Navegando Posts marcados como William

União São João 2 x 2 Santos

Data: 31/03/2005, quinta-feira, 20h30.
Competição: Campeonato Paulista
Local: Estádio Hermínio Ometto, em Araras, SP.
Público: 1.395 pagantes
Renda: R$ 15.970,00
Árbitro:Phillipe Lombard
Auxiliares: Válter José dos Reis e Ednilson Corona
Cartões amarelos: Paulinho Kobayashi e Alexsandro (U).
Gols: Juliano (30-1); William (12-2), Deivid (17-2) e Juliano (46-2).

UNIÃO SÃO JOÃO
Luciano, Jorginho, Félix, Diguinho e Guilherme (Reinaldo); Marcelo (Tiago) (Michel), Pires, Alex Sandro e Juliano; Paulinho Kobayashi e Borges.
Técnico: Luiz Carlos Ferreira

SANTOS
Mauro, Bóvio, Halisson, Domingos e Flávio; Rogério, Beto, Cadu (Fábio Baiano) e Rossini; Evando (Deivid) e William (Basílio).
Técnico: Gallo



Santos cede empate no final e não tem mais chances

Jogando mal, o Santos apenas empatou com o União São João fora de casa na noite desta quinta-feira e, mesmo com a vitória da Portuguesa por 2 a 1 sobre o até então invicto São Paulo, o time do litoral não tem mais chances matemáticas de chegar ao título do Campeonato Paulista e continua com um jejum que dura desde 1984 no Estadual.

O time comandado pelo técnico Gallo fez um primeiro tempo muito ruim, saindo para o intervalo perdendo por 1 a 0. Apenas no segundo tempo o time melhorou a postura ofensiva e conseguiu a virada para 2 a 1.

Quando o jogo caminhava para a vitória santista, no entanto, aos 46min do segundo tempo, os donos da casa conseguiram chegar ao empate por 2 a 2 e acabaram com as chances do Santos na competição.

Antes do jogo, o técnico Gallo surpreendeu ao escalar um time sem uma série de jogadores titulares. Ricardinho e Robinho, que estavam com a seleção brasileira até ontem, por exemplo, sequer viajaram para Araras.

Além dos “selecionáveis”, no entanto, Gallo também deixou de fora do jogo outros titulares. O lateral Paulo César sequer foi relacionado para ficar como opção no banco de reservas.

Estas opções, no entanto, foram a salvação da equipe no início do segundo tempo. Colocando Fábio Baiano e Deivid nos lugares de Cadu e Evando respectivamente, o treinador conseguiu aumentar o poder do setor ofensivo e a equipe chegou a alcançar a virada, perdida apenas no último lance do jogo.

Com o resultado, o Santos foi a 32 pontos, nove a menos que o São Paulo. A equipe da Vila Belmiro ainda pode alcançar o time tricolor caso vença as três partidas restantes e o adversário saia derrotado de seus três jogos.

Contudo, ainda assim o São Paulo ficaria na frente, graças ao critério de maior número de vitórias. Com nove conquistadas até agora, o Santos só poderia chegar a 12 sucessos, contra 13 já conquistados pelo time tricolor.

Já o União São João, com o empate, conseguiu abrir dois pontos de distância para o primeiro time da zona de rebaixamento. Com 17 pontos, o União ocupa a 16ª posição, imediatamente à frente do Rio Branco, primeiro entre os times que seriam rebaixados se o campeonato terminasse agora.

No próximo domingo, o Santos enfrenta o São Paulo no estádio Wilson de Barros, em Mogi Mirim, no jogo que pode garantir o título para o time do Morumbi.

A partida, inicialmente marcada para acontecer na Vila Belmiro, foi transferida para o interior do estado pela diretoria santista, que não queria ver o adversário conquistar o título na casa do Santos.

No entanto, o esperado era que o São Paulo conquistasse o título já nesta quinta-feira, pois dependia apenas de uma vitória sobre a ameaçada Portuguesa.

