrou uma grande dificuldade técnica e pouco assustou na etapa inicial.

O alvinegro, por sua vez, seguiu com a posse, mas não acertou o pé. Aos 32 minutos, Lucas Lima bateu escanteio fechado para dentro da área. David Braz quase conseguiu desviar, mas a bola acabou saindo direto pela linha de fundo, assustando Rodrigo Viana.

Antes do apito final, o volante Thiago Maia apareceu novamente e achou Vitor Bueno dentro da área. O meia, porém, acabou sendo travado e chutou para fora, finalizando um primeiro tempo com poucas emoções em Sorocaba.

O início do segundo tempo serviu para mostrar como o Santos é dependente de Lucas Lima. Na etapa inicial, o meia pouco produziu e o Peixe ficou aquém do esperado. Porém, logo aos 5 minutos após o intervalo, o camisa 10 recebeu de Victor Ferraz dentro da área, não foi fominha, e rolou para Vitor Bueno. O camisa 7, pressionado após perder um gol inacreditável contra o Palmeiras, no último domingo, bateu no canto do goleiro Rodrigo Viana e abriu o placar em Sorocaba, tirando um peso enorme das costas e deixando o alvinegro em vantagem.

O tento também aliviou a pressão sob todo o time comandado por Dorival Júnior. Mais ‘relaxado’, o Santos aproveitou a fragilidade do São Bento e ampliou o marcador sem fazer esforço. Aos 13 minutos, Kayke aproveitou uma saída errada do Bentão, avançou pela esquerda e mandou para Lucas Lima dentro da área. Com muita tranquilidade, o meia limpou o goleiro e anotou o segundo do Peixe.

Avassalador, o alvinegro quase fez o terceiro dois minutos depois. Bruno Henrique escapou no mano a mano e sofreu falta. Inicialmente, o bandeira anotou pênalti. O árbitro, porém, confirmou a falta fora da área. Mesmo assim, o zagueiro Bebeto acabou expulso. Na cobrança, Victor Ferraz bateu com categoria e a bola passou raspando a trave de Rodrigo Viana.

Após os dois gols e a expulsão, o Peixe ‘tirou o pé’ e apenas administrou o resultado, que levou o alvinegro de voltar para a liderança do grupo D.

Bastidores – Santos TV:

Dorival vê Santos maduro e estranha pressão: “Continuo trabalhando”

O início de ano do Santos vem sendo de altos e baixos. Inicialmente, a chegada de reforços e a estreia arrasadora contra o Linense animaram os torcedores. Porém, após uma sequência com apenas uma vitória em cinco jogos, o técnico Dorival Júnior se viu pressionado. O triunfo sobre o The Strongest e a liderança da Libertadores até aliviaram a tensão na semana passada. O problema é que o revés de virada para o Palmeiras, no último domingo, trouxe de volta o clima pesado para os arredores da Vila Belmiro, que chegou a ser pichada na última segunda-feira.

Nesta quarta-feira, porém, o alvinegro bateu o São Bento por 2 a 0, em Sorocaba, e retomou a liderança do grupo D. Com isso, Dorival espera acabar de vez com a ‘estranha’ pressão que vem acontecendo no clube.

“Esse é o futebol brasileiro. Perdemos um jogo para o São Paulo e foi aquela pressão toda. Pressão já se tem todo dia. Quando é excessiva, a gente estranha. Parece que não enxergam o que se faz no clube. Continuo trabalhando. Temos a confiança de quem comanda a equipe. Não vejo essa pressão toda acontecendo. Estranho em determinados momentos. As pessoas que fazem o dia a dia do Santos sabem do que estou falando. Jogadores trabalham com alegria e buscam fazer o melhor. Os resultados não foram o que produzimos”, explicou o comandante, em entrevista coletiva após o duelo diante do Bentão.

