Santos é campeão Paulista após 22 anos

Última conquista na competição havia sido em 1984, com gol de Serginho Chulapa

Em pé: Galvão, Jardel, Heleno Faísca, Cléber Santana, Wendel, Roger, Àvalos, Ronaldo Guiaro e Fabinho. Agachados: Magnum, Maldonado, Geílson, Rodrigo Tabata, Kléber, Neto, Reinaldo, Léo Lima e Fábio Costa.



História:

Por Leonardo Devezas

O Santos não conquista um título Paulista desde 1984 quando Serginho Chulapa mandava para as redes corintianas a bola do décimo quinto título Paulista. Desde o surgimento da segunda geração dos Meninos da Vila em 2002 e a conquista do bicampeonato Brasileiro, a maior sina do Santos é o jejum Paulista.

Estivemos perto da conquista em 2000, 2001 e 2004, mas o título não veio, parece que o Santos não estava destinado a conquistar o Estado mesmo obtendo êxito nas esferas Nacional e Internacional. Visando o projeto da quebra do jejum, o Santos traz de volta o técnico Wanderlei Luxemburgo, recém-saído do Real Madrid. Após a confusão do Campeonato Brasileiro de 2005, com muitos investimentos e poucos resultados, Luxemburgo dispensa diversos jogadores do elenco, inclusive o ídolo Giovanni.

Para o lugar de jogadores como Luizão e Cláudio “Pitbull”, Luxemburgo sugere alguns jogadores do clube paranaense Iraty, que é ligado ao sócio de Luxemburgo, Sérgio Malucceli, e o famoso empresário Juan Figger. Essa atitude gera alguns protestos na Vila Belmiro, principalmente pelos jogadores pouco conhecidos que chegaram a Cidade: Cléber Santana, Gilmar, Galvão, Leandro, entre outros.

Além da parceria Santos-Iraty, chegam ao clube os atacantes: Reinaldo (Kashima Reysol) e Jonas (Guarani); o meia: Rodrigo Tabata (Goiás) e o zagueiro Julio Manzur (Club Guarani-PAR). Outro fato marcante foi o retorno do goleiro Fábio Costa, que havia jogado o Brasileiro pelo Corinthians no ano anterior.

Após a contratação de praticamente um time inteiro, o Santos inicia sob muita desconfiança o Campeonato Paulista, tanto por parte da Imprensa como da própria torcida. Porém, essa desconfiança não dura muito tempo. Depois de um início instável, o Santos engata uma série de vitórias consecutivas pela vantagem mínima, fazendo com que seus torcedores acreditassem na conquista do tão esperado título. Alguns jogadores se destacam na campanha como Manzur e Maldonado pela segurança defensiva e Jonas que chegou fazendo gols logo em seus primeiros jogos.

O sistema tático do Santos era forte e compacto, o time não brilhava, totalmente contrário a sua história, mas encantava pela aplicação e dedicação em campo. Jonas acaba se machucando e um outro atacante assume a posição de jogador decisivo, Reinaldo. O atacante que já havia passado por outros grandes do Brasil, resolve o jogo que seria o do “título”, a vitória sobre o Juventus em um Pacaembú completamente lotado.

Na sequência do campeonato o Santos teria mais três jogos a realizar, contra Bragantino, São Paulo e Portuguesa na Vila. O duelo contra o Bragantino foi mais tranqüilo, vitória por 3 x 1 contra um time arrumado, que no ano seguinte decidiria uma vaga na final contra o próprio Santos. O jogo contra o São Paulo poderia decidir o título antecipadamente, caso o Santos vencesse, abriria larga vantagem e não poderia mais ser alcançado. O São Paulo, tendo a obrigação de vencer, acaba conquistando a vitória e o sentimento dos santistas é de frustração e a sina da “fila” paulista volta a assombrar a Vila Belmiro. Todos se lembram dos confrontos com o São Paulo em 2000, Corinthians em 2001 e São Caetano em 2004, “será que bateremos na trave novamente?”.

Era dia 09/04/2006, o aniversário do Santos se aproximava, apenas cinco dias separavam a celebração dos 94 anos de história para o jogo decisivo do Paulistão 2006. O Santos entra no gramado perto das 16h, a Vila Belmiro lotada com milhares de santistas com o coração na mão e os mais temidos e esperançosos pensamentos vagando nas mentes alvinegras. Dias antes, outro tabu é lembrado pela Imprensa, desde 1965 o Santos não levanta uma taça na Vila. Mais pressão, mais questionamentos e para balancear, mais esperanças, o Santos joga contra a Portuguesa que briga contra o rebaixamento.

O São Paulo joga em Itu, contra o time da casa e não tem outra possibilidade senão vencer. A bola rola, um sol escaldante ilumina o Templo Sagrado do futebol, em campo não são mais “reis” que desfilam, mas súditos dedicados que honram a camisa branca. Após 23 minutos de apreensão, principalmente quando os alto-falantes anunciaram o gol do São Paulo contra o Ituano, uma das contratações contestadas no início do ano abre o caminho para o tão aguardado título santista, Cléber Santana. O Estádio explode em alegria e o temor vai se dissipando pouco a pouco. Não demora muito e o time que durante todo o campeonato fez valer de sua defesa o melhor ataque, conseguiu um gol bem apropriado para o futebol do Santos no ano, em uma bola lançada para Reinaldo o zagueiro da Lusa joga para suas próprias redes.