Com o resultado negativo, no entanto, o time comandado por Emerson Leão agora espera conquistar o título contra o Santos, mesmo que não seja jogando na casa do adversário. Para isso, precisa apenas de um empate.

O jogo

Sem o entrosamento necessário, a equipe do Santos começou a partida encontrando muita dificuldade. A marcação no meio de campo não conseguiu parar o setor de armação do União São João e permitiu que o time do interior chegasse perto da área com facilidade.

No entanto, a criatividade da equipe do União São João, também limitada, não foi suficiente para levar o time a criar chances reais de abrir o placar. E a maioria das jogadas criadas foram interrompidas pela defesa santista antes da conclusão a gol.

A primeira chance real veio apenas aos 11min de jogo. O atacante Borges, do União, chutou forte de fora da área e o goleiro Mauro precisou se esticar para tocar na bola com a ponta dos dedos. Ela ainda tocou no travessão antes de sair para escanteio.

O Santos só conseguiu mostrar algum poder ofensivo aos 18min, após falha de Diguinho. O zagueiro do time do interior perdeu a bola no meio de campo e o atacante William puxou o contra-ataque do Santos pela esquerda do ataque.

Pouco antes de chegar à área do União, William fez o passe para Evando, que vinha chegando sozinho na meia lua da grande área. O atacante, porém, não conseguiu pegar em cheio na bola e o chute acabou saindo fraco, sem grande perigo para o goleiro Luciano.

Nos minutos seguintes, as duas equipes passaram a se preocupar quase que exclusivamente com a marcação, e o jogo ficou concentrado no meio de campo, com muitas faltas e passes errados.

Somente aos 30min este cenário foi alterado, com o primeiro gol da partida. Em cobrança de falta com o pé esquerdo pela direita do ataque o capitão do União São João, Juliano, conseguiu colocar a bola no canto esquerdo, fora do alcance de Mauro.

Após abrir o placar, o União ainda tentou aumentar com uma seqüência de bons ataques, mas todos acabaram em desarmes da defesa santista. Enquanto isso, os visitantes não conseguiram criar.

A única ameaça de reação da equipe comandada pelo técnico Gallo veio aos 42min da etapa inicial. Depois de cruzamento na área, Evando apareceu bem e dividiu com o goleiro, mas acabou não conseguindo marcar.

Na volta do intervalo, Gallo colocou em campo os titulares Fábio Baiano e Deivid, mas as alterações não fizeram efeito imediato. A primeira oportunidade criada, aos 6min, foi do União.

O atacante Borges recebeu lançamento pela direita e, invadindo a área, chutou forte, mas por cima do gol de Mauro.

Aos 12min, finalmente o time da Vila Belmiro entrou no jogo e conseguiu empatar a partida. Deivid chutou forte de longe e no rebote, William precisou tentar duas vezes para conseguir marcar.

Depois do primeiro, não demorou a vir a virada. O atacante Deivid, de fora da área, acertou belo chute com a bola no alto. O goleiro Luciano falhou feio ao tentar segurar a bola e o Santos marcou o segundo.

Na frente no placar, o Santos passou a dominar o jogo, trocando passes no meio de campo e prendendo a bola no ataque com o atacante Deivid. Com isso, o União São João não conseguiu voltar a ameaçar o goleiro Mauro.

Apenas na última jogada da partida, já aos 46min do segundo tempo, o União voltou a chegar na área santista. E foi o suficiente para o meia Juliano marcar seu segundo gol na partida e conseguir o empate para os donos da casa.

Santo André 3 x 2 Santos

Data: 23/03/2005, quarta-feira, 21h45.
Competição: Campeonato Paulista – 14ª rodada
Local: Estádio Bruno José Daniel, em Santo André, SP.
Público:
Renda: R$
Árbitro: Cleber Wellington Abade
Auxiliares: Marinaldo Silvério e Tercio Roberto Thomson Nogueira
Cartões amarelos: Da Guia, Richarlyson e Ramalho (SA), Beto e Luís Augusto (S).
Gols: Deivid (21-1); Richarlyson (16-2), Rodrigão (25-2), William (38-2) e Leandrinho (41-2).