Com o triunfo, o Santos chegou aos 16 pontos e ultrapassou Ponte Preta e Mirassol. A Macaca, também com 16, perde no número de vitórias. Já o Leão foi derrotado pelo Palmeiras, nesta quarta-feira, e parou nos 14 pontos.

“Equipe fez boa partida, jogou no campo do São Bento. Jogaram com consistência. O Santos faz um campeonato que joga de maneira superior, porém os resultados não vinham. Espero que voltemos à normalidade. A equipe mostra maturidade grande. A derrota no domingo apagou muita coisa. Temos mostrado comportamento maduro”, concluiu Dorival.

Bueno ‘esquece’ gol perdido no clássico e agradece confiança de Dorival

Os últimos três dias não foram nada fáceis para Vitor Bueno. Após perder um gol inacreditável contra o Palmeiras, no último domingo, na Vila Belmiro, o meia foi alvo de críticas através de redes sociais e a torcida chegou a pedir para o técnico Dorival Júnior sacá-lo da equipe. Porém, o comandante bancou a permanência do camisa 7 e ele correspondeu na noite desta quarta-feira, quando abriu o placar para o Peixe na vitória por 2 a 0 sobre o São Bento, em Sorocaba.

Artilheiro do alvinegro no Campeonato Paulista, com quatro gols, Bueno agradeceu a confiança do treinador e também acredita que a chance perdida contra o Verdão já é página virada em sua carreira.

“Aquele lance foi infeliz, não pode errar, assumo, peço desculpas, ninguém merece. Não foi porque errei o gol que perdemos, jogamos bem. Já passou. Vamos esquecer. Fui contestado nas redes sociais. Procuro absorver tudo e no jogo pude mostrar o valor. Agradeço ao Dorival pela confiança, sempre me ajudou. Nunca falou que eu estava ameaçado no time. Acho que fiz uma boa partida hoje e fui premiado com o gol. Mas o importante foi ter saído com os três pontos”, ressaltou o camisa 7 na saída do gramado.

Destaque na vitória santista, Lucas Lima dedica gol a irmão internado

A vitória de 2 a 0 sobre o São Bento, nesta quarta-feira, em Sorocaba, serviu para mostrar como o Santos é dependente de Lucas Lima. No primeiro tempo, o meia pouco produziu e o Peixe ficou aquém do esperado. Porém, em apenas 13 minutos da etapa final, o camisa 10 deu assistência para Vitor Bueno marcar e logo depois anotou o seu gol, decretando o triunfo alvinegro.

Decisivo, Lucas Lima comemorou a aliviada na pressão em cima da equipe e ainda revelou um drama familiar. O irmão mais novo do meia possui autismo e está internado por ter sofrido um acidente. O camisa 10, inclusive, dedicou o gol à família.

“Sem dúvida (alivia a pressão). Uma partida onde tínhamos que sair com o resultado, contra uma equipe difícil, com jogadores rodados. Essa vitória é para o meu irmão, que está internado. Não foi uma semana tranquila, mas a minha família me deu todo o suporte para vir a campo”, explicou o santista.

Frágil na Vila, Santos alcança topo do Paulista com vitórias fora de casa

O Santos sempre foi conhecido pela força que tem dentro da Vila Belmiro. Porém, o estádio centenário não vem ajudando o Peixe nesta temporada. Afinal, foram três derrotas em cinco jogos, número superior a temporada inteira de 2016, quando o alvinegro perdeu apenas duas vezes durante todo o ano. Em contrapartida, a equipe comandada por Dorival Júnior foi buscar bons resultados fora de casa, como o triunfo sobre o São Bento, nesta quarta-feira, em Sorocaba, e alcançou a liderança do grupo D do Campeonato Paulista.

Ao todo, os santistas conquistaram três vitórias longe de seus domínios, contra Red Bull Brasil, São Bernardo e São Bento, respectivamente. Além disso, o clube ainda arrancou um empate diante do Ituano. A única derrota fora da Vila foi para o rival Corinthians, em Itaquera, no último dia 4 de março.