O São Paulo também amplia e vai fazendo sua parte, mas a Taça já era do Santos. Em uma novidade lançada pela FPF, a taça viria do “céu”. Um helicóptero fica no aguardo dos resultados das partidas de Santos e Itu para saber aonde deverá entregar o tão cobiçado troféu. As emissoras de TV acompanham o trajeto feito pelo representante da FPF enquanto os jogos caminham para o fim, após o apito final, a Taça desce no gramado da Vila, que há 31 anos não via alguém erguê-la em suas terras. Os santistas vêem um título Paulista após 21 anos e era só o começo de uma hegemonia que perdura até então.



Elenco:
Clique aqui e conheça o elenco que conquistou o Paulistão de 2006.



Resultados:

#
Data
Ficha Técnica
Local
Vídeo
1 12/01/2006 São Bento 1 x 1 Santos Walter Ribeiro
2 15/01/2006 Santos 2 x 0 Mogi Mirim Vila Belmiro
3 19/01/2006 Paulista 3 x 1 Santos Jaime Cintra
4 22/01/2006 Santos 3 x 2 Marília Vila Belmiro
5 29/01/2006 América 2 x 3 Santos Teixeirão
6 02/02/2006 Santos 3 x 0 Santo André Vila Belmiro
7 05/02/2006 Port. Santista 2 x 1 Santos Anacleto Campanella
8 08/02/2006 Santos 1 x 0 Noroeste Vila Belmiro
9 12/02/2006 Corinthians 0 x 1 Santos Morumbi
10 19/02/2006 Santos 1 x 0 Ponte Preta Vila Belmiro
11 25/02/2006 Santos 1 x 0 Rio Branco Vila Belmiro
12 01/03/2006 São Caetano 2 x 3 Santos Anacleto Campanella
13 05/03/2006 Santos 1 x 0 Palmeiras Vila Belmiro
14 12/03/2006 Guarani 2 x 1 Santos Brinco de Ouro
15 19/03/2006 Santos 2 x 0 Ituano Vila Belmiro
16 25/03/2006 Juventus 1 x 2 Santos Pacaembu
17 29/03/2006 Santos 3 x 1 Bragantino Vila Belmiro
18 02/04/2006 São Paulo 3 x 1 Santos Morumbi
19 09/04/2006 Santos 2 x 0 Portuguesa Vila Belmiro


Classificação Final
   
PG
J
V
E
D
GP
GC
SG
%
1 Santos
43
19
14
1
4
33
19
14
75.4
2 São Paulo
42
19
13
3
3
46
21
25
73.7
3 Palmeiras
36
19
11
3
5
37
28
9
63.2
4 Noroeste
34
19
10
4
5
34
26
8
59.6
5 São Caetano
32
19
9
5
5
26
23
3
56.1
6 Corinthians
31
19
9
4
6
43
24
19
54.4
7 Rio Branco
30
19
9
3
7
34
28
6
52.6
8 Juventus
27
19
8
3
8
31
28
3
47.4
9 Ituano
27
19
7
6
6
27
23
4
47.4
10 América
25
19
8
1
10
25
30
-5
43.9
11 São Bento
25
19
7
4
8
23
27
-4
43.9
12 Paulista
25
19
7
4
8
28
33
-5
43.9
13 Ponte Preta
25
19
6
7
6
24
24
0
43.9
14 Bragantino
24
19
6
6
7
24
26
-2
42.1
15 Santo André
21
19
6
3
10
26
38
-12
36.9
16 Marília
20
19
5
5
9
25
34
-9
35.1
17 Guarani
19
19
4
7
8
24
31
-7
33.3
18 Portuguesa
18
19
5
3
11
21
30
-9
31.6
19 Portuguesa Santista
17
19
5
2
12
22
38
-16
29.8
20 Mogi Mirim
10
19
2
4
13
18
40
-22
17.5

PG: Pontos – J: Jogos – V: Vitórias – E: Empates – D: Derrotas – GP: Gols pró – GC: Gols contra – SG: Saldo de gols – %: Aproveitamento



Artilharia do Campeonato:
18 gols – Nilmar (Corinthians)
10 gols – Thiago (São Paulo)
09 gols – Marcos Aurélio (Bragantino) e Fabiano Gadelha (Rio Branco)

Artilheiros do Santos FC:
05 gols – Léo Lima
04 gols – Jonas e Luiz Alberto
03 gols – Cléber Santana, Magnum e Reinaldo
02 gols – Fabinho, Geílson, Manzur e Rodrigo Tabata
01 gol – Luciano Henrique e Wendel

Regulamento:
O Campeonato Paulista de 2006 foi disputado por 20 equipes em pontos corridos, num turno único de 19 rodadas em que todas os times jogaram entre si.

Seria campeã a equipe que somasse mais pontos. Em caso de empate entre dois ou mais times, o vencedor seria definido obedecendo os seguintes critérios, nesta ordem: maior número de vitórias, melhor saldo de gols, maior número de gols marcados, vantagem no confronto direto (exclusivo quando o empate ocorrer apenas entre dois clubes), sorteio público na sede da FPF.

Ao final da competição, as quatro equipes que somassem menos pontos seriam rebaixadas à Série A-2 do Campeonato Paulista. Em caso de igualdade em pontos, seriam observados os mesmos critérios de desempate que determinam o campeão.



Galeria de fotos:
Para mais fotos vire as páginas que estão abaixo da galeria.

Créditos:
Fontes: Jornal Diário de Sâo Paulo, Jornal Folha de São Paulo e UOL.
Fotos: internet
Vídeos: Site oficial do Santos, TV Tribuna, Globo e UOL.
Colaborou: Leonardo Devezas