SANTO ANDRÉ
Julio César; Diego, Fernando e Da Guia; Dodô (Rodrigão), Richarlyson, Ramalho, Rafinha e Romerito; Leandrinho (Rodrigo Sá) e Sandro Gaúcho (Leandro).
Técnico: Sérgio Soares

SANTOS
Mauro; Flávio (Evando), Leonardo, Ávalos e Giba; Beto, Bóvio, Fábio Baiano (William) e Luís Augusto (Fernando Diniz); Basílio e Deivid.
Técnico: Serginho Chulapa (interino)



Santos perde no ABC e se afasta do título

Nem mesmo toda a “malandragem” do técnico interino Serginho Chulapa fez o Santos recuperar o bom futebol da temporada passada. Nesta noite de quarta-feira, o Alvinegro perdeu por 3 a 2, de virada, para o Santo André, no estádio Bruno José Daniel, e se afastou ainda mais da briga pelo título do Campeonato Paulista.

Desde que assumiu temporariamente o comando da equipe, mesmo depois do anúncio da contratação de Gallo para a vaga de Oswaldo de Oliveira, o ex-centroavante deu preferência à conversa para reerguer o moral dos atletas na reta final do Campeonato Paulista.

Em campo, no entanto, o time não rendeu o esperado e voltou a cometer os mesmos erros defensivos do empate com o América, domingo passado, na Vila Belmiro. Além disso, o ataque não funcionou sem Robinho e Ricardinho, que estão servindo a Seleção Brasileira.

Com o tropeço no ABC, o Santos permanece com 28 pontos, em segundo lugar, e vê o São Paulo disparar ainda mais na liderança da competição. O Tricolor venceu o Guarani por 2 a 1, em Campinas, abriu dez pontos e se aproximou ainda mais da conquista do título.

Já o Santo André, que também passou por uma troca de comando na semana passada – saiu Luiz Carlos Ferreira para a entrada de Sérgio Soares -, se recupera e agora soma 23 pontos, em quinto.

A derrota, aliás, faz o Santos chegar a marca de três jogos seguidos sem vencer longe de casa. O último resultado positivo obtido diante do Litoral aconteceu no dia 23 de fevereiro, quando goleou o Rio Branco por 5 a 1, no estádio Décio Vitta, em Americana.

O Santo André também não vinha em um bom momento no Paulistão. O time perdeu os três últimos jogos, mas agora volta a se aproximar da parte de cima da tabela. Na Libertadores, o clube ainda não venceu. Até agora, conquistou dois empates e uma derrota.

Na próxima rodada, já sob o comando de Galo, o Santos recebe a Internacional, sábado, às 16h, na Vila Belmiro. O Santo André enfrenta o São Paulo, no mesmo dia e horário, no estádio do Morumbi.

O jogo

Sem Robinho, Ricardinho e Léo, o Santos começou a partida tendo dificuldade para sufocar o Santo André. Apesar disso, o time do Litoral conseguia tocar a bola e via em Deivid seu principal homem de frente para atrapalhar a defesa adversária.

Logo aos 3min, o avante recebeu passe na entrada da área e chutou forte. O goleiro Júlio César, bem colocado, defendeu com segurança e não deu rebote para o ataque visitante.

Três minutos depois, os donos da casa responderam e da mesma forma. Ramalho pegou rebote na intermediária e soltou a bomba para boa defesa de Mauro no centro do gol.

E foi explorando a velocidade de Deivid que o Santos chegou ao primeiro gol. Aos 20min, o avante foi lançado e acabou puxado pelo zagueiro Da Guia. Penalidade máxima marcada pelo árbitro. Na cobrança, o próprio Deivid colocou o Alvinegro em vantagem.

Com o gol, o Peixe passou a dominar o confronto. Aos 23min, Basílio recebeu passe livre na área e bateu cruzado. A bola saiu pela linha de fundo, assustando o arqueiro do Santo André.

Apenas nos minutos finais da primeira etapa, o time da casa voltou a pressionar. Entretanto, com dificuldade para fazer a bola chegar até Sandro Gaúcho, a equipe pouco produziu.