E para seguir no topo do grupo D e alcançar a vagal nas quartas de final do Paulista, o Santos terá mais um compromisso longe da Baixada. No próximo sábado, o Peixe visita o Santo André, às 15h (de Brasília), no estádio Bruno José Daniel, no ABC.

Já na última rodada da primeira fase, os comandados de Dorival Júnior recebem o Novorizontino, na quarta-feira, às 21h45. Teoricamente, o alvinegro conta com a força da Vila Belmiro para concretizar a classificação. Porém, o retrospecto recente pode deixar o torcedor santista apreensivo.

DESEMPENHO DO PEIXE NO PAULISTÃO:

Santos na Vila (duas vitórias e três derrotas: seis pontos conquistados)
Santos 6 x 2 Linense
Santos 1 x 3 São Paulo
Santos 0 x 1 Ferroviária
Santos 2 x 0 Botafogo
Santos 1 x 2 Palmeiras

Santos fora (três vitórias, um empate e uma derrota: 10 pontos conquistados)
Red Bull Brasil 2 x 3 Santos
Ituano 0 x 0 Santos
Corinthians 1 x 0 Santos
São Bernardo 1 x 4 Santos
São Bento 0 x 2 Santos


Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Atlético Sorocaba 1 x 2 Santos

Data: 10/03/2013, domingo, 18h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 11ª rodada
Local: Estádio Municipal Walter Ribeiro, em Sorocaba, SP.
Público: 8.472 pagantes
Renda: R$ 387.810,00
Árbitro: Flávio Rodrigues de Souza
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho e João Edílson de Andrade.
Cartões amarelos: Da Silva e Wellington (AS); Cícero (S).
Cartão vermelho: Vagner Benazzi (AS).
Gols: Montillo (15-1) e André (46-1); Tiago Marques (03-2).

ATLÉTICO SOROCABA
Marcelo Moretto; César, Murilo e Wellington; Tiago Baiano (Júnior Timbó), Da Silva (Rai), Gilberto, Bruninho e Carlinhos; Tiago Marques (Jorge Preá) e Marquinhos.
Técnico: Vagner Benazzi

SANTOS
Rafael; Bruno Peres, Edu Dracena, Durval e Emerson Palmieri; Renê Júnior, Arouca, Cícero e Montillo (Felipe Anderson); Giva (Patito Rodriguez) e André.
Técnico: Muricy Ramalho



Sem Neymar, Montillo desencanta e Santos bate Sorocaba fora de casa

Argentino marca pela primeira vez com a camisa do clube a abre o caminho para a vitória por 2 a 1 pelo Campeonato Paulista

Sem poder contar com o suspenso Neymar, o Santos contou com uma boa exibição do meia Montillo para derrotar o Atlético Sorocaba, por 2 a 1, na noite deste domingo, no Estádio Walter Ribeiro. O argentino desencantou e abriu o caminho para a vitória, com André marcando o segundo gol. Tiago Marques descontou para os donos da casa.

O triunfo levou os santistas para a terceira colocação do Campeonato Paulista, agora com 21 pontos. O Atlético Sorocaba, por sua vez, caiu uma posição e ocupa o 17º lugar na tabela, com apenas nove pontos ganhos.

Na próxima rodada, o Santos recebe o Guarani, sábado, a partir das 18h30 (de Brasília), na Vila Belmiro. Já os sorocabanos visitam a Ponte Preta, no domingo, às 18h30, no Moisés Lucarelli.

O jogo

Após um começo de jogo equilibrado, o Santos abriu o placar logo em sua primeira chance de gol. Aos 15 minutos, o volante Arouca puxou rápido contra-ataque, tabelou com o lateral Bruno Peres e, após driblar o goleiro Marcelo Moretto, encontrou Montillo, livre, para chegar antes da zaga adversária e cabecear para o fundo das redes: 1 a 0 para o Peixe. Este foi o primeiro gol do argentino, contratação mais cara da história do clube praiano, com a camisa 10 santista.

No minuto seguinte, quase veio a resposta sorocabana. Carlinhos fez boa jogada pela esquerda, escapando de Bruno Peres e cruzando rasteiro para a área, na direção de Bruninho, que dentro da grande área, desperdiçou a chance de empatar, finalizando por cima do gol de Rafael.

Na busca pelo empate, o Atlético criou mais uma boa oportunidade logo depois. Aos 19, após cobrança de falta de Bruninho, Wellington e Murilo tentaram o arremate dentro da pequena área, mas a bola rebateu em André e ficou nas mãos do goleiro, que impediu o empate.

Os sorocabanos continuaram pressionando e, aos 40, tiveram mais uma chance para empatar. Desta vez, Tiago Marques fez boa jogada pela esquerda e bateu cruzado. Rafael desviou a bola, mandando-a para escanteio.

Depois de ver o seu gol ameaçado, o Santos conseguiu encaixar um bom ataque no final do primeiro tempo, ampliando a sua vantagem. Aos 46, Cícero driblou Murilo, que viu a bola passar por entre as suas pernas, antes de o meia cruzar com perfeição para o toque de cabeça de André, anotando o segundo gol dos visitantes.

Porém, a vantagem construída na primeira etapa diminuiu logo após o intervalo. Aos três do segundo tempo, Tiago Marques aproveitou falha de Renê Júnior e correu em direção ao gol, antes de dar um toque por cima de Rafael, descontando para o Atlético Sorocaba.

Dois minutos depois do gol sofrido, o time santista quase voltou a abrir uma vantagem de dois gols sobre o oponente. Montillo fez boa jogada pelo meio e encontrou André livre. O centroavante tentou acertar o ângulo de Marcelo Moretto, mas a bola passou ao lado do gol sorocabano.

Mais tarde, o Santos fez a sua primeira alteração na partida. Aos 15, jovem Giva deu lugar ao argentino Patito Rodrigues. Pouco depois, aos 19, Rai entrou na vaga de Da Silva no Atlético Sorocaba. Aos 27, Vagner Benazzi mexeu mais uma vez no time da casa, sacando Tiago Marques e colocando Jorge Preá em campo.

Com os sorocabanos atacando bastante, na tentativa de chegar ao gol de empate, o Santos passou a explorar também os espaços deixados pelo adversário, nos contra-ataques. Aos 30, o Peixe quase balançou as redes outra vez, mas André viu Marcelo Moretto fazer boa defesa em chute da entrada da área.

Benazzi, que aos 37 promoveu sua última substituição no Atlético Sorocaba, tirando Tiago Baiano para a entrada de Júnior Timbó, foi expulso dois minutos depois, pela reclamação com relação a um lance contra a arbitragem.

Nos minutos finais, Muricy sacou Montillo, um dos destaques do jogo, para a entrada de Felipe Anderson. Os santistas conseguiram frear o ímpeto dos donos da casa, na busca pelo empate, e ainda tiveram uma boa chance de gol, em jogada individual de Felipe Anderson. Desta forma, o clube da Vila Belmiro garantiu mais uma vitória no Paulistão.

Bastidores – Santos TV:

Mesmo com vitória, Muricy vê defeitos e projeta evolução santista

“Com a qualidade do nosso plantel, a gente não pode jogar tão pouco”, disse o treinador

A vitória do Santos sobre o Atlético Sorocaba, por 2 a 1, na noite deste domingo, no Estádio Walter Ribeiro, não deixou o técnico Muricy Ramalho completamente satisfeito. Para o treinador, o Peixe ainda precisa evoluir para mostrar um melhor futebol em campo. Muricy destacou que o elenco será cobrado para que cresça.

“Acho que a gente tem que se cobrar, claro. Com a qualidade do nosso plantel, a gente não pode jogar tão pouco. Hoje (domingo) foi um pouco melhor, mas a transição não está boa. Estamos com muita correria, precisamos de mais troca de passes”, analisou.