Na volta do intervalo, o Ramalhão procurou sufocar no inicio, mas a primeira oportunidade de gol veio com o Santos. Aos 6min, Fábio Baiano cobrou falta, Deivid subiu livre de marcação, mas cabeceou por sobre a meta.

Com o gramado pesado, o técnico Sérgio Soares optou por colocar o centroavante Rodrigão no lugar do ala Dodô. Com isso, o time passou a ter dois jogadores atuando dentro da área adversária.

O empate, no entanto, não demorou a sair. Aos 16min, Richarlyson arriscou chute de longe, o goleiro Mauro pulou atrasado no lance e a bola entrou no fundo do gol santista.

A igualdade no marcador animou o Santo André. Três minutos após o empate, foi a vez do meia Rafinha testar a atenção de Mauro. Ele chutou de fora da área, a bola desviou em um zagueiro e o goleiro fez boa defesa.

Aos 25min, entretanto, o clube do ABC chegou à virada. Depois de cruzamento da direita feito por Rafinha, Rodrigão apareceu na área e, de peixinho, desviou de cabeça para anotar o segundo de sua equipe na partida.

Praticamente fora da briga pelo título com a derrota, o Santos passou a se arriscar de qualquer forma no campo de ataque. Aos 33min, Bóvio ficou com a bola na área, se livrou de dois marcadores e tocou para William. O avante bateu por cima e perdeu boa chance

Aos 38min, o atacante não desperdiçou. Deivid chutou forte, o goleiro Júlio César deu rebote e William apareceu para concluir e deixar a partida igual novamente.

Três minutos mais tarde, o Santo André fez o terceiro. Em rápido contra-ataque, Rodrigão lançou Leandrinho na cara do gol para colocar sua equipe em vantagem e garantir a vitória.

Paysandu 1 x 1 Santos

Data: 28/11/2004
Competição: Campeonato Brasileiro – 2º Turno – 43ª rodada
Local: Estádio do Mangueirão, em Belém, PA.
Público: 24.385
Renda: R$ 284.174,00
Árbitro: Wilson de Souza Mendonça (PE)
Cartões amarelos: Alexandre Fávaro, Lecheva, Alexandre, Ernani e Leonardo (P); Ávalos, Antonio Carlos e André Luiz (S).
Gols: Alonso (07-1); William (35-2).

PAYSANDU
Alexandre Fávaro; Maurinho, Alex Pinho, Flávio Tanajura e Alonso; Lecheva, Sandro, Alexandre e Ernani (Luis Fernando); Zé Augusto e Leonardo (Balão)
Técnico: Vágner Benazzi

SANTOS
Mauro; Ávalos, Antônio Carlos (Marcinho) e André Luiz; Flávio, Fabinho (William), Zé Elias (Paulo César), Ricardinho e Léo; Deivid e Basílio
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Santos empata com o Paysandu, mas segue próximo do Atlético-PR

O Santos “apenas” empatou por 1 a 1 com o Paysandu, neste domingo, no estádio Mangueirão, em Belém (PA), e perdeu a chance de assumir a liderança do Campeonato Brasileiro. O time paulista saiu atrás no placar, mas o atacante William, aos 35min do segundo tempo, igualou.

A equipe de Vanderlei Luxemburgo, no entanto, foi favorecida pelo empate do líder Atlético-PR, que ficou no 3 a 3 com o Grêmio, em Erechim (RS), após estar vencendo a partida por 3 a 0. Se tivesse vencido, o Santos seria líder, pois superaria o Atlético-PR no número de vitórias.

Antes de chegar à igualdade, o Santos desperdiçou um pênalti e teve dois gols anulados. Com o resultado, o Santos permanece na vice-liderança, com 80 pontos –dois a menos do que o Atlético-PR.

Restando três rodadas para o fim da competição, o Santos não poderá mais contar com o apoio integral de sua torcida, já que foi punido pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) com a perda de mandos de campo e terá de jogar seus jogos restantes longe da Vila Belmiro.