O comandante santista, porém, lembrou que o importante é que a equipe apresente uma melhora de rendimento para chegar mais fortalecido na reta final do Campeonato Paulista. Atualmente, o Peixe é o terceiro colocado no Estadual, com 21 pontos ganhos.

“No futebol, a vitória dá confiança. Contra o Sorocaba, valeu mais por isso. Mas estamos trabalhando forte e acreditamos que esse time vai dar liga. A equipe vai crescer, quando chegar perto do mata-mata (decisivo do Paulistão)”, encerrou.

Muricy elogia Montillo, mas pede paciência por melhor futebol

Meia contratado por R$ 16 milhões marcou seu primeiro gol pelo Santos na vitória por 2 a 1 sobre o Atlético Sorocaba

Contratado por 6 milhões de euros (R$ 16 milhões), o meia Montillo é a contratação mais cara da história do Santos. A sua transferência para a Vila Belmiro foi cercada de bastante expectativa, mas o futebol irregular do argentino nos primeiros jogos gerou algumas críticas da torcida. Porém, com o gol marcado por Montillo diante do Atlético Sorocaba, no último domingo, Muricy Ramalho disse confiar na evolução do jogador.

“Sinceramente, a gente ainda espera mais do Montillo. Mas é preciso ter paciência com ele. Contra o Sorocaba, ele correu muito, além de fazer o gol e uma bonita jogada (para uma finalização perigosa) do André, no segundo tempo”, analisou o treinador.

Insatisfeito com as suas primeiras exibições com a camisa alvinegra, Montillo chegou a solicitar um trabalho especial à comissão técnica do Santos. O meio-campista intensificou a sua preparação física, visando recuperar o tempo perdido no início da pré-temporada do clube.Devido aos detalhes finais da negociação entre a direção santista e a Raposa, Montillo chegou a perder alguns dias de treinamento. Esse fato, na sua avaliação, estava afetando o seu rendimento em campo.

Contente com o comportamento do argentino, Muricy não tem dúvidas de que Montillo vai atingir o seu melhor nível com a camisa 10 do Peixe. “Um atleta não é convocado para a Argentina de graça. Foi como eu falei: temos que ter paciência. Além disso, o time ainda não está tão bem. Tudo vai dar liga na hora certa. O Montillo está entrando em forma e vai evoluir muito. Ele é muito responsável e dedicado. Confiamos muito nele”, concluiu.

Após primeiro gol, Montillo comemora e projeta crescimento no Santos

“Esse gol é muito importante para me dar mais confiança e ao Santos também. Mas o que vale foi ter ajudado o Santos a ganhar”, disse o argentino

Contratação mais cara da história do Santos, o meia Montillo chegou à Vila Belmiro em uma transação que custou 6 milhões de euros (R$ 16 milhões) ao clube praiano, para tirá-lo do Cruzeiro. Após algumas atuações irregulares, o argentino finalmente conseguiu ter maior destaque, na vitória sobre o Atlético Sorocaba, neste domingo, no Estádio Walter Ribeiro, e marcou o seu primeiro gol com a camisa do Peixe.

O meio-campista comemorou o tento anotado contra o Galo, aos 15 minutos do primeiro tempo, porém dividiu os méritos pelo gol com o volante Arouca, responsável pela jogada e pela assistência.

“Esse gol é muito importante para me dar mais confiança e ao Santos também. Mas o que vale foi ter ajudado o Santos a ganhar. Foi uma felicidade enorme. Mas tenho que destacar todo o lance do Arouca, o grande esforço dele para que a bola chegasse para mim”, disse Montillo.

Sobre o rendimento da equipe, o meia acredita que o time alvinegro ainda irá crescer bastante. “Nós passamos um sufoco, não foi fácil jogar aqui (em Sorocaba). É um campo muito grande. Sabemos que precisamos jogar mais e, só com o tempo, a gente vai melhorar. Não digo só eu, mas o time todo. O Santos não estava jogando bem e está crescendo. Temos muitas caras novas e o time ainda está se entrosando”, concluiu.

Satisfeito, Cícero vibra com passe para gol e vê Santos crescendo

Jogador ficou satisfeito com o resultado e vibrou com a atuação contra o Sorocaba, na qual deu o passe para o segundo gol

O meia Cícero comemorou a vitória do Santos sobre o Atlético Sorocaba, por 2 a 1, na noite deste domingo, no Estádio Walter Ribeiro. O jogador ficou satisfeito com o resultado e vibrou com a atuação contra o Galo, na qual deu o passe para o segundo gol do Peixe, marcado pelo centroavante André.

“Fui feliz no drible (sobre Murilo) e vi o André entrando sozinho. O Muricy (Ramalho) pede para eu dar uma saída a mais, subir ao ataque. Mas nós, volantes, nos desdobramos um pouco”, disse Cícero.

Sobre o futebol apresentado pela equipe santista, o meio-campista destacou que o time alvinegro esteve bem em campo e está evoluindo, apesar das críticas recentes. “Fomos felizes nesses dois lances (gols), mas a tendência é melhorar cada vez mais. A equipe está de parabéns pela vitória e por essa recuperação”, comentou.

Cícero mostrou otimismo e crê que, assim que o Alvinegro Praiano estiver com os seus jogadores 100% fisicamente e mais entrosados, a equipe estará fortalecida para a reta final do Campeonato Paulista.

“Sabemos que estamos no início da temporada, mas já estamos com um físico melhor. Estamos treinando bastante fisicamente e temos que saber suportar o ritmo dos jogos. É assim, jogando, que nós vamos evoluir”, encerrou.

São Bento 1 x 1 Santos

Data: 12/01/2006
Competição: Campeonato Paulista – 1ª rodada
Local: Estádio Walter Ribeiro, em Sorocaba, SP.
Árbitro: Philippe Lombard
Auxiliares: Márcio Luiz Augusto e Maria Eliza Correia Barbosa
Cartões amarelos: Neto, Léo Lima, Celsinho (S); Márcio Santos, Fábio Carioca (SB).
Gols: Luciano Henrique (26-2); Genílson (28-2).

SÃO BENTO
Fabiano; Fábio Carioca (Leandro Moreno), Marcelão, Márcio Santos e Tita; Jeci, Rincón, Magal e Celsinho (Genílson); Emerson e Marciano (Alcimar)
Técnico: Roberto Fonseca

SANTOS
Fábio Costa; Neto, Julio Manzur, Luís Alberto e Kléber; Fabinho, Maldonado, Wendell (Léo Lima) e Giovanni (Luciano Henrique); Cláudio Pitbull e Luizão (Geílson)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Renovado, Santos começa ano com um empate

O Santos contratou o técnico Vanderlei Luxemburgo, demitido do Real Madrid. Com ele, 14 reforços chegaram à Vila Belmiro. Na estréia de cinco destas novidades, contudo, o time do litoral decepcionou sua torcida. Jogando em Sorocaba, a equipe alvinegra não apresentou bom futebol e obteve um empate por 1 a 1 com o São Bento na noite desta quinta-feira, na primeira rodada do Campeonato Paulista.

O principal ponto negativo do Santos nesta quinta-feira foi o meio-campo, que não conseguiu acertar seu posicionamento. “Faltou um pouco de movimentação e ficamos perdidos, principalmente no primeiro tempo”, admitiu o meia Giovanni.

A maior prova de que o Santos não se encontrou é que a equipe litorânea só cresceu quando dois reservas (Luciano Henrique e Léo Lima) entraram nos lugares de Wendell e do próprio Giovanni, que estavam apagados.