No próximo domingo (dia 5 de dezembro), os santistas irão enfrentar o Grêmio, em São José do Rio Preto (SP), no estádio Benedito Teixeira, o Teixeirão. No dia 12, pegam o São Caetano, no ABC, e no dia 19 encerram sua participação contra o Vasco em local ainda a definir.

Com a partida deste domingo, o Santos completou 43 dias sem atuar na Vila Belmiro. A última partida em casa foi no dia 16 de outubro, quando venceu a Ponte Preta por 4 a 0.

Já o Paysandu, que agora não ganha há seis rodadas, chegou aos 49 pontos e não afastou o fantasma da zona de rebaixamento. Os paraenses recebem o desesperado Guarani no dia 5.

O jogo

Dentro de campo, os problemas de Luxemburgo começaram pelas ausências do atacante Robinho, com problemas pessoais, e dos meias Preto Casagrande, suspenso, e Elano, machucado. Os desfalques foram sentidos logo no início do primeiro tempo.

Aos 7min, após uma bela jogada pela direita, com direito até a “drible da vaca” sobre seu marcador, o atacante Leonardo cruzou na medida para o lateral Alonso, já dentro da área, marcar de cabeça: 1 a 0.

Um minuto depois, Basílio deu o troco, também de cabeça, após cruzamento da esquerda, mas o juiz anulou o gol, aceitando a marcação de impedimento do auxiliar.

A melhor chance do Santos chegar ao empate aconteceu aos 14min, quando Alexandre Fávaro derrubou o atacante Deivid dentro a área e o árbitro assinalou pênalti. O goleiro paraense ainda levou cartão amarelo pela falta.

Alexandre Fávaro defendeu a primeira cobrança de Deivid, caindo no canto direito. O santista ainda pegou o rebote e marcou, mas o juiz mandou voltar, alegando invasão dos jogadores do Paysandu. Ai foi a vez do goleiro paraense voltar a brilhar na segunda cobrança, dessa vez no canto esquerdo.

No segundo tempo, o Santos voltou a errar nas finalizações. E quando marcava não valia. Assim como na etapa inicial o juiz anulou um gol, dessa vez de William, alegando impedimento, aos 18min.

Mas aos 35min, o insistente William mudou a história ao aproveitar, agora em condição legal, o cruzamento da esquerda do meia Ricardinho: 1 a 1.

LDU 3 x 2 Santos

Data: 03/11/2004
Competição: Copa Sul-Americana – Quartas de Final – Jogo de ida
Local: Estádio Casa Blanca, em Quito, Equador.
Renda e público: N/D.
Árbitro: René Ortubé (BOL).
Cartões: Reasco, Murillo, Aguinaga (L), André Luís, Mauro, Márcio (S).
Cartão vermelho: Zé Elias (S).
Gols: Murillo (14-1), William (20-1), Ambrosi (37-1); Basílio (06-2) e Salas (39-2).

LDU
Jacinto Espinoza; Reasco, Giovanny Espinoza, Espínola, Ambrosi; Obregón, Urrutia, Aguinaga, Luis Gómez (Castillo); Murillo (Montoya) e Salas.
Técnico: Juan Carlos Oblitas.

SANTOS
Mauro; Leonardo, Antônio Carlos, André Luís; Flávio (Domingos), Márcio, Zé Elias, Preto Casagrande, Luís Augusto; Basílio e William (Marcinho).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo.



Santos leva gol no fim e perde da LDU

Faltou pouco para o Santos voltar do Equador com um bom resultado pela Copa Sul-Americana. No entanto, a equipe brasileira não resistiu à pressão da LDU e acabou derrotada por 3 a 2, nesta quarta-feira à noite, pelas quartas-de-final do torneio.

O gol da vitória da LDU foi marcado aos 40min do segundo tempo por Salas, após muita pressão da equipe equatoriana. William, ainda no primeiro tempo, e Basílio, no início da etapa final, fizeram os gols santistas.

O jogo da volta está marcado para a próxima quarta-feira, na Vila Belmiro. Para avançar à semifinal, o Santos precisa de uma vitória por dois gols de diferença. Vitória por um gol leva a decisão para os pênaltis. A LDU se classifica com um empate.