Até o técnico Vanderlei Luxemburgo reconheceu que o Santos ficou abaixo do que podia nesta quinta-feira. “É claro que o trabalho está no início, e isso faz muita diferença. O grupo sofreu muitas mudanças e precisa assimilar isso”, ponderou o comandante.

No entanto, o empate não foi suficiente para o treinador perder confiança em seu elenco: “Não sei quando estaremos no ritmo ideal, mas sei que temos potencial e podemos crescer bastante durante a competição”.

Na segunda rodada do Campeonato Paulista, São Bento e Santos entrarão em campo no domingo. O time de Sorocaba jogará às 16h, na Rua Javari, contra o Juventus. Mais tarde, às 18h10, a equipe alvinegra receberá o Mogi Mirim na Vila Belmiro.

O jogo
Time que mais investiu para a disputa do Campeonato Paulista, o Santos começou o confronto com o São Bento com cinco reforços entre os titulares. As modificações fizeram com que a equipe do litoral sentisse falta de entrosamento, sobretudo no início do confronto desta quinta-feira, e não conseguisse criar oportunidades para marcar.

Diante da falta de entrosamento do Santos, o São Bento começou a partida desta quinta-feira pressionando o time alvinegro. “Nossa equipe foi muito bem nos 20 primeiros minutos, marcando muito forte e com bastante movimentação”, analisou o meia Celsinho, do clube do interior.

O ritmo intenso que o São Bento imprimiu no início, porém, não teve vida longa. Aos poucos, o Santos encontrou seu espaço em campo e acabou com a pressão do rival. “Nós estávamos recebendo uma marcação muito forte, mas começamos a tocar a bola e melhoramos”, analisou Giovanni.

Quando começou a tocar a bola com qualidade, o Santos criou duas oportunidades para marcar. A primeira aconteceu com o lateral-direito Neto, estreante, que cobrou falta por cima do travessão. Depois, Cláudio Pitbull invadiu a área pela esquerda, driblou Fábio Carioca para o meio e chutou fraco, nas mãos do goleiro Fabiano.

A evolução que o Santos apresentou no primeiro tempo, contudo, cessou com o intervalo. O time do litoral diminuiu o ritmo no período complementar e viu nova pressão do São Bento. “Temos que aproveitar os espaços que temos no meio-campo”, avisou o técnico Roberto Fonseca, da equipe do interior.

Após as investidas do São Bento no início, o Santos aprimorou a qualidade nos passes e voltou a diminuir o ritmo da partida. “Precisamos ter tranqüilidade para acertar os lançamentos no momento certo e pegarmos a defesa deles desprevenida”, avisou o centroavante Luizão.

Quando acertou um lançamento, realmente, o Santos abriu o placar. Kléber fez lindo passe para Luciano Henrique aos 26min. O meia, que havia entrado no lugar de Giovanni, dominou com o pé direito e tocou de esquerda, por cobertura, na saída de Fabiano.

Só que a vantagem do Santos durou pouco. Dois minutos depois do gol, Magal fez linda jogada pelo meio e tocou na esquerda para Genílson. O atacante dominou e chutou de pé esquerdo, da meia-lua, no canto esquerdo de Fábio Costa, para empatar o confronto.

São Bento 0 x 0 Santos

Data: 30/07/2000, domingo.
Competição: Amistoso
Local: Estádio Walter Ribeiro, em Sorocaba, SP.
Público e renda: N/D
Árbitro: Silvio César Talarico (SP).

SÃO BENTO
Fábio; Lima (Gravatá), Domingos, Vanderlei e Esquerdinha; Márcio Santos, Júnior, Ingá e Fabinho (Juninho); Valdir (Sidney) e Lúcio.
Técnico: Nenê

SANTOS
Pitarelli; Michel, André Luís, Claudiomiro e Rubens Cardoso (Dutra); Anderson Luís, Renato (Valdo), Baiano e Robert (Aílton); Dodô (Júlio César) e Eduardo Marques (Deivid).
Técnico: Giba