Disputando o título do Campeonato Brasileiro, enfrenta o Criciúma no próximo domingo, o Santos mais uma vez utilizou uma equipe B na competição continental. Em Quito, a equipe santista contou apenas com 15 jogadores. Tanto que Júlio Sérgio, terceiro goleiro do Santos, ficou como opção no banco para jogar no ataque.

Pressão inicial

Como sempre faz em seus jogos diante da sua torcida, a LDU pressionou o Santos nos primeiros minutos da partida. Aos 4min, Murillo deu o primeiro susto na equipe brasileira, chutando de fora da área. A bola passou perto do gol de Mauro.

Sempre arriscando no ataque, o time equatoriano abriu o placar aos 15min. Novamente Murillo recebeu, desta vez pela esquerda do ataque da LDU. O jogador cruzou a bola, que foi direto para o gol, surpreendendo o goleiro santista.

Com a vantagem no placar, os donos da casa continuaram melhor em campo, atuando sempre no campo de ataque. O Santos, acuado, pouco conseguiu sair de seu campo de defesa para buscar o empate.

Porém, em uma de suas primeiras boas chegadas ao ataque, o time da Vila Belmiro buscou o empate. Aos 21min, a zaga da LDU marcou mal, William recebeu livre e marcou na saída do goleiro Espinosa.

Depois de empatar a partida, o Santos conseguiu manter as ações ofensivas equilibradas, evitando a pressão da LDU. Tanto que o time do Equador só voltou a ameaçar aos 30min. Obregon chutou de fora da área e a bola passou perto do gol santista.

Saindo mais para o ataque, o Santos acabou abrindo espaço em sua zaga. E, perdendo a bola no meio campo, o time alvinegro levou o segundo gol. Aguinaga deu ótimo passe para Ambrossi. Dentro da área, o jogador da LDU cortou Antônio Carlos e marcou.

No início do segundo tempo, a LDU tentou buscar logo o terceiro gol. Mas permitiu o contra-ataque santista. Assim, aos 7min, o Santos novamente empatou. Basílio avançou sem marcação, driblou o goleiro Espinosa e deixou tudo igual.

Os anfitriões voltaram a pressionar. Neste momento, o Santos contou com seu goleiro e com a trave para evitar o gol. Em duas ótimas defesas, aos 7min e aos 8min, Mauro salvou sua equipe. Aos 9min, foi a vez da bola tocar a trave santista, após cabeçada de Reasco.

Com o Santos todo recuado e buscando apenas os contra-ataques com Basílio, a LDU seguiu pressionando durante todo o segundo tempo. As principais tentativas, porém, foram em chutes de fora da área. Mauro, goleiro santista, continuou mostrando segurança.

Após tanto insistir, os donos da casa finalmente conseguiram chegar ao terceiro gol, aos 40min. Salas aproveitou uma sobra de bola na meia-lua da área santista e bateu de primeira. Mauro ainda desviou a bola, que tocou na trave, mas acabou entrando.



Créditos:
Ficha técnica: Fernando Ribeiro

Santos 3 x 0 Paraná

Data: 04/09/2004
Competição: Copa Sul-Americana – Fase Preliminar – Jogo de Volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 3.949 pagantes.
Renda: R$ 32.040,00.
Árbitro: Alício Pena Júnior (MG).
Cartões amarelos: Deivid, Lelo, Elano (S), Fernando Lombardi (P).
Gols: Elano (43-1); Basílio (14-2) e William (23-2).

SANTOS
Mauro; Flávio (Bóvio), Ávalos, Domingos (André Luís), Márcio; Lelo, Marcinho, Luís Augusto, Elano; Deivid (Basílio) e William.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

PARANÁ CLUBE
Flávio; Alex Silva (Etto), Fernando Lombardi, João Paulo, Edinho; Messias, Beto, Fernando (Marcel), Cristian; Maranhão (Sinval) e Galvão.
Técnico: Paulo Campos.